Projetos APTA em todas as unidades, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

846 projetos ativos encontrados - pág. 9 de 29

AVALIAÇÃO MULTIDIMENCIONAL DA SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS PESQUEIROS MARINHOS E ESTUARINOS DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

n° SGP 1510

A pesca extrativa é uma das mais antigas atividades realizadas pelo homem e apresenta até os dias de hoje grande importância como fonte de renda, emprego e alimento para uma considerável parcela da população, tanto no âmbito nacional, como mundial. O Estado de São Paulo possui o sistema de monitoramento pesqueiro marinho e estuarino mais abrangente do Brasil, com a realização de cerca de 80 mil entrevistas anuais com pescadores ao longo de toda sua costa. Complementarmente também foram realizados recentemente um Censo da Pesca e um Projeto de Caracterização Sócioeconômica da Atividade de Pesca e Aquicultura. Estas iniciativas geraram um grande volume de informações detalhadas sobre a atividade pesqueira no Estado que deve ser sumarizado e analisado de forma a facilitar sua utilização na orientação de políticas públicas e no subsídio à gestão do uso dos recursos pesqueiros. Propõem-se para tal a aplicação do método Rapfish, técnica de avaliação multidisciplinar que permite determinar o estado da sustentabilidade das pescarias por seus aspectos ecológicos, econômicos, éticos, sociais, tecnológicos e institucionais de acordo com os parâmetros indicados pelo Código de Conduta para a Pesca Responsável da Organização.

Ver detalhes do projeto

  Antônio Olinto Ávila da Silva      IP

CARACTERIZAÇÃO DA RESISTÊNCIA VARIETAL DE Solanum tuberosum AOS PRINCIPAIS VETORES DE VÍRUS: Bemisia tabaci - MEAM 1 e Myzus persicae UTILIZANDO-SE A TÉCNICA DE ELECTRICAL PENETRATION GRAPH (EPG)

n° SGP 1509

Os fitovírus na cultura de batata são muitas vezes limitantes, reduzindo a produção e elevando seu custo de produção. Entre os principais insetos-vetores envolvidos no processo de transmissão e disseminação dos fitovírus, atualmente destacam-se dois: i) Mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B – MEAM1 (Hemiptera: Aleyrodidae) um problema emergente na produção desta hortaliça, principalmente por estar associado na transmissão de Begomovirus e Crinivirus, de forma persistente circulativa e semi-persistente respectivamente, provocando perdas de até 100% da produção e, ii) afídeo: Myzus persicae (Hemiptera : Aphididae), o “pulgão verde do pessegueiro” responsável pela disseminação de um grande número de vírus, destacando-se os Polerovirus de transmissão persistente circulativa e os Potyvirus de maneira não-peristente. A utilização excessiva de agroquímicos visando o controle de insetos vetores na cultura de batata, seleciona indivíduos resistentes aos principais princípios ativos em uso. No entanto, um dos métodos de controle utilizados é o emprego de variedades resistentes, visando o controle do inseto-vetor ou dos fitovírus envolvidos. Esta é uma forma de controle preventiva que pode ser incluída em programas de manejo integrado de pragas. Este trabalho tem como objetivo analisar o grau de resistência a estes insetos em cinco variedades/clones de batata: Agata, Atlantic, Asterix, Clones CH1-A e CH1-B empregando a técnica de monitoramento eletrônico (EPG), caracterizando o comportamento alimentar do inseto no interior do tecido vegetal, até a sua chegada ao floema, local de aquisição e transmissão de vírus. Além disto serão realizados estudos de antixenose (não preferência), antibiose (desenvolvimento) e teste livre escolha, avaliando a preferência do inseto entre os tratamentos na presença e ausência de luz, em resposta aos voláteis emitidos. Para a realização do monitoramento eletrônico será utilizado o equipamento EPG Giga8, acoplado a um computador, onde a aquisição e análise dos dados serão realizadas através do software Stylet’d Dataq. Os demais experimentos serão realizados em gaiolas entomológicas no Laboratório de Estudo de Vetores, IB (LEV/IB). Os testes contarão com 20 repetições/variedades (EPG) e os demais ensaios contarão com três blocos de 10 repetições/variedades. Posterior a isto se realizará ensaios de múltipla escolha avaliando a resposta a voláteis, tentando determinar o princípio da resistência varietal. Após a apreciação dos registros de EPG, dos testes de antixenose e antibiose e do ensaio de livre escolha se realizará análise estatística empregando-se o programa Statview 4.01. Se dará uma escala de notas quanto a resistência e suscetibilidade às pragas em questão para poderem ser empregadas inicialmente em um programa de Manejo Integrado de Pragas nas Regiões produtoras.

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

Implantação de Manejo Integrado de Pragas na cultura de batata/MANEJO E CARACTERIZAÇÃO DE INSETOS VETORES E FITOVÍRUS EM ÁREAS DE PRODUÇÃO DE BATATA-SEMENTE E DE CONSUMO

n° SGP 1508

O Brasil cultiva anualmente cerca de 130 mil hectares de batata, com uma produção média de 3,5 milhões de toneladas do tubérculo/ano. Em geral, como em todas as culturas, a lavoura de batata é atacada por uma razoável quantidade de espécies de ácaros e insetos-praga. Tanto a parte aérea como a parte subterrânea da batata são hospedeiras de diversas espécies, as quais podem causar expressivos danos, que podem ser diretos (redução de área fotossintética, danos e deformações a tubérculos) ou indiretos (alterações fisiológicas, depauperamento de plantas, produção de fumagina e principalmente transmissão de fitopatógenos, com destaque para os fitovírus) dependendo das condições climáticas e da variedade cultivada.

Nas últimas décadas o aumento da área de produção de batatas está relacionado diretamente às pragas que causam danos consideráveis e reduzem a produtividade. Segundo Salas, a batata é uma das culturas em que mais se utiliza agroquímicos, se comparado com outras grandes culturas e hortaliças, como o tomate. Na opinião do pesquisador, o Manejo Integrado de Pragas (MIP) pode ser a solução, pois o aumento contínuo da produção pode intensificar ainda mais o uso de agroquímicos, e por isso, a busca por alternativas é essencial e a implantação do MIP é uma das mais promissoras.

De acordo com a ABBA (Associação Brasileira da Batata) e o Pesquisador do IB/SP, as principais pragas que atingem a bataticultura são:  mosca branca (Bemisia tabaci) Biotipo B, mosca-minadora (Liriomyza huidobrensis), pulgões (Machrosiphum euprorbiae eMyzus persicae), tripes (Thrips palmi e Thrips tabaci), lagarta mede palmo (Pseudoplusia includens) na parte aérea e a larva alfinete (D. speciosa) e traça (Phthorimaea operculella) na parte subterrânea, ou seja, que atingem diretamente o tubérculo.

ABBA é uma associação composta por produtores, empresas parceiras e instituições de pesquisa e ensino que atuam em atividades relacionadas à Cadeia Brasileira da Batata, são cerca de 120 produtores que representam 50% de toda a produção nacional do tubérculo. O IB/SP em conjunto com outros centros de pesquisa e produtores, têm desenvolvido trabalhos para a implantação do MIP em batatas em busca da consolidação da prática. No entanto, a resistência dos produtores na adesão de novas tecnologias no controle de pragas ainda é a maior dificuldade encontrada no setor. Algumas áreas carentes para desenvolver trabalhos  com estas parcerias, são: identificar as plantas hospedeiras de vírus e insetos quando não se encontra a cultura em campo; a flutuação populacional de insetos vetores; caracterização de diversos fitovírus, inclusive a sua transmissão por semente; novas formas de transmissão em laboratório; principais pragas, neste último caso destacando a mosca branca Bemisia tabaci Biotipo B e demais insetos vetores, mas já de prontidão para a chegada do Biotipo Q, detectado em 2014 no Sul do Brasil e importante praga na Europa atuamente pois atualmente está deslocando o Biótipo B graças a sua grande resistência aos neonicotinóides , o que causa grande preocupação”.

A ABBA aponta que a baixa adesão dos produtores ao Manejo Integrado de Pragas se dá pela falta de informações e resultados concretos. Segundo Shimoyama a ABBA tem como uma de suas principais atividades proporcionar informações, porém, em se tratando de MIP, a quantidade de informações é pequena. Sem dúvida é fundamental desenvolver e introduzir o MIP em batata devido a necessidade de controle de diversas pragas. Em geral, a técnica não tem sido praticada na produção de batata devido a falta de pesquisas e de resultados práticos que sejam convincentes.

O MIP deve ser apresentado como uma alternativa ao uso indiscriminado de agroquímicos, aliando novas metodologias e técnicas no controle de pragas e doenças, pois, além dos inconvenientes já conhecidos causados pelos agroquímicos, o grande número de aplicações também acarreta no aumento do custo da produção. Para tal é necessário um salto tecnológico e a quebra de paradigmas  para se dar início a sua implantação (MIP). Temos muitos trabalhos realizados e produzidos por escolas de agronomia e institutos de pesquisa, mas de nada servem se não são divulgados em linguagem clara e direta aos produtores, por isto cabe aos especialistas a árdua tarefa de conciliar estes resultados divulgá-los e tentar aplicá-los em campo, era a antiga extensão, muito esquecida hoje em dia, graças a necessidade por produtividade dos pesquisadores para desta maneira poder pleitear a auxílios junto a agências de fomento”.

Segundo estudo publicado por pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), um programa de MIP bem estruturado pode diminuir o custo com defensivos em até US$ 30,00 por hectare. “A implantação do MIP, além dos custos, os impactos ambientais, reduzindo a contaminação do meio ambiente e também os riscos à saúde humana, por isto, é de suma importância realizar este salto tecnológico”, recomenda Salas. O controle biológico aplicado é uma das estratégias que pode contribuir para o sucesso de programas de MIP na cultura da batata. A PROMIP tem desenvolvido, em seus laboratórios de entomologia, produtos biológicos tais como o Trichogramma pretiosum (Trichomip-P), microvespa utilizada para o controle de ovos da traça-da-batatinha, P. operculella, e outras mariposas, como a falsa-medideira,Chrysodeixis includens, cujas lagartas causam perdas significativas nesta cultura. 

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

Caracterização de Phaeomoniella de videira no Brasil

n° SGP 1506

A viticultura brasileira tem se tornado uma atividade importante na sustentabilidade da pequena propriedade. A produção de videira no país está concentrada nas regiões Sul, Nordeste e Sudeste, com destaque para os Estados do Rio Grande do Sul, Pernambuco e São Paulo. Fitopatógenos têm prejudicado seriamente as vinhas com doenças, dentre essas, as de tronco causadas por fungos agridem o tecido vascular ameaçando a viticultura. Recentemente, a doença de Petri, que além de complexa e de difícil controle, tem causado sérios problemas fitossanitários, reduzindo a produtividade e a longevidade e, consequentemente, causando a morte de vinhas. A doença de Petri é causada pela combinação de vários fungos, sendo os mais importantes o fungo Phaeomoniella e espécies de Phaeoacremonium. Há poucos estudos com os agentes causais da doença de Petri, principalmente com o fungo Phaeomoniella. A recente detecção deste fungo no Brasil mostra a necessidade de novas pesquisas focando conhecer melhor a sua população. Assim, o objetivo do presente projeto será efetuar uma caracterização dos isolados brasileiros deste fungo.

Ver detalhes do projeto

  César Júnior Bueno      IB

VERIDIANA VICTÓRIA ROSSETTI: A PIONEIRA NA AGRICULTURA PAULISTA ? UMA CONTRIBUIÇÃO À CIÊNCIA AGRÍCOLA. 1941?2000.

n° SGP 1502

O presente projeto tem como objetivo a produção de uma ampla pesquisa sobre a vida científica da Pesquisadora Científica Veridiana Victória  Rossetti, a partir de documentos pertencentes ao acervo do Museu/Centro de Memória do Instituto Biológico (IB) e de outros documentos e objetos de vária ordem, doados pela família  e outros já existentes por doação da própria pesquisadora. O acervo institucional conta com cerca de 3.500 documentos textuais e iconográficos. Do material doado, constam slides, fotografias, documentos textuais, medalhas e troféus, que recebeu por seu trabalho na agricultura do Estado de São Paulo. Junto da sua história, permanece a história da fitopatologia, que agrega a trajetória científica de vários pesquisadores como Agesilau Antonio Bitancourt, Álvaro dos Santos Costa e tantos outros que atuaram incansavelmente na área da fitopatologia. Assim, pretende-se, a partir do material já discriminado anteriormente, e mais a pesquisa a ser feita em outras fontes, documentar a trajetória de Veridiana Victória Rossetti, Pesquisadora Científica do Instituto Biológico, formada em agronomia pela ESALQ. Victória Rossetti foi uma das maiores autoridades em fitopatologia no Brasil e no exterior, deixando, como legado, uma enorme bagagem de trabalhos nessa área do conhecimento

Ver detalhes do projeto

  Nayte Vitiello      IB

Estudo da interação entre o sistema agroindustrial do amendoim e da cana-de-açúcar

n° SGP 1501

O projeto de pesquisa tem por objetivo analisar a interação entre a produção de amendoim e o comportamento do sistema agroindustrial da cana-de-açúcar no Estado de São Paulo, especialmente, no que se refere às áreas de renovação de canaviais. Para tanto, toma como referência a metodologia para estudos das relações de mercado em sistemas agroindústrias, proposta pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) que destaca duas categorias de análise, as estruturas de mercado e de governança. Dessa forma, serão reunidas informações secundárias sobre produção, processamento e comercialização relacionadas ao sistema agroindustrial do amendoim e da cana-de-açúcar a fim de compor a análise das estruturas de mercado; e informações primárias e secundárias para mapear as estruturas de governança. Os resultados alcançados poderão contribuir para a melhor compreensão dos elementos de interação entre os dois sistemas agroindustriais a fim de oferecer subsídios ao planejamento da produção de amendoim e à formulação de políticas públicas.

Ver detalhes do projeto

  Renata Martins Sampaio      IEA

ANTONIO BATISTA FILHO E A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O SETOR DE CONTROLE DE PRAGAS COM MICRO-ORGANISMOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

n° SGP 1497

O Centro de Memória do Instituto Biológico (CEMIB), criado em agosto de 2007, reúne aproximadamente 180.000 documentos textuais, 60.000 fotografias, 17.000 slides em vidro e 3.000 documentos sobre a construção do Instituto Biológico, desde o início do século XX até a presente data. Estes documentos, em sua maioria, são fontes primárias de informações referentes às atividades de pesquisa e prestação de serviços das áreas de atuação da Instituição: sanidade animal e sanidade vegetal e sua relação com meio ambiente. Atuando como um laboratório de pesquisa científica em História da Ciência. O acervo é organizado em várias coleções compostas por nomes de funcionários ou assuntos relacionados às atividades de pesquisa científica com culturas de interesse econômico, técnicas para controle de pragas e doenças, atenção á produtores e criadores, divulgação científica, entre outros. A criação do Instituto Biológico (IB), em 1927, foi devido ao sucesso da “Comissão de Estudo e Debellação para praga Cafeeira” (1924), que foi criada para controle da broca-do-café (Hypothenemus hampei), que atacava os cafezais paulistas. Na época, foram utilizados métodos químico e biológico para controle da broca-do-café. Sendo que o método de controle biológico considerado como inovação teve como um de seus pioneiros o naturalista Adolph Hempel (1870-1949), assistente chefe da Seção de Entomologia e Parasitologia do Museu Paulista, que utilizou a vespinha (Prorops nasuta) para controle da broca, após três anos de trabalho (Rebouças e Bacilieri). Controle Biológico, Objeto de estudo Antonio Batista Filho, engenheiro agrônomo graduado, em 1981, mestre em 1990 e doutor em 1997 pela Escola de Agronomia Luiz de Queiroz/USP. Ingressou no na década dos anos 80 no Instituto Biológico, especialista em agronomia com ênfase na área de entomologia agrícola e atualmente é pesquisador científico nível VI

Os trabalhos do IB em controle biológico mostram que a aliança entre produção e preservação ambiental dá resultados positivos. As pesquisas seguem as orientações do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, de produzir mais, melhor, com segurança do trabalhador e preservação do ambiente”, afirma Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Ver detalhes do projeto

  Nayte Vitiello      IB

Estudo citológico, anatomopatológico e molecular do papiloma vírus bovino (BPV) no trato reprodutivo de vacas.

n° SGP 1496

Os papilomavírus (PV) compõem um grupo altamente diverso de vírus que infectam os epitélios cutâneos e da mucosa, sendo capaz de induzir a lesão hiperplásica na maioria dos mamíferos e aves. No entanto, tem sido relatado que os PV podem ser detectados na pele saudável de seres humanos e animais como agentes comensais. 

O papiloma vírus bovino (BPV) é um agente etiológico associado com diversas formas de papilomas cutâneos e de mucosas. Há seis diferentes tipos de BPV que têm sido distinguidos com base na sequência de DNA. Cada BPV é associado a lesões de tipos específicos: BPV-1 e BPV-2 são classificados como genes Deltapapillomavirus e infectam o epitélio e a derme, dando origem a fibropapilomas; BPV-3, BPV-4, BPV-6 e BPV12 são classificados no gênero Xipapillomavirus e são estritamente epiteliotrópicos, induzindo verdadeiros papilomas epiteliais. O BPV-5 é classificado no gênero Epsilonpapillomavirus e infecta o epitélio e derme, ambos induzindo fibropapilomas e papilomas da pele.

Em bovinos, a citologia oncótica e a histopatologia são pouco empregadas em estudo de lesões pré-cancerígenas.  O que se tem comprovado até o momento é a infecção do BPV no útero de bovinos (PCR), porem não foi comprovada a associação do patógeno às lesões uterinas, por técnicas citológicas e de IHQ.

O conhecimento do impacto reprodutivo do BPV é uma etapa fundamental para justificar o diagnóstico e implantação de ações preventivas contra este agente. 

O projeto objetiva realizar o estudo citológico, anatomopatológico e molecular do BPV no trato reprodutivo de fêmeas bovinas. Será avaliado o  trato reprodutor feminino de bovinos abatidos em frigoríficos, a fim de identificar lesões macroscópicas, realizar as técnicas de Hematoxilina e Eosina (H.E.), Imunohistoquímica através de marcadores anticorpo anti-proteína para identificar o BPV em tecidos, análise de esfregaço de colo uterino para diagnóstico citomorfológico utilizando a coloração de Papanicolaou, utilizar a técnica de PCR para analisar a presença de BPV nas regiões do aparelho reprodutor e sangue, e sequenciamento genômico das amostras positivas de BPV.

Ver detalhes do projeto

  Claudia Del Fava      IB

Pesquisa da toxina ?2 de Clostridium perfringens isolados de animais domésticos e silvestres

n° SGP 1493

O C. perfringens é uma bactéria anaeróbia que faz parte da microbiota intestinal, porém quando em situações de desequilíbrio desta microbiota o C. perfringens se multiplica rapidamente e se difunde via sanguínea, produzindo toxinas rápidas e letais (Popoff, 1989). Nos animais, o quadro de enterotoxemia é caracterizado por uma alta taxa de fatalidade provocando mortes súbitas, lesões de enterite hemorrágica do intestino delgado e, quase sempre, uma ausência de outros sinais clínicos (Songer, 1996).

O C. perfringens é classificado em 5 tipos (A,B,C,D e E) com base na produção de 4 toxinas principais (α, β, ε e ι). Recentemente descobriu-se uma nova toxina  β2 cujo papel na patogenicidade do microrganismo ainda é desconhecido, portanto  o presente estudo propõe caracterizar a presença e quantidade de C. perfringens em amostras de intestino dos animais cuja morte suspeita-se de enterotoxemia, e a presença do gene da toxina β2. 

Ver detalhes do projeto

  Simone Miyashiro      IB

Avaliação do Mycosorb A+ sobre o desempenho e respostas fisiopatológicas de tilápia-do-Nilo alimentadas com rações contendo micotoxinas.

n° SGP 1369

A pesquisa terá como objetivo avaliar o adsorvente de micotoxinas Mycosorb A+ em rações para tilápia do Nilo e sua ação frente aos possíveis fatores deletérios das micotoxinas presentes no alimento. Atualmente é muito comum a presença de várias micotoxinas em matérias primas utilizadas nas formulações de rações para peixes e pouco se sabe sobre a sua ação no metabolismo nutricional. Serão utilizados seis tratamentos T1: Ração a base de milho com micotoxina natural; T2: Ração a base de milho com micotoxina natural + MA+ 0,75 kg/ton; T3: Ração a base de milho com micotoxina natural + MA+ 1,75 kg/ton; T4: Ração a base de milho com micotoxina natural + Afla 1ppm/Fumo 20 ppm, sem MA+; T5: Ração a base de milho com micotoxina natural + Afla 1ppm/Fumo 20 ppm, 0,75 kg MA+ e T6: Ração a base de milho com micotoxina natural + Afla 1ppm/Fumo 20 ppm, 1,75kg MA+. O delineamento será inteiramente casualisado com seis tratamentos e seis repetições.  Os peixes (peso inicial 50g) serão mantidos em um sistema de recirculação de água composto por caixas em PVC com capacidade para 310L, com controle de temperatura, oxigenação e filtro físico e biológico. As rações serão extrusadas no Instituto de Pesca e ao final do período experimental serão avaliados os parâmetros de desempenho produtivo, histopatologia, bioquimica e hematologia clínica.

Ver detalhes do projeto

  Giovani Sampaio Gonçalves      IP

Bioacessibilidade de ferro em bebidas elaboradas a partir de Fe-peptídeos quelados.

n° SGP 1367

      A alimentação e a nutrição são requisitos essenciais para a promoção e proteção da saúde. Muitos nutrientes são considerados essenciais à vida, já que participam de funções bioquímico-metabólicas vitais, como é o caso do ferro. Deficiências de minerais, em geral, podem ocorrer de forma primária, quando a ingestão do mineral é inadequada, ou secundária, quando outros fatores da dieta interferem na absorção ou no metabolismo. Como estratégia para reparar algumas deficiências nutricionais tem se instituído a suplementação mineral. A fortificação de alimentos com ferro para o combate da anemia tem sido um desafio, pois, empregado na forma de sal, a maioria das vezes, o mineral apresenta baixa biodisponibilidade, além de poder acarretar alterações sensoriais e atuar como pró-oxidante lipídico. Por outro lado, os minerais veiculados na forma de complexos ou quelatos apresentam maior biodisponibilidade e estabilidade. Neste contexto, a proposta deste estudo é utilizar hidrolisados proteicos, quelados ao ferro, sintetizados e caracterizados em projeto anterior, para o desenvolvimento de suplementos de ferro na forma de misturas secas para bebidas. As proteínas soro lácteas serão hidrolisadas com o a enzima proteolítica Alcalase® em condições já estabelecidas. Após atingirem ao redor de 20% de grau de hidrólise, o hidrolisado será ultrafiltrado e a fração peptídica com massa molecular menor que 5 kDa será utilizada para reação de síntese dos quelatos com o ferro, neste caso utilizando 0,1% de ferro, proveniente de cloreto ferroso (FeCl2) e o sulfato ferroso (FeSO4). Essas frações serão submetidas a secagem por spray dryer, utilizando um excipiente na secagem para garantir a proteção do composto (encapsulação), as amostras serão caracterizadas e utilizadas como ingrediente para a elaboração de suplementos de ferro, no preparo de misturas em pó solúveis, para comporem misturas secas para bebidas acondicionadas em sachês (20 g). As misturas secas solúveis depois de desidratadas serão avaliadas quanto aos aspectos físico-químicos das partículas, biodisponibilidade do ferro in vitro, a estabilidade do ferro durante o processo de estocagem e análise sensorial com jovens. A bioacessibilidade do ferro ligado nos hidrolisados será avaliada pelas técnicas in vitro de solubilidade e dialisabilidade. Ao final pretende-se desenvolver um suplemento nutricional de elevada biodisponibilidade do ferro, direcionando sua utilização para aplicação na prevenção e combate da anemia ferropriva, utilizando-se as proteínas do soro do leite, uma matéria prima alimentar de alta disponibilidade e elevado valor nutricional.  

Ver detalhes do projeto

  Maria Teresa Bertoldo Pacheco      ITAL

Diversidade genética de fitopatógenos da cultura da cana-de-açúcar

n° SGP 1363

Alguns fitopatógenos da cana-de-açúcar são bem conhecidos quanto a sua forma de ocorrência e dispersão. Mais conhecidos ainda são os problemas que eles causam e a perda de produtividade a estes relacionados. Contudo, as mudanças contínuas no modo de produção de cana-de-açúcar (mecanização, mudanças em leis ambientais, alterações climáticas e outras) criam novos cenários e ambientes mais ou menos propícios a este ou a aquele patógeno.
Estas alterações no meio de produção, proporciona o aparecimento de “novas doenças” ou mudanças comportamentais nas doenças já conhecidas.
Para a grande maioria destes casos, não se sabe se o fitopatógeno presente é o mesmo de anos anteriores ou se houve alguma mudança em sua diversidade.
É neste contexto, que procuramos atuar. Identificando e caracterizando o fitopatógeno quanto a sua diversidade genética para fornecer subsídios para o controle da doença.
Para tanto serão utilizados tanto os métodos clássicos de isolamento e diagnóstico laboratorial, quanto os métodos moleculares.
 

Ver detalhes do projeto

  Luciana Oliveira Souza Anjos      IAC

ESTUDO DA VARIABILIDADE GENÉTICA DE THUNNUS OBESUS E THUNNUS ALALUNGA NO LITORAL SUDESTE E SUL DO BRASIL

n° SGP 1362

Atuns são animais pelágicos pertencentes a família Sconbridae, possuem ampla distribuição mundial devido a grande migração da espécie. São considerados um importante recurso pesqueiro, principalmente na área alimentícia. As espécies de maior valor comercial pertencem ao gênero Thunnus, dentre eles duas espécies analisadas neste estudo: Thunnus obesus, e Thunnus alalunga, popularmente conhecidos como albacora-bandolim e albacora-branca, respectivamente. Considerando a relação direta entre a variabilidade genética de um estoque e sua produtividade total, o presente projeto visa caracterizar a diversidade molecular destas espécies na costa sudeste sul do Brasil, utilizando marcadores moleculares do DNA mitocondrial. Os resultados do presente estudo deverão contribuir com o ordenamento pesqueiro pela delimitação de populações e caracterização de áreas favoráveis à pesca sustentável.

Ver detalhes do projeto

  Alberto Ferreira de Amorim      IP

Avaliação do crescimento e aproveitamento integral de quatro diferentes linhagens da macroalga fresca Kappaphycus alvarezii cultivadas no Litoral Norte de São Paulo

n° SGP 1354

~~Resumo da proposta (até 1.600 caracteres):
 Kappaphhycus alvarezii é uma macroalga vermelha cultivada comercialmente em mais de 20 países pela sua importância como fonte de carragenana kapa, um hidrocolóide industrial utilizado como espessante e emulsificante.  Essa alga também pode ser utilizada como biofertilizante, na composição de rações e fármacos, na extração do bioetanol ou ainda consumida fresca. A espécie foi introduzida no Brasil em 1995 pelo Instituto de Biociências da USP em parceria com o Instituto de Pesca e vem sendo mantida para pesquisa em sistema de cultivo “ tie tie”  na Fazenda Marinha Experimental do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento do Litoral Norte do Instituto de Pesca. Entretanto, a despeito do interesse dos maricultores, o cultivo desta espécie ainda não se consolidou como alternativa produtiva e econômica na região, em razão do desconhecimento dos parâmetros de crescimento e da tecnologia necessária para o seu aproveitamento integral. Neste sentido, o aproveitamento integral desta macroalga no desenvolvimento de produtos de grande potencial no mercado atual, como o extrato de biofertilizante e a farinha, poderá contribuir para a geração de renda e incentivo à implantação de novos cultivos, consolidando a atividade no litoral norte de SP. Os objetivos deste projeto são: 1. A avaliação das taxas de crescimento de quatro linhagens da macroalga ao longo de um ano.; 2. O desenvolvimento de tecnologias de processamento do extrato de biofertilizante e da farinha a partir da macroalga

 

Ver detalhes do projeto

  Valeria Cress Gelli      IP

Desenvolvimento ordenado e potencial da produção da macroalga Kappaphycus alvarezii no Estado de São Paulo para extração do biofertilizante

n° SGP 1353

Resumo

 

A extração dos recursos marinhos passou de uma atividade equilibrada e aceitável a uma dimensão drástica de sobrexplotação. A implantação da atividade do cultivo de algas pode ser uma alternativa viável para mitigar o problema. Esse trabalho tem como objetivo fornecer subsídios técnicos para o desenvolvimento ordenado e responsável da algicultura no Litoral Norte de São Paulo, estudando o efeito do extrato na cultura de alface na agricultura, analisando o potencial e os impactos econômicos da algicultura para a produção de estimulante agrícola propondo o ordenamento espacial das fazendas marinhas de macroalga K. alvarezii utilizando geotecnologias. Serão considerados dados ambientais e tecnológicos da produção de macroalga, a caracterização do sistema produtivo, a situação atual dos cultivos já implantados, a legislação vigente e dados pretéritos de ordenamento. Serão estimados também a viabilidade econômica e o custo da produção, e, por análise prospectiva, serão avaliados cenários considerando-se a produção total de algas para bioestimulante agrícola nas áreas potenciais. Este trabalho poderá contribuir na elaboração de projetos em Políticas Públicas para a implantação de programas que incentivem o desenvolvimento responsável da cadeia produtiva da algicultura contribuindo com a geração de renda e incentivo à implantação de novos cultivos, consolidando a atividade no Litoral Norte de SP.

Palavras-Chave: políticas públicas, ordenamento espacial, maricultura, geotecnologia 

 

 

Ver detalhes do projeto

  Valeria Cress Gelli      IP

AVALIAÇÃO DA PESCA NÃO REPORTADA MARINHA E ESTUARINA NA BAIXADA SANTISTA

n° SGP 1339

Como capturas pesqueiras entende-se o que foi retirada da água, ainda que possa não ser descaregado em terra. Dados de capturas pesqueiras são importantes para emprego  em estudos de avaliação de estoques pesqueiros, bem como no dimensionamento de frotas. Entretanto, somente o que é descarregado (desembarcado) é registrado na estatistica oficial, subestimando as reais capturas. Além disso, existem descargas que não são conhecidas e, mesmo apresentando o melhor e mais antigo registro de capturas pesqueiras no país, diversas lacunas ainda persistem quanto ao conhecimento dos desembarques pesqueiros a longo do Estado de São Paulo. Esta proposta objetiva conhecer e estimar as capturas não reportadas da pesca no litoral da Baixada Santista, motivadas seja pela pulverização dos desembarques da pesca artesanal, de subsistência, da descartada a bordo e da recreativa. Serão empregadas diferentes estratégias de coleta de dados para cada tipo de pesca, consideradas as suas características, incluindo a experiência e a colaboração dos atores envolvidos nessas atividades. Este projeto envolve estudantes de graduação (bolsistas de iniciação científica) e de pós-graduação.

Ver detalhes do projeto

  Acácio Ribeiro Gomes Tomás      IP

Avaliação da qualidade ambiental do Estuário de Santos (SP) com base na pesca e comunidades de peixes e crustáceos.

n° SGP 1338

Os estuários são ambientes de extrema importância, seja por seu valor cênico ou relevância ecológica ao ciclo de vida de muitas espécies marinhas e de água-doce. Em contrapartida, estão entre os ambientes mais afetados por conta de atividades antrópicas. Neste contexto, o Estuário de Santos está inserido em uma das áreas mais urbanizadas do litoral paulista, com vasto histórico de degradação ambiental em decorrência da poluição industrial, portuária e doméstica. Ainda assim, várias atividades são praticadas, como a pesca profissional artesanal e amadora, sustentando uma frágil cadeia produtiva. A constante modificação imposta ao Estuário de Santos por distintos tensores antrópicos e formas de uso, além da própria dinâmica natural, cria um cenário preocupante quanto a gestão. Até o momento os estudos sobre comunidades aquáticas têm figurado apenas em licenciamentos ambientais, não havendo referências para comparações temporais ou diagnósticos aprofundados sobre seu estado atual. Diante desta realidade, pretende-se avaliar a integridade ambiental do Estuário de Santos (SP), com base em indicadores biológicos e populacionais da ictio e carcinofauna, como ferramentas para o monitoramento e gestão ambiental. Para isso serão utilizados diferentes métodos de estudo, pautados em suas distintas eficácias e aplicabilidades ao cenário atual deste estuário. Pretende-se, assim, contribuir diretamente para a gestão do uso deste ambiente, identificação das espécies componentes da ictio e carcinofauna, avaliação da importância ecológica das áreas e seu estado de preservação, com vistas à manutenção do equilíbrio ambiental diante da atual política de expansão portuária.

Ver detalhes do projeto

  Marcelo Ricardo de Souza      IP

Sustentabilidade em propriedades cafeeiras na região nordeste paulista

n° SGP 1327

A importância da cafeicultura brasileira é reconhecida mundialmente, o país é o maior produtor mundial de café, segundo levantamento da CONAB (2015), com uma produção de 44,57 milhões de sacas, sendo o café arábico responsável por 72,4% da produção total. O país também é o maior exportador de café em grão e segundo maior consumidor mundial, com a marca de 20,08 milhões de sacas consumidas no mercado interno em 2013 (ABIC, 2014). O BRASIL é responsável por 35% da produção mundial de café e 27% das exportações, responsável por 5,3% das exportações do agronegócio nacional (CECAFÉ, 2016).  

Devido à queda dos preços internacionais nos últimos anos, a falta de uma política nacional de apoio à cafeicultura e o aumento gradual nos preços dos insumos químicos são fatores que vêm, causando a perda na rentabilidade econômica da atividade e o consequente abandono das lavouras, principalmente pelos pequenos produtores.
Dentro deste contexto observa-se que nos últimos anos os produtores vêm se agrupando em cooperativas e ou associações para tentar permanecer na atividade e a adoção de novas tecnologias e novos processos como: mecanização, irrigação, novos adensamentos e a certificação são ferramentas utilizadas frequentemente pelos produtores, para melhoria da sua renda e permanência na atividade.

Desta maneira, objetivo deste estudo é avaliar as características e analisar o perfil dos produtores de café da região Noroeste do Estado de São Paulo, nos municípios de Caconde, Divinolândia e São Sebastião da Grama, visando auxiliar o desenvolvimento da cafeicultura regional. objetiva-se com este trabalho realizar um diagnostico da sustentabilidade em propriedade cafeeiras na região Nordeste Paulista, utilizando o método de Indicadores de Sustentabilidade de Agroecossistemas-ISA.objetiva-se com este trabalho realizar um diagnostico da sustentabilidade em propriedade cafeeiras na região Nordeste Paulista, utilizando o método de Indicadores de Sustentabilidade de Agroecossistemas-ISA.

Ver detalhes do projeto

  Sebastião de Lima Junior      IAC

Efeitos fisiológicos e bioquímicos da substituição do óleo de peixe por óleo de Plukenetia volubilis em juvenis de truta arco-íris Oncorhynchus mykiss

n° SGP 1320

O óleo de peixe (OP), principalmente de origem marinha, pode ser considerado uma excelente fonte de ácidos graxos altamente insaturados (HUFA) de cadeia longa e essencial nos processos fisiológicos e desempenho produtivo em animais.Contudo, devido à escassez deste produto em decorrência da diminuição dos estoques naturais marinhos, esse recurso limitado é considerado insuficiente para o uso contínuo. Alguns teleósteos dulcícolas têm a capacidade de sintetizar HUFA a partir de ácidos graxos essenciais (EFA) encontrados em alguns óleos vegetais. A Plukenetia volubilis, sacha inchi (SI) é uma planta oleaginosa amazônica, recentemente estudada e produzida no Brasil, com alto teor de EFA e de razão n3/n6 equilibrada representando um potencial alternativa ao uso de OP, no entanto, é necessário investigar os benefícios da sua inclusão em dietas para teleósteos. Com base no exposto, o objetivo deste projeto é avaliar as respostas metabólicas da substituição do OP por diferentes níveis de inclusão do óleo de SI (0, 40, 60 e 100%) na dieta de juvenis de truta arco-íris Oncorhynchus mykiss. Serão avaliados os substratos energéticos, as vias enzimáticas envolvidas na síntese de ácidos graxos (FA) e o balanço corporal de FA no oferecimento deste óleo. O experimento será realizado em duas etapas, na primeira, será avaliada a aceitação das dietas pelas trutas e confirmar os níveis de inclusões propostos. Na etapa seguinte, serão utilizados 240 juvenis distribuídos em oito tanques compondo os quatro tratamentos, durante 12 semanas. Serão realizadas biometrias a cada 14 dias para avaliar o crescimento e, aos 45 e 90 dias serão coletados oito peixes de cada tratamento para análise da composição corporal, e oito peixes para avaliação dos índices somáticos, variáveis bioquímicas, metabolismo lipídico, assim como as enzimas de elongação e dessaturação dos ácidos graxos.

Ver detalhes do projeto

  Neuza Sumico Takahashi      IP

ASSEMBLEIAS ICTIOFAUNISTICAS DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO EM PRAIAS DE SANTOS E SÃO VICENTE (SP)

n° SGP 1314

O presente estudo pretende determinar as assembleias de organismos, bem como as variações espaço-temporais na zona de arrebentação de praias adjacentes aos canais de acesso ao estuário de Santos e São Vicente, a partir de amostragens diuturnas concomitantemente à obtenção de dados de temperatura e de salinidade, precipitação e fases lunares

Ver detalhes do projeto

  Sergio Luiz dos Santos Tutui      IP

ESTUDO DOS EFEITOS DO CONGELAMENTO SOBRE AS CARACTERÍSTICAS CENTESIMAIS DO PESCADO

n° SGP 1313

O pescado nas apresentações “fresco” e “congelado” são as mais comumente consumidas no país, e sabe-se que o tempo de estocagem e a temperatura são os principais fatores que afetam a perda de qualidade e tempo de vida útil do pescado. Considerando este contexto, o presente estudo pretende estudar os efeitos do processo de congelamento sobre as características centesimais do pescado. Amostras de pescado mantidas sob condições controladas de congelamento (-18º C) serão analisadas após um ano de estocagem, para verificar possíveis perdas nutricionais em função deste processo de industrialização. Serão realizadas análises de umidade, teor de proteína, teor de cinzas e teor de lipídios. As análises serão realizadas em triplicata empregando-se metodologias oficiais. Será verificada a existência de diferença significativa entre os dados obtidos para cada espécie na condição fresco e congelado, utilizando-se teste t.

Ver detalhes do projeto

  Rúbia Yuri Tomita      IP

Aproveitamento do resíduo do processamento industrial de palmito Pupunha (Bactris gasipaes) em conserva para a produção de sopa creme de palmito

n° SGP 1310

Esse projeto tem como objetivo o aproveitamento do resíduo do processamento industrial de palmito Pupunha (Bactris gasipaes) em conserva para a produção de sopa creme de palmito esterilizada e mantida a temperatura ambiente. A matéria prima será caracterizada por análises físico-químicas ensaios preliminares serão realizados para definir duas formulações de sopa creme contendo os espessantes carboximetilcelulose (CMC) e farinha de arroz. As formulações serão submetidas ao tratamento térmico de esterilização pelos métodos convencional e asséptico e caracterizadas por análises físico-químicas e reológicas. A sopa esterilizada pelo método convencional será acondicionada em embalagens cilíndricas metálicas (latas de folha de flandres) enquanto que no processo asséptico a mesma será envasada em embalagem cartonada Tetra Brik. As amostras de sopa creme serão armazenadas por 180 dias e avaliadas periodicamente a cada 30 dias, quanto ao pH, a viscosidade, a cor objetiva e os atributos sensoriais de cor, aparência, consistência e sabor. Os resultados das análises serão avaliados estatisticamente quanto à média, desvio-padrão e coeficiente de variação. Os demais resultados referentes ao estudo da estabilidade do produto final serão analisados através Análise de Variância (ANOVA) e testes de média (Tukey).

Ver detalhes do projeto

  Maria Isabel Berto      ITAL

Diagnóstico da fauna íctica do Reservatório de Três Irmãos (Baixo rio Tietê), no período de 2000-2017: subsídios às medidas de manejo sustentável.

n° SGP 1305

A construção de reservatórios com suas barragens têm alterado de forma drástica o curso dos rios, ao longo dos anos, provocando respostas ambientais diversas, como a sucessão de comunidades e a extinção de espécies. Tais mudanças provocam desequilíbrios na estrutura das comunidades, determinando o desaparecimento ou proliferação de espécies e a instalação de organismos invasores de tal forma que algumas espécies, que ocorrem naturalmente em rios, são eliminadas ou reduzidas em sua abundância, enquanto outras encontram no novo ambiente um habitat favorável e tornam-se abundantes. As populações de peixes atingidas por essas modificações acabam sofrendo profundas alterações na composição específica e na estrutura das comunidades de peixes nativos, sendo que as espécies mais atingidas são as reofílicas, ou seja, aquelas que vivem em águas correntes, e que precisam delas para realizar o seu metabolismo geral, sobretudo para a reprodução (piracema). Este trabalho tem como objetivo fazer um levantamento da fauna ictica presente no reservatório de Três Irmãos, pela pesca experimental, com emprego de redes de espera. Para tanto, serão realizadas amostragens sazonais em quatro pontos no corpo do reservatório, representativos dos ambientes lêntico, de transição e lótico, identificando a fauna em termos quali-quantitativos. Com base nos dados disponíveis em Relatórios Técnicos da CESP, será levantada a fauna íctica passada e comparada aos dados atuais, considerando os mesmos pontos de coleta. Após essa etapa e com base na bibliografia disponível, as principais espécies presentes serão caracterizadas em termos bioecológicos, conhecendo suas variações espaciais e temporais, base para a elaboração de um diagnóstico consistente que poderá subsidiar medidas de manejo sustentáveis no uso múltiplo dos recursos aquáticos para este corpo d’água.

Ver detalhes do projeto

  Paula Maria Gênova de Castro Campanha      IP

Seleção de "seedlings" e de clones de cana-de-açúcar na região de Jaú

n° SGP 1303

 A  hibridação de cana-de-açúcar possibilita a obtenção de famílias em alto grau de heterose e ampla variabilidade. Como cultura propagada vegetativamente, a cana-de-açúcar possibilita a fixação do componente genético e as variações fenotípicas serão muito influenciadas pelo ambiente.  Cabe ao melhorista, selecionar os indivíduos superiores, tarefa muitas vezes dificultada quando se trabalha em diferentes ambientes indistintamente, sem a preocupação de caracteriza-los em relação ao seu potencial  edafoclimático.  Nesse projeto propõem-se estudar populações de “seedling”, famílias e clones de cana-de-açúcar para a região de Jaú, estado de São Paulo. Para tanto serão utilizandos critérios conceituais, biométricos, avaliações fitopatológicas e agrotecnológicas para a caracterização e mensuração do potencial  agroindustrial do conjunto de progênies e indivíduos.   A acumulação de dados resultantes  de  observações  em  anos  sucessivos será usada como principal ferramenta para a identificação de variedades regionais. 

Ver detalhes do projeto

  Mauro Alexandre Xavier      IAC

Obtenção de microgéis de farinha de girassol: avaliação das propriedades funcionais e aplicação em bolo

n° SGP 1300

As proteínas são importantes na alimentação e apresentam propriedades funcionais que são utilizadas em diversos alimentos, influenciando especialmente nos atributos sensoriais. Há interesse e necessidade de novas fontes protéicas, alternativas às proteínas animais, e a cultura do girassol apresenta-se como uma opção sustentável e competitiva, fornecendo a farinha de girassol como subproduto da extração de óleo. Uma das aplicações das proteínas é em bolos, nos quais elas atuam como agentes espumantes e emulsificantes, sendo que nas formulações tradicionais as proteínas do ovo desempenham essas funções. Os bolos são produtos de grande aceitabilidade e seu consumo tem crescido nos últimos anos. Este trabalho visa caracterizar a farinha de girassol, e suas proteínas, além de estudar a formação de microgéis em diferentes concentrações de biopolímeros e proporções de proteína:pectina  e suas influências nas propriedades espumantes e emulsificantes das proteínas. Os estudos serão conduzidos em sistema aquoso e em sistema complexo, tais como na formulação de bolos. O objetivo do projeto é a substituição das proteínas do ovo na formulação pela farinha de girassol e obtenção de um bolo com características adequadas e com aceitação pelo consumidor. 

 

 

 

Ver detalhes do projeto

  Mitie Sonia Sadahira      ITAL

Agropolo Campinas-Brazil: roadmap of the strategic areas of research aiming at creating a world-class bioeconomy ecosystem

n° SGP 1294

In this research project will be developed scientific and technological knowledge to structure the Agropolo Campinas-Brasil initiative based on detailed studies about the research already carried out in the Bioeconomy areas (Agriculture, Food, Health, Green Chemistry, and Bioenergy). From this project, it is also expected that Agropolo will create a greater connection between higher education and research institutions and private sector in Campinas city and its region, resulting in differentiated technological research to provide better opportunities to employment and income for Bioeconomy activities in Campinas region. Agropolo Campinas-Brazil is an interinstitutional platform, created on June 26th, 2015. It is based on the concept of "collaborative innovation", inspired on Montpellier, France Agropolis International model. The objective of the Agropolo Campinas-Brazil is to develop Technical Cooperation Projects (TCP) in agriculture, food, biodiversity, bioenergy, chemical green and sustainable areas aiming at the research, development and technological innovation, with extension to other research institutions and companies based in Campinas region, working in selected segments for this cooperation. The Public Policies Project in Bioeconomy (PPPBio) aims:
? to help making this transition from a fossil-based economy to a new sustainable bio-based economy;
? to help on the creation of a series of sustainable bio-based value added products that will all together, combined with the existing present bioeconomy in Brazil, compose the new bioeconomy;
? to integrate the existing knowledge from the Brazilian research institutes and universities with the interests of the private sector, making an economic revolution in Brazil;
? to offer a significant contribution to reduction of GHG. Brazil has already come a long way in this direction but can create wealth, reduce GHG and become a model for other countries.

Ver detalhes do projeto

  Sérgio Augusto Morais Carbonell      IAC

Estudo da obtenção de pães de forma sem glúten à base de derivados de mandioca e avaliação de sua estabilidade

n° SGP 1293

O segmento de produtos sem glúten teve um crescimento significativo na última década, alinhados a tendência de mercado relacionada ao desejo dos consumidores por alimentos mais saudáveis, autênticos e naturais, entre esses os produtos livres de alergênicos. A substituição da rede de glúten é um desafio tecnológico, esta proteína é o principal componente responsável pela estrutura e crescimento do pão, ou seja, pela extensibilidade, tolerância ao amassamento e capacidade de retenção de gás da massa. Assim, torna-se necessário o emprego de múltiplas estratégias. Devido ao alto teor de amido nos produtos sem glúten há uma elevada tendência a retrogradação, refletindo em um envelhecimento mais rápido. Neste projeto pretende-se desenvolver uma formulação de pão de forma sem glúten à base de derivados de mandioca (fécula e polvilho) com características similares ao produto tradicional, estudando a influência dos aditivos: emulsificantes, hidrocoloides e enzimas no produto, visando uma estabilidade de 15 dias.

 

Ver detalhes do projeto

  Carla Lea de Camargo Vianna Cruz      ITAL

Pesquisa de anticorpos contra o vírus da peste suína clássica em matadouros do Estado de São Paulo.

n° SGP 1288

~~Em 26 de maio de 2016, São Paulo e outros 15 Estados do Brasil foram certificados pela Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE), como livres de PSC tendo o MAPA publicado em DOU de 20/07/2016.
Atualmente no Brasil têm ocorrido focos em alguns estados da região Nordeste e Norte, entretanto, esforços estão sendo empregado para tornar todo o território área livre da doença. (OLIVEIRA,2014)
Foi incontestável a atuação do Instituto Biológico de São Paulo em todas as etapas deste processo, tanto no respaldo laboratorial para um diagnóstico preciso, quanto na recomendação de adoção de medidas de controle dos surtos da doença, ao nível das criações, bem como na tomada de importantes decisões junto ao Comitê Estadual de Sanidade Suína.
Atualmente, o status de área livre é garantido neste Estado através de monitoramento sorológico em granjas de suínos certificadas pelo MAPA, monitoramento sorológico de reprodutores em matadouros, controle de trânsito de animais através de barreiras sanitárias e demais ações de vigilância sanitária. Com esta pesquisa estariam sendo também monitorados suínos de granjas comerciais e de criações familiares cujos resultados dariam importantes subsídios ao Serviço de Defesa Animal do Estado.Assim estaremos realizando a vigilância ativa do vírus da PSC, através de pesquisa de anticorpos, em suínos encaminhados à matadouros do Estado de São Paulo.

Ver detalhes do projeto

  Josete Garcia Bersano      IB

Interação Xylella fastidiosa-inseto vetor-planta hospedeira e abordagens para o controle da clorose variegada dos citros e cancro cítrico

n° SGP 1285

A clorose variegada dos citros (CVC) causada pela bactéria Xylella fastidiosa subsp. pauca é uma das doenças mais preocupantes da citricultura brasileira, acarretando danos econômicos na ordem de 100 milhões de dólares por ano com erradicação de plantas doentes, replantio e controle químico dos vetores. A CVC é um problema principalmente brasileiro, pois outros países da América do Sul ou Central onde a doença já foi descrita a atividade citrícola não tem a dimensão da citricultura brasileira. Dessa forma cabe à pesquisa no Brasil estudar e propor alternativas para o controle e/ou manejo mais eficiente, sustentável e com menores custos de produção. Nestes 15 anos do sequenciamento do genoma da X. fastidiosa causadora da CVC, muitos conhecimentos básicos sobre a bactéria foram gerados, posicionando-a entre os dez fitopatógenos bacterianos mais importantes do mundo. Porém, poucos desses estudos focalizaram a interação entre os componentes desse patossistema, bactéria-planta-vetor. Este projeto visa integrar os trabalhos com X. fastidiosa para ampliar e associar as informações sobre os mecanismos genéticos que contribuem para a eficiência adaptativa dessa bactéria, a relação entre sua colonização no hospedeiro e expressão da doença, a interação molecular com o inseto vetor e as respostas genéticas da planta que podem ser usadas, a médio e longo prazo, para controlar de forma mais sustentável e com menor custo de produção os danos causados pela CVC. Ainda, além da X. fastidiosa, o projeto propõe ampliar os estudos com Xanthomonas citri subsp. citri, causadora do Cancro Cítrico, um outro problema fitossanitário que vem tomando proporções cada vez maiores nos pomares paulistas, devido às mudanças recentes de legislação em relação ao controle dessa doença. Assim, devido às similaridades entre os dois fitopatógenos e hospedeiro em comum, algumas abordagens de estudo e estratégias de controle serão usadas para os fitopatógenos X. fastidiosa e X. citri.A clorose variegada dos citros (CVC) causada pela bactéria Xylella fastidiosa subsp. pauca é uma das doenças mais preocupantes da citricultura brasileira, acarretando danos econômicos na ordem de 100 milhões de dólares por ano com erradicação de plantas doentes, replantio e controle químico dos vetores. A CVC é um problema principalmente brasileiro, pois outros países da América do Sul ou Central onde a doença já foi descrita a atividade citrícola não tem a dimensão da citricultura brasileira. Dessa forma cabe à pesquisa no Brasil estudar e propor alternativas para o controle e/ou manejo mais eficiente, sustentável e com menores custos de produção. Nestes 15 anos do sequenciamento do genoma da X. fastidiosa causadora da CVC, muitos conhecimentos básicos sobre a bactéria foram gerados, posicionando-a entre os dez fitopatógenos bacterianos mais importantes do mundo. Porém, poucos desses estudos focalizaram a interação entre os componentes desse patossistema, bactéria-planta-vetor. Este projeto visa integrar os trabalhos com X. fastidiosa para ampliar e associar as informações sobre os mecanismos genéticos que contribuem para a eficiência adaptativa dessa bactéria, a relação entre sua colonização no hospedeiro e expressão da doença, a interação molecular com o inseto vetor e as respostas genéticas da planta que podem ser usadas, a médio e longo prazo, para controlar de forma mais sustentável e com menor custo de produção os danos causados pela CVC. Ainda, além da X. fastidiosa, o projeto propõe ampliar os estudos com Xanthomonas citri subsp. citri, causadora do Cancro Cítrico, um outro problema fitossanitário que vem tomando proporções cada vez maiores nos pomares paulistas, devido às mudanças recentes de legislação em relação ao controle dessa doença. Assim, devido às similaridades entre os dois fitopatógenos e hospedeiro em comum, algumas abordagens de estudo e estratégias de controle serão usadas para os fitopatógenos X. fastidiosa e X. citri.

Ver detalhes do projeto

  Alessandra Alves de Souza      IAC

Características fenológicas, morfogênicas e estruturais de leguminosas forrageiras para uso em pastagens submetidas a adubação nitrogenada

n° SGP 1284

O uso de leguminosas forrageiras que são conhecidas por incorporar nitrogênio (N) ao solo por meio da fixação biológica e ciclagem deste nutriente, pode ser uma alternativa ao uso de fertilizantes nitrogenados. Nesse contexto, o conhecimento do crescimento e desenvolvimento das leguminosas forrageiras através do estudo fenológico e de características morfogênicas e estruturais é importante para fornecer subsídios para a definição de estratégias de manejo adequadas ao seu cultivo, visto que não foram encontrados na literatura trabalhos que estudaram a fenologia do Arachis pintoi, Macrotyloma axillare e Neonotonia wightii, sendo este um trabalho inédito. A hipótese do trabalho é que o uso da adubação nitrogenada na semeadura pode contribuir com melhoria na velocidade de estabelecimento das leguminosas forrageiras, e que a definição da fenologia das leguminosas possa contribuir com trabalhos que possuam como objetivo definir critérios de manejo para seu uso exclusivo ou em integração com gramíneas forrageiras. O experimento será realizado em casa de vegetação do Centro de Pesquisa em Nutrição Animal e Pastagens do Instituto de Zootecnia/APTA/SAA, em Nova Odessa/SP. Serão realizados dois experimentos,  sendo os tratamentos de ambos correspondentes a três doses de nitrogênio, zero, 40 e 80 kg de N/ha aplicados em três leguminosas forrageiras, Arachis pintoi cv. Belmonte, Macrotyloma axillare NO 279 e Neonotonia wightii NO 2348, em delineamento de blocos completos casualizados com quatro repetições em esquema fatorial 3x3, compreendendo um total de 36 vasos para cada experimento (total geral de 72 vasos). O Experimento 1 será realizado para as avaliações fenológicas,  morfogênicas e estruturais, com as plantas em crescimento livre.  Outro experimento será iniciado após término do primeiro para corte de tecidos vegetais e avaliação de conteúdo de N e micronutrientes de folhas e estolões nas principais fases fenológicas A análise de variância será realizada utilizando-se o PROC MIXED (modelos mistos) do pacote estatístico SAS (Statistical Analysis System), versão 9.3. O nível de significância adotado para a análise de variância será de 5%. Os graus de liberdade referentes às doses de nitrogênio serão decompostos em polinômios ortogonais.

Ver detalhes do projeto

  Flavia Maria de Andrade Gimenes      IZ
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930