Projetos APTA em todas as unidades, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

849 projetos ativos encontrados - pág. 8 de 29

Perfil da expressão de genes associados ao estresse térmico em Nelore e Caracu

n° SGP 1534

O objetivo deste estudo é quantificar e comparar o efeito do desafio térmico no perfil da expressão das proteínas de choque térmico Hsp60, Hsp70 e Hsp90 entre as raças bovinas Nelore (Bos indicus) e Caracu (Bos taurus). Durante os meses de verão (outubro a fevereiro), quando as temperaturas atingem o pico serão mensuradas as temperaturas retal e da superfície da pele e as frequências cardíacas e respiratórias dos animais das duas raças. As amostras de sangue serão colhidas antes da exposição ao sol (7:30h) e após a exposição ao sol (15:00h), com o intuito de dosar o hormônio adrenocorticotrófico (ATCH) e o cortisol. As amostras de sangue serão utilizadas para extração de mRNA e estudo dos níveis de transcritos das proteínas Hsp60, Hsp70 e Hsp90 por PCR em tempo real.

 

Ver detalhes do projeto

  CLAUDIA CRISTINA PARO DE PAZ      IZ

Estudo morfológico e molecular de espécies do filo Oomycota isoladas de cultivo de truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss Walbaum) em Campos do Jordão, estado de São Paulo, Brasil

n° SGP 1531

A truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss Walbaum), originária da América do Norte e introduzida no Brasil na década de 40, é hoje um exemplo de sucesso na criação de peixes em regiões frias e montanhosas do país. No entanto, problemas com parasitas tem causado preocupação aos piscicultores, pois os patógenos afetam a qualidade do pescado e interferem no sistema de cultivo. Saprolegniose, doença causada por oomicetos do gênero Saprolegnia, é a mais conhecida das parasitoses e está presente principalmente nos ovos de O. mykiss. Representantes de outros gêneros do filo Oomycota também são normalmente registrados como patógenos, tais como AchlyaAphanomyces e Dictyuchus. Em vista disto, o presente projeto foi elaborado com o objetivo de avaliar a riqueza e a diversidade dos representantes do filo Oomycota em truticulturas localizadas em Campos do Jordão, em diferentes fases do cultivo do peixe. Para isto, serão coletadas amostras da água que abastecem os sistemas; dos tanques de criação, nas diferentes fases de desenvolvimento da truta; bem como da água de saída dos tanques. Em laboratório, as amostras serão tratadas pelo método de iscagem múltipla com substratos celulósicos e queratinosos, a fim de se obter o maior número de espécimes. Peixes e ovos sintomáticos serão também analisados por meio de coleta direta do micélio e posterior inoculação em meio de cultura. As espécies serão identificadas por meio de análises morfológicas e moleculares, documentadas, descritas e incorporadas ao acervo do Instituto de Botânica (CCIBt e/ou Herbário SP). As sequências obtidas serão disponibilizadas no banco de dados do GenBank. Este projeto é pioneiro no Brasil considerando o estudo da diversidade de oomicetos em sistema de cultivo de truta, bem como nas diferentes fases de desenvolvimento do peixe, possibilitando assim a detecção dos pontos de entrada dos eventuais patógenos no sistema.
 

Ver detalhes do projeto

  Yara Aiko Tabata      Apta Regional / IP

Extração, isolamento e caracterização bioquímica, estrutural e molecular de proteínas biologicamente ativas do casulo de Bombyx mori

n° SGP 1529

A produção brasileira de casulos do bicho-da-seda atingiu, segundo o IBGE, cerca de 7 mil toneladas em 2006. O processamento deste material produz, além da seda, resíduos proteicos que são considerados subprodutos industriais e posteriormente descartados. A busca por aplicações biomédicas destes subprodutos motivou vários estudos neste sentido, tendo sido relatadas atividades cicatrizante (2007 e 2013), emoliente (1995 e 2000), protetora de raios UVB (2003) e promotora de crescimento em cultivos laboratoriais de células de mamíferos (2005). A sericina apresenta atividades imunoestimuladora, cicatrizante (2002), antibacteriana,anti-inflamatória e antifúngica interrompendo a reações de oxidação dos radicais livres e inibindo o crescimento de microrganismos causadores de doenças (SAROVART et al., 2003). A sua aplicação, como antisséptico e protetor da superfície de tetos, poderia ser uma nova alternativa e uma solução prática para prevenção da mastite, reduzindo a incidência dessa enfermidade na bovinocultura leiteira. A utilização de sericina é recente e está em considerável crescimento em todo mundo, principalmente no continente Asiático. Nas últimas décadas cresceu a procura pelas diversas modalidades de medicina alternativa, cientificamente denominada “medicina complementar”. Daí o interesse em implementar políticas públicas e preservação ambiental, desenvolvendo atividades de pesquisa e extensão, voltadas a agroecologia, através do uso da sericina. Não localizamos nenhum trabalho na literatura científica ligando o uso de sericina ao tratamento ou prevenção da mastite bovina. Neste sentido, o presente trabalho pretende avaliar essa proteína natural, a fim de desenvolver um produto antimicrobiano e antisséptico contra a mastite. No Brasil, embora a medicina veterinária venha trabalhando com medidas alternativas para controle de doenças, nossa tentativa é pioneira. Considerando as propriedades orgânicas descritas sobre a sericina na literatura como sendo de fácil digestão e biocompatível possuindo ação antioxidante e atividades antimicrobianas contra determinados fungos e bactérias, este trabalho pretende avaliar também a sua ação contra Mycobacterium leprae, utilizando modelo experimental murino.

 

Ver detalhes do projeto

  Sumika Kiyota      IB

ADUBAÇÃO NITROGENADA NA CULTURA DA SOJA SOBRE PALHADA DE SORGO FORRAGEIRO EM CONSÓRCIO COM UROCLHOA RUZIZIENSIS

n° SGP 1527

O experimento está sendo realizado no Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Seringueira e Sistemas Agroflorestais – IAC/APTA, em uma área com sistema de semeadura direta de 2009, com o objetivo avaliar a influência do nitrogênio nas características agronômicas da cultura da soja, em sistema de semeadura direta sobre palhada de sorgo forrageira em consórcio com U. ruziziensis e, sobre a degradação da palhada. Estão sendo utilizados quatro tratamentos (doses de nitrogênio): 0 kg ha-1; 20 kg ha-1; 40 kg ha-1; 60 kg ha-1. O nitrogênio está sendo aplicado 20 dias após a emergência, utilizando como fonte de nitrogênio o nitrato de amônio. O delineamento experimental utilizado é o de blocos casualizados, com quatro repetições. A avaliação de fitomassa seca da palhada do sorgo forrageiro e da U. ruziziensis está sendo realizada retirando-se duas amostras por parcela de 0,25 m² cada, na pré-semeadura do sorgo forrageiro e da U. ruziziensis. Os parâmetros avaliados na cultura da soja, nos dois anos de estudo, serão: altura de inserção da primeira vagem, altura de plantas e número de vagens por planta, amostrando-se cinco plantas de cada parcela e o estande final ha-1 e a produtividade de grãos ha-1, amostrando-se 10 m nas duas linhas centrais de cada parcela. As avaliações estão sendo realizadas no momento da colheita da cultura da soja. Os resultados serão submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey (p < 0,05).

Ver detalhes do projeto

  Wander Luis Barbosa Borges      IAC

Identificação, isolamento e caracterização bioquímica e estrutural de toxinas protéicas e/ou peptídicas com atividades antimicrobianas ou inibidoras de proteases na busca de possíveis ferramentas biotecnológicas de uso veterinário

n° SGP 1526

Diversas toxinas protéicas ou peptídicas de interesse veterinário têm sido identificadas em plantas consideradas tóxicas ou ervas daninhas. O presente projeto visa à prospecção desses compostos nos extratos aquosos e/ou metanólicos derivados de materiais vegetais e animais pela realização de: 1) extração, fracionamento e quantificação de proteínas; 2) análises e purificações por cromatografia líquida de alta eficiência de proteínas e/ou peptídeos potencialmente tóxicos ou bioativos presentes nesses extratos; 3) ensaios biológicos in vitro específicos para a detecção, monitoramento da purificação e caracterização biológica e estrutural dos componentes ativos.

Ver detalhes do projeto

  Sumika Kiyota      IB

Monitoramento da qualidade de água em córregos do município de Adamantina

n° SGP 1524

A água é um recurso ambiental finito, fundamental para existência de vida na terra e para o funcionamento da sociedade, já que está presente em todos os seus setores. O presente trabalho tem por objetivo analisar a qualidade da água em diferentes córregos no município de Adamantina-SP decorrente da influência dos seus distintos usos e a ocupação de solo nas regiões nos seus entornos. Serão analisadas amostras das águas em quatro pontos de coleta distribuídos nos córregos Lambari, Taipus e Tocantins, os quais forma escolhidos de acordo com a localização geográfica e condições do localdo uso e ocupação do solo. As coletas serão realizadas bimestralmente, a partir das amostras de água colhidas serão analisadas variáveis físicas, químicas e biológicas entre elas: ferro; cálcio; manganês; cor; pH; oxigênio dissolvido; condutividade elétrica; turbidez; demanda bioquímica de oxigênio; coliformes totais. Os resultados obtidos serão analisados de acordo com a legislação vigente permitindo avaliar suas condições em relação à fins agrícolas e possibilitando identificar possíveis localidades contaminadas na região.

Ver detalhes do projeto

  Denilson Burkert      Apta Regional / IP

ISOLAMENTO, IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E DETECÇÃO DE GENES DE VIRULÊNCIA DE Yersinia enterocolitica EM AMOSTRAS DE LEITE DE TANQUES DE EXPANSÃO DE PROPRIEDADES DO CENTRO-OESTE PAULISTA / FAPESP 2016/15908-6

n° SGP 1519

Ainda existe a crença, por grande parte da população, de que o leite cru além de mais saboroso é mais saudável, nutritivo e ainda possui menor preço, bem como de que o leite industrializado possui conservantes e produtos químicos que podem afetar a saúde de quem o consome. Esses argumentos são utilizados por pessoas que consomem leite cru em diversos estados do Brasil. Porém, o leite e seus derivados são ótimos meios para o desenvolvimento de microrganismos patogênicos e deteriorantes, havendo a necessidade de cuidados rigorosos com a ordenha, beneficiamento e estocagem. Dentre os diversos grupos de bactérias que podem se desenvolver no leite cru refrigerado, destacam-se as psicrotróficas, já que multiplicam-se em temperaturas abaixo de 7°C, e assim representam um alto risco para os consumidores de leite cru resfriado. Entre essas bactérias psicrotróficas, Yersinia enterocolitica, que é um enteropatógeno invasivo de humanos, provoca uma série de sintomas clínicos intestinais e extra-intestinais, variando desde uma gastroenterite branda a uma linfadenite mesentérica, podendo mimetizar quadro de apendicite e, em casos raros, com evolução para septicemia, além de poder levar a sequelas imunológicas, incluindo glomerulonefrite, artrite e eritema nodoso. Yersinia enterocolitica já foi identificada no Brasil em material fecal de humanos doentes e de animais, no meio ambiente, em carne e industrializados de suínos, assim como em gelo utilizado para alimentação humana; porém é desconhecida sua real prevalência em leite cru refrigerado. O presente trabalho tem como objetivos detectar e identificar a presença de Yersinia enterocolitica em 101 amostras de leite bovino procedente de tanques de expansão de propriedades localizadas na região Centro-Oeste Paulista, pela inoculação em três diferentes meios de cultura, seguido de provas bioquímicas e utilização do sistema de identificação API 20E, identificação dos biotipos e sorogrupos, além da realização do teste de Reação em Cadeia da Polimerase convencional (cPCR), tanto das amostras de leite do tanque quanto das colônias isoladas suspeitas, bem como detectar a presença dos genes de virulência de espécies patogênicas de Yersinia enterocolitica:  inv, ail , YadA,  virF, ystA e ystB. Será realizado também o perfil de sensibilidade microbiana das amostras isoladas e a comparação dos diferentes métodos diagnósticos para identificação de Y. enterocolitica.      

Ver detalhes do projeto

  Simone Baldini Lucheis      Apta Regional / IB

Influencia dos fatores meteorológicos sobre a duração do período larval, emergência e a porcentagem de fecundação de rainhas de abelhas rainhas africanizadas (Apis mellifera L.)

n° SGP 1516

A produção de rainhas e a sua disponibilidade com qualidade e padrão é pré-requisito básico de todas as nações detentoras de apicultura tecnologicamente evoluída bem como economicamente bem sucedida. No Brasil, a despeito da importância e tradição dessa atividade, esta especialidade ainda não está totalmente desenvolvida, haja vista as poucas iniciativas privadas ou publicas que oferecem rainhas em grande escala e de modo continuo aos apicultores. Os poucos apicultores que se propõe a criar rainhas o fazem baseado em encomendas previas e o apicultor por não ter uma oferta sistematizada deixa de colocar no seu calendário apícola a substituição anual e regular das rainhas. O método utilizado para a produção de industrial de rainhas ainda é basicamente o mesmo desenvolvido por Doolittle em 1889. A característica essencial deste método é a transferência de larvas femininas, da colônia onde foram produzidas (matriz) para outra colônia, povoada de abelhas (recria), a qual cuidará das jovens larvas até a sua completa metamorfose em rainhas. A influencia climática é considerado de menor importância quando questões como: população forte, quantidade suficiente de operarias que exerçam a atividade de nutrizes, idade das larvas enxertada e número de adequado de células-rainha enxertadas forem respeitados. A produção de rainhas, entretanto, não termina com sua emergência das células reais, a fecundação é a fase mais incerta do processo, o que a torna a parte mais onerosa da produção. As condições ambientais, como temperatura, vento e nebulosidade exercem influência no comportamento de acasalamento. Visando desenvolvimento de técnicas criatórias mais eficientes para produção de rainhas, com menor número de colmeias de apoio e consequente diminuição de mão de obra, há necessidade de ampliar o conhecimento sobre as reações das abelhas africanizadas aos métodos disponíveis de manejo produtivo durante o período entre a emergência e a fecundação das rainhas, definindo condições que viabilizem economicamente a atividade de produção de rainhas de abelhas africanizadas em clima tropical e subtropical.

Palavras chaves: criação de rainhas, fecundação de rainhas, aceitação de larvas

Ver detalhes do projeto

  Maria Luisa Teles Marques Florencio Alves      Apta Regional / IZ

Crescimento compensatório em vieiras Nodipecten nodosus cultivadas em Caraguatatuba, estado de São Paulo.

n° SGP 1513

As vieiras são bivalves pectnídeos de grande valor comercial. No Brasil, a espécie Nodipecten nodosus se destaca por ser a maior vieira conhecida, sendo o estado de Santa Catarina o maior produtor nacional. A produção de juvenis em laboratório já está bem estabelecida, no entanto há necessidade de estudar as densidades de estocagem e o manejo do cultivo, no sentido de maximizar o crescimento e ao mesmo tempo reduzir o custo de produção. Para tal, uma estratégia interessante seria a verificação da existência do crescimento compensatório na espécie, a exemplo do que ocorre em outros organismos aquáticos, com vistas a viabilizar a estocagem em altas densidades na fase de cultivo intermediário e a utilização de altas densidades também durante parte da etapa de crescimento final. Com o presente trabalho pretende-se, em um primeiro experimento, determinar a existência de crescimento compensatório em vieiras estocadas na fase de cultivo intermediário (4 meses) em altas densidades (800, 1600 e 3200 m-2) e posteriormente transferidas para baixas densidades (50 m-2) durante a etapa de crescimento final. Em um segundo experimento será testada a manutenção de altas densidades (600, 400 e 200 animais / m2), durante os dois meses iniciais da fase de crescimento final, com posterior redução para 50 /m2. No tratamento controle (T50) desse experimento, as vieiras serão cultivadas durante toda a fase de crescimento final na densidade de 50/m2. Os dados de crescimento em altura, peso total e peso do músculo adutor serão comparados através de ANOVA. Dados de temperatura, salinidade, transparência, clorofila-a e sólidos em suspensão serão monitorados na água. Uma análise de orçamento parcial verificará a viabilidade econômica desse manejo nas densidades testadas.

Ver detalhes do projeto

  Helcio Luis de Almeida Marques      Apta Regional / IP

Avaliação de polimorfismo para genes associados à resistência de parasitas gastrintestinais de ovinos da raça Morada Nova

n° SGP 1512

A variação genética de ovinos relacionada a resistência contra as parasitoses é atualmente uma das mais importantes características de interesse a ser estudada. Detectar e selecionar animais que possam transmitir genes ligados à resistência aos endoparasitas por meio de técnicas específicas é uma das possibilidades de solução deste problema que ainda é o principal entrave da ovinocultura. Por meio de técnicas avançadas da biologia molecular tornou-se possível identificar regiões dos cromossomos que influenciam significativamente em variáveis quantitativas. Para a obtenção dos dados fenotípicos serão utilizadas 80 ovelhas com idade média de 4 anos. Serão realizadas pesagens e avaliação do escore da condição corporal e grau famacha a cada 30 dias durante 5 meses. Serão também coletadas amostras de sangue (coletadas da veia jugular dos animais em tubos de 5ml com vácuo) e fezes (coletadas diretamente da ampola retal, para contagem de ovos por grama de fezes)  para  realização de exames exames hematológicos e parasitológicos a cada 15 dias durante 5 meses. Será realizada também a coleta de pelo para futura extração de DNA e genotipagem dos animais.

Ver detalhes do projeto

  Ricardo Lopes Dias da Costa      IZ

AVALIAÇÃO MULTIDIMENCIONAL DA SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS PESQUEIROS MARINHOS E ESTUARINOS DO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

n° SGP 1510

A pesca extrativa é uma das mais antigas atividades realizadas pelo homem e apresenta até os dias de hoje grande importância como fonte de renda, emprego e alimento para uma considerável parcela da população, tanto no âmbito nacional, como mundial. O Estado de São Paulo possui o sistema de monitoramento pesqueiro marinho e estuarino mais abrangente do Brasil, com a realização de cerca de 80 mil entrevistas anuais com pescadores ao longo de toda sua costa. Complementarmente também foram realizados recentemente um Censo da Pesca e um Projeto de Caracterização Sócioeconômica da Atividade de Pesca e Aquicultura. Estas iniciativas geraram um grande volume de informações detalhadas sobre a atividade pesqueira no Estado que deve ser sumarizado e analisado de forma a facilitar sua utilização na orientação de políticas públicas e no subsídio à gestão do uso dos recursos pesqueiros. Propõem-se para tal a aplicação do método Rapfish, técnica de avaliação multidisciplinar que permite determinar o estado da sustentabilidade das pescarias por seus aspectos ecológicos, econômicos, éticos, sociais, tecnológicos e institucionais de acordo com os parâmetros indicados pelo Código de Conduta para a Pesca Responsável da Organização.

Ver detalhes do projeto

  Antônio Olinto Ávila da Silva      IP

CARACTERIZAÇÃO DA RESISTÊNCIA VARIETAL DE Solanum tuberosum AOS PRINCIPAIS VETORES DE VÍRUS: Bemisia tabaci - MEAM 1 e Myzus persicae UTILIZANDO-SE A TÉCNICA DE ELECTRICAL PENETRATION GRAPH (EPG)

n° SGP 1509

Os fitovírus na cultura de batata são muitas vezes limitantes, reduzindo a produção e elevando seu custo de produção. Entre os principais insetos-vetores envolvidos no processo de transmissão e disseminação dos fitovírus, atualmente destacam-se dois: i) Mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B – MEAM1 (Hemiptera: Aleyrodidae) um problema emergente na produção desta hortaliça, principalmente por estar associado na transmissão de Begomovirus e Crinivirus, de forma persistente circulativa e semi-persistente respectivamente, provocando perdas de até 100% da produção e, ii) afídeo: Myzus persicae (Hemiptera : Aphididae), o “pulgão verde do pessegueiro” responsável pela disseminação de um grande número de vírus, destacando-se os Polerovirus de transmissão persistente circulativa e os Potyvirus de maneira não-peristente. A utilização excessiva de agroquímicos visando o controle de insetos vetores na cultura de batata, seleciona indivíduos resistentes aos principais princípios ativos em uso. No entanto, um dos métodos de controle utilizados é o emprego de variedades resistentes, visando o controle do inseto-vetor ou dos fitovírus envolvidos. Esta é uma forma de controle preventiva que pode ser incluída em programas de manejo integrado de pragas. Este trabalho tem como objetivo analisar o grau de resistência a estes insetos em cinco variedades/clones de batata: Agata, Atlantic, Asterix, Clones CH1-A e CH1-B empregando a técnica de monitoramento eletrônico (EPG), caracterizando o comportamento alimentar do inseto no interior do tecido vegetal, até a sua chegada ao floema, local de aquisição e transmissão de vírus. Além disto serão realizados estudos de antixenose (não preferência), antibiose (desenvolvimento) e teste livre escolha, avaliando a preferência do inseto entre os tratamentos na presença e ausência de luz, em resposta aos voláteis emitidos. Para a realização do monitoramento eletrônico será utilizado o equipamento EPG Giga8, acoplado a um computador, onde a aquisição e análise dos dados serão realizadas através do software Stylet’d Dataq. Os demais experimentos serão realizados em gaiolas entomológicas no Laboratório de Estudo de Vetores, IB (LEV/IB). Os testes contarão com 20 repetições/variedades (EPG) e os demais ensaios contarão com três blocos de 10 repetições/variedades. Posterior a isto se realizará ensaios de múltipla escolha avaliando a resposta a voláteis, tentando determinar o princípio da resistência varietal. Após a apreciação dos registros de EPG, dos testes de antixenose e antibiose e do ensaio de livre escolha se realizará análise estatística empregando-se o programa Statview 4.01. Se dará uma escala de notas quanto a resistência e suscetibilidade às pragas em questão para poderem ser empregadas inicialmente em um programa de Manejo Integrado de Pragas nas Regiões produtoras.

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

Implantação de Manejo Integrado de Pragas na cultura de batata/MANEJO E CARACTERIZAÇÃO DE INSETOS VETORES E FITOVÍRUS EM ÁREAS DE PRODUÇÃO DE BATATA-SEMENTE E DE CONSUMO

n° SGP 1508

O Brasil cultiva anualmente cerca de 130 mil hectares de batata, com uma produção média de 3,5 milhões de toneladas do tubérculo/ano. Em geral, como em todas as culturas, a lavoura de batata é atacada por uma razoável quantidade de espécies de ácaros e insetos-praga. Tanto a parte aérea como a parte subterrânea da batata são hospedeiras de diversas espécies, as quais podem causar expressivos danos, que podem ser diretos (redução de área fotossintética, danos e deformações a tubérculos) ou indiretos (alterações fisiológicas, depauperamento de plantas, produção de fumagina e principalmente transmissão de fitopatógenos, com destaque para os fitovírus) dependendo das condições climáticas e da variedade cultivada.

Nas últimas décadas o aumento da área de produção de batatas está relacionado diretamente às pragas que causam danos consideráveis e reduzem a produtividade. Segundo Salas, a batata é uma das culturas em que mais se utiliza agroquímicos, se comparado com outras grandes culturas e hortaliças, como o tomate. Na opinião do pesquisador, o Manejo Integrado de Pragas (MIP) pode ser a solução, pois o aumento contínuo da produção pode intensificar ainda mais o uso de agroquímicos, e por isso, a busca por alternativas é essencial e a implantação do MIP é uma das mais promissoras.

De acordo com a ABBA (Associação Brasileira da Batata) e o Pesquisador do IB/SP, as principais pragas que atingem a bataticultura são:  mosca branca (Bemisia tabaci) Biotipo B, mosca-minadora (Liriomyza huidobrensis), pulgões (Machrosiphum euprorbiae eMyzus persicae), tripes (Thrips palmi e Thrips tabaci), lagarta mede palmo (Pseudoplusia includens) na parte aérea e a larva alfinete (D. speciosa) e traça (Phthorimaea operculella) na parte subterrânea, ou seja, que atingem diretamente o tubérculo.

ABBA é uma associação composta por produtores, empresas parceiras e instituições de pesquisa e ensino que atuam em atividades relacionadas à Cadeia Brasileira da Batata, são cerca de 120 produtores que representam 50% de toda a produção nacional do tubérculo. O IB/SP em conjunto com outros centros de pesquisa e produtores, têm desenvolvido trabalhos para a implantação do MIP em batatas em busca da consolidação da prática. No entanto, a resistência dos produtores na adesão de novas tecnologias no controle de pragas ainda é a maior dificuldade encontrada no setor. Algumas áreas carentes para desenvolver trabalhos  com estas parcerias, são: identificar as plantas hospedeiras de vírus e insetos quando não se encontra a cultura em campo; a flutuação populacional de insetos vetores; caracterização de diversos fitovírus, inclusive a sua transmissão por semente; novas formas de transmissão em laboratório; principais pragas, neste último caso destacando a mosca branca Bemisia tabaci Biotipo B e demais insetos vetores, mas já de prontidão para a chegada do Biotipo Q, detectado em 2014 no Sul do Brasil e importante praga na Europa atuamente pois atualmente está deslocando o Biótipo B graças a sua grande resistência aos neonicotinóides , o que causa grande preocupação”.

A ABBA aponta que a baixa adesão dos produtores ao Manejo Integrado de Pragas se dá pela falta de informações e resultados concretos. Segundo Shimoyama a ABBA tem como uma de suas principais atividades proporcionar informações, porém, em se tratando de MIP, a quantidade de informações é pequena. Sem dúvida é fundamental desenvolver e introduzir o MIP em batata devido a necessidade de controle de diversas pragas. Em geral, a técnica não tem sido praticada na produção de batata devido a falta de pesquisas e de resultados práticos que sejam convincentes.

O MIP deve ser apresentado como uma alternativa ao uso indiscriminado de agroquímicos, aliando novas metodologias e técnicas no controle de pragas e doenças, pois, além dos inconvenientes já conhecidos causados pelos agroquímicos, o grande número de aplicações também acarreta no aumento do custo da produção. Para tal é necessário um salto tecnológico e a quebra de paradigmas  para se dar início a sua implantação (MIP). Temos muitos trabalhos realizados e produzidos por escolas de agronomia e institutos de pesquisa, mas de nada servem se não são divulgados em linguagem clara e direta aos produtores, por isto cabe aos especialistas a árdua tarefa de conciliar estes resultados divulgá-los e tentar aplicá-los em campo, era a antiga extensão, muito esquecida hoje em dia, graças a necessidade por produtividade dos pesquisadores para desta maneira poder pleitear a auxílios junto a agências de fomento”.

Segundo estudo publicado por pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), um programa de MIP bem estruturado pode diminuir o custo com defensivos em até US$ 30,00 por hectare. “A implantação do MIP, além dos custos, os impactos ambientais, reduzindo a contaminação do meio ambiente e também os riscos à saúde humana, por isto, é de suma importância realizar este salto tecnológico”, recomenda Salas. O controle biológico aplicado é uma das estratégias que pode contribuir para o sucesso de programas de MIP na cultura da batata. A PROMIP tem desenvolvido, em seus laboratórios de entomologia, produtos biológicos tais como o Trichogramma pretiosum (Trichomip-P), microvespa utilizada para o controle de ovos da traça-da-batatinha, P. operculella, e outras mariposas, como a falsa-medideira,Chrysodeixis includens, cujas lagartas causam perdas significativas nesta cultura. 

Ver detalhes do projeto

  FERNANDO JAVIER SANHUEZA SALAS      IB

Caracterização de Phaeomoniella de videira no Brasil

n° SGP 1506

A viticultura brasileira tem se tornado uma atividade importante na sustentabilidade da pequena propriedade. A produção de videira no país está concentrada nas regiões Sul, Nordeste e Sudeste, com destaque para os Estados do Rio Grande do Sul, Pernambuco e São Paulo. Fitopatógenos têm prejudicado seriamente as vinhas com doenças, dentre essas, as de tronco causadas por fungos agridem o tecido vascular ameaçando a viticultura. Recentemente, a doença de Petri, que além de complexa e de difícil controle, tem causado sérios problemas fitossanitários, reduzindo a produtividade e a longevidade e, consequentemente, causando a morte de vinhas. A doença de Petri é causada pela combinação de vários fungos, sendo os mais importantes o fungo Phaeomoniella e espécies de Phaeoacremonium. Há poucos estudos com os agentes causais da doença de Petri, principalmente com o fungo Phaeomoniella. A recente detecção deste fungo no Brasil mostra a necessidade de novas pesquisas focando conhecer melhor a sua população. Assim, o objetivo do presente projeto será efetuar uma caracterização dos isolados brasileiros deste fungo.

Ver detalhes do projeto

  César Júnior Bueno      IB

VERIDIANA VICTÓRIA ROSSETTI: A PIONEIRA NA AGRICULTURA PAULISTA ? UMA CONTRIBUIÇÃO À CIÊNCIA AGRÍCOLA. 1941?2000.

n° SGP 1502

O presente projeto tem como objetivo a produção de uma ampla pesquisa sobre a vida científica da Pesquisadora Científica Veridiana Victória  Rossetti, a partir de documentos pertencentes ao acervo do Museu/Centro de Memória do Instituto Biológico (IB) e de outros documentos e objetos de vária ordem, doados pela família  e outros já existentes por doação da própria pesquisadora. O acervo institucional conta com cerca de 3.500 documentos textuais e iconográficos. Do material doado, constam slides, fotografias, documentos textuais, medalhas e troféus, que recebeu por seu trabalho na agricultura do Estado de São Paulo. Junto da sua história, permanece a história da fitopatologia, que agrega a trajetória científica de vários pesquisadores como Agesilau Antonio Bitancourt, Álvaro dos Santos Costa e tantos outros que atuaram incansavelmente na área da fitopatologia. Assim, pretende-se, a partir do material já discriminado anteriormente, e mais a pesquisa a ser feita em outras fontes, documentar a trajetória de Veridiana Victória Rossetti, Pesquisadora Científica do Instituto Biológico, formada em agronomia pela ESALQ. Victória Rossetti foi uma das maiores autoridades em fitopatologia no Brasil e no exterior, deixando, como legado, uma enorme bagagem de trabalhos nessa área do conhecimento

Ver detalhes do projeto

  Nayte Vitiello      IB

Estudo da interação entre o sistema agroindustrial do amendoim e da cana-de-açúcar

n° SGP 1501

O projeto de pesquisa tem por objetivo analisar a interação entre a produção de amendoim e o comportamento do sistema agroindustrial da cana-de-açúcar no Estado de São Paulo, especialmente, no que se refere às áreas de renovação de canaviais. Para tanto, toma como referência a metodologia para estudos das relações de mercado em sistemas agroindústrias, proposta pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) que destaca duas categorias de análise, as estruturas de mercado e de governança. Dessa forma, serão reunidas informações secundárias sobre produção, processamento e comercialização relacionadas ao sistema agroindustrial do amendoim e da cana-de-açúcar a fim de compor a análise das estruturas de mercado; e informações primárias e secundárias para mapear as estruturas de governança. Os resultados alcançados poderão contribuir para a melhor compreensão dos elementos de interação entre os dois sistemas agroindustriais a fim de oferecer subsídios ao planejamento da produção de amendoim e à formulação de políticas públicas.

Ver detalhes do projeto

  Renata Martins Sampaio      IEA

ANTONIO BATISTA FILHO E A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O SETOR DE CONTROLE DE PRAGAS COM MICRO-ORGANISMOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

n° SGP 1497

O Centro de Memória do Instituto Biológico (CEMIB), criado em agosto de 2007, reúne aproximadamente 180.000 documentos textuais, 60.000 fotografias, 17.000 slides em vidro e 3.000 documentos sobre a construção do Instituto Biológico, desde o início do século XX até a presente data. Estes documentos, em sua maioria, são fontes primárias de informações referentes às atividades de pesquisa e prestação de serviços das áreas de atuação da Instituição: sanidade animal e sanidade vegetal e sua relação com meio ambiente. Atuando como um laboratório de pesquisa científica em História da Ciência. O acervo é organizado em várias coleções compostas por nomes de funcionários ou assuntos relacionados às atividades de pesquisa científica com culturas de interesse econômico, técnicas para controle de pragas e doenças, atenção á produtores e criadores, divulgação científica, entre outros. A criação do Instituto Biológico (IB), em 1927, foi devido ao sucesso da “Comissão de Estudo e Debellação para praga Cafeeira” (1924), que foi criada para controle da broca-do-café (Hypothenemus hampei), que atacava os cafezais paulistas. Na época, foram utilizados métodos químico e biológico para controle da broca-do-café. Sendo que o método de controle biológico considerado como inovação teve como um de seus pioneiros o naturalista Adolph Hempel (1870-1949), assistente chefe da Seção de Entomologia e Parasitologia do Museu Paulista, que utilizou a vespinha (Prorops nasuta) para controle da broca, após três anos de trabalho (Rebouças e Bacilieri). Controle Biológico, Objeto de estudo Antonio Batista Filho, engenheiro agrônomo graduado, em 1981, mestre em 1990 e doutor em 1997 pela Escola de Agronomia Luiz de Queiroz/USP. Ingressou no na década dos anos 80 no Instituto Biológico, especialista em agronomia com ênfase na área de entomologia agrícola e atualmente é pesquisador científico nível VI

Os trabalhos do IB em controle biológico mostram que a aliança entre produção e preservação ambiental dá resultados positivos. As pesquisas seguem as orientações do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, de produzir mais, melhor, com segurança do trabalhador e preservação do ambiente”, afirma Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Ver detalhes do projeto

  Nayte Vitiello      IB

Estudo citológico, anatomopatológico e molecular do papiloma vírus bovino (BPV) no trato reprodutivo de vacas.

n° SGP 1496

Os papilomavírus (PV) compõem um grupo altamente diverso de vírus que infectam os epitélios cutâneos e da mucosa, sendo capaz de induzir a lesão hiperplásica na maioria dos mamíferos e aves. No entanto, tem sido relatado que os PV podem ser detectados na pele saudável de seres humanos e animais como agentes comensais. 

O papiloma vírus bovino (BPV) é um agente etiológico associado com diversas formas de papilomas cutâneos e de mucosas. Há seis diferentes tipos de BPV que têm sido distinguidos com base na sequência de DNA. Cada BPV é associado a lesões de tipos específicos: BPV-1 e BPV-2 são classificados como genes Deltapapillomavirus e infectam o epitélio e a derme, dando origem a fibropapilomas; BPV-3, BPV-4, BPV-6 e BPV12 são classificados no gênero Xipapillomavirus e são estritamente epiteliotrópicos, induzindo verdadeiros papilomas epiteliais. O BPV-5 é classificado no gênero Epsilonpapillomavirus e infecta o epitélio e derme, ambos induzindo fibropapilomas e papilomas da pele.

Em bovinos, a citologia oncótica e a histopatologia são pouco empregadas em estudo de lesões pré-cancerígenas.  O que se tem comprovado até o momento é a infecção do BPV no útero de bovinos (PCR), porem não foi comprovada a associação do patógeno às lesões uterinas, por técnicas citológicas e de IHQ.

O conhecimento do impacto reprodutivo do BPV é uma etapa fundamental para justificar o diagnóstico e implantação de ações preventivas contra este agente. 

O projeto objetiva realizar o estudo citológico, anatomopatológico e molecular do BPV no trato reprodutivo de fêmeas bovinas. Será avaliado o  trato reprodutor feminino de bovinos abatidos em frigoríficos, a fim de identificar lesões macroscópicas, realizar as técnicas de Hematoxilina e Eosina (H.E.), Imunohistoquímica através de marcadores anticorpo anti-proteína para identificar o BPV em tecidos, análise de esfregaço de colo uterino para diagnóstico citomorfológico utilizando a coloração de Papanicolaou, utilizar a técnica de PCR para analisar a presença de BPV nas regiões do aparelho reprodutor e sangue, e sequenciamento genômico das amostras positivas de BPV.

Ver detalhes do projeto

  Claudia Del Fava      IB

Pesquisa da toxina ?2 de Clostridium perfringens isolados de animais domésticos e silvestres

n° SGP 1493

O C. perfringens é uma bactéria anaeróbia que faz parte da microbiota intestinal, porém quando em situações de desequilíbrio desta microbiota o C. perfringens se multiplica rapidamente e se difunde via sanguínea, produzindo toxinas rápidas e letais (Popoff, 1989). Nos animais, o quadro de enterotoxemia é caracterizado por uma alta taxa de fatalidade provocando mortes súbitas, lesões de enterite hemorrágica do intestino delgado e, quase sempre, uma ausência de outros sinais clínicos (Songer, 1996).

O C. perfringens é classificado em 5 tipos (A,B,C,D e E) com base na produção de 4 toxinas principais (α, β, ε e ι). Recentemente descobriu-se uma nova toxina  β2 cujo papel na patogenicidade do microrganismo ainda é desconhecido, portanto  o presente estudo propõe caracterizar a presença e quantidade de C. perfringens em amostras de intestino dos animais cuja morte suspeita-se de enterotoxemia, e a presença do gene da toxina β2. 

Ver detalhes do projeto

  Simone Miyashiro      IB

Avaliação do Mycosorb A+ sobre o desempenho e respostas fisiopatológicas de tilápia-do-Nilo alimentadas com rações contendo micotoxinas.

n° SGP 1369

A pesquisa terá como objetivo avaliar o adsorvente de micotoxinas Mycosorb A+ em rações para tilápia do Nilo e sua ação frente aos possíveis fatores deletérios das micotoxinas presentes no alimento. Atualmente é muito comum a presença de várias micotoxinas em matérias primas utilizadas nas formulações de rações para peixes e pouco se sabe sobre a sua ação no metabolismo nutricional. Serão utilizados seis tratamentos T1: Ração a base de milho com micotoxina natural; T2: Ração a base de milho com micotoxina natural + MA+ 0,75 kg/ton; T3: Ração a base de milho com micotoxina natural + MA+ 1,75 kg/ton; T4: Ração a base de milho com micotoxina natural + Afla 1ppm/Fumo 20 ppm, sem MA+; T5: Ração a base de milho com micotoxina natural + Afla 1ppm/Fumo 20 ppm, 0,75 kg MA+ e T6: Ração a base de milho com micotoxina natural + Afla 1ppm/Fumo 20 ppm, 1,75kg MA+. O delineamento será inteiramente casualisado com seis tratamentos e seis repetições.  Os peixes (peso inicial 50g) serão mantidos em um sistema de recirculação de água composto por caixas em PVC com capacidade para 310L, com controle de temperatura, oxigenação e filtro físico e biológico. As rações serão extrusadas no Instituto de Pesca e ao final do período experimental serão avaliados os parâmetros de desempenho produtivo, histopatologia, bioquimica e hematologia clínica.

Ver detalhes do projeto

  Giovani Sampaio Gonçalves      IP

Bioacessibilidade de ferro em bebidas elaboradas a partir de Fe-peptídeos quelados.

n° SGP 1367

      A alimentação e a nutrição são requisitos essenciais para a promoção e proteção da saúde. Muitos nutrientes são considerados essenciais à vida, já que participam de funções bioquímico-metabólicas vitais, como é o caso do ferro. Deficiências de minerais, em geral, podem ocorrer de forma primária, quando a ingestão do mineral é inadequada, ou secundária, quando outros fatores da dieta interferem na absorção ou no metabolismo. Como estratégia para reparar algumas deficiências nutricionais tem se instituído a suplementação mineral. A fortificação de alimentos com ferro para o combate da anemia tem sido um desafio, pois, empregado na forma de sal, a maioria das vezes, o mineral apresenta baixa biodisponibilidade, além de poder acarretar alterações sensoriais e atuar como pró-oxidante lipídico. Por outro lado, os minerais veiculados na forma de complexos ou quelatos apresentam maior biodisponibilidade e estabilidade. Neste contexto, a proposta deste estudo é utilizar hidrolisados proteicos, quelados ao ferro, sintetizados e caracterizados em projeto anterior, para o desenvolvimento de suplementos de ferro na forma de misturas secas para bebidas. As proteínas soro lácteas serão hidrolisadas com o a enzima proteolítica Alcalase® em condições já estabelecidas. Após atingirem ao redor de 20% de grau de hidrólise, o hidrolisado será ultrafiltrado e a fração peptídica com massa molecular menor que 5 kDa será utilizada para reação de síntese dos quelatos com o ferro, neste caso utilizando 0,1% de ferro, proveniente de cloreto ferroso (FeCl2) e o sulfato ferroso (FeSO4). Essas frações serão submetidas a secagem por spray dryer, utilizando um excipiente na secagem para garantir a proteção do composto (encapsulação), as amostras serão caracterizadas e utilizadas como ingrediente para a elaboração de suplementos de ferro, no preparo de misturas em pó solúveis, para comporem misturas secas para bebidas acondicionadas em sachês (20 g). As misturas secas solúveis depois de desidratadas serão avaliadas quanto aos aspectos físico-químicos das partículas, biodisponibilidade do ferro in vitro, a estabilidade do ferro durante o processo de estocagem e análise sensorial com jovens. A bioacessibilidade do ferro ligado nos hidrolisados será avaliada pelas técnicas in vitro de solubilidade e dialisabilidade. Ao final pretende-se desenvolver um suplemento nutricional de elevada biodisponibilidade do ferro, direcionando sua utilização para aplicação na prevenção e combate da anemia ferropriva, utilizando-se as proteínas do soro do leite, uma matéria prima alimentar de alta disponibilidade e elevado valor nutricional.  

Ver detalhes do projeto

  Maria Teresa Bertoldo Pacheco      ITAL

Diversidade genética de fitopatógenos da cultura da cana-de-açúcar

n° SGP 1363

Alguns fitopatógenos da cana-de-açúcar são bem conhecidos quanto a sua forma de ocorrência e dispersão. Mais conhecidos ainda são os problemas que eles causam e a perda de produtividade a estes relacionados. Contudo, as mudanças contínuas no modo de produção de cana-de-açúcar (mecanização, mudanças em leis ambientais, alterações climáticas e outras) criam novos cenários e ambientes mais ou menos propícios a este ou a aquele patógeno.
Estas alterações no meio de produção, proporciona o aparecimento de “novas doenças” ou mudanças comportamentais nas doenças já conhecidas.
Para a grande maioria destes casos, não se sabe se o fitopatógeno presente é o mesmo de anos anteriores ou se houve alguma mudança em sua diversidade.
É neste contexto, que procuramos atuar. Identificando e caracterizando o fitopatógeno quanto a sua diversidade genética para fornecer subsídios para o controle da doença.
Para tanto serão utilizados tanto os métodos clássicos de isolamento e diagnóstico laboratorial, quanto os métodos moleculares.
 

Ver detalhes do projeto

  Luciana Oliveira Souza Anjos      IAC

ESTUDO DA VARIABILIDADE GENÉTICA DE THUNNUS OBESUS E THUNNUS ALALUNGA NO LITORAL SUDESTE E SUL DO BRASIL

n° SGP 1362

Atuns são animais pelágicos pertencentes a família Sconbridae, possuem ampla distribuição mundial devido a grande migração da espécie. São considerados um importante recurso pesqueiro, principalmente na área alimentícia. As espécies de maior valor comercial pertencem ao gênero Thunnus, dentre eles duas espécies analisadas neste estudo: Thunnus obesus, e Thunnus alalunga, popularmente conhecidos como albacora-bandolim e albacora-branca, respectivamente. Considerando a relação direta entre a variabilidade genética de um estoque e sua produtividade total, o presente projeto visa caracterizar a diversidade molecular destas espécies na costa sudeste sul do Brasil, utilizando marcadores moleculares do DNA mitocondrial. Os resultados do presente estudo deverão contribuir com o ordenamento pesqueiro pela delimitação de populações e caracterização de áreas favoráveis à pesca sustentável.

Ver detalhes do projeto

  Alberto Ferreira de Amorim      IP

Avaliação da qualidade microbiológica de águas minerais de diferentes marcas e volumes comercializadas no estado de São Paulo

n° SGP 1359

 

Pretende-se avaliar águas minerais de diferentes marcas, envasadas em embalagens de volumes distintos (20L, 10L, 1500mL, 300mL), totalizando 40 amostras de 4 marcas.
Os ensaios microbiológicos serão conduzidos no laboratório de microbiologia do CCQA/ITAL e de acordo com as metodologias preconizadas pela AOAC 991.15 (2012) para a pesquisa de coliformes totais e Escherichia coli (em 100mL); HUNT (2012) para a pesquisa Pseudomonas aeruginosa (em 100mL); ISO 7899-2:2000 para a pesquisa de enterocosos (em 100mL) e ISO 6461-1:1986 para a pesquisa de clostridios sulfito redutores (em 100mL).
Pretende-se avaliar águas minerais de diferentes marcas, envasadas em embalagens de volumes distintos (20L, 10L, 1500mL, 300mL), totalizando 40 amostras de 4 marcas.
Os ensaios microbiológicos serão conduzidos no laboratório de microbiologia do CCQA/ITAL e de acordo com as metodologias preconizadas pela AOAC 991.15 (2012) para a pesquisa de coliformes totais e Escherichia coli (em 100mL); HUNT (2012) para a pesquisa Pseudomonas aeruginosa (em 100mL); ISO 7899-2:2000 para a pesquisa de enterocosos (em 100mL) e ISO 6461-1:1986 para a pesquisa de clostridios sulfito redutores (em 100mL).
 

 

 

Ver detalhes do projeto

  Beatriz Thie Iamanaka      ITAL

Avaliação do crescimento e aproveitamento integral de quatro diferentes linhagens da macroalga fresca Kappaphycus alvarezii cultivadas no Litoral Norte de São Paulo

n° SGP 1354

~~Resumo da proposta (até 1.600 caracteres):
 Kappaphhycus alvarezii é uma macroalga vermelha cultivada comercialmente em mais de 20 países pela sua importância como fonte de carragenana kapa, um hidrocolóide industrial utilizado como espessante e emulsificante.  Essa alga também pode ser utilizada como biofertilizante, na composição de rações e fármacos, na extração do bioetanol ou ainda consumida fresca. A espécie foi introduzida no Brasil em 1995 pelo Instituto de Biociências da USP em parceria com o Instituto de Pesca e vem sendo mantida para pesquisa em sistema de cultivo “ tie tie”  na Fazenda Marinha Experimental do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento do Litoral Norte do Instituto de Pesca. Entretanto, a despeito do interesse dos maricultores, o cultivo desta espécie ainda não se consolidou como alternativa produtiva e econômica na região, em razão do desconhecimento dos parâmetros de crescimento e da tecnologia necessária para o seu aproveitamento integral. Neste sentido, o aproveitamento integral desta macroalga no desenvolvimento de produtos de grande potencial no mercado atual, como o extrato de biofertilizante e a farinha, poderá contribuir para a geração de renda e incentivo à implantação de novos cultivos, consolidando a atividade no litoral norte de SP. Os objetivos deste projeto são: 1. A avaliação das taxas de crescimento de quatro linhagens da macroalga ao longo de um ano.; 2. O desenvolvimento de tecnologias de processamento do extrato de biofertilizante e da farinha a partir da macroalga

 

Ver detalhes do projeto

  Valeria Cress Gelli      IP

Desenvolvimento ordenado e potencial da produção da macroalga Kappaphycus alvarezii no Estado de São Paulo para extração do biofertilizante

n° SGP 1353

Resumo

 

A extração dos recursos marinhos passou de uma atividade equilibrada e aceitável a uma dimensão drástica de sobrexplotação. A implantação da atividade do cultivo de algas pode ser uma alternativa viável para mitigar o problema. Esse trabalho tem como objetivo fornecer subsídios técnicos para o desenvolvimento ordenado e responsável da algicultura no Litoral Norte de São Paulo, estudando o efeito do extrato na cultura de alface na agricultura, analisando o potencial e os impactos econômicos da algicultura para a produção de estimulante agrícola propondo o ordenamento espacial das fazendas marinhas de macroalga K. alvarezii utilizando geotecnologias. Serão considerados dados ambientais e tecnológicos da produção de macroalga, a caracterização do sistema produtivo, a situação atual dos cultivos já implantados, a legislação vigente e dados pretéritos de ordenamento. Serão estimados também a viabilidade econômica e o custo da produção, e, por análise prospectiva, serão avaliados cenários considerando-se a produção total de algas para bioestimulante agrícola nas áreas potenciais. Este trabalho poderá contribuir na elaboração de projetos em Políticas Públicas para a implantação de programas que incentivem o desenvolvimento responsável da cadeia produtiva da algicultura contribuindo com a geração de renda e incentivo à implantação de novos cultivos, consolidando a atividade no Litoral Norte de SP.

Palavras-Chave: políticas públicas, ordenamento espacial, maricultura, geotecnologia 

 

 

Ver detalhes do projeto

  Valeria Cress Gelli      IP

Avaliação da Técnica Lamp (Loop ? Mediated Isothermal Amplification of DNA) para detecção de Salmonella em alimentos

n° SGP 1352

O método LAMP (Loop-mediated isothermal amplification of DNA) ou Amplificação isotérmica de DNA mediada por loop apresenta alta especificidade e a detecção é feita através da tecnologia de Bioluminescência, onde o ATP sintetizado durante a reação de amplificação reage enzimaticamente com a Luciferina/Luciferase produzindo luz que mensurada pelo equipamento e convertida no sistema. Esta técnica tem sido utilizada para detecção de patógenos em alimentos e já existem kits e equipamentos desenvolvidos para cada microrganismo. A técnica do LAMP apresenta um custo menor e é mais simples em relação ao método cultural e de PCR, pois não requer reagentes especiais ou equipamentos sofisticados. Contudo, em relação a outras técnicas baseadas em PCR, a técnica LAMP ainda é pouco utilizada e estudos comparativos são necessários para avaliar o desempenho do método, principalmente em relação ao tipo de matriz e a sensibilidade.  

 

 

 

 

Ver detalhes do projeto

  Beatriz Thie Iamanaka      ITAL

AVALIAÇÃO DA PESCA NÃO REPORTADA MARINHA E ESTUARINA NA BAIXADA SANTISTA

n° SGP 1339

Como capturas pesqueiras entende-se o que foi retirada da água, ainda que possa não ser descaregado em terra. Dados de capturas pesqueiras são importantes para emprego  em estudos de avaliação de estoques pesqueiros, bem como no dimensionamento de frotas. Entretanto, somente o que é descarregado (desembarcado) é registrado na estatistica oficial, subestimando as reais capturas. Além disso, existem descargas que não são conhecidas e, mesmo apresentando o melhor e mais antigo registro de capturas pesqueiras no país, diversas lacunas ainda persistem quanto ao conhecimento dos desembarques pesqueiros a longo do Estado de São Paulo. Esta proposta objetiva conhecer e estimar as capturas não reportadas da pesca no litoral da Baixada Santista, motivadas seja pela pulverização dos desembarques da pesca artesanal, de subsistência, da descartada a bordo e da recreativa. Serão empregadas diferentes estratégias de coleta de dados para cada tipo de pesca, consideradas as suas características, incluindo a experiência e a colaboração dos atores envolvidos nessas atividades. Este projeto envolve estudantes de graduação (bolsistas de iniciação científica) e de pós-graduação.

Ver detalhes do projeto

  Acácio Ribeiro Gomes Tomás      IP

Avaliação da qualidade ambiental do Estuário de Santos (SP) com base na pesca e comunidades de peixes e crustáceos.

n° SGP 1338

Os estuários são ambientes de extrema importância, seja por seu valor cênico ou relevância ecológica ao ciclo de vida de muitas espécies marinhas e de água-doce. Em contrapartida, estão entre os ambientes mais afetados por conta de atividades antrópicas. Neste contexto, o Estuário de Santos está inserido em uma das áreas mais urbanizadas do litoral paulista, com vasto histórico de degradação ambiental em decorrência da poluição industrial, portuária e doméstica. Ainda assim, várias atividades são praticadas, como a pesca profissional artesanal e amadora, sustentando uma frágil cadeia produtiva. A constante modificação imposta ao Estuário de Santos por distintos tensores antrópicos e formas de uso, além da própria dinâmica natural, cria um cenário preocupante quanto a gestão. Até o momento os estudos sobre comunidades aquáticas têm figurado apenas em licenciamentos ambientais, não havendo referências para comparações temporais ou diagnósticos aprofundados sobre seu estado atual. Diante desta realidade, pretende-se avaliar a integridade ambiental do Estuário de Santos (SP), com base em indicadores biológicos e populacionais da ictio e carcinofauna, como ferramentas para o monitoramento e gestão ambiental. Para isso serão utilizados diferentes métodos de estudo, pautados em suas distintas eficácias e aplicabilidades ao cenário atual deste estuário. Pretende-se, assim, contribuir diretamente para a gestão do uso deste ambiente, identificação das espécies componentes da ictio e carcinofauna, avaliação da importância ecológica das áreas e seu estado de preservação, com vistas à manutenção do equilíbrio ambiental diante da atual política de expansão portuária.

Ver detalhes do projeto

  Marcelo Ricardo de Souza      IP

Sustentabilidade em propriedades cafeeiras na região nordeste paulista

n° SGP 1327

A importância da cafeicultura brasileira é reconhecida mundialmente, o país é o maior produtor mundial de café, segundo levantamento da CONAB (2015), com uma produção de 44,57 milhões de sacas, sendo o café arábico responsável por 72,4% da produção total. O país também é o maior exportador de café em grão e segundo maior consumidor mundial, com a marca de 20,08 milhões de sacas consumidas no mercado interno em 2013 (ABIC, 2014). O BRASIL é responsável por 35% da produção mundial de café e 27% das exportações, responsável por 5,3% das exportações do agronegócio nacional (CECAFÉ, 2016).  

Devido à queda dos preços internacionais nos últimos anos, a falta de uma política nacional de apoio à cafeicultura e o aumento gradual nos preços dos insumos químicos são fatores que vêm, causando a perda na rentabilidade econômica da atividade e o consequente abandono das lavouras, principalmente pelos pequenos produtores.
Dentro deste contexto observa-se que nos últimos anos os produtores vêm se agrupando em cooperativas e ou associações para tentar permanecer na atividade e a adoção de novas tecnologias e novos processos como: mecanização, irrigação, novos adensamentos e a certificação são ferramentas utilizadas frequentemente pelos produtores, para melhoria da sua renda e permanência na atividade.

Desta maneira, objetivo deste estudo é avaliar as características e analisar o perfil dos produtores de café da região Noroeste do Estado de São Paulo, nos municípios de Caconde, Divinolândia e São Sebastião da Grama, visando auxiliar o desenvolvimento da cafeicultura regional. objetiva-se com este trabalho realizar um diagnostico da sustentabilidade em propriedade cafeeiras na região Nordeste Paulista, utilizando o método de Indicadores de Sustentabilidade de Agroecossistemas-ISA.objetiva-se com este trabalho realizar um diagnostico da sustentabilidade em propriedade cafeeiras na região Nordeste Paulista, utilizando o método de Indicadores de Sustentabilidade de Agroecossistemas-ISA.

Ver detalhes do projeto

  Sebastião de Lima Junior      Apta Regional / IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930