Projetos APTA em todas as unidades, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

848 projetos ativos encontrados - pág. 24 de 29

Eficácia de herbicidas, aplicados em pré-emergência, no controle de espécies de plantas infestantes e sua seletividade para as plantas hortí­colas, em condições de campo

n° SGP 308

Entre os métodos disponí­veis para o controle das plantas infestantes, nas plantas hortí­colas, o uso de herbicidas é, atualmente, o menos estudado. Desta forma, torna-se indispensável a obtenção das informações referentes a eficácia dos herbicidas sobre o controle das principais espécies de plantas infestantes, bem como, um acompanhamento mais detalhado sobre sua seletividade, uma vez que a seletividade é função de diversos fatores tais como: - fatores de seletividade ligados a planta; - fatores de seletividade ligados aos herbicidas; - fatores de seletividade ligados ao ambiente; - das interações entre produtos afetando a seletividade e, - das possí­veis interações dos fatores ligados a seletividade. Os experimentos têm por objetivo avaliar a eficácia de herbicidas, aplicados em pré-emergência, no controle de espécies de plantas infestantes e sua seletividade para as plantas hortí­colas, em condições de campo.

Ver detalhes do projeto

  Valdemir Antonio Peressin      IAC

Avaliação preliminar de seletividade de herbicidas, aplicados em pré-emergência, para as plantas hortí­colas, em condições de campo

n° SGP 307

A expansão das plantas hortí­colas, entre outros fatores depende da incorporação de novas tecnologias ao sistema produtivo, em especial no sentido de se gerar um pacote tecnológico para o controle de plantas infestantes que também envolva o uso de herbicí­das, permitindo desta forma reduzir os picos de demanda de mão de obra por ocasião da realização do controle do mato, aumentar a produtividade e baixar os custos de produção, desta forma torna-se indispensável a obtenção das informações preliminares referentes a seletividade de herbicidas, aplicados em pré emergência nas plantas hortí­colas em condições de campo, estes experimentos serão realizados para produzir a informação preliminar se o herbicida pode ou não ser seletivo para plantas hortícolas.

Ver detalhes do projeto

  Valdemir Antonio Peressin      IAC

Uso de modelos matemáticos para a estimativa da biomassa e análise das adversidades meteorológicas na cultura da cana-de-açúcar

n° SGP 306

O modelo PREVCANA simula o crescimento potencial da cana-de-açúcar baseado em parâmetros biológicos da planta e edafo-climáticos do local de estudo considerando radiação solar, IAF – índice de área foliar, coeficiente de extinção, taxa fotossintética, temperatura, respiração, idade da planta, disponibilidade hídrica e partição de fotoassimilados. A calibração do modelo é feita individualmente em cada unidade estimando os valores de produtividade usando o modelo e as previsões climáticas, validando com a biomassa medida no campo para as principais variedades, ciclos e ambientes de produção. Através das previsões climáticas, constroem-se cenários de produtividade para toda a safra, re-estimando no decorrer dos meses.

Ver detalhes do projeto

  Maximiliano Salles Scarpari      IAC

Caracterização de germoplasma

n° SGP 305

A caracterização do germoplasma de um programa de melhoramento é fundamental para garantir a exploração de todo o seu potencial para o desenvolvimento de novos cultivares. Desta forma, a caracterizacao, quer seja de acessos exóticos ou de genótipos (clones elites e cultivares comerciais) é fundamental para auxiliar o melhorista na escolha de genitores que contemplam as caracteristicas desejadas a serem reunidas no novo genótipo que se deseja desenvolver.O  presente Projeto abrange diversas açoes (sub-projetos) visando caracterizar o banco ativo de germmoplasma do Programa Cana -IAC. Estas ações contemplam: identificação de fontes de resistencia (estoques de resistencia)  às viroses da cana com ênfase ao Mosaico e ao Amarelinho e avaliação quanto à resistência ao seu inseto vetor; caracterização agronômica, citogenética, molecular de acessos exóticos de cana-de-açúcar para auxiliar nos programas de introgressao genética;  investigacao da presenca do gene Bru1 (confere resistencia a ferrugem marrom) nas cultivares de cana-de-açúcar e acessos exóticos, entre outras.

Ver detalhes do projeto

  Luciana Rossini Pinto      IAC

Monitoramento de pragas quarentenárias em plantas introduzidas no Brasil através do Quarentenário IAC

n° SGP 302

O Quarentenário IAC tem como atribuição efetuar a quarentena de materiais genéticos ou substratos que serão introduzidos no Brasil por empresas privadas ou instituições públicas, com objetivo de pesquisa cientí­fica. Esses materiais são importados após permissão do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) e aceite do Quarentenário. Estes permanecerão em quarentena durante um perí­odo suficiente para se realizar testes de sanidade, com o objetivo de detectar, identificar e conter impedindo assim, a introdução de novas pragas no paí­s. São realizados testes de sanidade de sementes, de avaliação de presença de insetos, plantas daninhas, fungos, bactérias, nematoides e ví­rus, em amostras retiradas do material de origem. Para isso as plantas são mantidas em casa de vegetação para observação de aparecimento de algum sinal ou sintoma de doença ou presença de patógenos, enquanto se realizam os testes de laboratório. O perí­odo de permanência do material em observação é de aproximadamente 3 a 4 meses. Durante esse perí­odo os materiais permanecem armazenados em salas ou câmaras frias dentro da infraestrutura do Quarentenário IAC. Será realizado um levantamento das espécies introduzidas e das pragas quarentenárias detectadas. Os procedimentos para detectar e identificar as possí­veis pragas serão constantemente comparados e avaliados para melhorar a eficiência e agilidade do processo.

Ver detalhes do projeto

  Christina Dudienas      IAC

Desenvolvimento de rotas biotecnológicas para extração limpa de fitosteróides

n° SGP 301

O Instituto Agronômico tem em sua coleção material genético contendo matérias-primas para a produção de substâncias biologicamente ativas, entre elas espécies do gênero Dioscorea, algumas delas produtoras de sapogeninas esteroí­dicas (que podem ser utilizadas na produção industrial de fármacos esteroí­dicos e na produção de reguladores de crescimento vegetal). O Instituto Agronômico já trabalhou na manutenção deste germoplasma e na extração e transformação das sapogeninas presentes nestas e em outras espécies em substâncias biologicamente ativas. O objetivo deste projeto, de iniciativa atual do Laboratório Nacional de Biociências, é desenvolver rotas limpas para extração de sapogeninas vegetais comumente empregadas como intermediários quí­micos no processo de produção de medicamentos esteroí­dicos. São escopo deste projeto: 1. Selecionar plantas com teores de sapogeninas esteroí­dicas adequadas À extração em escala industrial; 2. Micropropagação e manutenção das plantas selecionadas; 3. Plantio em campo, colheita, processamento e análise da matéria-prima; 4. Seleção de enzimas de uso industrial com potencial para atuar na hidrólise da biomassa vegetal e dos açúcares constituintes das sapogeninas esteroí­dicas; 5. Desenvolvimento de ensaios enzimáticos para medir os processos de hidrólise da biomassa vegetal e das sapogeninas esteroí­dicas; 6. Estudos estruturais de complexos formados entre as enzimas e as sapogeninas esteroí­dicas; 7. Produção (em escala laboratorial) e aperfeiçoamento das enzimas recombinantes visando ganho de eficiência e estabilidade nos processos de hidrólise da biomassa vegetal e das sapogeninas esteroí­dicas. 8. Estudo comparativo (em escala laboratorial) entre o processo convencional e biotecnológico para extração de sapogeninas esteroí­dicas. 9. Proteção Intelectual das novas tecnologias desenvolvidas. 10. Licenciamento e transferência de tecnologias para parceiros do setor produtivo.

Ver detalhes do projeto

  Marco António Teixeira Zullo      IAC

O Impacto do Instituto Agronômico no Desenvolvimento das Regiões Cafeeiras Brasileiras

n° SGP 299

O projeto de pesquisa contempla a análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do Instituto Agronômico - IAC (APTA - SAA), no desenvolvimento das principais regiões cafeeiras brasileiras. Serão analisados os impactos da adoção das principais tecnologias para o setor cafeeiro desenvolvidas no IAC desde a sua fundação, em 1887, até 2011, bem como os impactos resultantes da atuação do IAC na capacitação e formação de recursos humanos, no mesmo perí­odo. O dimensionamento desses impactos é relevante para o reconhecimento e fortalecimento do Instituto e, principalmente, para avaliar e atualizar as diretrizes dos seus programas de pesquisa, treinamento técnico e pós-graduação.

Ver detalhes do projeto

  Flávia Maria de Mello Bliska      IAC

Coleção de Myrtaceae do Jardim Botânico IAC

n° SGP 291
A famí­lia Myrtaceae é uma das famí­lias com maior número de espécies na flora brasileira, apresentando cerca de 26 gêneros e 1000 espécies. Em termos globais este número ultrapassa 4000 espécies.É uma das famí­lias mais complexas do ponto de vista taxonômico, tanto pelo número de sp como pela escassez de estudos e utilização econômica. Ao longo do tempo, desde o iní­cio de funcionamento da Seção de Introdução de Plantas há mais de 60 anos e que deu origem ao Jardim Botânico, passando pela criação do Complexo Monjolinho,também com mais de 50 anos, e novas introduções de Myrtaceas até os dias atuais, existem centenas de espécies plantadas no CEC. Na área passando pelo Quarentenário indo em direção ao Monjolinho existia uma faixa de eucaliptos que foi cortado apos a queda dos mesmos devido a um vendaval. Esta área foi disponibilizada pelo CEC para a implantação de uma coleção de Myrtaceas. As mudas já estavam prontas e são de diversas procedências resultantes de viagens de coletas.
Ver detalhes do projeto

  José Eduardo de Arruda Bertoni      DGE

Restauração de áreas alteradas no cerrado da Fazenda Santa Elisa do IAC: Módulos experimentais em busca de técnicas adequadas

n° SGP 290
O cerrado remanescente na Fazenda Sta.Elisa (IAC)encontra-se bastante alterado. A principal causa é o fogo que anualmente ocorre. E após este, as áreas alteradas são invadidas por gramí­neas exóticas,principalmente a Brachiaria sp, que dificultam/impedem a regeneração natural do cerrado. Esta proposta tem por objetivo encontrar técnicas viáveis de interferência sobre as gramí­neas invasoras, de maneira a dar condições e acelerar o processo de recuperação da vegetação primitiva. Utilizar leguminosas para adensamento das áreas recobertas por gramí­neas na tentativa de controle das mesmas. A restauração da paisagem e da flora deste bioma, permitirá que o Jardim Botânico,e o IAC, tenha uma amostra representativa do cerrado como coleção "in situ", para uso nos programas de pesquisas, coleções de espécies, banco de sementes, educação ambiental, abrigo da fauna e outros.
Ver detalhes do projeto

  José Eduardo de Arruda Bertoni      DGE

MAPEAMENTO PEDOLÓGICO DIGITAL NA MICRORREGIíO DE MONTES CLAROS, NORTE DE MINAS GERAIS

n° SGP 285

Métodos alternativos de mapeamento pedológico são necessários devido ao alto custo, longo tempo de execução e necessidade de pessoal especializado (pedólogos) para execução desses mapeamentos por métodos convencionais. Algumas metodologias que procuram aperfeiçoar esses processos, tornando a produção de mapas pedológicos mais rápida e menos onerosa vêm sendo desenvolvidas, sendo a aplicação do conjunto ou parte dessas técnicas conhecida como Mapeamento Digital de Solos (MDS). Propõe-se executar o mapeamento digital pedológico de uma área de 110.000 ha no norte do estado de Minas Gerais utilizando parâmetros geomorfométricos obtidos do modelo digital de elevação, parâmetros de sensoriamento remoto, mineração de dados (árvores de decisão) e sistemas de informação geográfica. O mapa assim produzido será validado com observações de campo por meio de matriz de erros, obtendo-se os parâmetros de acurácia geral, acurácia por classe e í­ndice Kappa. Os resultados obtidos permitirão conhecer a aplicabilidade dessa metodologia de mapeamento em regiões de relevo suavizado a plano, bem como em áreas mais onduladas, geologia diversificada, mas principalmente sedimentar, e em transição climática para clima semi-árido, diferenciando as técnicas utilizadas em função das condições ambientais determinantes da distribuição dos solos.

Ver detalhes do projeto

  Ricardo Marques Coelho      IAC

Avaliação bioinformática das bibliotecas de ESTs de café

n° SGP 284

O café é uma das mais importantes comodities agrícolas existentes. Estima-se que mais de sete milhôes de toneladas de grãos são produzidas todos os anos. Brasil, Vietnam e a Colombia produzem mais de 50% do café consumido mundialmente, o que demosntra a importância do Brasil no cenário da cafeicultura mundial. Somente duas espécies do gênero Coffea são responsáveis pela produção de bebida (Coffea arabica and Coffea canephora que contribuem com 70% e 30% da produção mundial respectivamente. Apesar do conhecimento crescente da bioquí­mica e biologia molecular da cafeicultura, várias questões relevantes ainda precisam ser respondidas como se a atividade transcricional dessas espécies de café reflete suas diferenças agronômicas . O presente projeto pretende avaliar as bibliotecas de ESTs de C. arábica e C. canephora presentes nos bancos de dados. Para tal serão utilizadas ferramentas de bioinformática voltadas a análises de ESTS, como clusterização, northern eletrônico, agrupamento de famí­lias por domí­nios, etc. Esperamos que os resultados do projeto possa gerar informações relevantes para o programa de melhoramento do cafeeiro e para avaliações biotecnológicas e de biologia molecular dessa planta.

Ver detalhes do projeto

  Jorge Maurí­cio Costa Mondego      IAC

Proteí­nas PR-1 e novos receptores do tipo quinase do cacaueiro (Theobroma cacao) - Avaliações de expressão gênica e busca por ligantes

n° SGP 283

A cacauicultura é uma das principais culturas perenes do Brasil, gerando uma série de empregos diretos e indiretos, principalmente relacionados ao processamento de suas amêndoas e produção de chocolate. O ataque de patógenos, principalmente fungos, é a maior causa de perdas produtivas do cacaueiro (Theobroma cacao). No ano de 1989, o sul do estado da Bahia, maior região produtora do paí­s, sofreu com uma epidemia da doença Vassoura-de-bruxa causada pelo fungo basidiomiceto Moniliopthora perniciosa, que levou À queda da produção nacional. Diversos esforços vêm sendo empreendidos em busca de soluções para a doença, como é o caso do projeto Genoma Vassoura de bruxa, que busca entendimento sobre a bioquí­mica, assim como sobre o genoma e expressão gênica do fungo. A publicação do genoma do cacaueiro no ano passado vem gerando ferramentas de anotação de genes que podem ser usados no melhoramento genético dessa espécie. Um dos genes mais estudados relacionados com os mecanismos de defesa vegetal codifica a proteí­na conhecida como PR-1 (pathogenesis related protein 1). Apesar da carência de informações quanto À atividade enzimática e estrutura terciária das proteí­nas da PR-1, tais proteí­nas são consideradas como peças importantes nos mecanismos de interação patógeno-hospedeiro, podendo bloquear o desenvolvimento de fungos e sendo marcadora de resistência sistêmica adquirida. A partir da anotação do genoma de T. cacao foi possí­vel identificar 14 proteí­nas PR-1, sendo que duas (TcPR-1f e TcPR-1g) possuem uma expansão C-terminal com similaridade a proteí­nas quinases indicando que tais proteí­nas seriam receptores do tipo quinase (conhecidas como RLKs). O objetivo deste projeto é realizar uma análise da expressão gênica e funcional das proteí­nas PR-1 do cacaueiro. Os perfis d

Ver detalhes do projeto

  Jorge Maurí­cio Costa Mondego      IAC

Obtenção e avaliação de novas variedades copas e porta-enxertos para citricultura de mesa

n° SGP 282

Projeto Temático que visa a ampliação do número de variedades/genótipos com potencial para utilização em plantios comerciais para o mercado de frutas para consumo in natura. O Instituto Agronômico de Campinas, através do Centro APTA Citros Sylvio Moreira, tem sido o responsável pela seleção e aperfeiçoamento (via produção de clones nucelares e premunização contra a tristeza dos citros) de quase todas as cultivares utilizadas nas citriculturas paulista e brasileira. Para atingir esse objetivo os pesquisadores vêm constantemente avaliando os acessos contidos em seu Banco Ativo de Germoplasma de Citros, iniciado em 1928, constantemente ampliado com germoplasmas introduzido de outros estados e do exterior e que atualmente conta com cerca de 1800 acessos. O Centro APTA Citros Sylvio Moreira/IAC vem também realizando, desde 1997, um programa de melhoramento genético de citros via cruzamentos dirigidos. Populações de hí­bridos obtidas de hibridações entre diversas variedades de citros, selecionadas por marcadores moleculares, foram estabelecidas em várias regiões do estado de São Paulo, constituindo-se em uma rede experimental de novos genótipos. O presente projeto propõe dar continuidade aos trabalhos desenvolvidos pelos pesquisadores do grupo de Melhoramento dos Citros do Centro APTA Citros Sylvio Moreira/IAC, na obtenção e avaliação de novos materiais e nas avaliações dos acessos do Banco Ativo de Germoplasma (BAG) bem como dos hí­bridos inter e intra-especí­ficos já estabelecidos nos experimentos de campo. Seu principal objetivo é a obtenção e avaliação de novas variedades e hí­bridos de copa e porta-enxertos de citros para resistência a doenças e caracterí­sticas fí­sico-quí­micas de frutos em diferentes condições edafoclimáticas e de manejo e em ensaios de competição com variedades comerciais, visando ao lançamento de novas cultivares para fruta de mesa, contribuindo consequentemente para menor vulnerabilidade sanitária da nossa citricultura.

Ver detalhes do projeto

  Mariângela Cristofani-Yaly      IAC

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FONTES DE POTÁSSIO NA AGRICULTURA

n° SGP 281

O uso racional dos fertilizantes é uma das formas mais eficientes de aumentar os resultados econômicos de um cultivo. O potássio é um elemento essencial para todos os organismos vivos. O KCl tem sido a fonte de potássio mais utilizada na adubação de culturas no Paí­s, principalmente por seu baixo custo. Porém, em algumas culturas, a utilização dessa fonte tem afetado a qualidade do produto devido ao excesso de cloro. Para corrigir esse problema recomenda-se a utilização de sulfato de potássio em substituição ao cloreto. O sulfato de potássio é uma fonte de potássio bastante eficiente, mas apresenta custo elevado, o que diminui sua adoção em larga escala pelos produtores. Sendo assim, faz-se necessária a busca por novas fontes alternativas de potássio. O objetivo principal deste trabalho é avaliar a eficiência e influência na produção e qualidade do produto de diferentes fontes e formas de aplicação de K na agricultura brasileira. Para isso, serão conduzidos experimentos onde serão avaliadas fontes alternativas de K2O e formas de aplicação em cultivos hortí­colas, cana-de-açúcar e cultivos de grãos. Serão determinados os efeitos na produção e na qualidade dos produtos, além de determinadas as curvas de resposta das culturas À aplicação de potássio e a eficiência agronômica das fontes testadas.

Ver detalhes do projeto

  Estêvão Vicari Mellis      IAC

SISTEMA DE MULTIPLICAÇÃO DE CANA DE AÇÚCAR COM USO DE MUDAS PRÉ BROTADAS - MPB

n° SGP 276

Mudas pré- brotadas (MPB) de cana-de-açúcar é um sistema de multiplicação rápida de mudas, associando elevado padrão de fitossanidade, vigor e uniformidade de plantio. É uma nova tecnologia em desenvolvimento pelo Programa Cana do Instituto Agronômico - IAC direcionado a aumentar a eficiência e ganhos econômicos na implantação de viveiros, replantio de áreas comerciais e possivelmente renovação e expansão de áreas de cana-de-açúcar. Esse sistema aumenta uniformidade nas linhas de plantio e consequentemente redução de falhas, diminui o número de gemas, atualmente 15 a 21 gemas/metro e de toneladas de colmos na operação de plantio mecanizado, em torno de 20 t/ha. Os minirrebolos utilizados para dar origem ao sistema de produção são extraí­dos de colmos sementes provenientes de viveiros básicos com 6 a 10 meses de idade. O viveiro recebe acompanhamento técnico em todas as práticas de manejo e protocolos direcionados para obtenção de mudas livres de doenças e pragas. Dos colmos colhidos são selecionados os minirrebolos que recebem os tratamentos a base de fungicidas, podendo associar inclusive outros produtos promotores de enraizamento. Os minirrebolos são acondicionados em caixas de brotação e mantidos em casa de vegetação com, respectivamente, temperatura e irrigação controladas, 32 ºC e 8 mm/dia. Este perí­odo varia entre 10 a 15 dias. As gemas brotadas são transferidas individualmente para os tubetes e as não brotadas, eliminadas do processo. A partir dessa etapa inicia-se a aclimatação das mudas, definida em duas fases: fase 1, em casa de vegetação e fase 2, a pleno sol. A fase 1 caracteriza-se por progressiva exposição das mudas a luz, controle de irrigação de acordo com o desenvolvimento vegetativo e poda de folhas para estimular o desenvolvimento do sistema radicular. Essa fase tem duração de 21 dias. Na fase 2 de aclimatação as mudas são expostas a pleno sol, as irrigações são reduzidas a 4,4 mm dia e as podas ocorrem com freqí¼ência semanal para finalizar o processo de produção, ciclo que totaliza aproximadamente 60 dias. Simultaneamente ao desenvolvimento do sistema estará sendo implementado através de seus desdobramentos e sub projetos, estudos de espaçamentos, modelos econômicos de produção, avaliações de insumos, equipamentos e estruturas que terão por objetivo gerar um novo pacote tecnológico que contribua com a sustentabilidade técnica e econômica do sistema de multiplicação MPB.

Ver detalhes do projeto

  Mauro Alexandre Xavier      IAC

ESTAÇÃO DE HIBRIDAÇÃO E PRODUÇÃO DE SEMENTES DE CANA PARA FINS DE MELHORAMENTO GENÉTICO

n° SGP 275

A manutenção de um programa de melhoramento da cana-de-açúcar se estabelece a partir da realização continua de hibridações. As condições geodésicas e climáticas necessárias para atender a fisiologia da planta, garantindo o processo de indução, florescimento e viabilidade das estruturas florais se encontram no litoral do nordeste brasileiro. A partir dessas necessidades as estações de hibridações da cana-de-açúcar em atividade atualmente no Brasil ali se concentraram. A estrutura que tem permitido produzir sementes, gerando variabilidade genética para a continuidade do Projeto de melhoramento da cana-de-açúcar do Instituto Agronômico e de seus projetos correlatos está localizado no distrito de Serra Grande, municí­pio de Uruçuca - Bahia. Nesta estação estão alocados 1300 genótipos, constituindo o banco ativo de germoplasma de cana da instituição, a partir do qual se estabelece a campanha anual de hibridação. Para o estabelecimento de uma rotina que possibilite a consolidação de uma campanha faz se necessário a realização de diversas etapas técnicas e administrativas que ocorrem de forma continuada ao longo do ano. As etapas pré-campanha se concentram principalmente no perí­odo de agosto a abril e estão assim identificadas: 1 - Planejamento das coleções; 2 â?? Introdução e plantio dos genótipos; 3 â?? Manutenções e manejos culturais; 4 â?? Planejamento e desenvolvimento de novos processos; 5 â?? Manutenções de estruturas e equipamentos; 6 â?? Avaliações fitopatológicas; 7 â?? Administração e gestão de recursos humanos; O perí­odo efetivo de realização da campanha, que ocorre no perí­odo entre a segunda quinzena de abril ao final de julho constitui-se das seguintes etapas técnicas: 1 â?? Censo de paní­culas; 2 â?? Sexagem; 3 â?? Planejamento das hibridações; 4 â?? Transporte e identificação das paní­culas; 5 â?? Emasculação; 6 â?? Montagem das combinações; 7 â?? Hibridação propriamente; 8 â?? Maturação; 9 â?? Secagem; 10 â?? Beneficiamento; 11 â?? Teste de germinação; 12 â?? Armazenamento e transporte; A estrutura da estação de hibridação foi planejada para receber 2500 genótipos e atender a produção de 1000 hibridações/ano, o que possibilitará a continuidade dos projetos existentes e a ampliação das interações com grupos de pesquisa nacional e internacional. Para dar suporte técnico cientí­fico a essas atividades são necessárias o envolvimento de um grupo de servidores formados por pesquisadores, engenheiros agrônomos e t

Ver detalhes do projeto

  Mauro Alexandre Xavier      IAC

DESENVOLVIMENTO DA MECANIZAÇÃO SEMIAUTOMíTICA DA PODA DA VIDEIRA

n° SGP 270

Este projeto objetiva examinar o impacto da mecanização semi-automática da poda da videira sobre o crescimento e desenvolvimento e produção da videira e sobre a qualidade quí­mico-sensorial dos derivados da uva, como subsí­dio À expansão da vitivinicultura paulista e brasileira e ao aumento da competitividade da indústria de suco e vinho e demais derivados da uva. Visa o desenvolvimento de máquinas para a solução da aplicação do manejo mecanizado semiautomático na poda da videira, de suco, mesa e vinho.

Ver detalhes do projeto

  ANTONIO ODAIR SANTOS      IAC

FRUTAS DE CAROÇO: AVALIAÇÕES NÃO DESTRUTIVAS PARA DETERMINAÇÃO DE QUALIDADE PÓS-COLHEITA

n° SGP 267

O desenvolvimento da ciência e tecnologia, em especial o desenvolvimento da tecnologia da informação, tem tornado possí­vel o uso de muitos métodos não destrutivos para a análise de materiais, podendo também ser aplicados em frutas. Atualmente a indústria frutí­cola necessita de técnicas não destrutivas para a seleção e certificação on-line de frutas de alta qualidade. Contudo, há uma lacuna entre o que a indústria quer determinar e o que é atualmente determinado pelos métodos não destrutivos existentes. Nos métodos destrutivos, uma amostra de fruta deve ser analisada para estimar a qualidade de um lote. Além da perda econômica em função da destruição de parte das frutas, existe o problema da representatividade da amostra em relação ao lote como um todo, heterogeneidade distribucional e composicional. Os métodos não destrutivos superam estes problemas, pois podem ser aplicadas individualmente a cada fruta no processo, eliminando as possí­veis discrepâncias entre lotes e amostras de frutas, sem destruir a quantidade de frutas requerida no processo de amostragem. Uma das técnicas não destrutivas que tem sido estudada na área agrícola é a visão de máquina, cujo escopo é promover a objetividade da classificação dos produtos. Dentro deste contexto, o presente projeto tem como objetivo principal o desenvolvimento de metodologias de avaliação não destrutivas para determinação da qualidade pós-colheita de frutas de caroço, através de imagens digitais. 

Ver detalhes do projeto

  Juliana Sanches de Laurentiz      IAC

Tecnologia da Produção de Sementes Hí­bridas de maracujazeiro-amarelo para pequenos produtores - efeito da época de produção na qualidade das sementes

n° SGP 264

Conforme a época de produção das sementes de maracujá  ao longo do ano agrícola, já foi observado que a qualidade das sementes resultantes  é alterada, tanto em termos de viabilidade e taxa de germinação, como em relação à sanidade e ao peso das sementes. O projeto visa identificar a melhor época de produção de sementes comerciais de maracujazeiro-amarelo das cultivares IAC, estudando-se uma sequencia de 3 safras de produção em campos experimentais de Monte Alegre do Sul, Pinhalzinho e Mogi Mirim. O objetivo é produzir lotes da mais alta qualidade, ampliar a produção na época mais indicada para a finalidade e eliminar as colheitas durante as estações menos adequadas.

Ver detalhes do projeto

  Laura Maria Molina Meletti      IAC

Avaliação da Qualidade Fisiológica de Sementes de Passifloras

n° SGP 263

Existem mais de 250 espécies de maracujá nativas do Brasil. Cerca de 30 delas, já inseridas no BAG-Passifloras do IAC, foram estudadas e se mostraram promissoras. Foram então inseridas no programa de Melhoramento de Maracujazeiros, visando a criação de cultivares diferenciadas ou como porta-enxertos resistentes a patógenos de solo. No entanto, por se tratar de espécies selvagens, todas apresentam elevado grau de dormência nas sementes ou curta viabilidade, mecanismos que impedem a germinação em ní­veis aceitáveis. Para que os genótipos selecionados possam se tornam comerciais, para que se possa viabilizar o manejo no viveiros, e para a própria manutenção das espécies introduzidas, há necessidade de se conhecer a fisiologia das sementes de cada espécie e desenvolver métodos que permitam amplo uso dos materiais selecionados. Este projeto visa identificar a forma de superação da dormência de cada espécie, estudar a longevidade das sementes de cada uma e desenvolver a tecnologia necessária para uso comercial daquelas que forem trabalhadas como cultivares. Está inserido neste projeto, também, o acompanhamento da viabilidade comercial das sementes de maracujá das cultivares IAC já lançadas, para manutenção da qualidade dos lotes comerciais.

Ver detalhes do projeto

  Laura Maria Molina Meletti      IAC

Melhoramento Genético do Maracujazeiro: seleção de cultivares para agroindústria

n° SGP 262

Avaliação agronômica e mercadológica de seleções pré-comerciais de maracujazeiro. Visa a obtenção de novos produtos para a agricultura familiar, direcionadas a nichos de mercado onde a qualidade é o diferencial. Estão sendo estudadas seleções produtoras de frutos com  elevado teor de vitamina C (alimento) e produtividade superior, obtidas por cruzamentos direcionados realizados em estufa e avaliados em campos experimentais. Cultivares com este perfil é uma demanda constante do setor produtivo familiar, que busca  produtos de alto valor agregado para pequenas áreas. Pré-seleções resultantes do Programa de Melhoramento de Passifloras conduzido de 2000 a 2010 foram multiplicadas de forma controlada e bidirecional, formando-se uma população de 20 plantas de cada uma. Os frutos das suas progênies tem sido avaliados para confirmação do diferencial mercadológico e recombinados entre si para ampliar a base genética do valor nutracêutico e da coloração diferenciada de polpa. A viabilidade do cultivo comercial está sendo avaliada em sistema de pesquisa participativa com produtores e com a EPAGRI-SC (Estação de Urussanga, SC).

Ver detalhes do projeto

  Laura Maria Molina Meletti      IAC

Nutrição e adubação de frutí­feras com foco em produção e saúde do solo

n° SGP 260

A despeito da importância econômica da fruticultura, a experimentação com nutrição e adubação ainda é insuficiente no Brasil diante da demanda do setor produtivo. O problema de pesquisa a ser abordado neste projeto consiste em aumentar a eficiência do manejo da fertilidade do solo, visando à sustentabilidade da produção nas condições de cultivo de São Paulo. Solo e clima são os principais condicionantes da produção em fruticultura. A complexidade das relações planta / ambiente exige conhecimento profundo e multidisciplinar para o desenho de práticas agronômicas que visem à sustentabilidade da produção.Tem-se como hipótese de trabalho que o manejo da fertilidade de acordo com as necessidades das culturas e caracterí­sticas edafoclimáticas possibilita aumentar a produção por área (qualidade e quantidade), a eficiência dos fertilizantes, promovendo a saúde do solo. Em experimentos em condições de campo, pretende-se estudar o manejo da fertilidade do solo, avaliando-se a economicidade e os efeitos dos tratamentos nas plantas (nutrição, crescimento, desenvolvimento, sanidade e produção) e no ambiente edáfico.

Inicialmente, este projeto envolve ações de pesquisa com bananeira (Vale do Ribeira, Aguaí, Jales, Cândido Mota e São Bento do Sapucaí), videira (Jundiaí e Botucatu), abacaxizeiro (Bauru) e amoreira (Jundiai).

Os experimentos com bananeira estão sendo realizados em parceria com a CNPMA e CNPMF da Embrapa. Estes trabalhos são formados por um conjunto de experimentos visando criar ambientes edáficos por meio de diferentes práticas de manejo e avaliar o comportamento agronômico de cultivares de bananeira. O objetivo é estimar em que medida a saúde do solo afeta a nutrição, produção e sanidade das plantas. Os ensaios de campo sob responsabilidade do IAC estão implantados em Pariquera-açu e em Aguaí. Há outros experimentos análogos a estes implantados em Corupá, SC e em Jaíba, MG. Outra ação de pesquisa com bananeira diz respeito à caracterização do mal-do-Panamá da bananeira visando o desenho de estratégias de manejo da doença, levado em consideração fatores bióticos e abióticos. Este projeto está sendo financiado pela FAPESP e o IAC é responsável pelo estudo dos fatores abióticos envolvidos na incidência e severidade do mal-do-Panamá. Desenvolvem-se ações de campo em Jales, São Bento do Sapucaí, Cândido Mota e no Vale do Ribeira.

As ações de pesquisa com videira envolvem dois experimentos no Centro de Frutas/IAC com apoio da iniciativa privada e em parceria com os pesquisadores da área de Fruticultura e outro em Botucatu em parceria com a UNESP. Em um dos experimentos de Jundiaí, estão sendo estudadas fontes de N para a cultura durante três anos. O outro experimento com videira visa estudar modos de aplicação de fertilizantes (fertirrigação e adubação sólida via solo) em videira sob cultivo protegido. Esta área está sendo estabelecida também no Centro de Frutas/IAC. O experimento instalado em Botucatu visa estudar fontes de potássio para videira e foi submetido à apreciação de um parceiro da iniciativa privada. Esta área já está montada e sendo preparada para a aplicação dos tratamentos.

O experimento com abacaxizeiro teve sua fase de campo encerrada recentemente e está em fase de elaboração de publicações. Este projeto teve apoio da FAPESP e foi estabelecido em parceria com um produtor da região de Bauru. Estudaram-se formas de aplicação (adubação sólida via solo e fertirrigação) e doses de fertilizantes com N e K.

A cultura da amoreira está sendo trabalhada num experimento visando estudar a interação genótipos X adubação. Serão estudados quatro genótipos num fatorial com doses de N e K sob irrigação. As avaliações envolvem análise econômica da produção, efeitos dos tratamentos no ambiente edáfico e no comportamento agronômico dos genótipos. Esta área foi instalada no CEA/IAC e conta com financiamento do CNPQ.

Ver detalhes do projeto

  LUIZ ANTONIO JUNQUEIRA TEIXEIRA      IAC

Caracterização, seleção e manutenção dos cultivares de alho da coleção do IAC.

n° SGP 258

No sentido de cada vez mais tornar praticável e econômica a cadeia de plantas medicinais e aromáticas, agregando valor, trazendo novos nichos de mercado e desenvolvendo novos produtos e plantas mais produtivas é que a pesquisadora como curadora do banco de germoplasma do alho desde 2009, estava delineando suas pesquisas para no futuro ser lançado um alho aromático não vernalizado, contudo ao receber a curadoria, no segundo ano de plantio do banco, a pesquisadora percebeu que havia acessos que não correspondiam a sua descrição, aprofundando um pouco mais seu conhecimento juntamente com especialistas da área é que pode ser descoberto que nestes 74 anos de estudos com a cultura, em algum momento do tempo houve a mistura de materiais, talvez muitos estudos com o banco neste perí­odo pode estar comprometida. Como curadora do banco de germoplasma (BAG) do alho atividades para a manutenção do banco no campo são rotineiras. Neste sentido a pesquisadora tomou como prioridade concentrar todos os materiais de alho (distribuí­dos em alguns pólos) em um único só lugar e desde o ano de 2012 vem tentando no campo, juntamente com o pesquisador da genética do IAC Walter Siqueira, selecionar os materiais originalmente idôneos. Dos 50 acessos presentes no passado banco, até o momento apenas 10 tiveram seu nome confirmado. Desta forma trabalhos com o banco poderão ser feitos apenas com os materiais de origem comprovada. Assim por um perí­odo nada foi feito do ponto de vista cientí­fico, devido a esta constatação e providências minuciosas foram tomadas no sentido de preservar e manter este banco, para que no futuro possa gerar novamente trabalhos concisos e idôneos.

Ver detalhes do projeto

  Juliana Rolim Salomé Teramoto      IAC

Seleção de café arábica e introgressões de espécies visando a qualidade da bebida para São Paulo, Rondônia, Minas Gerais e Espírito Santo

n° SGP 257

O projeto visa dar continuidade e incrementar o programa de melhoramento do café Arábica com o objetivo de desenvolver cultivares adaptadas, produtivas, com diferentes portes e maturações e melhor qualidade da bebida, para as condições de São Paulo, Rondônia, Minas Gerais e Espírito Santo, explorando a variabilidade genética existente, já identificada e direcionada para o programa de melhoramento. Envolve recombinações elite e seleções em gerações segregantes das cultivares Obatã, Tupi, IPR100, Ouro Amarelo, Ibairi (Mokka), Bourbon, Catuaí­ Amarelo, Catuaí­ Vermelho, Pacas, Mundo Novo, acessos Glaucia, Geisha e BA10, Arabustas, híbridos de Timor e Icatus (C. canephora x C. arabica), Coffea eugenioides x C. arabica e C. liberica x C. arabica, seleções regionais de materiais promissores e seleções genealógicas avançadas. O projeto consolida a colaboração e integração de atividades de P&D&I entre o Centro de Café do IAC, Embrapa Rondônia e produtores particulares.

Ver detalhes do projeto

  Herculano Penna Medina Filho      IAC

Reprodução, qualidade da bebida, caracterí­sticas dos grãos e potencial agronômico de hí­bridos interespecí­ficos de Coffea e seus derivados

n° SGP 256

O projeto visa estudar a reprodução, caracterí­sticas organolépticas da bebida, caracterí­sticas comerciais dos grãos e o potencial agronômico de hí­bridos interespecí­ficos e derivados, envolvendo C. canephora, C. eugenioides e outras espécies. O desenvolvimento do projeto contempla também a sí­ntese de novas combinações hí­bridas e derivações de progênies com caracterí­sticas de interesse presentes em genitores diversos. Trata-se, portanto, de projeto de melhoramento clássico envolvendo hibridações diversas, avaliação de diversas caracteristicas agronômicas e industriais, seleção, derivação de progênies e populações avançadas.

Ver detalhes do projeto

  Rita Bordignon      IAC

CARACTERIZAÇÃO QUíMICA DAS FOLHAS DAS PRINCIPAIS VARIEDADES DE OLIVEIRA

n° SGP 255

Os estudos sobre a olivicultura no Brasil iniciaram-se na década de 1940, e a partir de 2000 alavancaram-se com estudos de zoneamento agroclimático e econômico de órgãos ligados ao Ministério da Agricultura. Atualmente há produções de oliva em vários estados brasileiros e as principais cultivares encontradas são: Arbequina, Arbosana, Koroneiki, Picula, Grapollo, Coratina, Ascollana. A área paulista de plantio de oliveiras esta sob a influência da EPAMIG e sob orientação em ní­vel de pesquisas da APTA- Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios e abrange mais de 15 municí­pios, entre eles: São Bento do Sapucaí­, Campos do Jordão, Silveiras, Lorena, Natividade da Serra, Espí­rito Santo do Pinhal, íguas da Prata, contando com 50.000 plantas de oliveiras. Alguns destes municí­pios encontram-se em microclimas adequados e outros na Serra da Mantiqueira, cadeia montanha com cerca de 500 km de extensão, com altitudes variando de 1000 a 2.798m, microclima que proporciona horas de frio necessárias para o florescimento das plantas de oliveiras. 60% da serra encontram-se no estado de Minas Gerais, 30% no estado de São Paulo e 10% no estado do Rio de Janeiro (Teramoto, 2010).Muitos produtores paulistas estão necessitando de orientação para o manejo e produção adequada da cultura, bem como para o melhor aproveitamento desta cultura. Estudos cientí­ficos evidenciam cada vez mais as propriedades benéficas da cultura, seja na forma do azeite de oliva,(contendo ácido oleico, ácidos graxos essenciais, compostos fenólicos, antioxidantes naturais, entre outros) seja nas folhas e ramos ( compostos fenólicos, compostos antioxidantes, etc). Pesquisas com a cultura da oliveira no Brasil ainda são escassas e incipientes para atender a demanda do mercado interno. O trabalho terá como objetivos a caracterização quí­mica das folhas de oliva, verificando a extração e composição de seu óleo.

Ver detalhes do projeto

  Juliana Rolim Salomé Teramoto      IAC

Estado nutricional, manejo do pomar e doenças estratégicas na citricultura: bases para a produção sustentável

n° SGP 254

A citricultura contribui com o maior volume da produção brasileira de frutas, obtido com alta produtividade dos pomares, resultado da adoção de tecnologias como adensamento de plantio, adubação e irrigação. Porém, o aumento na incidência de problemas fitossanitários pressiona o aumento dos custos de produção, o que acarreta diminuição da sustentabilidade do setor. Apesar dos avanços no manejo de nutrientes, pouco foi abordado sobre a relação estado nutricional e severidade de doenças dos citros. Assim, faz-se necessário caracterizar processos e relações entre o estado nutricional e a predisposição de plantas cítricas a doenças de grande importância para a citricultura brasileira (cancro cítrico, huanglongbing, podridão floral, pinta preta e mancha marrom), e estabelecer estratégias racionais de manejo do pomar que minimizem os prejuízos causados por estas doenças à quantidade e qualidade da produção de citros do País. A proposta de pesquisa, apoiada por resultados de campo de longa duração e outros desenvolvidos pela equipe proponente, está organizada em estudos desenvolvidos em campo, para avaliação de respostas das plantas ao manejo nutricional diferencial com N, Ca e Mg, além de alguns micronutrientes, sobre estrutura e integridade de tecidos, respostas bioquímicas (metabolismo de carboidratos e estresse oxidativo) e fisiológicas, e partição de biomassa de biomassa que possam resultar na maior tolerância e/ou resistência das plantas em diferentes porta-enxertos a estresses e reduzir a predisposição dessas ao progresso das doenças nos pomares. Esses estudos são apoiados por outros desenvolvidos em casa-de-vegetação e laboratório. A definição de melhores práticas de manejo das adubações para minimizar impactos dessas doenças poderá prolongar a vida útil dos pomares, e ainda contribuir com a redução do uso de defensivos agrícolas e seu impacto ambiental.

Ver detalhes do projeto

  Dirceu Mattos Jr.      IAC

Estresses Nutricionais e Eficiência de Uso de Nutrientes em Cultivos Agrícolas

n° SGP 251

Experimentos estão sendo conduzidos em condições de campo e controladas em casa-de-vegetação para ampliar o entendimento sobre práticas de manejo e respostas das plantas que possam contribuir para aumentar a eficiência de uso de nutrientes e aumentar a adaptação das plantas à ocorrência de estresses nutricionais. Estão sendo estudadas culturas de interesse e importância para o Estado de São Paulo, como por exemplo, os citros, café e a cana-de-açúcar.

Ver detalhes do projeto

  Fernando César Bachiega Zambrosi      IAC

Incorporação das redes sociais como ferramenta de comunicação dialética entre pesquisa, extensão e cafeicultores

n° SGP 250

Apresente proposta tem por objetivo ampliar e estabelecer, por meio de Redes Sociais Virtuais e ferramentais WEB 2.0, canais de comunicação entre cafeicultores, extensionistas e pesquisadores. O proponente é mediador da Rede Social do Café (www.redesocialdocafe.com.br ), a mais atuante Rede Social voltada ao setor cafeeiro no Brasil. Propõe-se por meio do presente projeto, a difusão e transferência das tecnologias ligadas À utilização das redes sociais e aos ferramentais Web 2.0 a um num numero maior de integrantes. Os métodos a serem empregados visando a maior participação dos integrantes da comunidade serão técnicas de mediação estudadas e validadas pelo coordenador do presente projeto. Práticas de estí­mulo ao dialogo e ao aprendizado, de motivação pelo compartilhamento, de integração de atores sociais, facilitação do intercâmbio de informações, serão aplicadas, testadas, validadas e construí­das participativamente pela comunidade.

Ver detalhes do projeto

  Sérgio Parreiras Pereira      IAC

Rede Social do Café: difusão e transferência de tecnologias para o setor cafeeiro

n° SGP 249

É inegável a importância da computação, da internet e por fim das redes sociais no cotidiano das pessoas neste século XXI. As redes sociais são estruturas sociais compostas por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações, que partilham valores e objetivos comuns. O conceito de mí­dias sociais (social media) trata a produção de conteúdos de forma descentralizada e sem o controle editorial de grandes grupos, representando a produção de muitos para muitos. Neste contexto, em 2006, o sistema agroindustrial do café inovou ao criar uma rede de colaboração, conhecimento e negócios denominada â??Rede Cafés do Brasilâ?, na Plataforma Peabirus. Nesta rede, uma das comunidades, a Manejo da Lavoura Cafeeira, hoje denominada Rede Social do Café (www.redesocialdocafe.com.br) destacou-se, passando a ser considerada uma das grandes inovações em comunicação e articulação para o setor cafeeiro. Por meio de uma articulação de diferentes entidades de C & T no âmbito do Consórcio Pesquisa Café, o presente projeto tem por objetivo estimular e ampliar a comunicação dialógica via Rede Social do Café por pesquisadores, extensionistas, cafeicultores e demais atores do sistema agroindustrial do café. Pretende-se com esta proposta consolidar o modelo de comunicação inovador entre os diversos agentes que compõe os segmentos do agronegócio café, destacado por ter como diferencial a troca dinâmica de informações que visam incentivar a incorporação das tecnologias geradas pela pesquisa e colocar a cadeia produtiva do café dentro do moderno contexto da sociedade da informação.

Ver detalhes do projeto

  Sérgio Parreiras Pereira      IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930