Projetos APTA em todas as unidades, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

846 projetos ativos encontrados - pág. 23 de 29

Variabilidade espacial de propriedades do solo e da produtividade das culturas em plantio direto e desenvolvimento de um novo programa de interface gráfica gratuita em linguagem C++ para análise geoestatí­stica

n° SGP 355

É sabido que alterações em propriedades do solo devido ao manejo, principalmente em termos fí­sicos, e suas conseqí¼ências na capacidade de produção tem sido objeto de pesquisa no Brasil já por bastante tempo. Entretanto, além da necessidade de regionalização de pesquisa devido aos efeitos edafo-climáticos especí­ficos, há que se considerar também que muitos atributos fí­sicos são dependentes de época de amostragem. A compactação do solo tem sido um problema agrícola de alta importância devido ao seu efeito sobre o a distribuição de raí­zes das plantas e a variedade de fatores que podem causar a sua ocorrência. Entretanto, existe bastante controvérsia na literatura a respeito da avaliação da compactação em si, e do efeito do sistema de preparo do solo nos valores de indicadores de compactação, como densidade do solo e resistência À penetração. É possí­vel que a época de amostragem diferente possa ter afetado os resultados, fato que nem sempre é claro na literatura. Um outro fator é a variabilidade espacial da densidade do solo, a qual, embora normalmente possa ser considerada pequena, pode ser espacialmente organizada. A variabilidade espacial de solos sempre existiu e deve ser considerada toda vez que a amostragem de campo for efetuada. Diretamente relacionada a densidade do solo, está a distribuição de poros, uma vez que normalmente a compactação do solo se desenvolve pela diminuição dos macroporos e conseqí¼ente aumento dos microporos. A condutividade hidráulica fornece informações que permitem caracterizar com segurança o estado atual de qualidade do solo em termos de estrutura e a facilidade do movimento de água no solo. A proposta deste sub-projeto 1 apresenta como objetivo, estudar a variabilidade de propriedades do solo, dos componentes da produção de grãos, e o efeito da sucessão de culturas nos atributos fí­sicos do solo ao longo do tempo com plantio direto. O sub-projeto 2 prevê utilizar todos os dados e análises obtidos no sub-projeto 1 para desenvolvimento de uma interface gráfica gratuita e recursos gráficos adicionais em linguagem de programação C++ para interação com os programas consagrados de linguagem Fortran de geoestatí­stica.

Ver detalhes do projeto

  Sonia Carmela Falci Dechen      IAC

Avaliação do Ní­vel de Gestão da Produção nas Regiões Cafeeiras Brasileiras

n° SGP 354

A preocupação com a gestão da qualidade cresce continuamente entre empresas dos diferentes setores econômicos. A criação de sistemas de gestão interna tornou-se essencial para manter ou aumentar a competitividade das micro e pequenas empresas em todo o mundo, visando um processo contí­nuo de aumento da satisfação e da confiança dos clientes, redução de custos internos, aumento da produtividade, melhoraria da imagem e dos processos e acesso a novos mercados. Para as empresas do setor cafeeiro a realidade é similar: a criação de mecanismos de gestão interna é muito importante, do aperfeiçoamento dos processos agrícolas à colocação do produto no mercado de destino. A identificação do grau de gestão das atividades dessas empresas, de forma simples e rápida, obtida por meio da aplicação do Método de Identificação do Grau de Gestão - MIGG, contribui com a estruturação do seu negócio de forma organizada e para a obtenção de produtos acabados de qualidade superior. O objetivo desta proposta é fornecer subsí­dios para elevar o ní­vel de gestão da qualidade nas empresas (propriedades rurais) do setor cafeeiro nas principais regiões produtoras brasileiras, para viabilizar sua sobrevivência ou crescimento no longo prazo.

Ver detalhes do projeto

  Flávia Maria de Mello Bliska      IAC

Manejo de espaçamento e de adubação em mandioca de indústria: 1- Efeitos na produtividade de raí­zes e no teor de matéria seca.

n° SGP 352

Em mandioca de indústria o rendimento de amido aliado à produtividade é de suma importância para o sucesso do empreendimento. Geralmente os agricultores tradicionais tem aumentado as áreas de plantio de variedades tradicionais (IAC 14, Cascuda, IAC 13, IAC 12 e Fécula Branca) e aos poucos tem utilizado de outras variedades como a IAC 90. Nesse modelo, o manejo de espaçamento de plantio e das adubações de plantio e de cobertura passam a ter maior grau de importância. Assim, a presente proposta tem o objetivo de avaliar os efeitos do espaçamento de plantio e da adubação de plantio e de cobertura na produtividade e no teor de matéria seca de raí­zes de mandioca de indústria, visando otimizar as recomendações técnicas aos agricultores. Para tanto, anualmente são feitos experimentos comtemplando espaçamento de plantio e adubação com as cultivares IAC 14, IAC 90 e clones elites do programa de melhoramento genético de mandioca do CH/IAC. Estes experimentos fazem parte de uma série de avaliações que iniciaram-se em 2007, quando foram feitos em Echaporã-SP nos anos agrícolas de 2007-2008; 2008-2009; 2009-2010. Em 2013-2014 foram feitos em Palmital e Assis, porém ocorreu perda dos experimentos. Preve-se para o ano de 2017-2018 a retomada dos experimentos nesse modelo.

Ver detalhes do projeto

  JOSÉ CARLOS FELTRAN      IAC

Manejo de espaçamento e de adubação em mandioca de mesa: 1- Efeitos na produtividade e na qualidade do cozimento de raí­zes.

n° SGP 351

Em mandioca de mesa o comportamento do genótipo e sua interação com o ambiente é de elevada importância, tanto que o manejo incorreto do espaçamento e da correção do solo e adubações de plantio podem comprometer o sucesso do agricultor, já que ale? da produtividade, o cozimento das raízes é o principal limitante para esse cultivo. Assim, esse trabalho tem o objetivo de avaliar os efeitos do manejo do espaçamento de plantio e da adubação na produtividade de raí­zes comerciais e na qualidade do cozimento de raí­zes de mandioca de mesa, visando otimizar as recomendações técnicas aos agricultores. Os experimentos para determinação da relação do cozimento com manejo de espaçamento e da fertilidade do solo serão conduzidos em três unidades da APTA: polo regional Vale do Paraíba - Pindamonhangaba, polo regional Nordeste Paulista - Mococa e Polo regional Médio Paranapanema - Assis e em agricultores nas localidades de Aguaí-SP, Botucatu-SP e Anhembi-SP. Serão utilizadas cultivares e clones do programa de melhoramento de mandioca de mesa do CH/IAC (IAC 576-70, SRT Ouro do Vale e clone IAC 108-00) os quais serão submetidos a diversos espaçamentos e à doses crescentes de fósforo e de cálcio e suas combinações em solos de alto e baixo teor de matéria orgânica.

Ver detalhes do projeto

  JOSÉ CARLOS FELTRAN      IAC

Recuperação da capacidade de produção de batata-semente: 1- Cultivares IAC em sistema orgânico

n° SGP 350

O projeto tem o objetivo de recuperar o sistema de produção de batata-semnete de alta qualidade genética e fitossanitária das cultivares IAC e atender a demanda dos produtores convencionais e orgânicos, assim como agricultores familiares do estado de São Paulo e do Brasil por batata-semente de alta sanidade, qualidade fisiológica e pureza genética. Este também visa prover de material genético os programas de melhoramento e de fitotecnia com a cultura da batata em andamento no âmbito da Agência Paulista de Desenvolvimento dos Agronegócios - APTA, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA) do Estado de São Paulo. Neste serão feitos ensaios de manejo na estação Agroecoógica de São Roque e a produção em campo na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Itararé e produção de minitubérculos no Polo Regional do Nordeste Paulista, em Mococa-SP. Também serão conduzidos experimentos de competição de cultivares em agricultores localizados nos diversos municípios do estado de São Paulo e da federação.

Ver detalhes do projeto

  JOSÉ CARLOS FELTRAN      IAC

Ambientes de produção de cana-açúcar

n° SGP 349

Atualmente o Brasil destaca-se como o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo numa área aproximada de 8 milhões de hectares com tipos de solo e climáticos muito diversificado. MAULE et al (2001)definiram o estudo dessa planta em seu ambiente de desenvolvimento gerando informações de ganhos de produtividade.Os ambientes de produção são os locais onde os solos e o clima interagem resultando nas produtividades médias de cinco cortes (PRADO, 2013).07

Ver detalhes do projeto

  HELIO DO PRADO      IAC

Manejo integrado de cigarrinha em cana

n° SGP 347

Este projeto preve a condução de ensaios com o objetivo de definir mais adequadamente os parâmetros para implantação de programa de manejo integrado de cigarrrinha. Os seguintes ensaios estão em andamento:

1) identificação das espécies de Mahanarva ocorrentes em canaviais do Brasil;

2) Eficiência de inseticidas no controle da praga: há 5 ensaios em andamento em 2015: 3 em parceria com Bayer; 1 em parceria com Ihara; 1 em parceria com Nortox, conforme proposta em anexo

3) Resistência de genótipos a cigarrinha das raí­zes, conduzido em parceria com Bayer, conforme proposta em anexo;

4) resistência de populações de cigarrinha a inseticidas

Ver detalhes do projeto

  Leila Luci Dinardo-MIranda      IAC

Manejo integrado de nematoides em cana

n° SGP 346

Nematoides estão entre os patógenos mais prejudiciais À cana-de-açúcar no Brasil. Neste projeto são conduxzidos ensaios, cujos resultados permitem definir mais adequadamente os parâmetros de manejo integrado dos parasitos. Estão em andamento os seguintes ensaios: 1) Eficiência de nematicidas aplicados no plantio (ensaios 414 e 415); 2) Eficiência de nematicidas aplicados no plantio, em condições controladas; 3) Efciiência de nematicidas aplicados em soqueiras.

Ver detalhes do projeto

  Leila Luci Dinardo-MIranda      IAC

Manejo integrado de Diatraea saccharalis em cana

n° SGP 345

A broca comum é uma das mais importantes pragas da cana-de-açúcar em todfo o Brasil. O objetivo desse projeto é conduzir ensaios que permitam definir mais adequadamente os parâmetros do manejo integrado da praga. Atualmente estão em andamento os seguintes ensaios: 1) Avaliação do efeito de Altacor aplicado no sulco de plantio: 2 ensaios, conforme propostas em anexo 2) Avaliação de produtos biológicos Farroupilha no controle da broca, conforme proposta em anexo

Ver detalhes do projeto

  Leila Luci Dinardo-MIranda      IAC

Caracterização da Diversidade Genética e Composição Quí­mica dos Óleos Essenciais de Lychnophora pinaster Mart. em Função da Sazonalidade.

n° SGP 344

Lychnophora pinaster Mart., vulgarmente conhecida como arnica-mineira, é uma espécie botânica rupí­cola restrita ao Estado de Minas Gerais, ameaçada de extinção e amplamente empregada pela população em contusões, hematomas . Sob o ponto de vista biológico, estudos descritos na literatura tem comprovado as atividades anti-inflamatória, analgésica e cicatrizante de extratos e recentemente, o potencial uso odontológico do óleo essencial e extrato vegetal contra microorganismos causadores da cárie bucal. Motivados pelo potencial uso fitoterápico, risco de extinção, necessidade de conservação e a falta de estudos voltados para a domesticação, caracterização da diversidade genética e dos óleos essenciais para a espécie, pesquisadores do Instituto Agronômico, tem, desde 2006, efetuado estudos sob o ponto de vista quí­mico e diversidade genética com populações naturais de L.pinaster. O presente projeto consiste na continuidade dos estudos com populações de L.pinaster, tendo como objetivos: a caracterização da diversidade genética e morfologicamente as folhas, avaliação da composição quí­mica dos óleos essenciais em função da sazonalidade de populações naturais e estudos de propagação e domesticação. A diversidade genética será efetuada por meio de marcador microssatélite, os óleos essenciais serão extraí­dos e analisados por hidrodestilação e cromatografia gasosa, respectivamente. As análises da morfologia do indumento foliar serão realizadas em microscópio eletrônico de varredura e propagação via germinação de sementes.

Ver detalhes do projeto

  Marcia Ortiz Mayo Marques      IAC

Avaliação de atividade biológica herbicida e inseticida de produtos naturais

n° SGP 343

Avaliação de espécies vegetais cujos princí­pios ativos são óleos essenciais e óleoresinas e que já tenham indicação de uso para fins agrícolas. A avaliação inicial será na forma de screening e envolverá extração, confirmação de composição quí­mica e testes biológicos dos produtos extraí­dos. Os extratos ou substancias isoladas e com atividade biológica serão utilizados para desenvolvimento de formulações para testes em condições de campo e posterior desenvolvimento de produto comercial. O projeto tem como objetivo :Obtenção de inseticidas e herbicidas de origem vegetal para aplicação em cultivo orgânico. 

Ver detalhes do projeto

  JOAO PAULO FEIJAO TEIXEIRA      IAC

Efeito do N-acetil-cisteí­na em Xanthomonas citri subsp. citri: um potencial antimicrobiano para o manejo do cancro cí­trico

n° SGP 342

O cancro cí­trico está entre as principais doenças que representam uma grande ameaça À citricultura nacional. É causado pela bactéria Gram-negativa Xanthomonas citri subsp. citri (Xcc). Não existem métodos de controle eficientes para este patógeno, logo o procedimento padrão para a eliminação da doença em talhões comerciais é a erradicação do material contaminado e o controle por meio de pulverizações cúpricas. O uso contí­nuo do cobre pode levar a agravos como: 1. Obtenção de bactérias resistentes, resultado de um processo adaptativo do patógeno ao uso constante desse composto; 2. Elevação no custo de produção e 3. Impacto ambiental negativo, uma vez que o cobre é um metal pesado prejudicial ao meio ambiente. Além destes, não se conhece muito bem o efeito deletério do excesso de cobre sobre a planta. Uma das principais estratégias de resistência de bactérias a compostos antimicrobianos é a formação de biofilme. Xcc desenvolve um biofilme caracterí­stico nas superfí­cies das folhas que é fundamental para a sobrevivência epí­fita, uma vez que permite uma maior resistência a fatores ambientais como estresse por UV e secaO N-acetil-cisteina (NAC) é um análogo de cisteí­na que possui propriedades anti-bacterianas e mostra-se eficiente em desestruturar o biofilme em uma ampla gama de bactérias Gram-negativas e Gram-positivas. Nesse contexto, verificamos, em trabalho anterior com Xylella fastidiosa (agente causal da CVC) (Universal 471448/2011-7), a ação do NAC como um composto antimicrobiano eficiente que interfere na agregação, na produção de exopolissacarideos (EPS), diminuindo a população da bactéria na planta e causando remissão de sintomas em plantas afetadas pela CVC. Devido aos resultados promissores em X. fastidiosa/CVC, o uso do NAC na agricultura foi submetido ao pedido de patente pelo INPI e PCT (INPI 018110011623 e PCT: BR/2012/000003 data de depósito INPI 31/03/2011 PCT: 9/1/2012). Devido a esses resultados, iniciamos os trabalhos com Xcc e resultados preliminares mostraram que o NAC diminui a produção de EPS e a motilidade em Xcc, sendo ambos considerados fatores de virulência para esta bactéria. Desta forma, pretende-se com esse projeto dar continuidade aos estudos in vitro e iniciar estudos in planta com o NAC para avaliar o efeito deste composto em Xcc e no desenvolvimento do cancro cí­trico. Um possí­vel efeito sinergí­stico do NAC com o cobre visando um manejo mais sustentável da doença será também abordado.

Ver detalhes do projeto

  Alessandra Alves de Souza      IAC

MELHORAMENTO GENÉTICO, AVALIAÇÃO DE CULTIVARES PARA DOENÇAS E TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DO ALGODOEIRO

n° SGP 341

Obter cultivares de algodoeiro com resistência À s principais doenças e nematoides que ocorrem no Brasil e adaptadas aos sistemas de produção atuais. Adicionalmente, obter cultivares para produtos especiais, como fibra colorida e algodão orgânico, para atendimento a pequenos produtores e nichos diferenciados de mercado.Paralelamente, avaliar, em escala nacional, cultivares de algodoeiros disponí­veis no Brasil, em especial quanto À resistência a doenças. Gerar, por outro lado, conhecimento sobre técnicas culturais, época de plantio, adubação, emprego de reguladores de crescimento e desfolhantes com cultivares diversas disponí­veis no Paí­s, especialmente no sistema de plantio convencional e adensado.

Ver detalhes do projeto

  Fábio Luis Ferreira Dias      IAC

Análises genéticas em Coffea spp.

n° SGP 339
As análises genéticas de cafeeiros, sobretudo da espécie C. arabica, têm por finalidade o estudo da variabilidade genética da espécie visando seu aproveitamento no melhoramento genético da espécie. Estudos são conduzidos visando À complementação das análises genéticas dos mutantes volutifolia, diminuta, atenuata, abramulosa 1, abramulosa 2, poliortotrópica e mucronata, através de cruzamentos e autofecundações controladas para o estudo da segregação dos indiví­duos nas progênies. Análises genéticas relacionadas À expressão de genes de resistência a agentes bióticos, como Leucoptera coffeella, Pseudomonas syringae patovar garcae e Meloidogyne spp são também conduzidas no projetop.
Ver detalhes do projeto

  Oliveiro Guerreiro Filho      IAC

Variabilidade do teor e da composição da fração lipí­dica de sementes do gênero Coffea, visando a usos alternativos ao grão

n° SGP 338

O óleo de café é principalmente utilizado no café solúvel proporcionando maior estabilidade dos grânulos e melhor aparência ao produto e embalagem. Apresenta baixo ponto de fusão e contém compostos quí­micos, como tocoferóis e ácidos graxos de cadeia média. Sua composição permite supor que tenha grande potencial para uso cosmecêutico como fator de proteção solar e tonificante dérmico. Análises prévias realizadas com o óleo de café por pesquisadores do Instituto Agronômico evidenciaram um pico de absorção a 305nm, mesmo comprimento de onda que mais danos causa aos organismos vivos. A julgar pela absorbância apresentada no espectro de absorção, o composto responsável pela expressão fenotí­pica deste pico poderia ser tocoferol. Experimentos serão conduzidos para se avaliar o potencial de diferentes espécies, cultivares, formas botânicas e introduções diversas das espécies C. arabica e C. canephora presentes no Banco Ativo Germoplasma de Coffea do IAC como fonte de matéria-prima para uso cosmecêutico.

Ver detalhes do projeto

  Oliveiro Guerreiro Filho      IAC

Seleção de cafeeiros resistentes a nematoides

n° SGP 337

Diversas fitonematoides têm sido identificados associados À s raí­zes de cafeeiros no Brasil, sendo que aqueles do gênero Meloidogyne os mais prejudiciais À cafeicultura basileira. As espécies M. incognita e M. paranaensis inviabilizam o cultivo onde ocorrem e M. exigua, embora menos patogênica, causa maiores perdas totais a nossa cafeicultura em função de sua ampla disseminação nas lavouras das principais regiões produtoras de café. Os trabalhos de pesquisas que visam o manejo dos nematóides parasitos do cafeeiro em execução no Centro de Café Alcides Carvalho do IAC visam principalmente, o desenvolvimento de cultivares de café com resistência simultânea ou especí­fica a estas três espécies de Meloidogyne, para serem utilizadas de maneira integrada com outras táticas de manejo desses parasitos. A metodologia utilizada consta de avaliações em laboratório, casa de vegetação (avaliações nematológicas) e de campo. As pesquisas iniciadas na década de 70 já alcançaram resultados bastante expressivos e devem permitir o lançamento de cultivares pé-franco e porta-enxerto com resistência simultânea ou a espécies especí­ficas de Meloidogyne.

Ver detalhes do projeto

  Oliveiro Guerreiro Filho      IAC

Desenvolvimento radicular e atributos fí­sicos, quí­micos e biológicos em sistemas de preparo do solo para a cana-de-açúcar

n° SGP 336

Os sistemas de preparo do solo estão intimamente vinculados a mudanças em seus atributos fí­sicos, quí­micos e biológicos, relacionados, diretamente, com a drenagem, infiltração, mineralização e erosão. O conhecimento das alterações nos atributos do solo e seu impacto no crescimento e desenvolvimento das plantas apresenta fundamental importância. Assim, o preparo do solo pode modificar a densidade, a estrutura e a agregação do solo e, se inadequado, comprometer a absorção de nutrientes e o crescimento do sistema radicular. A expansão da cultura de cana-de-açúcar para áreas ocupadas por pastagens tem trazido preocupações em virtude de ter sido implantada, em sua grande maioria, em solos frágeis como os Argissolos do Oeste do Estado de São Paulo. O objetivo deste projeto de pesquisa é avaliar o efeito da adoção de três sistemas de preparo nos atributos fí­sicos, quí­micos e biológicos do solo e no crescimento radicular e rendimento da cultura da cana-de-açúcar. O estudo será desenvolvido nos municí­pios de Pindorama, de Piracicaba e de Campinas, no Estado de São Paulo. Em Pindorama serão aplicados tratamentos consistindo dos sistemas de preparo de solo convencional, direto e reduzido. Em Piracicaba os tratamentos serão o sistema de preparo convencional do solo e o com utilização combinada de subsolagem profunda mais enxada rotativa (Penta). Em Campinas, os tratamentos consistirão de ní­veis de cobertura com palha na superfí­cie do solo para a avaliação de perdas de terra e água por erosão. Na planta serão avaliados o crescimento e desenvolvimento radicular e o rendimento da cana-de-açúcar. Os seguintes atributos do solo serão avaliados: textura, umidade, curva caracterí­stica de retenção de água, densidade, porosidade, agregação, resistência À penetração, condutividade hidráulica, permeabilidade ao ar, intervalo hí­drico ótimo (IHO), erosão hí­drica, fertilidade, estoque de carbono e de nitrogênio e o quociente de CO2. O projeto será desenvolvido por 24 meses.

Ver detalhes do projeto

  Sonia Carmela Falci Dechen      IAC

Variedades de laranja e tangerinas para a citricultura brasileira

n° SGP 335

O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de citros e o principal exportador de suco concentrado congelado. As laranjas constituem o principal grupo entre os citros de maior importância comercial no estado de São Paulo, sendo a maior parte da produção destinada À indústria de suco. As tangerinas, tangores e mexericas representam o segundo grupo em volume, com a produção voltada essencialmente para o mercado de frutas frescas. Apesar da grande importância econômica para o paí­s, poucas variedades são plantadas tanto para a indústria quanto para o mercado interno, que importa frutos cí­tricos de outros paí­ses para abastecer o mercado de fruta fresca. No presente projeto propõem-se caracterizar agronomicamente novas variedades de laranjas e tangerinas em campos experimentais estabelecidos no estado de São Paulo, e selecionar novas variedades para ampliar o perí­odo de safra e, também, o atual quadro varietal para citros de mesa possibilitando a permanência de pequenos produtores no agronegócio citrí­cola.

Ver detalhes do projeto

  Marines Bastianel      IAC

Melhoramento Genético da Cana-de-açúcar: Seleção e validação tecnológica de novos clones IAC em diferentes regiões edafoclimáticas do Centro-Sul do Brasil.

n° SGP 334

O projeto tem como finalidade selecionar genótipos superiores oriundos de nove â??sites de seleçãoâ? regional do Programa Cana IAC, a saber: Ribeirão Preto, Jaú, Piracicaba, Mococa, Pindorama, Assis, Adamantina, Goianésia (GO) e Cocos (BA). Os melhores clones das diversas séries de hibridação, de cada site, serão introduzidos em uma rede experimental, que conta com o apoio de 45 empresas nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Paraná, Mato Grosso, Bahia, Tocantins e Maranhão. A cada ano, um grupo de ensaios com épocas de colheita (Outono, Inverno e Primavera) serão instalados, com tratamentos se constituindo nos clones delineados em blocos ao acaso nestes locais e colhidos durante quatro ciclos (cortes) para testar os mesmos sob diversas condições edafoclimáticas. As testemunhas serão variedades escolhidas dentre as de maior expressão comercial, aptas para cada uma das épocas de colheita. Os parâmetros quantificados serão: a) Produtividade agrícola (tonelada de cana/hectare), Teor de sacarose (Pol%Cana), Fibra % Cana, caracterização biométrica dos componentes de produção (altura e diâmetro de colmos e número de colmos), hábito de crescimento, ocorrência de florescimento e isoporização, resistência as principais doenças. Estes dados permitirão a caracterização da futura cultivar de cana quanto À longevidade, densidade de colmos, adaptação ao plantio e a colheita mecânica. As análises dos dados agroindustriais serão realizadas para cada um dos ensaios e também para grupo de ensaios segundo a similaridade regional e de ambientes de produção. Também serão realizadas analises de estabilidade usando para tanto métodos como: Eberhart e Russel, análise de regressão bissegmentada e o AMMI.

Ver detalhes do projeto

  Marcos Guimarães de Andrade Landell      IAC

Eficiência agronômica de resí­duos urbanos, industriais e agroindustriais

n° SGP 333

Vários resí­duos possuem reação alcalina ou nutrientes em sua composição podendo ser reciclados no solo agrícola como corretivo ou fornecendo nutrientes para as plantas. Entretanto, esses resí­duos também contém elementos potencialmente tóxicos que restringem o seu uso sem estudos prévios que certifiquem seu potencial agronômico e, posteriormente, sem um monitoramento adequado. O ensaio de eficiência agronômica pode ser realizado em casa de vegetação ou no campo, onde o resí­duo a ser testado é comparado com uma fonte padrão para corretivo de solo ou para um nutriente. A metodologia para esse ensaio requer que o resí­duo deva ser aplicado em uma ou mais doses crescentes em 1 solo, com 4 repetições,e a mesma quantidade será fornecida como fertilizante mineral para comparação. Após a aplicação do resí­duo, os vasos ficarão em incubação por 15 dias e, após esse perí­odo, será retirada uma amostra de solo para análise de rotina para fertilidade do solo, de acordo com a metodologia utilizada pelo IAC. As análises do solo irão determinar o pH, matéria orgânica, fósforo extraí­do pela resina trocadora de í­ons, cátions trocáveis, saturação por alumí­nio, porcentagem de saturação por bases e a capacidade de troca catiônica do solo, além dos teores disponí­veis de metais pesados pela extração com DTPA. Todos os vasos receberão uma adubação básica contendo o nutriente não testado no resí­duo. A planta teste geralmente é o milho para macronutrientes e alface para micronutrientes, que é cultivado nos vasos por cerca de 50 dias. Após esse perí­odo a parte aérea do milho será cortada e analisada para massa seca, macro e micronutrientes e metais pesados. Os resultados são submetidos À análise de variância e À comparação de médias é pelo teste de Tukey a 5%. O índice de Eficiência Agronômica para um macro ou micronutriente é dado pela fórmula: IEA (%) [(Y2-Y0)/ (Y1-Y0)] x 100, onde Y0 Quantidade total do nutriente do resí­duo absorvida por vaso no tratamento testemunha; Y1 Quantidade total do nutriente absorvida por vaso no tratamento com a fonte padrão e Y2 Quantidade total do nutriente absorvida por vaso no tratamento com o resí­duo.

Ver detalhes do projeto

  RONALDO SEVERIANO BERTON      IAC

Avaliação de clones elites de mandioca de mesa e ajuste em sistemas de produção

n° SGP 332

Serão avaliados clones elite de mandioca de mesa do programa de melhoramento genético do CH-IAC-APTA nas macroregiões de Campinas-SP, Andradina-SP, Pindorama-SP e Pindamonhangaba-SP. Além dessas seleções, concomitantemente serão avaliados práticas de manejo cultural como adubação e calagem, épocas de plantio, densidades populacionais, visando otimização da produção e qualidade de raí­zes. Em Pindorama-SP será feito o planejamento da multiplicação de mudas genéticas de alta qualidade fitossanitária.

Ver detalhes do projeto

  José Alberto Caram de Souza Dias      IAC

Tecnologia de aplicação de agrotóxicos

n° SGP 331

O uso de agrotóxicos é prática habitual na agricultura e pode representar cerca de 50% dos custo de produção de diferentes culturas. As técnicas utilizadas para esta aplicação, por diferentes fatores, nem sempre é a mais adequada, sendo que os trabalhos desenvolvidos pelo Centro de Engenharia e Automação identificado perdas que em média estão entre 30 e 70% do produto aplicado, com todas as implicações À contaminação ambiental, do trabalhador e do alimento que está perda representa. O objetivo deste trabalho é desenvolver tecnologias bem como transferir aquelas já existentes com a finalidade de elevar a eficácia e a eficiência da aplicação de agrotóxicos.

Subprojeto: Unidade de referência em tecnologia e segurança na aplicação de agrotóxicos 

Preocupado em desmistificar o lado negativo da aplicação de agrotóxico e mostrar que grande parte do problema vem do desconhecimento do agricultor, o CEA trabalha, para que uma aplicação bem realizada seja entendida como função de uma boa máquina, bem regulada e operada por um trabalhador capacitado.  O trabalho será feito por meio desta ação de treinamento a multiplicadores do conhecimento. Em que se pese a relevância do trabalho que vem sendo realizado por diversas entidades e empresas envolvidas no processo de transferência de tecnologia, nota-se uma falta de atualização técnica e metodológica de ensino nos professores, extensionistas e instrutores envolvidos na transferência de tecnologias sobre tecnologia de aplicação de agrotóxicos e segurança do trabalhador em manipulação direta e indireta de agrotóxicos. Estes treinamentos vivenciais podem ser considerados essenciais para melhoria da responsabilidade na aplicação de agrotóxicos no Brasil, gerando benefícios incalculáveis à agricultura brasileira e à saúde ocupacional e ambiental nas regiões agrícolas. A ação se dará por meio da elaboração de conteúdos programáticos e realização de cursos teórico-práticos de nível avançado sobre os referidos temas voltados professores universitários e de ensino técnico de nível médio, extensionistas e instrutores das diversas instituições envolvidas na transferência de tecnologia.

Adicionalmente, a Unidade trabalhará para a constituição de materiais padronizados de treinamento e avaliação de instrutores bem como na elaboração de esquemas padronizados de estruturação física e financeira de outros centros de referência a serem constituídos no Brasil.

 

Ver detalhes do projeto

  Hamilton Humberto Ramos      IAC

Qualidade de adjuvantes utilizados na aplicação de agrotóxicos

n° SGP 330

Atualmente no Brasil os adjuvantes da pulverização são considerados agrotóxicos, o que causa grande problema a fabricantes e usuários uma vez que estes produtos apenas auxiliam na eficácia dos agrotóxicos mas, por si só, não controlam pragas. Tal fato tem feito com que grande parte dos fabricantes opte por registrá-los como fertilizantes foliares, o que também trás problemas ao agricultor uma vez que não se sabe realmente a eficácia dos produtos utilizados. Dessa forma, o estudo e desenvolvimento de métodos que permitam avaliar os diferentes modos de ação dos adjuvantes (espalhante, tensoativo, molhante, adesionante, penetrante, etc) tornam-se importante como forma de trazer ao usuário informações úteis e de qualidade. O presente projeto tem por objetivo desenvolver sistemas de avaliação da qualidade para adjuvantes da pulverização.

Ver detalhes do projeto

  Hamilton Humberto Ramos      IAC

Manejo de moscas-brancas em culturas de expressão econômica

n° SGP 328

Atualmente encontram-se descritas mais de 1500 espécies de moscas-brancas, distribuí­das em 161 gêneros e divididas nas subfamí­lias Aleyrodinae e Aleyrodicinae (Martin & Mound, 2007). Entre as moscas-brancas mais importantes como pragas, destacam-se as espécies polí­fagas Bemisia tabaci (Genn.) e Trialeurodes vaporariorum (West.), sendo ambas transmissoras de fitoví­rus para plantas de importância econômica. Para B. tabaci, a partir da década de 50, verificou-se a existência de populações dessa espécie com comportamento e caracterí­sticas biológicas diferentes, o que motivou a proposta de alguns autores da ocorrência de biótipos (Brown et al., 1995). Contudo, as diferenças observadas entre as populações de B. tabaci, levaram a uma readequação da taxonomia, sendo hoje considerada um complexo de diferentes espécies (De Barro et al., 2011). No Brasil, trabalhos de caracterização molecular têm apontado a ocorrência predominante da espécie Middle East-Asia Minor 1, que compreende o biótipo B, nas principais áreas agrícolas do paí­s (Fontes et al., 2010; Valle et al., 2011). Como ainda não houve definição oficial do nome dessa espécie, será usada a denominação B. tabaci biótipo B para esse inseto. Devido à ampla distribuição em nosso paí­s, aos danos causados a diferentes culturas (hortaliças, leguminosas, cucurbitáceas entre outras), às altas infestações e à dificuldade de controle, serão abordados aspectos de caracterização molecular (identificação de espécies dentro do complexo B. tabaci), controle biológico (levantamento de inimigos naturais e avaliação de sua eficiência), resistência varietal (avaliação de germoplasma para resistência) e controle químico (avaliação da ação de novas moléculas nas diferentes fases de desenvolvimento de moscas-brancas).

Ver detalhes do projeto

  André Luiz Lourenção      IAC

Resistência de plantas de interesse econômico a pragas e doenças

n° SGP 327

A resistência de plantas a insetos é considerado o método ideal de controle de pragas . Para desenvolvimento de uma cultivar, é necessária a formação de equipes multidisciplinares, envolvendo pelo menos melhoristas e entomologistas (Ortman & Peters, 1980). O IAC tem tradição nessa linha de pesquisa, tendo desenvolvido e liberado várias cultivares com resistência a insetos (Miranda et al., 2003; Valle et al., 2012) e também a doenças. Pretende-se atuar nessa linha, avaliando-se coleções pertencentes aos bancos de germoplasma do IAC e de outras instituições envolvidas no projeto, enfocando-se culturas de interesse econômico, como soja, milho, algodoeiro, batata e tomateiro, entre outras. Procurar-se-á também incluir avaliações para resistência a doenças, caso haja incidência de patógenos. Neste caso, serão convidados a participar fitopatologistas ou virologistas, conforme o agente. Após as avaliações, os genótipos que forem identificados como portadores de resistência e que tiverem também boas caracterí­sticas agronômicas, poderão ser recomendados para plantio. Os genótipos apenas resistentes, sem caracterí­sticas para cultivo, serão recomendados aos melhoristas para uso em programas de melhoramento.

Ver detalhes do projeto

  André Luiz Lourenção      IAC

AVALIAÇÃO EXPLORATÓRIA DO TEOR DE AMILOSE EM AMIDOS DE ACESSOS DE MANDIOCA

n° SGP 322

A mandioca é uma das mais tradicionais culturas agrícolas brasileiras adaptadas às condições quentes dos trópicos, sendo cultivada pela excelente capacidade de armazenar amido nas raízes. O amido é usado por várias indústrias na forma bruta ou modificada por processos físico-químicos ou biológicos. É constituído por dois polímeros de glicose, a amilose (Am) e amilopectina (Ap), cuja proporção variada afeta as propriedades funcionais do amido, definindo sua aplicabilidade, principalmente em produtos do setor alimentício. Amidos waxy, com apenas Ap, são empregados em produtos submetidos a longo tempo de armazenamento, em que a formação de precipitados torna-se indesejável. O aumento dos níveis de Am resulta em amidos de lenta digestibidade ou amidos resistentes, os quais não são digeridos pelo trato intestinal dos humanos. Outra aplicação nobre para os amidos com altos teores de Am, está no interesse atual de usá-los como matéria-prima para o desenvolvimento de produtos termoplásticos que, ao contrário dos polímeros usados em embalagens convencionais, são biodegradáveis e obtidos a partir de fontes renováveis. A diversidade genética do amido do germoplasma de mandioca, em comparação com outras espécies de plantas, ainda é pouco conhecida. Há apenas dois relatos na literatura científica de mutantes waxy naturais na espécie. Recentemente, há relatos de amido com alto teor de Am em mutantes de mandioca, induzidos por raios gama. Diante do exposto, uma fonte de amido de mandioca, com características especiais na relação Am/Ap, poderá abrir novos mercados e incentivar mais essa cultura e o mercado de amido.

Ver detalhes do projeto

  Cássia Regina Limonta Carvalho      IAC

Manutenção e avaliação do banco de germoplasma de milho (Zea mays L.)

n° SGP 320

A manutenção e avaliação de germoplasma é fundamental para o sucesso de todos os programas de melhoramento genético vegetal. No presente projeto, linhagens da coleção de trabalho do programa de melhoramento de milho, antigas e recentes provenientes do CIMMYT, de procedências diversas, são mantidas e rejuvenescidas periodicamente, visando preservar o material e evitar a perda de genes de interesse. A avaliação das linhagens, principalmente quanto À tolerância À s principais doenças da cultura do milho, vem permitindo a identificação de fontes de resistência a serem utilizadas para obtenção de novos hí­bridos e variedades. A manutenção das linhagens ainda possibilita a continuidade do programa de hí­bridos e a sí­ntese de novos sintéticos utilizados para obtenção de novas variedades IAC. Parte da coleção é semeada anualmente e multiplicada através de auto-fecundações ou â??sibsâ? manuais (cruzamentos entre plantas da mesma linha); as caracterí­sticas agronômicas são avaliadas e as melhores linhagens utilizadas em cruzamentos dialélicos ou para obtenção de novos materiais. As populações, antigas e novas sintetizadas no programa de melhoramento, também são mantidas em lotes isolados em Campinas e nas Estações Experimentais. Mais recentemente, o programa de melhoramento de milho vem desenvolvendo hí­bridos de populações F2 de milho como nova alternativa. Assim, populações F2 também terão que ser mantidas por cruzamentos manuais e também vêm sendo semeadas anualmente. Ressalta-se que o banco de populações F2 tem importância fundamental para o IAC, uma vez que são oriundas de hí­bridos comerciais convnecionais (não transgênicos), que não são mais comercializados.

Ver detalhes do projeto

  Maria Elisa Ayres Guidetti Zagatto Paterniani      IAC

Reguladores de Crescimento

n° SGP 319

As unidades produtoras precisam, na maioria das vezes, antecipar o perí­odo de safra para iní­cio de março e faz-se necessárias aplicações de reguladores de crescimento sobre a cultura para que ocorra a maturação antecipada. Os maturadores, como são conhecidos os reguladores de crescimento, precisam ser aplicados entre fevereiro a março para que a maturação na cana-de-açúcar ocorra entre 40 a 45 dias após aplicação dos produtos. Também existe a possibilidade de serem aplicados entre outubro/novembro para anteciparem o final da safra, para que não se estenda até dezembro prejudicando as operações de plantio. Entretanto, os maturadores precisam ter a eficácia estudada, pois existem cultivares que podem ter respostas diferentes a ação do produto, a exemplo da seletividade dos herbicidas. Assim, o objetivo geral desse estudo é a eficácia dos reguladores de crescimento na maturação da cana-de-açúcar e especificamente almeja-se estudar a eficácia e seletividade de novas moléculas de reguladores de crescimento. Os experimentos serão instalados em DBC com os tratamentos em 4 repetições, de acordo com a IN-42 do MAPA. As parcelas serão constituí­das por 5 linhas de cana-de-açúcar com 8m de comprimento. Serão avaliados aos 60 DAA os sintomas de intoxicação nas gemas apicais de 06 colmos, atribuindo-se notas percentuais e visuais variando de 0 a 100%, sendo que 0% corresponde À ausência de injúrias e 100% corresponde À morte das plantas (ROLIM, 1989). Sendo necessário também pode-se fotografar as gemas apicais expostas para cada tratamento, elucidando melhor a avaliação. A altura, obtida aferindo-se o comprimento em centí­metros da superfí­cie do solo até a primeira folha completamente desenvolvida, geralmente aos 20, 40 e 60 DAA. O estande, pela contagem do número de perfilhos na área útil das parcelas. A produção será estimada na parcela utilizando-se do método da biometria (LANDEL, 2008). A análise tecnológica (Brix, Pol, Pureza, Ar%caldo, Fibra%cana e ATR). Os dados originarão laudos de eficácia agronômica segundo a IN-42/MAPA e que poderão ser transcritos também na forma de trabalhos cientí­ficos e disponibilizados À sociedade em geral.

Ver detalhes do projeto

  Carlos Alberto Mathias Azania      IAC

Seletividade de Herbicidas

n° SGP 318

Os herbicidas podem apresentar nas plantas de cana-de-açúcar sintomas visí­veis ou invisí­veis que prejudicam o desenvolvimento e a qualidade da cana-de-açúcar. Assim, esse projeto tem como objetivo geral estudar a seletividade de herbicida nos diferentes cultivares de cana-de-açúcar. Como objetivos especí­ficos almeja-se estudar (perí­odo de 2013 a 2023) a seletividade de novas moléculas herbicidas em cana-de-açúcar e também estudar a tolerância dos cultivares de cana-de-açúcar aos diferentes herbicidas registrados a cultura. Os experimentos serão instalados em DBC com os tratamentos em 4 repetições, de acordo coma IN-42/MAPA. As parcelas serão constituí­das por 5 linhas de cana-de-açúcar com 8m de comprimento. Serão avaliados os sintomas de intoxicação atribuindo-se notas percentuais e visuais variando de 0 a 100%, sendo que 0% corresponde À ausência de injúrias e 100% corresponde À morte das plantas (ROLIM, 1989). Essa avaliação é realizada visando À cultura em intervalos de 30 dias, iniciando-se com 7 a 15 dias após a aplicação dos herbicidas (DAA) e finalizando-se quando não se observar mais sintomas de intoxicação nas folhas da cultura, geralmente, próximo aos 90 DAA. A altura, obtida aferindo-se o comprimento em centí­metros da superfí­cie do solo até a primeira folha completamente desenvolvida, iniciando-se com 7 a 15 DAA e finalizando-se com o final do perí­odo de duração do experimento ou ciclo da cultura, para experimentos em condição de vasos e campo, respectivamente. Em condições de vasos os intervalos entre as avaliações são de 15 dias e em condições de campo 30 a 60 dias, de modo que englobe o iní­cio, meio e final do experimento. O estande, pela contagem do número de perfilhos na área útil das parcelas também de modo que envolva o iní­cio, meio e final do experimento. Em condições de campo as avaliações podem iniciar entre os 30 aos 90 DAA e terminar entre os 150 e 180 DAA, perí­odo em que o perfilhamento da cultura já se estabilizou. Em condições controladas a contagem pode ser realizada a cada 15 ou 30 dias até o final do experimento. A produção será estimada na parcela utilizando-se do método da biometria (LANDEL, 2008). A análise tecnológica ( Brix, Pol, Pureza, Ar%caldo, Fibra%cana e ATR). Os dados serão submetidos À análise de variância pelo teste F e as médias comparadas pelo teste Tukey. Os dados originarão laudos de eficácia agronômica segundo a IN-42/MAPA e que poderão ser transcritos também na forma de trabalhos cientí­

Ver detalhes do projeto

  Carlos Alberto Mathias Azania      IAC

Biologia e Manejo de Plantas Daninhas

n° SGP 317

Na cultura da cana-de-açúcar, dentre as inúmeras necessidades de aprimoramento, o controle de plantas daninhas é fundamental para evitar perdas de produção de até 85%. Para o melhor manejo de plantas daninhas há a necessidade de apresentar aos produtores as diferentes moléculas dos herbicidas, sua fí­sico-quí­mica, o espectro de espécies daninhas controladas, além da dinâmica no solo e planta. Somente conhecendo-se cada uma das caracterí­sticas das moléculas herbicidas que poder-se-á recomendar corretamente o uso dos herbicidas. Nesse sentido, propõem-se no projeto o objetivo de testar a eficácia agronômica de formulações e moléculas de herbicidas sobre plantas daninhas infestantes de canaviais, bem como o melhor modo de aplicação e época do ano. Os experimentos serão instalados diretamente nos canaviais (plantio ou soqueiras) em delineamento em blocos casualizados com número mí­nimo de 7 tratamentos em quatro repetições, de acordo com a Instrução Normativa 42 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. As parcelas serão constituí­das por no mí­nimo 5 linhas de cana-de-açúcar com 5m de comprimento e nas entre linhas semeadas as espécies daninhas alvo. Nas entre linhas de cada parcelas serão semeadas as sementes das plantas daninhas alvo, adquiridas em empresas especializadas. Na sequencia os tratamentos herbicidas serão aplicados, em pré ou pós-emergência das plantas daninhas, de acordo com a especificidade de cada molécula. Utilizar-se-á de equipamento costal pressurizado para garantir vazão constante (média de 200 L ha-1). Os tratamentos constarão sempre de uma testemunha capinada (tratamento padrão de excelência), uma testemunha com plantas daninhas (tratamento que demonstra a infestação), 4 doses da formulação ou molécula alvo e ao menos 01 tratamento com um herbicida padrão de mercado (de uso tradicional). As avaliações serão feitas a partir dos 15 dias após aplicação (DAA), mensalmente até aos 120 DAA, atribuindo-se notas percentuais e visuais de acordo com a escala da SBCPD (1995). No final do experimento também far-se-á a estimativa de produção segundo metodologia de Landell (2008) e a contagem de plantas daninhas nas parcelas testemunhas. Os dados serão submetidos À análise de variância pelo teste F e as médias comparadas pelo teste Tukey. Os dados originarão laudos de eficácia agronômica segundo a IN-42/MAPA e que poderão ser transcritos também na forma de trabalhos cientí­ficos e disponibilizados à sociedade em geral.

Ver detalhes do projeto

  Carlos Alberto Mathias Azania      IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930