Projetos APTA em todas as unidades, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

849 projetos ativos encontrados - pág. 11 de 29

Adubação nitrogenada consecutiva em áreas colhidas sem queima: Experimento de longo prazo

n° SGP 1205

O objetivo desse trabalho esta sendo em avaliar as alterações em longo prazo da adubação nitrogenada no solo e nas plantas de cana-de-açúcar e a influência do efeito residual e aproveitamento do N-fertilizante na resposta da cultura garantido a sustentabilidade do sistema de produção: aspectos agronômicos, econômicos e ambientais. O experimento foi implantado em Piracicaba-SP, no delineamento de blocos ao acaso e 4 repetições, em março/2007 com o cultivar IACSP92-1099 desenvolvida no Pólo Centro Sul, APTA. Doses de N-fertilizante foram aplicadas após a brotação da 1ª soqueira (0, 60, 120 e 180 kg ha-1) e os tratamentos foram reaplicados durante quatro soqueiras, até a colheita da 4ª soqueira em setembro/2012. Nesse período foi desenvolvida a tese de doutorado de Helio Antonio Wood Joris, intitulada: “Nitrogênio na produção de cana-de-açúcar: aspectos agronômicos e ambientais”. Nessa tese foram avaliadas as alterações no solo, acúmulo de macronutrientes e produtividade de colmos. No último ciclo, entre outubro/2011 e setembro/2012, as parcelas foram divididas para avaliação da inoculação com bactérias diazotróficas e aplicação de 100 kg ha-1 de N em cada tratamento de adubação nitrogenada em longo prazo, com implantação de microparcelas e aplicação de 15N-sulfato de amônio para avaliação do aproveitamento do N-fertilizante pelas plantas. Com correção adequada do solo, a adubação nitrogenada promoveu melhorias nas condições químicas do solo. O acúmulo de nutrientes aumentou com as doses de N aplicadas, e a ordem de acúmulo dos nutrientes foi K>N>Ca>Mg>S>P. Em todas as soqueiras avaliadas, ocorreu aumento linear na produtividade de colmos, com um incremento médio de 175 kg de colmos para cada kg de N-fertilizante aplicado. Considerando o balanço de entradas e saídas de N do sistema, a quantidade média necessária para reposição do N exportado foi 69 kg de N ha-1 ciclo-1, que representa 38,3% da maior dose aplicada (180 kg ha-1). A inoculação com bactérias diazotróficas beneficiou a nutrição mineral das plantas, porém resultou em produtividade de colmos inferior à aplicação de N-fertilizante. O aproveitamento de 15N-fertilizante foi maior nas condições de ausência de aplicação de N nas soqueiras anteriores (44,2%) que nas doses 60 (34,3%), 120 (24,8%) e 180 (31,8%). A inoculação com bactérias diazotróficas não substitui a adubação nitrogenada. O solo é a principal fonte de N para as plantas de cana-de-açúcar, porém a obtenção de altas produtividades depende de doses elevadas de N-fertilizante para a manutenção do sistema.

Após esse ciclo de 4 socas com reaplicação de doses de N nos respectivos tratamentos, as parcelas foram mantidas e foi reinstalado o experimento com a variedade IACSP95-5094 que já ocorreu o ciclo de cana-planta (safra 2013-14) com tratamentos contendo quatro doses de N, 0, 30, 60 e 90 kg/ha e na cana soca (safra 2014/2015) as doses de N foram mantidas como no primeiro ciclo(0, 60, 120 e 180 kg/ha de N). Atualmente (2016) a cultura já esta na segunda soca (colheita do terceiro corte prevista para agosto/setembro de 2016). 

Ver detalhes do projeto

  André Cesar Vitti      Apta Regional / IAC

Avaliação de cultivares, densidade de plantas e doses de nitrogênio na produção de cebola em sistema de plantio direto e convencional

n° SGP 1204

A região Nordeste Paulista pode ser considerada uma das principais regiões produtoras de hortaliças, com destaque para algumas culturas, especialmente a cebola, onde concentra aproximadamente 40% do total produzido no Estado de São Paulo, sendo em sua maioria praticada em  pequenas propriedades e por pequenos produtores. Dentre os principais desafios da cultura da cebola em São Paulo esta a disponibilidade de mão de obra, a conservação do solo e o uso racional da água e nutrientes, além de híbridos e/ou variedades mais adaptados ao clima local, de maneira a expandir o calendário de produção, visando redução da concentração de oferta do produto e melhor retorno financeiro ao produtor. Assim, o objetivo deste projeto é identificar cultivares de melhor potencial para a região nordeste paulista, assim como densidade de plantas, doses de nitrogênio e níveis de palhada que proporcionem o melhor desempenho agronômico da cultura da cebola. Os experimentos serão realizados no período de 05/2015 a 04/2017, em área experimental da Fundação de Pesquisa e Difusão de Tecnologia Agrícola “Luciano Ribeiro da Silva”, localizada em São José do Rio Pardo/SP (21º37’16” S; 43º53’15”O; 750 m de altitude).

Ver detalhes do projeto

  Thiago Leandro Factor      Apta Regional / IAC

Entomofauna e epidemiologia de doenças associada a colheita mecanizada de cana-de-açúcar na região de Mococa/SP

n° SGP 1201

Na presente pesquisa será avaliado a influência da presença ou não da palha na entrelinha, assim como o tipo de área de borda, na entomofauna e epidemiologia de doenças da cana-de-açúcar em colheita mecanizada, na região de Mococa/SP.  O experimento será conduzido no Pólo Regional Nordeste Paulista, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA/DDD), em Mococa/SP.  As amostragens dos insetos-praga e de seus inimigos naturais na cultura da cana-de-açúcar serão efetuadas mensalmente, iniciando-se aos 30 dias após efetuado o primeiro corte, totalizando 12 avaliações por ano, durante 4 anos. O delineamento experimental adotado será o de blocos casualizados com parcelas subdivididas. Na parcela serão avaliados três agroambientes de borda: pasto, cultura do café e mata e na subparcela a presença ou não de palhada na entrelinha, com 3 repetições. As parcelas serão constituídas de 3 armadilhas de captura de insetos de solo do tipo `Pitfall`, espaçadas de 1,5 m entre si ao longo da entrelinha de cana-de-açúcar.  Para o levantamento epidemiológico das doenças será utilizada a mesma distribuição de parcelas do levantamento da entomofáuna, porém serão avaliados 10 pontos por tratamento, totalizando 120 no total. Com os dados obtidos serão traçadas as curvas de progresso das doenças e a dinâmica populacional de insetos e seus inimigos naturais ao longo do ano e durante 4 anos, visando determinar a influência dos diferentes agrossistemas sobre a diversidade e abundância de insetos-praga e patossistemas, de maneira a respaldar o desenvolvimento de estratégias de manejo e controle.

Ver detalhes do projeto

  Paulo Boller Gallo      Apta Regional / IAC

PRODUÇÃO DE SEMENTES HÍBRIDAS DE TOMATE EM AMBIENTE PROTEGIDO COM SUBSTRATO ASSOCIADO A ADUBO DE LIBERAÇÃO LENTA

n° SGP 1188

Em países onde o cultivo protegido encontra-se avançado, o solo vem sendo substituído por substratos, todavia, o cultivo em substrato depende da otimização de diversas variáveis, como a nutrição uma vez que o volume explorado pelo sistema radicular da cultura é reduzido. O adensamento é outro aspecto que apresenta grande impacto na cultura do tomateiro. O cultivo em substrato enriquecido com adubo de liberação lenta pode ser uma alternativa para facilitar a produção de sementes híbridas de tomate em estufa. Nos adubos de liberação lenta, os nutrientes são encapsulados por resinas especiais e são liberados mais lentamente, propiciando uma disponibilidade contínua dos mesmos para as plantas. Os tratamentos serão constituídos por dois espaçamentos entre plantas (0,20 e 0,30 m), resultando em 7 e 5 plantas por saco de cultivo, respectivamente e três doses de adubo de liberação lenta (150 g, 300 g e 450 g por saco de cultivo). O delineamento experimental será inteiramente casualizado, com quatro repetições, em esquema fatorial 2 x 3.

Ver detalhes do projeto

  Nobuyoshi Narita      Apta Regional / IAC

Fatores Determinantes nas Diferenças Regionais na Contribuição do Rendimento e da Área na Produção Agrícola Paulista, 1983 a 2015.

n° SGP 1184

Este artigo procurará medir o crescimento da produtividade das principais culturas, nos 40 EDRs do Estado de São Paulo, no período 1983 a 2015. Tem por objetivo determinar as diferenças regionais de rendimento agrícola de uma mesma atividade e as contribuições das participações da produtividade da terra e da área para a produção agrícola. Tendo em vista que no período proposto o setor agropecuário passou por transformações quer pela adoção de tecnologias modernas poupadoras de terra, como também da especialização regional em determinadas atividades agrícolas conforme pode ser observado no trabalho de Olivette et al (2003) o qual estudou o crescimento da produtividade das 15 principais culturas, nas regiões administrativas do Estado de São Paulo, no período 1983 a 2002.

              A busca de geração e adoção de inovações tecnológicas é o grande mecanismo para a criação de oportunidades de crescimento do setor agropecuário a longo prazo. Dadas a inexistência de fronteiras agrícolas no Estado de São Paulo, a heterogeneidade dos solos e a consequente utilização de áreas de baixo potencial de produção, é de suma importância avaliar como ocorreu o desenvolvimento da agricultura paulista em suas diferentes regiões, sendo a produtividade das lavouras um dos indicadores existentes para aferir esse progresso tecnológico.

              Assim, o conhecimento das possíveis diferenças regionais de rendimento agrícola de uma mesma atividade e a contribuição dessa participação da produtividade no crescimento da produção é um indicador no estabelecimento das diferentes estratégias tanto no processo de geração quanto no de adoção de tecnologia para o setor rural (VEIGA FILHO e NEGRI NETO, 2002).

              O objetivo especifico deste estudo consiste em um exercício analítico sobre as tendências empíricas observáveis, nas últimas décadas, na produção agrícola paulista, em suas diversas regiões. Para tanto, serão calculadas e analisadas as contribuições da área e da produtividade da terra para a expansão ou retração da produção dos principais produtos agrícolas quanto ao valor da produção do Estado de São Paulo, dos 40 Escritórios de Desenvolvimento Rural (EDRs), no período 1983 a 2015.

As informações sobre a área e a produção agrícola no Estado de São Paulo, no período 1983 a 2015, para os 40 EDRs, serão obtidas dos levantamentos por município efetuados pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) e Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI). Serão considerados os subperíodos de 1984-1993, 1994-2000, 2001-2009 e 2010-2015 para o cálculo da contribuição da área e rendimento para a produção agrícola.

Dada a grande diversidade das atividades agrícolas desenvolvidas no Estado, para o presente estudo, serão consideradas culturas mais representativas em valor da produção, dentre os produtos de origem vegetal, no ano agrícola 2014/15, provenientes do banco de dados do IEA.

Como as diversas regiões paulistas apresentam características variáveis entre si, para os EDRs será adotado procedimento similar ao do Estado para a escolha dos produtos vegetais, ou seja, pelo valor da produção.

A metodologia escolhida é a proposta por VERA FILHO e TOLLINI (1979), que emprega taxas de crescimento da área[1] e da produção ob­tidas de análise de regressão múltiplas, pelo método dos mínimos quadrados ordinários.

              Para produção tem-se:

 

 

e para a área

 

onde:

Pt e At representam, respectivamente, produção e área plantada no ano t.

e representam as taxas de crescimento da produção e área plantada.

Serão calculadas para cada cultura as contribuições do aumento da área (CA) e do aumento do rendimento (CR) para o aumento da produção. Assim:

 

 

              As estimativas da contribuição da expansão da área e do rendimento para o aumento da produção de lavouras do Estado serão assim obtidas:

 

 

 

onde:

CAj = contribuição da área da região j;

CAij = contribuição da área para o aumento da produção do i-ésimo produto da região j;

Pij = valor médio da produção do i-ésimo produto da região j dividido pelo valor total da produção de lavouras na região j; e

CRj = contribuição do rendimento para o aumento da produção de lavouras na região j.

              As estimativas das contribuições agregadas, por região (EDR), serão obtidas calculando-se a média ponderada a partir da CA de cada produto nas regiões, tendo por base a participação do valor da produção dos produtos em relação ao valor total da produção regional, para a safra 2014/15. No caso do Estado de São Paulo, será levado em consideração o valor total da produção estadual, para o conjunto das culturas selecionadas para o estudo.

 

[1]Para as culturas de: banana, cana-de-açúcar, laranja, limão, manga e tangerina serão consideradas as áreas em produção, no ano agrícola em questão.

 

Ver detalhes do projeto

  Raquel Castellucci Caruso Sachs      Apta Regional / IEA

EFEITO DE EXTRATOS VEGETAIS SOBRE A SAÚDE, IMUNIDADE, DESEMPENHO, RENDIMENTO E QUALIDADE DA CARNE DE FRANGO COLONIAL

n° SGP 1183

Um experimento de 80 dias será realizado com o objetivo de avaliar o efeito de extratos vegetais acrescentados à dieta das aves, na imunocompetência, saúde, desempenho, rendimento e qualidade da carne de frangos colonial.  Serão utilizados 720 pintos de linhagem colonial comercial de 1 dia distribuídos em delineamento inteiramente casualizado 2 X 4  (duas linhagens e quatro níveis de inclusão de extrato vegetal) com 6 repetições de 15 aves cada. Os tratamentos serão constituídos de: T1, dieta controle linhagem paraíso pedrês; T2,  dieta controle, linhagem caipirinha; T3, dieta controle acrescida de 50ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem paraíso pedrês T4, dieta controle acrescida de 50ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem caipirinha; T5, dieta controle acrescida de 100ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem paraíso pedrês T6, dieta controle acrescida de 100ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem caipirinha; T7, dieta controle acrescida de 150ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem Paraíso pedrês e T8, dieta controle acrescida de 150ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem caipirinha. Serão verificados parâmetros de desempenho e rendimento de carcaça. Ao final do experimento o sangue de duas aves por parcela será coletado para avaliação de lipidograma e relação heterofilo: linfócito e a retirada do intestino (duodeno e jejuno) para análise de Tbars do intestino. Aos 40 e 80 dias de idade, será realizada a eutanásia de uma ave por parcela para avaliação intestinal de lesões de coccidiose. Simultaneamente, amostras de conteúdo cecal serão colhidas para a realização da contagem de oocistos. Também serão colhidas 10g de amostra de excretas (dos boxes) de cada parcela  para realização da contagem de oocistos. Serão mensurados na ocasião do abate, peso das aves , órgão e cortes e posteriormente pH das partes musculares, perda de peso durante o cozimento, determinação objetiva da cor do peito,  composição centesimal, força do cisalhamento, perfil de ácidos graxos e teor de colesterol. A análise econômica e viabilidade do experimento será estabelecida. A análise estatística dos resultados será realizada através da Análise de Variância e o contraste entre médias de tratamentos pelo teste de Tukey a 5 %, com auxílio do pacote computacional SAS (2002).

Ver detalhes do projeto

  Christine Laganá      Apta Regional / IB

DESENVOLVIMENTO DE BEBIDA CARBONATADA À BASE DE SORO DE LEITE ADICIONADA DE PROBIÓTICOS

n° SGP 1182

Bebidas carbonatadas são produtos com grande aceitabilidade junto ao mercado consumidor. A matéria-prima utilizada na elaboração do produto em questão, pode ser o soro. O processo de carbonatação é barato, seguro e, aparentemente, não tem nenhum efeito negativo sobre os produtos lácteos fermentados A adição de probióticos ao produto agregará maior funcionalidade a um produto que já conta com os benefícios do soro. Assim este trabalho objetiva desenvolver uma bebida carbonatada á base de soro de leite adicionada de probióticos. Serão realizadas periodicamente análises físico-químicas, microbiológicas, sensoriais e de viabilidade da cultura probiótica. Será realizada uma etapa preliminar para definir, com base na viabilidade, qual o a cultura probiótica que será adicionada.

 

Ver detalhes do projeto

  Adriana Torres Silva e Alvez      ITAL

Cotações de preços de alimentos no mercado varejista no Estado de São Paulo - Piloto no município de Araçatuba.

n° SGP 1179

Propõe-se a realização de levantamento piloto das cotações de preços de cesta de gêneros alimentícios no mercado varejista na cidade de Araçatuba (polo regional). A coordenação e execução serão realizadas pela Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Araçatuba – PRDTA Extremo Oeste – APTA Regional. Sua formulação se justifica perante o interesse da sociedade em compreender de forma mais precisa o mercado regional agropecuário e suas implicações no custo de vida da população urbana através do cálculo da inflação regional (índices de preços) dos alimentos no varejo. Em específico, esse experimento surge como projeto piloto a fim de gerar conhecimentos e identificar problemas para servir de base a projeto desenvolvido para o Estado todo (principais cidades polo) na busca de se responder às demandas de preços regionais referências atualmente vigentes nos programas governamentais de compra de alimentos (como o Programa Paulista da Agricultura de Interesse Social - PPAIS).

Ver detalhes do projeto

  Silvia Antoniali do Carmo      Apta Regional / IEA

Biologia de plantas daninhas nas culturas em sucessão a cana-de-açúcar

n° SGP 1178

A cana-de-açúcar é uma das principais culturas brasileiras e a interferência proporcionada pelas plantas daninhas acarreta redução significativa no rendimento da cultura. O objetivo deste trabalho será avaliar a influência de três sistemas de manejo do solo e três importantes culturas comerciais como culturas de sucessão na supressão de plantas daninhas e na composição da comunidade infestante em áreas de reforma de cana crua. O experimento será instalado sobre ARGISSOLO Vermelho-Amarelo eutroférrico, em canavial colhido sem queima prévia nos últimos cinco cortes. Será utilizado delineamento experimental em blocos casualizados, com os tratamentos arranjados em parcelas sub-divididas e dispostos em quatro repetições, sendo os tratamentos principais três sistemas de cultivo; convencional, cultivo mínimo e plantio direto e os tratamentos secundários de três opções de culturas comerciais (amendoim, girassol e soja) e uma parcela em pousio. Após 180 dias da colheita da cana-de-açúcar será contado o número de plantas daninhas.m-² e determinada a massa seca da parte aérea, calculando assim seus índices fitossociológicos. 

Ver detalhes do projeto

  Maria Beatriz Bernardes Soares      Apta Regional / IAC

Influência da embalagem na estabilidade de leite em pó adicionado de ômega 3 microencapsulado

n° SGP 1175

A indústria mundial de alimentos necessita de constante inovação em produtos e processos devido à atual exigência dos consumidores e impulsionada por evidências científicas dos benefícios à saúde resultantes do consumo de alimentos com perfil nutricional melhorado. O leite é um dos produtos naturais mais completos e é considerado um alimento saudável para crianças e adultos. Os ácidos graxos polinsaturados, principalmente do grupo ômega 3 são importantes ainda para o crescimento e desenvolvimento fetal e para a função visual e cognitiva em recém nascidos, crianças e adultos, além de prevenirem diversas doenças. Este projeto tem como objetivo estudar a influência do material de embalagem utilizado no acondicionado de leite em pó na manutenção da qualidade de micropartículas contendo ômega 3 incorporadas ao produto com o objetivo de aumentar o valor nutricional e, desta forma, melhorar a segurança e a eficiência de produtos alimentícios fortificados. Para isso, serão utilizadas partículas encapsuladas comercialmente disponíveis e o produto adicionado das micropartículas será acondicionado em quatro tipos de embalagem, quais sejam, lata metálica de três peças, lata multifolhada, embalagem plástica flexível barreira e embalagem plástica flexível não barreira.

Após o acondicionamento do produto nas quatro amostras de embalagem, essas serão condicionadas em câmaras de estocagem a 23 °C/sem controle de umidade relativa, 25 °C/75% UR, 35 °C/90% UR e 40 °C/sem controle de umidade relativa, sendo que nas condições de temperatura acelerada (35 °C/90% UR e 40 °C/sem controle de umidade) o produto será acompanhado pelo período de 3 meses e nas condições 23 °C/sem controle de umidade e 25 °C/75% UR o produto será acompanhado pelo período de 1 ano. Ao final espera-se dispor de um produto com apelo benéfico à saúde que apresente manutenção das suas características desejáveis pelo período de 12 meses numa embalagem especificada adequadamente.

Ver detalhes do projeto

  Fiorella Balardin Hellmeister Dantas      ITAL

Caracterização pós-colheita e conservação de tangerinas ?Freemont? e ?Maria?

n° SGP 1169

O estudo será conduzido com os seguintes objetivos:

- Caracterizar as alterações fisiológicas e físico-químicas na pós-colheita das tangerinas ‘Freemont’ e ‘Maria’.

- Estudar a fisiologia do amadurecimento em tangerinas ‘Freemont’ e ‘Maria’ expostas a diferentes temperaturas.

- Proposição e avaliação de técnicas de conservação.

Primeiro ano

- Alterações fisiológicas e físico-químicas na pós-colheita-

Na caracterização das alterações fisiológicas e físico-químicas na pós-colheita das tangerinas ‘Freemont’ e ‘Maria’, algumas perguntas deverão ser investigadas como:

-Quais são as mudanças na qualidade dessas tangerinas no período pós-colheita?

-O ponto de colheita interfere na qualidade e conservação pós-colheita dessas tangerinas?

Para tanto, serão colhidas tangerinas em 3 estádios de maturação ( a princípio pensamos em maio, junho e julho), e durante a pós-colheita serão avaliadas características fisiológicas, fisico-quimicas, fitopatológicas e sensoriais.

Serão avaliados frutos com 0, 3, 6, 9, 12 e 15 dias após a colheita. Serão usados, por data de análise, 20 frutos para análises físico-químicas, 15 frutos para análise sensorial e 30 frutos para as análises fitopatológicas. Total de frutos por estádios de maturação= 240 de cada variedade.

Segundo ano

- Fisiologia do amadurecimento em frutos expostos a diferentes temperaturas-

Nesse tipo de estudo, algumas perguntas deverão ser respondidas como:

- Como a respiração e a produção de etileno são influenciadas pela temperatura de armazenamento?

- Como a qualidade é influenciada pela temperatura de armazenamento?

- As tangerinas apresentam danos de frio?

- Qual a temperatura de armazenamento ideal?

Para tanto, serão colhidas tangerinas em 3 estádios de maturação (talvez 1), armazenadas a 5, 10, 15, 25, 35 e 45ºC,  e durante a pós-colheita serão avaliadas características fisiológicas, fisico-quimicas, fitopatológicas e sensoriais.

Terceiro ano

- Proposição e avaliação de técnicas de conservação-

Baseado nas informações dos dois primeiros anos, quais seriam as técnicas de conservação mais adequadas para essas tangerinas?

- Ceras...quais?

- Ceras associadas com refrigeração?

- Uso de reguladores?

- Tratamentos preventivos de danos por frio?

Ver detalhes do projeto

  Ilana Urbano Bron      IAC

Digestibilidade de uma dieta em três níveis de oferta por cordeiros de diferentes grupos genéticos

n° SGP 1164

O objetivo no presente projeto é comparar cordeiros de sete grupos genéticos quanto a digestibilidade de uma dieta em três níveis de oferta de alimento. Cento e vinte e seis cordeiros das raças Dorper, Ile-de-France, Texel e Santa Inês, e dos cruzamentos ½ Dorper + ½ Santa Inês, ½ Ile-de-France + ½ Santa Inês e ½ Texel + ½ Santa Inês serão desmamados aos 90 dias de idade e confinados em baias individuais com piso ripado. Essa distribuição nas baias será de forma aleatória. Os animais serão pesados no início do confinamento e permanecerão em adaptação por 21 dias recebendo uma dieta peletizada com 90% de concentrado e 10% de feno de alfafa. A ração será oferecida em duas refeições diárias, à vontade, permitindo-se sobra ao redor de 10% do ingerido no dia anterior. Para isso, as sobras serão retiradas e pesadas diária e individualmente. Os bebedouros (um para cada duas baias) serão limpos diariamente, e, quando necessário, mais de uma vez por dia. Nos últimos cinco dias desse período, serão colocadas em todos os indivíduos, bolsas de lona para recolhimento das fezes produzidas, que serão esvaziadas diariamente. Ao final do período de adaptação, os animais serão novamente pesados após jejum de 14 horas. Em seguida, seis animais de cada um dos grupos genéticos receberão a mesma dieta do período de adaptação, nos seguintes níveis de oferta: ad libitum, 75 e 63 g de ração/kg de peso metabólico. Para o cálculo do nível oferecido ad libitum, será considerado, para cada indivíduo, o consumo médio dos últimos sete dias do período de adaptação. Os animais receberão essa quantidade de ração durante cinco dias, sendo a ração amostrada diariamente. Durante esse período, serão recolhidas, pesadas e armazenadas todas as sobras que possam ocorrer. Também serão recolhidas, pesadas e amostradas (10% do total produzido) as fezes produzidas por cada animal do segundo até o sexto dia do período experimental. Ao final, as amostras de alimento oferecido, das sobras e das fezes serão compostas por indivíduo e analisadas quanto aos teores de matéria seca, proteína bruta, extrato etéreo, minerais, fibra em detergente neutro e fibra em detergente ácido, conforme metodologia do AOAC (2005). A digestibilidade de cada uma das frações nutritivas será calculada em porcentagem considerando-se a quantidade retida pela quantidade ingerida. Os resultados serão analisados estatisticamente considerando-se um delineamento inteiramente casualizado com 7 grupos genéticos, 3 níveis de ingestão e a interação entre os fatores, com 6 repetições, em modelo misto.

Ver detalhes do projeto

  Wignez Henrique      Apta Regional / IZ

Uso de bioindicadores para avaliação da qualidade da água na piscicultura

n° SGP 1163

Frente à crescente expansão da aquicultura no Brasil, aumenta também a preocupação com a sustentabilidade da atividade. Na presente proposta, os produtores de tilápia são os principais atores na tomada de decisões sobre a identificação de impactos ambientais oriundos de suas propriedades, como também demandantes da obtenção de estimativas/avaliações usualmente necessárias ao acompanhamento do sistema de produção no contexto da sustentabilidade ambiental. O biomonitoramento de organismos bentônicos constitui uma ferramenta eficaz e de baixo custo na avaliação da qualidade da água em ecossistemas de água doce. A comunidade macrobentônica tem sido utilizada no Brasil como bioindicadora na avaliação da qualidade da água há décadas, porém na aquicultura esta ferramenta ainda é pouco utilizada. No entanto, em países como a Noruega a avaliação da qualidade da água é feita com base em índices bióticos utilizando-se a comunidade bentônica presente em áreas de aquicultura marinha desde 1997. No projeto da rede Aquabrasil foram desenvolvidos e avaliados vários aparatos de coleta em viveiros escavados e avaliada a fauna macrobentônica colonizadora do lago localizado em Monte Alegre do Sul, SP, na APTA Leste Paulista. Ainda no âmbito desse projeto, foram descritos os principais grupos presentes no lago da APTA e atribuídos escores associados à qualidade da água com base em dados da literatura. Estes dados servirão de base para o levantamento e caracterização da fauna a ser identificada na presente proposta. Além disso, o projeto Aquisys (em execução pelo Macroprograma 3) tem como uma das rotinas em desenvolvimento de seu software o uso da fauna macrobentônica na avaliação da qualidade da água em viveiros com tilápia. Assim, busca-se ampliar a área amostral para o alcanço do objetivo principal da presente proposta, que é selecionar um grupo de organismos bioindicadores da qualidade da   água na piscicultura em viveiros escavados com cultivo de tilápia, com base na comunidade de macroinvertebrados bentônicos. Para a coleta destes organismos será utilizado o coletor de substrato artificial já testado em outros projetos anteriores da Embrapa, tais como o Aquabrasil (já encerrado) e o projeto de Validação do sistema AQUISYS (Ideare n. 03.12.03.014.00). A seleção dos grupos bioindicadores se fará por meio de análises estatísticas em conjunto com as variáveis físico-químicas de qualidade da água, sistema de manejo empregado nas propriedades, e dados de literatura sobre os níveis de tolerância conhecidos em relação à poluição orgânica pelos organismos bentônicos. A aplicação desta ferramenta na piscicultura será inédita no contexto da aquicultura brasileira, e elucidará questões ainda pendentes de pesquisas de campo. Por fim, a presente proposta é uma sequência do projeto Aquabrasil, na medida em que busca a ampliação da área de amostragem e por um período maior de acompanhamento (três ciclos de produção de tilápia), permitindo que a metodologia de biomonitoramento proposta seja oferecida aos piscicultores como uma avaliação relativamente rápida e de baixo custo no monitoramento da qualidade da água.

Ver detalhes do projeto

  Celia Maria Doria Frascá Scorvo      Apta Regional / IP

Avaliação de genótipos de batata-doce: 1- características agronômicas e qualidade de raízes

n° SGP 1155

O Instituto Agronômico iniciou os estudos com a cultura da batata-doce em 1930 com a formação de um banco de germoplasma. Após a criação da Seção de Raízes e Tubérculos, em 1935, foram ampliados os estudos com a cultura, sendo feitos vários experimentos regionais, enfatizando a produtividade de raízes e a sua qualidade, em termos de fibrosidade, textura, sabor, odor e coloração (INSTITUTO AGRONÔMICO, 1939 a 1978). Como resultados destes trabalhos foram disponibilizada aos agricultores as cultivares IAC 3-4 (Irani), IAC 2-71 e a IAC 66-118 (Monalisa) e as introduções SRT 278 (Centenial) e SRT 299 (Rio de Janeiro II) (MONTEIRO & PERESSIN, 1998), as quais rapidamente se tornaram padrão tanto no mercado de mesa como no industrial e atingiram área expressiva em produção no Estado de São Paulo. A batata-doce está presente em quase todo o Estado, sendo cultivada predominantemente por pequenos agricultores atingindo em 2015, área cultivada de 6,9 mil ha e produção de aproximadamente 120 mil toneladas de raízes, tendo a produtividade média de 17,3 t/ha (INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA, 2016). Atualamente dentre a cultivaves plantadas destacam-se a Uruguiana e a Canadense, introduções de genótipos desconhecidos que têm se difundido rapidamente, não sendo necessariamente cultivares de produção estável e não apresentando características qualitativas superiorescomo sabor e presença de fatores nutricionais como betacatrotenos, Fe e Zn. Assim, o presente projeto de pesquisa tem por objetivo avaliar o potencial produtivo e a qualidade das raízes de genótipos de batata-doce do banco de germoplasma do Instituto Agronômico, bem como a seleção de materiais promissores visando recomendação desses na agricultura familiar.

Ver detalhes do projeto

  JOSÉ CARLOS FELTRAN      IAC

ECOAGRICULTURAS - Cultivando Águas e Boas Práticas no Litoral Norte

n° SGP 1153

O Projeto “Ecoagriculturas – cultivando águas e boas práticas do litoral norte” tem a duração de 24 meses e está localizado na UGRHI 03 – Litoral Norte, nos municípios de Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela, Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar, visando “integrar as ações e experiências em agroecologia na UGRHI-LN 03, com objetivos específicos de desenvolver estratégias de boas práticas de manejo das atividades agropecuárias para aproveitamento racional e proteção dos recursos hídricos”.  Os principais 200 beneficiários diretos são agricultores, proprietários rurais, gestores e técnicos dos órgãos públicos e membros de colegiados e da sociedade civil atuantes na temática.

A proposta foi elaborada de forma democrática e participativa por representantes do GT Agroecologia do CBHLN, da Rede de Sementes do Litoral Norte e membros da sociedade civil, engajados em construir e fortalecer um trabalho regional e coletivo de boas práticas de agroecologia; redirecionando as práticas de agricultura tradicional para evitar o uso intensivo de agrotóxicos e manejo inadequado do solo e dos recursos hídricos. A melhor ecoeficiência das unidades produtivas rurais do litoral norte ajudará a restaurar a condição ambiental das propriedades e, dessa forma, a proteção dos recursos hídricos, além de promover a segurança alimentar e a geração de renda local. 

Como estratégia para alcançar os resultados esperados, foi desenhado um fluxograma sequencial de ações que propiciem a gestão e construção participativa do início ao fim, impactando também na capacitação contínua e permanente dos envolvidos durante o processo; bem como no fortalecimento coletivo e a mobilização dos envolvidos para o compartilhamento de boas práticas, as quais potencializam as metas do Plano de Bacia e áreas afins.

Os principais produtos e benefícios são: 01 análise situacional participativa de boas práticas existentes na região (vide descritivo no documento como “Boas Práticas Agrícolas/Agropecuárias - BPA”), como um marco zero para atuais e futuras ações de planejamento, o qual também norteará 01 Plano de Trabalho Participativo para o percurso do projeto e sugestões de conteúdos para 06 Encontros de Fortalecimento Regional e 04 Capacitações Temáticas com intercâmbios (vivências práticas) entre os proprietários e municípios. Além de melhorar a qualidade da capacidade técnica dos agricultores e demais beneficiários, o envolvimento direto dos beneficiados torna viável a elaboração de Planejamento Integral de 20 Propriedades/posse e a escolha e implantação prática de pelo menos 04 unidades de adaptação tecnológica de práticas visando a transição agroecológica para o aumento da ecoeficiência de unidades produtivas da zona rural. De acordo com as demandas levantadas no Planejamento Integral das propriedades serão escolhidas práticas para melhorar a gestão da unidade, além de estratégias para conservação e proteção da biodiversidade, do solo e da água. As unidades de adaptação tecnológica serão acompanhadas para evoluírem e se tornarem uma referência para a difusão de práticas que facilitem a transição agroecológica na região.

Para as estratégias de comunicação integrada e compartilhamento das boas práticas estão previstos 01 Fórum Regional, 01 Documento Final com diretrizes e encaminhamentos, bem como o uso de sites e redes sociais do proponente e parceiros para difusão.

Ver detalhes do projeto

  ISABEL FERNANDES PINTO VIEGAS      Apta Regional / IEA

Avaliação e caracterização da resistência de germoplasma silvestres de Arachis spp. a Enneothrips flavens (Thysanoptera: Thripidae) e Stegasta bosquella (Lepidoptera: Gelechiidae) e cruzamentos visando a introgressão de genes de resistência no amendoim cu

n° SGP 1146

A cultura do amendoim vem ganhando importância no Brasil. A atual cadeia de produção abastece o mercado interno e está ganhando competitividade no mercado internacional. A expansão e sustentabilidade desse agronegócio passam pela sua evolução tecnológica. Um dos principais gargalos da cultura é a sua dependência de agroquímicos para o controle de pragas e doenças. O tripes (Enneothrips flavens) e a lagarta do pescoço vermelho (Stegasta bosquella) são pragas-chave da cultura na região Centro-Sul do país. Assim, a resistência a esses agentes bióticos é um dos principais objetivos dos programas de melhoramento genético. O gênero Arachis é nativo da América do Sul, inclusive do Brasil, e compreende mais de 80 espécies já identificadas e conservadas em coleções. Trabalhos têm mostrado que diversas dessas espécies possuem alta resistência às pragas, mas as tentativas de cruzamentos entre essas espécies (diploides, na grande maioria) e o amendoim cultivado (alotetraploide) têm sido prejudicadas por essa incompatibilidade devida à diferença de ploidia. Pesquisas realizadas em passado recente mostram a viabilidade de sucesso nesses cruzamentos através de anfidiploides. Estes são produtos do cruzamento de duas espécies diploides de genomas diferentes (A e B) gerando um híbrido AB que, após tratamento com colchicina, torna-se um alotetraploide (AABB) semelhante ao genoma da espécie cultivada. Assim, com esta estratégia, este projeto propõe realizar a experimentação para avaliação fenotípica e identificação do germoplasma resistente (as espécies avaliadas e os anfidiploides gerados pelo programa). Inclui também a realização de retrocruzamentos dos parentais silvestres resistentes com genitores hypogaea recorrentes (cultivares e linhagem de alto desempenho agronômico) visando à recuperação das características agronômicas do material comercial. O desenvolvimento de linhagens intermediárias de melhoramento (germoplasma melhorado), portadoras de alta resistência a esses agentes bióticos, é o resultado que se espera deste projeto, durante sua vigência.

Ver detalhes do projeto

  Marcos Doniseti Michelotto      Apta Regional / IAC

Desempenho e saúde de bezerros suplementados com virginiamicina e complexo vitamínico mineral.

n° SGP 1143

O objetivo do trabalho foi de verificar o desempenho e a saúde de bezerros em aleitamento com a utilização de um probiotico chamado virginiamicina. A virginiamicina tem seu uso comprovado como eficaz e de custo baixo na nutrição animal podendo melhorar a conversão alimentar e a saúde intestinal dos animais, com isso a possibilidade de aumentar a taxa de produtividade das bezerras nesta fase da produção leiteira. O experimento foi realizado na Fazenda Experimental APTA Regional Centro Leste situada em Ribeirão Preto – SP, utilizando 27 bezerros da raça Jersey, machos e fêmeas, em delineamento em blocos casualizados (idade de nascimento) no período de idade de 0 a 60 dias de vida nos seguintes tratamentos: CONTROLE (COMPLEXO VITAMINA E MINERAIS NO LEITE), VIRGINIAMICINA + COMPLEXO VITAMINA E MINERAIS NO LEITE, VIRGINIAMICINA + COMPLEXO VITAMINA E MINERAIS NO RÚMEN. A suplementação foi calculada para que cada animal receba 0,02 kg com 1000mg de virginiamicina por dia durante o período experimental. Foi avaliado parâmetros de desempenho e sanguíneos ao nascimento, aos 30 e 60 dias de vida experimentais. Para o desempenho todos os animais foram pesados com o uso de uma balança eletrônica, medidos a altura da cernelha, o perímetro torácico e o comprimento corporal com o uso de uma fita métrica. O sangue foi colhido da jugular dos animais nas mesmas datas de pesagem e analisado para hemograma completo contendo. Todos os dados já foram compilados e se encontram em análise estatística.

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

Monitoramento e Diagnóstico da Qualidade do Leite de Produtores Rurais da região Nordeste do Estado de São Paulo

n° SGP 1141

A atividade leiteira tem grande participação na agricultura familiar, pois é considerada uma boa fonte de renda mensal e esta participação pode ser comprovada pela grande porcentagem da parcela de leite produzida no país estar relacionada a agricultura familiar. Contudo, atualmente não basta produzir leite, mas sim, produzir leite com qualidade. Qualidade esta referenciada pela instrução normativa do governo federal, mas principalmente pela exigência pelas indústrias em qualidade mínima para a sua maximização de produção e aumento de exportações. A exigência feita pela indústria tem como ponto mais forte o pagamento por qualidade. Assim sendo a melhoria da qualidade por parte dos produtores é de fundamental importância. E para atingir a qualidade, parte do princípio de aplicar tecnologias, no caso da produção de leite, que visem melhorar qualidade do leite e assim dar suporte a sustentabilidade da atividade leiteira. A transferência de tecnologia permite levar o conhecimento científico para a sociedade na forma de serviços, produtos e processos. Assim sendo, o presente estudo tem como objetivo fazer a junção da transferência de tecnologia para a atividade leiteira de agricultores familiares visando à melhoria da qualidade do leite através de diagnósticos, treinamentos e acompanhamento das tecnologias treinadas e divulgadas para os produtores rurais. Este experimento será realizado com 50 propriedades para identificação do perfil dos produtores da região de Ribeirão Preto, junto com o programa da CATI LEITE/ SAA/SP. Identificados os produtores, será realizado o treinamento na forma de cursos teórico-práticos de acordo com suas necessidades para melhoria da qualidade do leite. No momento do treinamento, serão realizados testes teóricos para quantificação do conhecimento técnico do tema do treinamento e sobre qualidade do leite. Todos os 50 produtores serão acompanhados e avaliados mensalmente durante 18 meses através de visitas técnicas dos assistentes técnicos e estagiários. Serão realizadas visitas técnicas para coleta de dados e amostras de leite para acompanhamento da qualidade do leite e do uso das técnicas abordadas nos cursos. Ao final de 18 meses, todos os produtores serão questionados novamente quanto ao conhecimento técnico e melhoria da qualidade do leite e apresentado o resultado da qualidade do leite. Com isso, o presente projeto espera poder identificar o perfil dos produtores da região, avaliar o beneficio de treinamento e acompanhamento (assistência técnica) para melhoria da qualidade do leite e por fim, verificar quais características das propriedades/produtores favoreceram a melhoria da qualidade do leite e se houve transferência de conhecimento técnico.

Ver detalhes do projeto

  Luiz Carlos Roma Junior      Apta Regional / IZ

Avaliação hematológica de bezerros Jerseys na fase de aleitamento

n° SGP 1140

O presente trabalho de iniciação científica tem como objetivo avaliar valores hematológicos de 52 bezerros, entre machos e fêmeas, nos períodos de 7, 30 e 60 dias de vida, para avaliar a evolução hematológica dos animais. A coleta de sangue foi realizada na jugular dos animais para a realização das análises de hemograma completo contendo: Série Vermelha (eritrócitos, hemoglobina, hematócrito), serie plaquetária, serie leucocitária, e proteínas totais. A avaliação se deu em máquinas POQ 100 IV e confirmação em lâminas. Obteve-se valores médios nos períodos de 7, 30 e 60 dias de vida de eritrócito (milhões/mm?), 7,47, 10,14 e 10,22 respectivamente; hemoglobina (g/dL), 9,17, 12,91 e 12,47; hematócrito (%), 28,39, 39,41 e 37,85; VCM (fL), 37,85, 38,99 e 38,34; HCM (pg), 12,27, 12,79 e 12,56; CHCM (g/dL), 32,44, 32,46 e 32,37; leucócitos (mm?) 8,48, 10,16 e 10,51; segmentados 47,77, 28,00 e 23,24; eosinófilos 0,45, 0,83 e 0,69; linfócitos 49,05, 68,32 e 72,94; monócitos 2,60, 2,83 e 3,14. 

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

CUSTO DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE ECONÔMICA DA FRUTICULTURA NA REGIÃO DE MARÍLIA/SP

n° SGP 1130

Identificar e estimar o custo de produção e rentabilidade econômica da fruticultura na região de Marília.

Ver detalhes do projeto

  Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto      Apta Regional / IEA

Levantamento fitossociológico de plantas daninhas e ocorrência da infecção de plantas daninhas pelo fungo (Phaeomoniella chlamydospora), agente causal da doença de Petri, em campos de produção de porta-enxertos e de mudas de Niagara Rosada

n° SGP 1128

O objetivo do presente projeto é realizar o levantamento fitossociológico de plantas daninhas para detectar o fungo P. chlamydospora em plantas daninhas presentes em localidade contendo banco de germoplasma de porta-enxerto de videira e campo de produção de muda, principalmente da uva Niagara Rosada.

Ver detalhes do projeto

  Daniel Andrade de Siqueira Franco      IB

Fontes de ácidos graxos da dieta para a tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima e sub-ótima.

n° SGP 1127

A tilápia-do-nilo é uma importante espécie na aquicultura brasileira e mundial e é produzida em diversas regiões e condições climáticas. Entretanto, ainda há lacunas quanto a sua nutrição lipídica, principalmente em condições adversas de temperatura. Estas condições são registradas durante o inverno nas regiões sudeste e sul do Brasil, onde se concentram as maiores produções de tilápias. É sabido que os ácidos graxos têm papel fundamental na manutenção da fluidez e funcionalidade das membranas celulares com efeitos na adaptação dos peixes à variação de temperatura.

Com a finalidade de aprimorar a tecnologia de produção da tilápia foram propostos estudos, com ensaios com animais já realizados na UFSC, em Florianópolis, SC. O presente projeto tem como foco a avaliação do metabolismo de ácidos graxos, pela análise de materiais coletados durante os ensaios realizados, em complementação ao projeto “Ácidos graxos essenciais na dieta da tilápia-do-Nilo em condição ótima e subótima de temperatura”, cadastrado no SIGA (NRP 4047), e ao projeto "Temperatura e fontes de ácidos graxos para tilápia-do-Nilo" com recursos aprovados pelo CNPq e coordenado pela pesquisadora Débora Machado Fracalossi (LABNUTRI, UFSC). A parceria com a APTA será feita pela orientação nas análises químicas, análise dos dados coletados e redação de artigos. A seguir estão descritos os ensaios realizados, dos quais serão utilizados materiais para análise:

(I) Fontes de ácidos graxos na dieta de tilápias criadas em duas temperaturas - Foram testadas cinco fontes lipídicas: (1) óleo de peixe, fonte de n-3 LC-PUFA, além de SFA e MUFA; (2) óleo de linhaça, fonte de n-3 PUFA de 18 carbonos; (3) óleo de girassol, fonte de n-6 PUFA de 18 carbonos; (4) óleo de oliva, fonte de MUFA; e (5) óleo de coco, fonte de SFA. O objetivo deste estudo é selecionar fontes adequadas de ácidos graxos para a alimentação da tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima (28°C) e sub-ótima (22°C).

(II) Substituição do óleo de peixe por misturas de óleos vegetais na deita da tilápia-do-nilo em duas temperaturas - Foram avaliadas três dietas com misturas de óleos vegetais (MIX-G, MIX-GL e MIX-L) e uma com óleo de peixe (OP) em juvenis de tilapia-do-nilo em dois ensaios: a 28°C e a 22°C. Nas misturas houve diferentes inclusões dos óleos de linhaça (L) e de girassol (G) sobre uma base de óleo de coco e oliva, o que alterou a proporção de PUFA da série n-3 e n-6.

(III) - Exigência do ácido graxo alfa-linolênico para tilápias em temperatura sub-ótima - Foram testadas cinco dietas com misturas de óleos vegetais (palmiste, oliva, girassol e linhaça) com níveis crescentes de óleo de linhaça e de ácido graxo alfa-linolênico (α-LNA, 18:3n-3), e uma dieta controle com óleo de peixe. Este estudo foi realizado somente a 22°C para estimar a exigência em α-LNA para a tilápia-do-nilo em temperatura sub-ótima, a qual ainda não tinha sido estabelecida.

Os ensaios foram realizados em triplicata com juvenis de tilápia-do-nilo, mantidos em unidades experimentais em sistema de recirculação de água doce e, alimentados até a saciedade aparente com dietas semi-purificadas extrusadas. A partir das amostras já coletadas de peixe inteiro, fígado e fezes, será analisado a digestibilidade de ácidos graxos da dieta, o balanço de ácidos graxos in vivo, a histologia do fígado e, a expressão gênica de desaturases e alongases no fígado. Os dados obtidos serão avaliados estatisticamente por análise de variância ou regressão, considerando o nível de significância de 5%.

Ver detalhes do projeto

  Camila Fernandes Corrêa      Apta Regional / IP

NATURALIDADE EM ALIMENTOS PROCESSADOS: ESTUDO DA OBTENÇÃO DE PANETONES FUNCIONAIS UTILIZANDO MASSA ÁCIDA

n° SGP 1126
O panetone é um produto fermentando que possui uma formulação complexa, rica em açúcares, gorduras, emulsificantes, aromatizantes, agentes oxidantes, conservadores, entre outras substâncias, que são adicionadas para garantir a estabilidade tecnológica e microbiológica deste tipo de produto ao longo da vida-de-prateleira. No entanto, a adição destes ingredientes e aditivos alimentares contribui para o aumento da obesidade e doenças relacionadas, como o diabetes, doenças cardiovasculares e certos tipos de cânceres. Com a tendência de consumo ascendente de panetones, pois este produto tem deixado de ser um produto sazonal e se tornado um produto de consumo mais freqüente, destaca-se a importância das indústrias desenvolverem produtos diferenciados para atender a demanda dos consumidores que buscam por alimentos mais naturais e saudáveis. Na categoria de produtos naturais, o fermento natural ou massa ácida demonstra ser um importante ingrediente para ser utilizado nos produtos de panificação fermentados. A massa ácida é obtida através da mistura de farinha e de água que sob condições controladas de temperatura, desenvolve espontaneamente uma flora microbiana predominantemente composta de bactérias ácido lácticas (LAB) e leveduras. O uso de fermento natural de desenvolvimento espontâneo requer conhecimento específico dos parâmetros de processo de obtenção, matéria-prima e da flora microbiana para obtenção de massa ácida reprodutível, que consequentemente irá resultar em produtos de panificação com melhor qualidade tecnológica e sensorial. utilização de massa ácida durante a fermentação promove mudanças bioquímicas nos componentes que formam a estrutura do glúten (proteínas, amido e hemicelulose) através da ação microbiana e enzimática, tendo como resultado a alteração da reologia da massa, da formação de aroma e sabor agradável e diferenciado, e através dos metabólitos produzidos pelas bactérias lácticas promovem a diminuição do pH, resultando no prolongamento da vida útil desses produtos. Além disso, promove a melhoria da qualidade nutricional dos produtos através do retardamento da digestibilidade do amido levando a uma menor resposta glicêmica, a modulação dos níveis e da bioacessibilidade de compostos bioativos (fibras e antioxidantes) e melhoria da biodisponibilidade de minerais. Neste contexto, as fibras alimentares poderiam ser importantes aliados tecnológicos e sensoriais neste tipo de produto, seja na forma solúvel ou insolúvel, para auxiliar na manutenção da estrutura do produto, que é tida como emulsão aerada rica; seja para proporcionar umectância ao produto durante a sua vida-de-prateleira, assim como pela importância nutricional como fonte de fibras.
 
Ver detalhes do projeto

  Elizabeth Harumi Nabeshima      ITAL

Melhoria da qualidade do peixe cultivado para o consumo humano

n° SGP 1125

Melhorar a sanidade e qualidade dos peixes cultivados em facilidades de piscicultura (reservatórios no estado de São Paulo e sistemas intensivos com recirculação de água na Dinamarca). A sanidade dos peixes será monitorada por abordagens clássicas e moleculares, e aprimorada por modulação de resposta imune inata por bioativos de β-glucanos. Parâmetros de qualidade da água, como comunidades bacterianas, toxinas e micróbios produtores de off-flavour serão relacionados a sanidade e crescimento dos peixes. 

Ver detalhes do projeto

  Gianmarco Silva David      Apta Regional / IP

AVALIAÇÃO DO FLUXO SANGUÍNEO FOLICULAR E LUTEAL E ESTUDO DA TERMOGRAFIA VULVAR SUPERFICIAL EM BÚFALAS DA RAÇA MURRAH SUBMETIDAS A PROTOCOLO HORMONAL COM E SEM eCG

n° SGP 1124

A ultrassonografia doppler e a termografia digital superficial são tecnologias de recente uso na Medicina Veterinária utilizadas de maneira não invasiva. Estas são ferramentas de auxilio diagnóstico por imagem que auxiliam no estudo dos fenômenos envolvidos durante o ciclo estral, foliculogênese, ovulação, luteogênese, luteólise e as alterações que estas geram na irrigação sanguínea das estruturas ovarias assim como na temperatura corporal e vulvar, podendo ser por resposta fisiológica à ação hormonal. Sendo de grande importância o estudo destes eventos fisiológicos visando melhorar a fertilidade do rebanho bubalino brasileiro. Objetiva-se avaliar as alterações morfológicas e de fluxo sanguíneo que ocorrem nas estruturas ovarianas, além de caracterizar as variações de temperatura corporal e da vulva acompanhados por variações nas concentrações hormonais durante o protocolo hormonal com e sem eCG em búfalas da raça Murrah. Serão selecionadas 20 búfalas em lactação que terão a ovulação sincronizada, utilizando o protocolo hormonal com e sem eCG. Após o 9° dia será realizado acompanhamento diário por ultrassonografia transretal modo B e modo Doppler, visando acompanhar a dinâmica folicular, ovulação, luteogênese e luteólise. A irrigação será mensurada primeiramente de forma subjetiva e posteriormente será realizada a análise objetiva da irrigação das estruturas utilizando “software”. As termografias da vulva, mufla e olho, serão realizadas diariamente anteriormente a ultrassonografia, entre 5:30h e 8:00h, após o maior folículo atingir 8,5 mm de diâmetro a termografia passará a ser realizada 2 x ao dia, durante todas as fases do ciclo estral. Os termogramas serão armazenados no cartão de memória e analisados com auxílio de “software”. Após, será aferida a temperatura retal com termômetro clínico digital. Serão colhidas amostras de 10 mL de sangue, diariamente para a dosagem das concentrações plasmáticas de progesterona e estradiol. Os dados serão submetidos à análise de variância por meio do procedimento do General Linear Models (GLM) do pacote estatístico Statistical Analysis System (SAS, 2009). As médias serão comparadas pelo teste de Tukey a 5%. Serão determinados coeficientes de correlações entre as variáveis estudadas.

Ver detalhes do projeto

  NELCIO ANTONIO TONIZZA DE CARVALHO      Apta Regional / IZ

Qualidade e composição do leite de vacas mestiças em lactação mantidas em pasto de capim Tanzânia e diferentes fontes de proteína no concentrado

n° SGP 1123

Pensando na importância do leite na alimentação humana com um custo acessível a todas as classes sociais, o presente trabalho quer demonstrar que manipulando a dieta animal e alterando a composição do leite, este produto fique com um melhor perfil de nutrientes capaz de melhorar a nutrição e a saúde humana. Para isto 16 vacas mestiças Holandês x Gir, em sistema de pastejo rotacionado, provenientes do rebanho leiteiro do Polo Regional da Alta Mogiana serão agrupadas em blocos homogêneos e distribuídas em um delineamento experimental Quadrado Latino 4 x 4, por um período experimental de 84 dias, nos seguintes tratamentos: FAl – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de algodão; FG – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de girassol; FS – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de soja; FAm – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de amendoim. Será avaliada a produção, a composição do leite bem como o perfil de ácidos graxos no leite. Espera-se melhorar a qualidade da composição do leite com um custo de produção mais baixo e que este promova a saudabilidade. 

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

Caracterização fenotípica de acessos de pimenta Capsicum chinense Jacq.

n° SGP 1121

1 Introdução

O cultivo das pimentas no Brasil vem ganhando importância devido à capacidade de agregação de valor com o processamento dos frutos e à geração de empregos pela necessidade de mão-de-obra. Além disso, as diferentes possibilidades de uso das pimentas (culinário, industrial, medicinal e ornamental) ampliam as perspectivas de crescimento da cultura no país (Moreira et al. 2006, Rufino & Penteado 2006, Costa & Henz 2007).

As pimentas do gênero Capsicum pertencem à família Solanaceae e apresentam cinco espécies domesticadas (Pickersgill 1997), das quais quatro são cultivadas no Brasil: Capsicum annuum L., Capsicum baccatum L., Capsicum chinense Jacq. e Capsicum frutescens L. (Costa & Henz 2007). De modo geral, as pimentas apresentam grande variabilidade genética, que se expressa em variações de diversas partes da planta, desde a morfologia e coloração das flores e frutos até o teor de pungência (Moreira et al. 2006, Pino et al. 2007, van Zonneveld et al. 2015). Plantas com diferentes combinações dessas características podem atender a diferentes demandas dependendo do tipo de produto final exigido pelo mercado. Assim, o conhecimento dessa variabilidade é essencial para identificar os genótipos de interesse e orientar os programas de melhoramento genético (Moreira et al. 2006).

O desenvolvimento de novas cultivares de plantas para uso agrícola depende fortemente de uma base genética ampla disponível para pesquisa (Lopes & Mello 2016). Grande parte desse pool de genes está nas coleções ex-situ, que constituem os chamados Bancos de Germoplasma (BAGs). A manutenção dos BAGs e a conservação e o manejo adequados de seu acervo são cruciais para o progresso dos programas de melhoramento. Além disso, é necessário que os BAGs sejam corretamente organizados e que os acessos nele depositados estejam descritos com o maior detalhamento possível (Lopes & Mello 2016). Do ponto de vista do melhoramento, a caracterização dos acessos é fundamental para permitir ao melhorista identificar genótipos com características de interesse, a partir dos quais serão feitos cruzamentos e seleções para gerar plantas mais adaptadas, produtivas e resistentes a doenças (Carvalho 2014).

O BAG do Instituto Agronômico de Campinas - IAC conta, atualmente, com cerca de 1000 acessos de pimenta correspondentes às cinco espécies cultivadas e uma espécie silvestre. Essa coleção pode ser considerada bastante expressiva, especialmente se comparada a outras coleções de grande relevância ao redor do país e do mundo, como a coleção da Embrapa, com 1841 acessos (Embrapa 2016), do Peru, com 712 acessos (van Zonneveld et al. 2015), e da Bolívia, com 487 acessos (van Zonneveld et al. 2015). Contudo, grande parte do material que integra a coleção de pimentas do IAC ainda não dispõe de descrição detalhada.

Os caracteres morfológicos de uma planta são importantes para o reconhecimento das espécies e cultivares, sendo parte integrante do conjunto de descritores usados para distinguir e registrar cultivares de interesse agronômico (Brasil, 2003). Vários trabalhos de caracterização agronômica de acessos de Capsicum spp. já foram realizados (Wagner 2003; Monteiro 2008; Santos 2009; Sudre et al., 2010; Ferrão et al. 2011; Dias et al. 2013; Carvalho et al. 2014). Alguns desses trabalhos analisaram especificamente coleções de C. chinense (Schuelter 1996; Souza & Maluf, 2003; Souza et al. 2006; Luz 2007; Pereira 2007; Lannes et al. 2007; Jarret & Berke 2008; Fonseca et al. 2008). No entanto, considerando a imensa variabilidade de Capsicum existente no Brasil, muitos estudos de caracterização ainda se fazem necessários. No caso do BAG de pimentas do IAC, a maior parte dos acessos ainda necessita de caracterização detalhada, inclusive os de C. chinense, visto que pequena parte apenas foi estudada por Domenico et al. (2012). Assim, o objetivo deste estudo é caracterizar fenotipicamente acessos de C. chinense do BAG do IAC. As informações geradas constituirão parte importante do registro dos acessos da coleção, sendo fundamentais para a identificação do material e sua utilização em programas de melhoramento genético.

 

2 Material e Métodos

2.1 Local, produção de mudas e plantio

                O estudo será desenvolvido no Centro Experimental Central do IAC (CEC), em Campinas, SP, em condições de campo. Serão utilizados 10 acessos da pimenta C. chinense que integram o BAG de pimenteiras do IAC.

                As mudas serão produzidas a partir das sementes armazenadas em câmara fria e seca (15oC e 40% de umidade relativa). As sementes serão colocadas para germinar em bandejas plásticas com 128 células preenchidas com substrato comercial e cobertas com vermiculita para manter a umidade. Até o transplantio, as bandejas serão mantidas em estufa localizada no Parque tecnológico do CEC. Para a formação das mudas, será instalado um sistema de irrigação automatizado, com regas duas vezes ao dia. Assim que o terceiro ou quarto par de folhas verdadeiras estiverem formados, as mudas serão plantadas em condição de campo. Uma área de aproximadamente 600 m2 localizada no Parque tecnológico do CEC será destinada ao plantio das mudas, onde será instalado sistema de irrigação por gotejamento.

                O preparo do solo envolverá aração, gradagem e posterior levantamento de canteiros. A adubação e calagem serão feitas com base na análise do solo e recomendações de Trani et al. (1996). Em seguida, os canteiros serão cobertos com plástico para minimizar a proliferação de plantas daninhas e, consequentemente, a competição com as plantas do experimento. O uso de coberturas desse tipo também auxilia na manutenção da umidade do solo, proporciona uma melhor eficiência da utilização de nutrientes pela planta e reduz a incidência de pragas e doenças (Kasirajan & Ngouajio 2012).

                O delineamento experimental será em blocos ao acaso, com 10 tratamentos, três repetições e 16 plantas por parcela, totalizando 480 plantas. Para fins de avaliação das características fenótípicas, serão consideradas as 10 plantas centrais de cada parcela. Os canteiros serão preparados com 1,0 m de largura e 0,20 m de altura com espaçamento de 1 m entre canteiros. Em cada canteiro, serão colocadas duas linhas de plantas, separadas 1,20 m entre si e com espaçamento de 0,90 m entre plantas na linha. As mudas serão irrigadas regularmente por meio de sistema de irrigação por gotejamento, de modo a manter o solo sempre úmido, mas não encharcado. Não será feita a aplicação de defensivos agrícolas (fungicidas e inseticidas), uma vez que se pretende avaliar também a resistência dos acessos a pragas e doenças.

                Considerando que taxa de cruzamento natural intraespecífico é alta, para a obtenção de sementes, será necessário promover a autofecundação das flores por meio do seguinte procedimento que deverá ser feito diariamente: na véspera da antese, uma gota de cola plástica será aplicada no ponto de abertura de cada botão floral para evitar a antese e, assim, promover a autofecundação.

 

2.2 Avaliação dos Descritores

A caracterização fenotípica será feita com base no protocolo já estabelecido para Capsicum spp. (IPGRI, 1995). Serão analisados oito descritores fenotípicos, englobando atributos quantitativos e qualitativos da planta, flor e fruto (Tabela 1). As medidas de tamanho serão feitas com paquímetro digital. Será apresentada a estatística descritiva das variáveis quantitativas (média, moda, valores mínimos, máximos e erro padrão) utilizando-se o programa Statistica 8.0. As plantas inteiras e suas estruturas vegetativas e reprodutivas serão fotografadas de maneira padronizada em todas as etapas do estudo para compor um banco de imagens do BAG.

                Os frutos serão colhidos no ponto de maturação completa, seguindo-se a avaliação dos caracteres em laboratório. Em seguida, será feita a extração manual das sementes, colocando-as em pratos de barro para secagem completa. Depois de secas, serão embaladas, identificadas e armazenadas em câmara fria e seca. A obtenção das sementes tem o objetivo de renovar os acessos do BAG. 

 

Tabela 1 – Descritores fenotípicos a serem avaliados nos acessos de Capsicum chinense.

Descritor -  Forma de avaliação

Hábito de crescimento - Avaliado conforme classificação do IPGRI (1995)

Altura da planta - Medida a partir do nível do solo até o ápice do meristema apical

Antese da primeira flor - Registro da data de abertura da primeira flor, obtendo-se o número de dias entre a semeadura e a abertura da flo

Comprimento do fruto - Medição dos cinco primeiros frutos de cada planta

Largura do fruto - Medição da parte mais larga dos cinco primeiros frutos de cada planta

Formato do fruto - Avaliado nos cinco primeiros frutos de cada planta de acordo com a classificação do IPGRI (1995)

Cor do fruto maduro - Avaliada nos cinco primeiros frutos de cada planta de acordo com a classificação do IPGRI (1995)

Superfície do fruto - Avaliada nos cinco primeiros frutos de cada planta de acordo com a classificação do IPGRI (1995)

Ver detalhes do projeto

  Flaviana Maluf de Souza      IAC

Desempenho, qualidade da carcaça e da carne de novilhos Nelore, recebendo óleo de linhaça protegido durante diferentes períodos do confinamento.

n° SGP 1120

Esse projeto de pesquisa será desenvolvido com o objetivo de avaliar diferentes períodos de fornecimento do óleo de linhaça protegido da degradação ruminal, durante o confinamento, para novilhos Nelore, e os efeitos sobre o desempenho animal durante a terminação, característica da carcaça e qualidade da carne. Para isso, vinte e oito novilhos Nelore com 18 meses de idade e 400 kg de peso corporal inicial serão confinados em baias individuais durante 105 dias de período experimental (três subperíodos de 35 dias cada um), após 28 dias de adaptação ao manejo e alimentos. Os animais serão distribuídos em blocos pelo peso e sorteados para um dos seguintes tratamentos: dieta controle; ou a dieta com adição de óleo de linhaça protegido fornecido durante todo o período experimental, durante os dois últimos subperíodos ou durante o último subperíodo. A dieta experimental será composta por 60% de concentrado, sendo a silagem de milho utilizada como volumoso exclusivo. Os alimentos serão oferecidos duas vezes ao dia, permitindo-se uma sobra ao redor de 10%. Os animais serão pesados no início e final de cada subperíodo, após jejum de 15 horas. Ao final do confinamento, os animais serão abatidos em frigorífico comercial. Serão tomadas medidas para avaliação das características da carcaça como peso, rendimento, comprimento, largura, área de olho de lombo, espessura de gordura de cobertura, quebra de resfriamento, pH, temperatura e proporção do dianteiro, ponta de agulha e traseiro especial. A partir de um corte entre a 9a e a 13a costelas, serão retiradas amostras para determinação da cor da carne e da gordura, composição química, pH, capacidade de retenção de água, perdas, força de cisalhamento, avaliação sensorial, colesterol, composição e proporção entre os ácidos graxos, ácido linoléico conjugado e relação n-6:n-3. Serão também utilizadas amostras de carne que serão maturadas por 7 e 14 dias, e feitas as mesmas determinações da carne não maturada. Os resultados serão analisados estatisticamente considerando-se blocos inteiramente casualizados, com quatro tratamentos e sete repetições.

Ver detalhes do projeto

  Wignez Henrique      Apta Regional / IZ

Avaliação do efeito tóxico e genotóxico causado pela formalina em Danio rerio (Peixe zebra)

n° SGP 1119

Resumo da proposta (até 1.600 caracteres):

Danio rerio ou “zebrafish” é uma espécie de peixe muito estudada mundialmente e popular entre os aquaristas como peixe ornamental. Este organismo é também largamente utilizado em ensaios de toxicidade por ser uma espécie disponível comercialmente em vários países. Entre os diversos poluentes que podem atingir o meio aquático, merecem destaque aqueles comumente utilizados, e que atingem os corpos hídricos com frequência, sendo muitos deles carcinogênicos, genotóxicos e teratogênicos à fauna local. A contaminação ambiental é geralmente composta por uma gama de substâncias, que em contato se misturam formando compostos ainda mais prejudiciais. Dentre estes compostos, a formalina (solução aquosa de formol) é um agente importante de fácil dissolução e amplamente utilizado pela população em geral. Este projeto tem como objetivo principal verificar os possíveis efeitos tóxicos e genotóxicos da formalina e determinar as concentrações letais, subletais e de preferência (teste de evitamento) do D. rerio a este produto, viabilizando seu uso em processos de desinfecção em pisciculturas comerciais de forma segura . Os testes agudos e crônicos serão realizados através de metodologias clássicas propostas pela American Society for Testing and Materials – ASTM, pela American Public Health Association – APHA e Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. O teste de micronúcleo será realizado ao longo do teste crônico onde serão coletadas amostras sanguíneas de forma serial às 96, 172 e 288 horas de exposição. A coloração empregada para identificação será a de Fuelgen/Fast Green. Os testes de evitamento serão realizados em um sistema composto por multi compartimentos interligados entre si preenchidos com concentrações subletais de formalina. A taxa de evitamento será calculada como a diferença entre o número de indivíduos esperados por réplica e o número de indivíduos observados. Os resultados deste projeto irão colaborar com a escolha adequada de produtos químicos a serem utilizados em criações comerciais de peixe que utilizam a formalina de forma empírica como produto profilático. efeitos tóxicos e genotóxicos da formalina e determinar as concentrações letais, subletais e de preferência (teste de evitamento) do D. rerio a este produto, viabilizando seu uso em processos de desinfecção em pisciculturas comerciais de forma segura . Os testes agudos e crônicos serão realizados através de metodologias clássicas propostas pela American Society for Testing and Materials – ASTM, pela American Public Health Association – APHA e Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. O teste de micronúcleo será realizado ao longo do teste crônico onde serão coletadas amostras sanguíneas de forma serial às 96, 172 e 288 horas de exposição. A coloração empregada para identificação será a de Fuelgen/Fast Green. Os testes de evitamento serão realizados em um sistema composto por multi compartimentos interligados entre si preenchidos com concentrações subletais de formalina. A taxa de evitamento será calculada como a diferença entre o número de indivíduos esperados por réplica e o número de indivíduos observados. Os resultados deste projeto irão colaborar com a escolha adequada de produtos químicos a serem utilizados em criações comerciais de peixe que utilizam a formalina de forma empírica como produto profilático.

 

 

Ver detalhes do projeto

  Cíntia Badaró Pedroso      IP

Determinação das exigências de energia e proteína para mantença de cordeiros de diferentes grupos genéticos.

n° SGP 1118

Este plano de ação visa determinar as exigências de energia e proteína líquidas para mantença de cordeiros puros das raças Dorper (D), Texel (T), Ile de France (I) e Santa Inês (S) e cruzadas ½ D + ½ S (DS), ½ T + ½ S (TS) e ½ I + ½ S (IS), nascidas em 2013. Serão utilizadas vinte e quatro machos de cada grupo genético, desmamadas aos 90 dias de idade. Os animais serão mantidos confinados em baias individuais durante 28 dias para adaptação às baias e à dieta, formulada de acordo com as exigências preconizadas pelo NRC (2007) para ganhos estimados entre 200 e 250 g/dia. Após esse período e 16 horas de jejum, seis animais de cada um desses grupos genéticos serão abatidos e será determinada a composição do corpo vazio, constituindo a linha base.
 Os outros dezoito animais de cada grupo genético serão mantidos confinados, recebendo a mesma dieta, em três níveis de ingestão de matéria seca com seis animais em cada grupo, sendo alimentação ad libitum, com restrição de 75% e com restrição de 60%, até que os animais do grupo alimentado ad libitum atinjam em média 35 kg de peso corporal. Depois disso, todos os animais serão mantidos em jejum por 16 horas e abatidos, para posterior determinação da composição química do corpo vazio.
 Antes do abate, os animais que tiverem produção de lã serão tosquiados. Todos os animais serão abatidos por insensibilização e será feita a sangria pela secção das veias jugulares e artérias carótidas, com colheita total do sangue. Será feita a separação da pele, da cabeça, das patas e das vísceras. Das vísceras, o trato digestivo será limpo e lavado, a bexiga será esvaziada e o líquido biliar será eliminado. As carcaças serão pesadas e separadas em suas metades, sendo utilizada a meia-carcaça esquerda para as análises. Todos esses tecidos (sangue, cabeça + patas, pele, vísceras, carcaça e lã) serão pesados, moídos, homogeneizados, amostrados e determinados o teores de matéria seca por liofilização. As amostras secas serão enviadas para o laboratório para determinação dos teores de proteína, extrato etéreo e minerais, para cálculo da composição química do corpo vazio.
 Será calculada a correlação entre peso da carcaça e peso do corpo vazio e com a composição corporal inicial (linha base) e final será possível determinar as exigências de energia e de proteína para para mantença de cordeiros dos diferentes grupos genéticos. Após análise da normalidade de distribuição e da homeocedasticidade das variâncias, os resultados serão submetidos à análise de variância para comparação entre os grupos genéticos.
 

Ver detalhes do projeto

  Wignez Henrique      Apta Regional / IZ
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930