Exibindo todos os projetos ativos na APTA

Página Inicial / Busca de Projetos

745 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 25

Embalagens celulósicas recicladas: estudo da migração específica de contaminantes inorgânicos.

n° SGP 1783

Este projeto tem por objetivos desenvolver, otimizar, implantar e validar métodos de ensaio para a determinação da migração específica dos elementos As e Cr, utilizando o simulante aquoso ácido acético 3% em água ultrapurificada, e extração de Cd, Pb e Hg utilizando extrato aquoso, de embalagens celulósicas recicladas destinadas ao contato com alimentos, conforme estabelecido pela Resolução RDC nº 88/16 da ANVISA, empregando a técnica de espectrometria de emissão atômica com detector óptico (ICP OES) como ferramenta analítica de quantificação, bem como avaliar amostras de mercado para levantar dados da qualidade das embalagens celulósicas comercializadas no mercado regional em relação à presença dos contaminantes inorgânicos em estudo.

Ver detalhes do projeto

  Elisabete Segantini Saron      ITAL

Embalagens celulósicas para alimentos: avaliação da conformidade em relação aos ftalatos, metais e migração para alimentos

n° SGP 1782

As embalagens celulósicas são amplamente usadas como embalagem de alimentos, sendo predominantemente de uso único (descartáveis). O aumento do interesse público pela conservação dos recursos naturais e também por questões econômicas, levou ao aumento do uso de papel, papel ondulado e cartão reciclados. O regulamento técnico do Mercosul, Resolução GMC nº 40/15, publicado no Brasil pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) como Resolução RDC nº 88/16 aprovou o uso de fibras recicladas no material celulósico para contato com alimentos, porém a embalagem deve cumprir com os limites máximos para migração específica de algumas substâncias químicas, entre elas os ftalatos DBP, DIBP e DEHP e os metais As, Cr, Cd, Pb e Hg.  A segurança dos materiais celulósicos reciclados para uso em contato com alimentos está diretamente relacionada com a habilidade dos contaminantes da etapa pós-consumo serem absorvidos pelo material reciclado e posteriormente liberados pelo material de embalagem e absorvidos pelo alimento. Assim, este projeto tem por objetivo estudar a migração dos plastificantes DBP, DIBP e DEHP, que são empregados em tintas utilizadas na impressão de embalagens celulósicas comercializadas no mercado brasileiro e DIPN, substância oriunda da reciclagem de papel autocopiativo identificada em diversos estudos internacionais, bem como a migração dos elementos As e Cr e a extração em água de Cd, Pb e Hg. Desse modo, se as aparas de papel utilizadas no processo de reciclagem apresentarem concentrações reduzidas dos plastificantes utilizados nas tintas de impressão e dos metais, as embalagens feitas com fibras celulósicas recicladas devem apresentar migração específica inferior ao limite máximo estabelecido na legislação. Assim, tem-se a garantia de que os plastificantes e os metais não irão migrar para o produto alimentício e ser indevidamente ingeridos pelos consumidores. Além disso, amostras comerciais de alimentos normalmente acondicionados em embalagens celulósicas serão avaliadas quanto à migração das substâncias químicas em estudo.

Ver detalhes do projeto

  Leda Coltro      ITAL

Migração de ftalatos de embalagens celulósicas para simulante de alimentos secos e gordurosos

n° SGP 1781

Em 29/06/16 foi publicada no Brasil, pela ANVISA, a Resolução RDC nº 88/16 que incorpora ao ordenamento jurídico nacional a Resolução GMC MERCOSUL nº 40/15 (BRASIL, 2016; GRUPO..., 2015), a qual aprova o regulamento técnico sobre materiais, embalagens e equipamentos celulósicos destinados a entrar em contato com alimentos e dá outras providências.

Esta Resolução apresenta uma lista positiva de componentes para materiais, embalagens e equipamentos celulósicos destinados a entrar em contato com alimentos e especifica que o material celulósico para contato com alimentos, que utiliza fibras recicladas na sua produção, deve cumprir com os limites máximos para migração específica (LME) e limites totais extraídos do material de algumas substâncias químicas. No entanto, para proteger a saúde do consumidor é ressaltado que na fabricação de embalagens celulósicas em contato com alimentos não podem ser utilizadas fibras recicladas provenientes da coleta indiscriminada de rejeitos que possam comprometer a inocuidade ou afetar as características de composição e sensoriais dos alimentos.

Neste projeto é proposto o desenvolvimento e validação de método para a determinação da migração específica de ftalatos de embalagens celulósicas (papel e/ou cartão) para simulante de alimentos secos e gordurosos tendo em vista que em muitas aplicações é utilizada polpa celulósica reciclada na composição do material da embalagem desta classe de alimentos.  

Ver detalhes do projeto

  Leda Coltro      ITAL

Modificação de propriedades físicas de micropartículas contento extrato natural obtidas por spray dryer

n° SGP 1777

Esse projeto visa o desenvolvimento de micropartículas menos solúveis, contendo um extrato natural, utilizando a técnica de spray drying e avaliando o desempenho das melhores amostras em um produto com alto teor de umidade (bala de hidrocolóides) e aplicando um teste de resistência física em meio ácido e alcalino (simulação parcial de condições gastrintestinais). Este trabalho dá seguimento e fortalece as pesquisas sobre microencapsulação e microestruturas no Cereal Chocotec visando em um plano maior beneficiar o consumidor com produtos mais saudáveis e atender a atual política nacional de inovação, que busca aumentar a competitividade de diversos setores da indústria brasileira, incluindo de alimentos processados, pela inclusão de tecnologias inovadoras no país.

Ver detalhes do projeto

  Izabela Dutra Alvim      ITAL

: Acidificação de filés de tilapia pelo método de impregnação a vácuo.

n° SGP 1756

Filés de tilapia serão pré-selecionados e submetidos a ensaios para a determinação do tempo necessário para redução de pH da amostra com salmoura acidificada por ácido fumárico e 5% de cloreto de sódio  a fim de fazer a comparação entre dois métodos:  a) imersão na salmoura acidificada em duas concentrações do ácido e duas proporções salmoura: amostra; b) imersão na salmoura acidificada por impregnação a vácuo. Nos dois casos as amostras acidificadas serão avaliadas quanto ao  pH, acidez total, umidade, cloretos e atividade de água. 

Ver detalhes do projeto

  José Ricardo Gonçalves      ITAL

Estudo sobre a ocorrência de blowout em tampas de latas de bebidas carbonatadas

n° SGP 1754

Blowout é o termo utilizado para definir a projeção da escotilha da tampa de fácil abertura para fora da lata, como resultado do rompimento do semicorte e da atuação da pressão interna da lata. Esta abertura espontânea da tampa pode estar relacionada a diversos fatores, tais como o desenvolvimento de corrosão, a medida da espessura residual do semicorte e sua integridade, a pressão interna do produto e as condições de temperatura no transporte e distribuição.

Este projeto tem por objetivo estudar a influência de íons cloreto e cobre no desenvolvimento de blowout em tampas de alumínio para latas de bebidas, em continuidade ao estudo realizado no período de fevereiro a julho de 2017. Será avaliada a influência de diferentes concentrações de íons cloreto e cobre aplicados na região do semicorte das tampas de latas com um nível de carbonatação, em conjunto com a variação das condições de condicionamento (35 ºC/90%UR intercalada com temperatura ambiente e 35 ºC/90%UR intercalada com temperatura de refrigeração, em condição simulada de embalagem secundária com filme plástico.

Ver detalhes do projeto

  Sílvia Tondella Dantas      ITAL

IDENTIFICAÇÃO DO VIRUS DA GASTROENTERITE TRANSMISSÍVEL SUÍNA (TGEV) PELAS TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO, EM SUÍNOS PROVENIENTES DE MATADOUROS OU DE GRANJAS.

n° SGP 1740

A gastroenterite transmissível (TGE) é uma doença altamente contagiosa e aguda dos suínos, causada pelo vírus da família Coronaviridae, gênero Coronavírus. A forma epizoótica da doença está associada a uma alta mortalidade, podendo alcançar uma taxa de até 100% em leitões com menos de duas semanas de idade e que podem vir a óbito por severa desidratação. Este projeto tem por objetivo detectar a presença do vírus da gastroenterite transmissível suína (TGEV) em amostras provenientes de matadouros ou de casos clínicos de diarreias e vômitos. No Laboratório de Microscopia Eletrônica serão processadas técnicas de microscopia eletrônica de transmissão de contrastação negativa, imunomicroscopia e de imunocitoquímica (imunomarcação com partículas de ouro coloidal), visando contribuir para posteriores exames de rotina dessas viroses nos suínos, determinando as áreas de risco no Estado de São Paulo e colaborando desta maneira com o Agronegócio Suinícola Nacional, dando embasamento a programas sanitários.

Ver detalhes do projeto

  Marcia Helena Braga Catroxo      IB

DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE ROTAVÍRUS, EM SUÍNOS PROVENIENTES DE MATADOUROS OU DE GRANJAS.

n° SGP 1739

Os rotavírus são os principais agentes etiológicos de grave diarreia neonatal e do pós desmame dos suínos, ocasionando altos índices de morbidade e mortalidade. São vírus  RNA pertencentes à família Rotaviridae e ao gênero Rotavírus. A rotavirose suína tem um importante impacto econômico na Indústria Suinícola, causando consideráveis prejuízos econômicos às granjas. Os suínos representam um reservatório potencial de transmissão zoonótica para os seres humanos. Este projeto tem por objetivo detectar a presença do rotavírus suíno em amostras provenientes de matadouros ou de casos clínicos de diarreia ou vômitos. No Laboratório de Microscopia Eletrônica serão processadas técnicas de microscopia eletrônica de transmissão de contrastação negativa, imunomicroscopia Eletrônica e de imunocitoquímica (imunomarcação com partículas de ouro coloidal), visando contribuir para posteriores exames de rotina dessas viroses nos suínos, determinando as áreas de risco no Estado de São Paulo e colaborando desta maneira com o Agronegócio Suinícola Nacional, dando embasamento a programas sanitários.

Ver detalhes do projeto

  Marcia Helena Braga Catroxo      IB

IMPLEMENTAÇÃO DAS TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DO CIRCOVÍRUS TIPO 2 (PCV-2), EM SUÍNOS PROVENIENTES DE MATADOUROS OU DE GRANJAS

n° SGP 1738

O circovírus suíno tipo – 2 é o agente etiológico de uma patologia emergente, a Síndrome multisistêmica do definhamento do leitão desmamado (SMDLD) ou Síndrome multisistêmica caquetizante pós desmame. A circovirose suína tem sido relatada em vários países, associada ou não a achados patológicos. É considerada uma doença emergente que pode tornar-se um fator limitante para o desenvolvimento da suinocultura mundial, com mortalidade entre 3% a 10%, mas podendo atingir até 35%. Este projeto tem por objetivo detectar a presença do circovírus suíno tipo 2 em amostras provenientes de matadouros ou de casos clínicos. No Laboratório de Microscopia Eletrônica serão processadas técnicas de microscopia eletrônica de transmissão de contrastação negativa, imunomicroscopia eletrônica e de imunocitoquímica (imunomarcação com partículas de ouro coloidal), visando contribuir para posteriores exames de rotina dessas viroses nos suínos, determinando as áreas de risco no Estado de São Paulo e colaborando desta maneira com o Agronegócio Suinícola Nacional, dando embasamento a programas sanitários.

Ver detalhes do projeto

  Marcia Helena Braga Catroxo      IB

Pesquisa de doenças infecciosas virais em aves por microscopia eletrônica de transmissão

n° SGP 1737

As aves silvestres e de cativeiro são consideradas reservatórios virais e potenciais disseminadores de doenças. Este fato se deve à adaptação de seus membros anteriores ao vôo e à sua característica migratória, possibilitando viagens a longas distâncias, podendo, desta maneira, introduzir viroses de grande importância epidemiológica em locais onde estas não são endêmicas.

            Uma vez introduzidas em um novo local, tais viroses podem ser transmitidas a outras espécies, incluindo as domésticas, as de criações comerciais e de criadouros e, inclusive aquelas que se encontram em extinção, promovendo grandes prejuízos, tanto à economia, quanto aos esforços feitos até hoje para a conservação da natureza.

            Nestas condições, a justificativa deste projeto se apóia nas pesquisas de ultraestrutura e imunomicroscopia eletrônica com o intuito de estabelecer diagnóstico seguro, obtendo dados significativos que levem ao estabelecimento de condutas adequadas de controle e prevenção dos agentes patogênicos que causam doenças em diversas espécies aviárias.

Ver detalhes do projeto

  Marcia Helena Braga Catroxo      IB

Estudos ultraestruturais e imunoeletromicroscópicos na diagnose e pesquisa de patologias animais casadas por vírus e organismos procariontes

n° SGP 1736

Os materiais enviados, provenientes de diversas espécies de animais de produção, serão processados pelas técnicas de contrastação negativa (preparação rápida), imunomicroscopia eletrônica, imunocitoquímica (imunomarcação com partículas de ouro coloidal) e de inclusão em resina para microscopia eletrônica de transmissão.

            O projeto visa detectar a presença de agentes virais, além de estudar as alterações citológicas, morfologia do agente (características e dimensões) e sua relação com as organelas e estruturas celulares objetivando sua identificação ou reconhecimento de seu grupo taxonômico.

            Os resultados desses estudos bem como a divulgação da freqüência com que ocorrem as doenças infecciosas de origem viral serão de extrema importância, uma vez que propiciam subsídios para a implantação de sistemas de controle e estudos epidemiológicos, visando minimizar as perdas econômicas na pecuária, bem como a melhoria dos sistemas de saúde, de prestação de cuidados à saúde dos animais e da comunidade.

Ver detalhes do projeto

  Marcia Helena Braga Catroxo      IB

Modificação da manteiga de cacau visando melhorar suas propriedades físicas e térmicas

n° SGP 1735

Dentre as matérias-primas que compõem o chocolate, a manteiga de cacau é uma das mais importantes. Representa a fase contínua do produto, servindo de matriz dispersante para as partículas sólidas de cacau, açúcar e leite, sendo responsável por diversas características de qualidade no produto final como dureza e quebra à temperatura ambiente (snap), completa fusão na boca, contração durante o desmolde, brilho e rápido desprendimento de aroma e sabor na degustação (LUCCAS, 2001; TIMMS, 2003). É também uma das matérias-primas mais caras, podendo participar com 28 a 40% da composição, correspondendo de 25 a 36% do custo do produto acabado.  É sabido que algumas manteigas de cacau apresentam propriedades físicas indesejáveis, sobretudo devido à sua baixa curva de sólidos, tornando-o chocolate macio e reduzindo o seu valor comercial. O objetivo central desta pesquisa é estudar técnicas capazes de modificar a manteiga de cacau e melhorar as suas propriedades físicas e térmicas. 

Ver detalhes do projeto

  valdecir luccas      ITAL

Co-cristalização como processo para formação de ingrediente para redução de açúcar em bolos

n° SGP 1734

Para este estudo deverá ser utilizado o princípio da co-cristalização, ajustando-se o processo para a formação de um sólido particulado cristalino com a agregação de um ingrediente funcional na matriz de sacarose, devendo-se avaliar o aumento de escala de produção a partir de resultados obtidos em estudo anterior com testes realizados em bancada e aplicação do ingrediente em bolo industrial.

 

Ver detalhes do projeto

  Marise Bonifácio Queiroz      ITAL

Desenvolvimento e validação de metodologia para determinação de lactose em produtos lácteos processados qualificados como "zero lactose".

n° SGP 1733

~~A indústria alimentícia nos últimos anos vem diversificando seus produtos e lançando no mercado produtos lácteos processados com teor reduzido de lactose, com a finalidade de atender a grande parcela da população que apresenta sintomas de intolerância à lactose. A lactose é o principal carboidrato presente no leite e em seus derivados. Para a determinação de lactose em produtos lácteos processados qualificados como “zero lactose” é necessária a utilização de um sistema cromatográfico com maior sensibilidade que permita a obtenção de limites de detecção e quantificação mais baixos. Assim sendo, o presente trabalho tem como objetivo desenvolver e validar metodologia para a determinação de lactose em produtos lácteos processados “zero lactose”, utilizando um sistema cromatográfico HPLC com detector ELSD.

 

Ver detalhes do projeto

  Sueli Regina Baggio      ITAL

Microencapsulação de substâncias funcionais: ômega-3 e ômega-6

n° SGP 1731

O objetivo deste projeto é estudar a microencapsulação do óleo de sacha inchi e  avaliar o uso da goma do cajueiro como um material de parede nacional e alternativo ao uso da goma acácia. As micropartículas obtidas terão sua estabilidade avaliada por 180 dias.

Ver detalhes do projeto

  Ana Lúcia Fadini      ITAL

Influência da cristalização de polióis na textura de balas mastigáveis diet com fruta

n° SGP 1729

A cristalização altera significativamente as propriedades de textura das balas, podendo torná-las mais macias, menos adesivas, mais estruturadas (com menor tendência a deformar), com uma textura “curta” / de corte e com rápida dissolução na boca durante a degustação quanto maior for o grau de cristalização. Este projeto de pesquisa  tem como objetivos estabelecer uma possível relação entre a formação de fase cristalina em matrizes de balas mastigáveis diets e suas propriedades de textura, assim como avaliar a estabilidade das balas quanto à absorção de umidade frente a diferentes condições ambientais.

 

Ver detalhes do projeto

  Lidiane Bataglia da Silva      ITAL

CONTROLE BIOLÓGICO DE Sphenophorus levis EM CANA-DE-AÇÚCAR COM FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

n° SGP 1726

Sphenophorus levis (Coleoptera: Curculionidae), é uma importante praga dos canaviais no estado de São Paulo, Brasil. As larvas desse inseto destroem rizoma da planta, causando prejuízos da ordem de 30 toneladas de cana por hectare, além de reduzir a longevidade do canavial. O controle biológico desta praga é uma ferramenta importante no manejo integrado. Dessa forma, os objetivos dessa pesquisa são: desenvolver iscas atrativas aos adultos de S. levis a partir de materiais fermentativos da cana-de-açúcar como torta de filtro, bagacilho, bagaço, colmo de cana ou com substâncias atrativas a partir do caldo de cana. Testar a compatibilidade e estabilidade dos isolados IBCB 383 de M. anisopliae e IBCB 170 de B. bassiana nas iscas para S. levis. Avaliar a eficiência da isca atrativa em condições de campo em conjunto com aplicações dos fungos em área total para controle de adultos de S. levis durante diferentes épocas do ano. 

Ver detalhes do projeto

  José Eduardo Marcondes de Almeida      IB

ESTUDO DE NOVA FORMULAÇÃO DE Metarhizium anisopliae PARA O CONTROLE DE CIGARRINHA-DE-RAIZ (Mahanarva fimbriolata) NA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR

n° SGP 1725

A presente proposta de trabalho contempla o estudo de uma nova formulação granular contendo microescleródios de Metarhizium anisopliae desenvolvida e patenteada pelo United States Department os Agriculture (USDA) e adquirida pela empresa Koppert Biological Systems para ser usada em cultura de cana-de-açúcar no controle de cigarrinha-de-raiz.  - Estudar a formulação contendo microescleródios de M. anisopliae para seu uso no controle de cigarrinha-de-raiz na cultura de cana-de-açúcar. Determinar as melhores condições ambientais (temperatura, umidade e radiação UV) da formulação contendo microescleródios de M. anisopliae a fim de avaliar o efeito da germinação do micro-organismo e consequentemente obter alta performance no controle de cigarrinha-de-raiz; Determinar as dosagens mínimas e máximas da formulação para o controle de cigarrinha-de-raiz em condições laboratoriais e de campo, bem como a frequência de aplicação do produto; Avaliar a vida de prateleira (Shelf-life) do produto sob diferentes temperaturas.

Ver detalhes do projeto

  José Eduardo Marcondes de Almeida      IB

Estudos epidemiológicos e manejo de vírus transmitidos pelo complexo "mosca branca" em tomateiro no cinturão verde de São Paulo : assentamento rural chácara Santo Ângelo

n° SGP 1722

A principal área fornecedora de hortaliças para a capital paulista, entre elas tomate (Solanum lycopersicon), se encontra no cinturão verde de São Paulo (Mogi das Cruzes, Ibiúna, Suzano, entre outras). Nestas áreas a cultura de tomateiro é feita por pequenos produtores, em pequena escala de forma intensiva sendo comercializado principalmente nos CEAGESP e CEASA´s da Região. No entanto, nos últimos anos, danos indiretos provocados por fitovírus principalmente os transmitidos por mosca branca, tanto Bemisia tabaci (Biotipo B ou MEAM 1) como Trialeurodes vaporiarorium (“mosca branca da casa de vegetação”), tem auxiliado na redução da produção e na qualidade do produto final, desta forma prejudicando os produtores. Entre os begomovírus que atacam a cultura no Brasil, se encontram o Tomato yellow vein streak virus (ToYVSV), causando prejuízos expressivos aos produtores em diversas áreas de plantio de tomateiros em Monte Mor, Elias Fausto e Sumaré, SP, sendo também detectada em lavouras de outras hortaliças (batata, pimentão, berinjela), o Tomato severe rugose vírus (ToSRV), que vem predominando no Estado de São Paulo, juntamente com um crinivírus, Tomato chlorosis virus (ToCV). O presente projeto tem o objetivo de estudar aspectos epidemiológicos destes vírus e de seus insetos vetores em áreas de produção de tomate na região de Mogi das Cruzes, permitindo assim, determinar algumas táticas de manejo junto a pequenos produtores no assentamento rural Chácara Santo Ângelo, este, que é o maior assentamento da região com 532,25 hectares e aproximadamente 400 famílias

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

ESTUDO DE ESTRATÉGIAS QUE INTERFIRAM NO POUSO DE Diaphorina citri EM POMARES CÍTRICOS EM FORMAÇÃO

n° SGP 1721

O psilídeo D. citri é considerado a principal praga dos citros por ser vetor das bactérias associadas ao HLB. O manejo da doença depende da prevenção da infecção e da redução de fontes de inóculo nos pomares, que são alcançados pelo plantio de mudas sadias, inspeção e erradicação de plantas com sintomas da doença e controle da população de psilídeos.

Atualmente, o controle químico é a tática mais efetiva de manejo de D. citri. Este se inicia no viveiro, com a aplicação de inseticidas sistêmicos nas mudas. Nos pomares em formação aplicam-se inseticidas sistêmicos e de contato, e em pomares em produção somente inseticidas de contato (3).  Nos últimos anos, o aumento nas aplicações de inseticidas contra o psilídeo elevou o custo de produção. 

Uma das alternativas para o controle do pouso do inseto e o uso de agrotextil, que são filamentos contínuos de polipropileno ou polietileno soldados termicamente, permeáveis à água e ao ar, e que permite passagem de luz. Este material vem sendo usado com sucesso por produtores de melão no manejo de viroses transmitidas por insetos vetores (F. J. S. Salas, comunicação pessoal), com significativa redução na população de vetores de vírus em cultivos hortícolas (17,18). Em laboratório e casa de vegetação o agrotextil impediu alimentação de D. citri sem interferir no desenvolvimento dos citros (M. P. Miranda, dados não publicados), com potencial de uso como barreira de acesso à planta pelo psilídeo.

O Objetivo principal  do projeto é avaliar a viabilidade do agrotextil como barreira de disseminação do HLB em pomar em formação

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

Epidemiologia de fitovírus em espécies da vegetação espontânea do Parque Nacional da Serra do Cipó (encerrado)

n° SGP 1720

A presente proposta de trabalho refere-se à realização de um estudo sobre aspectos gerais da incidência de fitovírus (i.e., vírus ocorrentes plantas) em uma das mais importantes Unidades de Conservação do Brasil, que é O Parque Nacional da Serra do Cipó, MG. Até o momento, nenhum estudo foi realizado acerca da relação entre fitovírus / ecossitemas naturais no Brasil, especialmente em UCs. Assim, tendo em vista que a UNIP já vem realizando estudos botânicos no PARNA do Cipó (p.e., o “Guia de identificação das pteridófitas da Serra do Cipó”, sob coordenação do botânico Mateus Paciencia, curador do Herbário UNIP), propõe-se aqui estabelecer uma parceria entre a UNIP e o Instituto Biológico de São Paulo, visando a elucidação de questões relacionadas aos mecanismos reguladores da incidência de vírus nas plantas do Cipó e áreas agrícolas adjacentes. Acredita-se que os produtos gerados por este estudo poderão ser ferramentas fundamentais para o planejamento de ações conservacionistas na área, bem como para a proposição de melhorias de manejo e produção agrícola nas zonas que cercam o Parque. 

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

Transmissão de vírus de plantas por insetos

n° SGP 1719

O projeto propõe-se a contribuir para o conhecimento da biologia de alguns insetos-vetores de vírus, investigar as diferentes associações vírus-vetor e fornecer subsídios para estudos epidemiológicos. Considerando que uma das metodologias empregadas no combate as doenças de etiologia viral consiste no controle dos vetores, o conhecimento de sua interação com a planta hospedeira tem papel fundamental na minimização de danos nas regiões produtoras. Neste projeto, renovado, se buscam novas alternativas de manejo cultural, entre elas: à resistência das plantas (antibiose e/ou antixenose) aos insetos vetores; resistência de plantas aos fitovírus, além de novas metodologias de controle, com ênfase nas barreiras físicas, como, por exemplo, às coberturas flutuantes ou agrotêxtil e telas impregnadas com inseticidas. além destes métodos de controle serão observados aspectos epidemiológicos e padrões de distribuição de fitovírus.

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

Estudos sobre vírus isolados de leguminosas de importância econômica e de seus insetos-vetores

n° SGP 1718

A família Fabaceae possui uma diversidade grande de espécies (cerca de 18000), sendo muitas delas utilizadas na alimentação humana e animal. O intenso cultivo de leguminosas seja para adubação verde, forragem ou alimentos tem proporcionado a ocorrência de pragas e doenças que ocasionam danos as culturas. No Brasil, tem sido constatada a ocorrência de vírus que têm causado sérios danos a culturas e, possivelmente, devido a grande diversidade de espécies, muitos vírus que podem constituir num sério problema, sequer foram descritos, Com base nestes fatos, pretende-se, através da utilização de técnicas para identificação e caracterização de fitovírus, agilizar o diagnóstico destes agentes, bem como realizar indexação de sementes e levantamento das principais viroses de leguminosas cultivadas e nativas. Além disso serão avaliados quanto a resistência aos fitovírus, detectados nas regiões produtoras e, seus insetos-vetores. 

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

DIETAS SUPLEMENTADAS COM MINERAIS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS PARA TILÁPIA DO NILO Oreochromis niloticus (fases juvenil, reprodutora, larval)

n° SGP 1717

Estudos com microminerais têm sido desenvolvidos com a finalidade de garantir melhor absorção desses nutrientes no trato intestinal dos peixes, sem entrar no processo de competição iônica, normalmente determinada pela presença de maior concentração de íons minerais. O presente estudo tem por objetivo avaliar a substituição de minerais (selênio, zinco, ferro, cobre e manganês) inorgânicos por suas formas orgânicas em dietas para diferentes fases de desenvolvimento durante o ciclo de vida da tilápia do Nilo (Fase 1. Juvenil; Fase 2. Reprodutora na 1º Maturação Gonadal; Fase 2.1 – Larval; Fase 3. Manutenção dos Reprodutores; Fase 4. Reprodutora na 2º Maturação Gonadal e Fase 4.1 Larval). As dietas serão formuladas de acordo com as exigências nutricionais de cada fase, com distinção apenas nas formas de minerais a serem suplementados em cada, sendo: T1 - 100 % minerais inorgânicos (controle), T2 – 100% minerais orgânicos, T3 – 25% de minerais orgânicos e 75% de minerais inorgânicos, T4 – 50% de minerais orgânicos e 50% de minerais inorgânicos e T5 – 75% de minerais orgânicos e 25% de minerais inorgânicos. Nas distintas fases serão avaliados parâmetros zootécnicos, reprodutivos, enzimáticos, histológicos, sanguíneos e concentração de minerais em vértebra, carcaça e ovos. Os resultados serão submetidos às análises estatísticas que melhor se ajustarem ao modelo experimental. Espera-se com o desenvolvimento do presente trabalho atender a demanda existente da iniciativa privada de uma ração suplementada com minerais adequadas, aumentando a produção de ovos e larvas, proporcionando melhorias no desenvolvimento dos animais, consequentemente, otimizando custo e benefício.

Ver detalhes do projeto

  elizabeth romagosa      IP

Determinação de estigmastadienos e correlação com os teores de ésteres de monocloropropanodiol e ésteres de glicidol em azeites de oliva virgens, como marcadores complementares de fraudes.

n° SGP 1713

A quantificação de substâncias que funcionam como marcadoras da ocorrência de fraudes em azeites virgens é necessária, tanto para cumprir com os requisitos específicos estabelecidos em legislação, como para garantir a correta classificação e comercialização dos azeites de oliva no Brasil.

Assim, o presente estudo tem como objetivo validar metodologia para a determinação do composto estigmastadienos (marcador da ocorrência do processo de refino, o que é proibido para azeites virgens) em amostras comerciais de azeite e correlacionar os dados obtidos com os teores dos contaminantes denominados ésteres de monocloropropanodiol e ésteres de glicidol, que tem potencial tóxico e que também são formados  em altas temperatura a partir de outros precursores, indicando a importância dessas substâncias como marcadoras complementares e indicadoras de fraudes em azeites.  

Ver detalhes do projeto

  Eduardo Vicente      ITAL

Formação e mitigação de ésteres de 3-MCPD, 2-MCPD e glicidol em óleo de palma

n° SGP 1712

Altos níveis de formas ligadas de cloropropanóis (MCPDE) e de glicidol (GE) tem sido encontradas em óleos vegetais refinados, especialmente em óleo de palma e produtos derivados, formados como resultado da etapa de desodorização. O entendimento dos mecanismos químicos de reação assim como de seus principais percursores é necessário para que possam ser propostas medidas para mitigação.  No presente projeto, serão realizados experimentos em escala laboratorial de forma a simular o processo de desodorização do óleo de palma, com o objetivo de disponibilizar dados sobre os principais fatores envolvidos na formação de MCPDE e GE, e uma tecnologia inovadora e eficiente para a redução simultânea dos contaminantes. Espera-se que os resultados obtidos possam contribuir de maneira significativa para o avanço do estado-da-arte desta área de pesquisa emergente e altamente relevante para a segurança alimentar e saúde pública.

Ver detalhes do projeto

  Eduardo Vicente      ITAL

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE UMA BEBIDA EM PÓ CONTENDO FE-PEPTÍDEOS, DIRECIONADOS A SAÚDE DA MULHER

n° SGP 1710

O prejuízo do desenvolvimento cognitivo e desempenho físico em indivíduos  acometidos pela deficiência de ferro vêm sendo objeto de amplo estudo. Peptídeos ligados ao ferro são  considerados uma alternativa para substituição do sulfato ferroso majoritariamente empregado como tratamento profilático para anemia ferropriva, tanto em estabelecimentos da saúde como também na orientação de políticas públicas. Entre as vantagens dos Fe-peptídeos microencapsulados estariam à atenuação das características indesejáveis de sabor e odor (metálico, amargo) e o aumento de sua estabilidade e biodisponibilidade. A microencapsulação com polissacarídeos e técnicas de flavorização serão utilizados  para a elaboração de uma formulação seca com uma adequada concentração de ferro, farmacocinética eficiente e sensorialmente aceita. Neste caso direcionado a mulheres em idade fértil de 18 a 49 anos com deficiência de ferro. A formulação contendo Fe peptídeos micro encapsulados numa mistura seca flavorizada inicia se com a hidrolise da proteína de soro de leite utilizando enzima Alcalase® seguida de fraccionamento por ultrafiltração (MM≤5kDa), obtenção de complexos Fe-peptídeos (tendo a sal FeSO4 como fonte de Fe), microencapsulação e secagem por spray dryer. As formulações serão acondicionada em sachês contendo uma concentração do ferro elementar em função da ingestão recomendada como dose para tratamento profilático. Terão como coadjuvantes em inclusão de aditivos flavorizantes, agentes de dispersibilidade e antiumectantes, característicos de  uma bebida cítrica e láctea. As características sensoriais do suplemento, percebidas pelos sentidos da visão, olfato, gosto e tato serão medidas analisadas e interpretadas através de testes afetivos utilizando a escala hedônica para avaliar a aceitabilidade e preferência do consumidor.

Ver detalhes do projeto

  Maria Teresa Bertoldo Pacheco      ITAL

Validação de metodologia analítica para determinação de 13 hidrocarbonetos policíclicos aromáticos em liquor e manteiga de cacau

n° SGP 1708

Os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs) são um grupo de compostos considerados contaminantes de alimentos. Os HPAs são formados através da queima incompleta de matéria orgânica e 13 desses compostos são considerados carcinogênicos pelo JECFA. Um dos alimentos onde os HPAs podem estar presentes é o cacau, sendo que a fonte dessa contaminação pode ser o processo de torrefação. Assim, o objetivo do presente projeto é desenvolver uma metodologia adequada para avaliar os teores de 13 HPAs no líquor do cacau e na manteiga de cacau, que são utilizados para fazer o chocolate. A metodologia de análise envolverá extração líquido-líquido, limpeza em coluna de sílica gel e determinação por cromatografia líquida de alta eficiência com detecção por fluorescência (HPLC-FLD). 

Ver detalhes do projeto

  Silvia Amélia Verdiani Tfouni      ITAL

Mapeamento das características de cafés em cápsulas

n° SGP 1707

O café espresso é definido como a bebida obtida pela percolação de água quente sob pressão através do café torrado e moído compactado. O sistema de cápsulas vem ganhando destaque por ser um método prático para obtenção de cafés de boa qualidade através da redução de variáveis durante o preparo. Serão avaliadas amostras de café obtidas pela extração individual, utilizando-se quatro máquinas para café em cápsulas e suas características físico-químicas e sensoriais serão comparadas com as do café obtido pelo sistema convencional de café espresso. Quanto às características físico-químicas, será verificado se existem diferenças no tempo de extração, volume e persistência da crema, umidade e sólidos totais, índice de refração, pH, teor de ácidos clorogênicos, cafeína, trigonelina e ocratoxina na bebida. Quanto às características sensoriais, será realizada análise descritiva e também será classificada a qualidade da bebida, desde tradicional a gourmet, assim como um estudo da aceitabilidade com consumidores.

Ver detalhes do projeto

  Silvia Amélia Verdiani Tfouni      ITAL

Avaliação da presença de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos nas etapas do processamento do cacau

n° SGP 1706

Os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs) são um grupo de compostos considerados contaminantes de alimentos. Os HPAS são formados através da queima incompleta de matéria orgânica e 13 desses compostos são considerados carcinogênicos pelo JECFA. Um dos alimentos onde os HPAs podem estar presentes é o cacau, sendo que a fonte dessa contaminação pode ser o processo de torrefação. Assim, o objetivo do presente projeto é avaliar os teores de 13 HPAs nos produtos obtidos em diferentes etapas do processo de fabricação do cacau, de modo a identificar os possíveis pontos de contaminação ou redução/eliminação desses compostos. A metodologia de análise envolverá extração líquido-líquido, limpeza em coluna de sílica gel e determinação por cromatografia líquida de alta eficiência com detecção por fluorescência (HPLC-FLD). 

Ver detalhes do projeto

  Silvia Amélia Verdiani Tfouni      ITAL
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930