Projetos APTA no Instituto Agronômico

Página Inicial / Busca de Projetos

415 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 14

Biofortificação agronômica de hortaliças folhosas

n° SGP 1978

Fase 1 - Biofortificação com zinco em alface (novas fases serão acrescentadas oportunamente, como a biofortificação de rúcula com ferro)

A baixa ingestão de zinco causa severos problemas de saúde, estima-se 800.000 mortes de crianças por ano relacionadas à deficiência de zinco. Uma estratégia simples e rápida para combater este problema seria a biofortificação agronômica com zinco nas partes comestíveis das plantas. A alface é a hortaliça folhosa mais produzida e consumida no Brasil e tem potencial para absorver grandes quantidades de zinco. O objetivo deste trabalho será verificar o efeito de diferentes doses de zinco (0, 5, 10, 20, 30 e 40 mg dm-3) na produtividade, nos teores de zinco nas folhas e no metabolismo antioxidante de duas cultivares de alface (grupo crespa cv. Vanda e grupo crocante cv. Saladela), visando a biofortificação agronômica. Serão realizados dois experimentos independentes, um durante o verão e outro durante o inverno. O delineamento experimental será o de blocos casualizados, em esquema fatorial 6 x 2, com quatro repetições. Os dados obtidos em cada experimento serão analisados estatisticamente através da análise de variância e por meio do teste F. Caso haja significância para as doses de Zn, será feita análise de regressão, definindo o melhor ajuste segundo combinação de significância e maior coeficiente de determinação. Caso haja significância para as cultivares, será aplicado o teste de Tukey (5%) para comparar as médias dos tratamentos. Se houver efeito da interação, o efeito de um tratamento será estudado dentro de outro. Existe a possibilidade de análise conjunta entre épocas experimentais.

Ver detalhes do projeto

  Luis Felipe Villani Purquerio      IAC

Adubação nitrogenada e espaçamento na produtividade e qualidade de maracujá azedo, implantado com mudas avançadas

n° SGP 1894

O Cowpea aphid borne mosaic vírus (CABMV), causador da doença conhecida como endurecimento dos frutos do maracujazeiro, tem causado perdas extremamente significativas à produção paulista, reduzindo a área cultivada em 48,6% nas principais regiões produtoras, nos últimos cinco anos. Diante da morosidade dos programas de melhoramento convencional para obtenção de resistência genética, mais o atual sistema de produção de mudas que favorece a infecção, opções de manejo estão sendo adotadas para a convivência com o vírus. A utilização de mudas avançadas produzidas em ambiente protegido associada ao cultivo anual reduzem o período de exposição da planta à ação do vírus, permitindo recuperar a produtividade.  A produção de mudas altas está se iniciando, como recomendação importante para a recuperação da produtividade dos pomares, mas é necessário avaliar a melhor forma de obte-las, nas estfas teladas. Essa tecnologia necessita de informações técnicas mais precisas, de forma a ser adotada em larga escala. Estudos como a avaliação de substratos orgânicos e doses de NPK mais adequados para as mudas,  adubação e espaçamento mais adequados em campo poderão fornecer informações para viabilizar a técnica recomendada.Assim, o objetivo desta pesquisa éavaliar o efeito de diferentes substratos orgânicos e doses de NPK no crescimento de "mudas altas" e  identificar a dose de nitrogênio e o espaçamento mais recomendados para  a produção anual do maracujazeiro em campo, instalado com mudas avançadas.O delineamento experimental será o de blocos casualizados em parcelas subdivididas com quatro repetições.

Ver detalhes do projeto

  Laura Maria Molina Meletti      IAC

Eficiencia agronômica de fontes alternativas de nutrientes de plantas

n° SGP 1876

Em um mundo preocupado com indicadores ambinetais a reutilização de materiais como fonte de nutrientes de planta é uma alternativa de reciclagem e otimização dos sistemas de produção agrícola. Esta prática devolve ao solo nutrientes de plantas exportados pelas culturas e produzindo biomassa e outros produtos. Ampla variedade de materiais organicos e inorgânicos podem conter quantidades consideráveis de nutrientes de planta que podem ser utilizados para suprir parte da demanda das culturas. Seu uso entretanto precisa ser estudado para evitar que haja depauperamento da qualidade do solo com a adição de elementos potencialmente tóxicos no agroecossistema. Devem ser monitorados os atributos do solo e da planta para verificar a viabilidade de uso dessas fontes alternativas de nutrientes e comparar os resultados de produção com uma fonte conhecida do(s) nutriente(es) fornecido(s) o que viabiliza também a estimativa da eficiencia agronômica da fonte alternativa de nutrientes.

Com relação ao solo, serão quantiifcados os teores de carbono orgânico, CTC, pH, Condutividade elétrica, metais pesados (Cu, Fe, Mn, Zn, Ni, Cd, Pb, Cr) , fosforo disponível, potássio e formas de nitrogênio (nitrato e amonio).

Nas plantas serão quantificados os teores de nutrientes nas folhas, produção de biomassa, produção de grãos e relação entre produto colhido/biomassa produzida - indice de colheita. Outros parametros de planta relativos especificamente a determinadas culturas também podem ser quantificados.

Os dados obtidos serão analisados por estatisica descritiva, analise de variância (ANOVA) ou por estatistica não-paramétrica (se necessário) com uso de comparação multipla de médias, contrastes ortogonais ou regressão. Adicionalmente poderão ser utilizados testes multivariados, p.ex. componentes principais para seleção de variáveis de maior signficancia na composição da variância total dos dados.

Ver detalhes do projeto

  Marcio Koiti Chiba      IAC

Desenvolvimento de variedades transgênicas de cana-energia

n° SGP 1850

A cana-energia surgiu como uma alternativa para a produção de etanol. A biomassa lignocelulósica da cana-energia fornece matéria prima para a produção de etanol de segunda geração (2G), ou etanol celulósico, e cogeração de energia. Desta forma vem sendo desenvolvidas, em programas de melhoramento genético tradicional, cultivares de cana com características específicas para a produção de biomassa. Atualmente a transgenia é considerada uma ferramenta de grande valia para o melhoramento de cana. Dentre as características do processo de transgenia, podemos destacar principalmente a inserção direta de genes de interesse, permitindo assim a aquisição de uma característica desejada sem que haja a cotransferência de características indesejadas a partir dos parentais, como ocorre no processo de melhoramento tradicional. Dentre as principais características de interesse econômico a serem inseridas na cana, destacam-se o aumento na qualidade e na produtividade da biomassa, a resistência/tolerância a herbicidas, a resistência a estresses bióticos (insetos, pragas e fungos) e abióticos (salinidade, frio e seca). O objetivo do presente projeto é o desenvolvimento de cultivares de cana-energia transgênicas que apresentam genes envolvidos com o aumento e qualidade da biomassa. Os genes de interesse são relacionados a síntese de componentes da parede celular e foram previamente identificados em projetos anteriores. Este projeto contribuirá para a capacitação de recursos humanos e o desenvolvimento de uma plataforma de produção em grande escala de plantas de cana transgênica que poderão ser utilizados no Programa Cana do Centro de Cana/IAC.

Ver detalhes do projeto

  Silvana Aparecida Creste Dias de Souza      IAC

Sustentabilidade:do campo à mesa

n° SGP 1840

A presença de agricultores familiares é bastante significativa na região de Bauru/SP, principalmente na produção de olerícolas. Dentre os principais entraves encontrados na etapa de comercialização da produção destacam-se as dificuldades de obter volume, variedade, frequência e qualidade dos produtos. Em 2016 foi inaugurada uma cozinha comunitária, pela prefeitura de Bauru/SP, que visa oferecer refeições adequadas, saudáveis, nutricionalmente balanceadas, para atender prioritariamente pessoas em vulnerabilidade social. A rede de cooperação da equipe do projeto será responsável em buscar melhorias nas condições de produção agrícola, minimizar o problema de comercialização e desenvolver pesquisa para a segurança alimentar. O objetivo geral do projeto é auxiliar na sustentabilidade da cozinha comunitária, instalada em Bauru, através do desenvolvimento de metodologia de políticas públicas para aquisição de alimentos de produtores rurais da agricultura familiar local.

Ver detalhes do projeto

  Maria Cecília de Arruda Palharini      Apta Regional / IAC

Aceleração da fase de decomposição de processo de compostagem de lodos de esgoto e agroindustriais visando o uso dos compostos na agricultura

n° SGP 1822

Após longo e custoso processo de tratamento de efluentes sanitários, agroindustriais e das atividades pecuárias como a bovinocultura e suinocultura, o lodo gerado é invariavelmente destinado a aterros, pois normalmente não atende normas para uso direto em solos agrícolas, necessitando de pós-tratamento para sua melhoria. Há tecnologias importadas como a secagem térmica e incineração que utilizam altas temperaturas, elevados gastos energéticos, e geram gases tóxicos que necessitam de tratamentos. Há perdas de matéria orgânica, carbono, nitrogênio e enxofre que empobrecem o resíduo para uso agrícola. O lodo seco/incinerado é encaminhado a aterros sanitários. Alternativa para o pós-tratamento seria o processo de compostagem tradicional, que é muito eficiente, produzindo compostos de alta qualidade para agricultura. Contudo, o processo demanda enormes áreas de pátio, especialmente na fase de decomposição que consome metade do prazo para produção do composto, que é de 120 dias. Há custos operacionais com máquinas/operadores para condução do processo, e exposição de funcionários a riscos de contaminação. Neste cenário, foi desenvolvida e está sendo comercializada a máquina recicladora de lixo 5Ecos, aceleradora de compostagem. Restos de alimentos e hortifrutis processados em 24h resultam em produto cuja caracterização física assemelha-se a composto orgânico, com teores de água de 5-15%, eliminando vetores como insetos e facilitando seu manuseio e transporte. Contudo, a caracterização química dos compostos e testes de germinação mostra a impossibilidade de seu uso como substrato de planta, composto ou condicionador de solos. O desafio desta proposta é preencher essa lacuna no mercado brasileiro, no que concerne ao pós-tratamento de resíduos sólidos, desenvolvendo um protocolo para realizar a fase de decomposição de resíduos inteiramente dentro do equipamento, cujas características de construção assemelhasse a reator aeróbio, e gerar compostos orgânicos, reciclando nutrientes e reduzindo custos com fertilizantes químicos na produção agrícola. A fase de humificação da compostagem poderá ser conduzida no equipamento e/ou em pilhas no campo, demandando áreas menores de pátio e baixos custos operacionais. Para tanto serão confrontados 03 cenários de compostagem: (i) máquina recicladora 5Ecos; (ii) pilhas no campo; (iii) ensaio de respirometria no laboratório. Os ensaios serão conduzidos concomitantemente, utilizando 03 lodos (esgoto, agroindustrial e suinocultura) e 02 materiais estruturantes (poda de árvore de cidade triturada e bagacilho/maravalha), que serão balanceados com relação C/N em torno de 30/1 e teor de água de 50%, totalizando 36 tratamentos. Dados de temperatura e umidade serão coletados diariamente norteando o revolvimento e irrigação dos materiais, além do monitoramento constante dos teores de matéria orgânica, C, N-total, N-NO3-, N-NH4+, e demais nutrientes de plantas, metais pesados, coliformes termotolerantes, Salmonella sp, ovos de helmintos e cistos de protozoários, e grau de humificação. Vencidos os desafios tecnológicos e científicos da proposta, tais parâmetros diários compilados servirão como banco de dados para Fase II da proposta, que visará automação total da máquina e reformulação do processo, por meio de software que coordene a detecção de temperatura e umidade por meio de sensores, a coleta instantânea de amostras, e determinações automáticas dos elementos que balizam a compostagem por meio de técnicas fotônicas.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Semeadura Direta de Leguminosas Adubos Verdes na Entrelinha da Soqueira de Cana Crua

n° SGP 1791

Técnica conhecida e praticada há muitas décadas fora do Brasil, o cultivo intercalar é uma possibilidade de otimizar o uso da terra, dentre outras vantagens. No Brasil foi objeto de estudo no início da década de 80, porém não alcançou expressão em escala comercial. Atualmente, em virtude dos impactos da colheita mecanizada (pisoteio de soqueiras, compactação e surgimento de novas pragas), a longevidade das soqueiras vem diminuindo em muitas regiões demandando a reforma antes do tempo, prática de alto custo e que atrasa o fluxo de matéria-prima nas unidades industriais. O cultivo intercalar de leguminosas adubos verdes em soqueira pode ser uma alternativa para atenuar os impactos da colheita mecanizada. Nesse sentido, pesquisas em campo serão instaladas em delineamento experimental blocos casualizados com os tratamentos arranjados em faixas, tendo como tratamentos cinco espécies (Crotalaria spectabilis, Crotalaria ochroleuca, Crotalaria breviflora, Lupinus albus, Cajanus cajan) com e sem nitrogênio em cobertura, além da testemunha. Estão previstos dois experimentos, sendo um em Latossolo Vermelho distrófico (Usina São Martinho) e um sobre Argissolo Vermelho Amarelo (COFCO Agri, Catanduva). Estão previstas avaliações dos atributos do solo (física e fertildade), crescimento do sistema radicular da cana-de-açúcar, acúmulo de biomassa e nutrientes na cana e nas espécies de leguminosas, bem como as características agronômicas e tecnológicas da cana-de-açúcar. Preferencialmente serão utilizadas soqueiras com mais de três cortes.

Ver detalhes do projeto

  Denizart Bolonhezi      Apta Regional / IAC

Desenvolvimento de sistema aeropônico portátil para o cultivo de hortaliças em ambientes domésticos (PIPE FAPESP Proc. 2016/21643-5)

n° SGP 1762

Um aparelho portátil, que permita o cultivo de plantas em ambientes domésticos (indoor), pode ser uma excelente oportunidade de negócio, visando atender um mercado cada vez mais exigente em produtos frescos, prontos para o consumo e de alta qualidade. Além disso, deve atrair consumidores que possuem pouco (ou nenhum) espaço para o cultivo pelo modo convencional (hortas domésticas ou floreiras), ávidos por produtos naturais e que não utilizam defensivos agrícolas na sua produção. Porém, para o desenvolvimento desse aparelho no Brasil, vários desafios técnicos e científicos deverão ser superados, como: i) desenvolvimento e adequação de sistema de iluminação artificial, visando substituir iluminação natural; ii) determinação do melhor substrato de cultivo a ser empregado; iii) adequação da vazão e número de nebulizadores a serem utilizados e iv) a concepção e definição do produto final, seguida de testes de operação e funcionamento do protótipo idealizado. Para superar esses desafios, este projeto tem como objetivos: (a) determinação do espectro de iluminação artificial (LED), para o crescimento das espécies a serem estudadas; (b) definir o melhor substrato para o cultivo das plantas no sistema proposto; (c) definir o modelo e o número de nebulizadores para o cultivo de três espécies de plantas; e (d) construir o protótipo, denominado SAP (Sistema autônomo portátil), assim como avaliar sua viabilidade técnica para o cultivo de plantas hortícolas no interior de ambientes domésticos. 

Ver detalhes do projeto

  Thiago Leandro Factor      Apta Regional / IAC

Avaliação da eficácia agronômica do programa Masteragro nas culturas da batata e cebola

n° SGP 1760

A batata se destaca como a cultura olerácea de maior relevância econômica para o país, tanto em área cultivada como em preferência alimentar. Em 2016 foram cultivados 130 mil hectares, com produção de 3,6 milhões de toneladas. O produto da batata, o tubérculo, é um caule modificado, especialmente adaptado para o acúmulo de reservas. No início da tuberização, cessa o crescimento longitudinal do estolho, ao mesmo tempo em que se altera o plano de divisão celular na região subapical. Essas etapas são afetadas, contudo, por condições ambientais, pela regulação hormonal, além de outros fatores envolvidos no processo de tuberização, como os nutricionais e biorreguladores estimulantes. Bioestimulantes ou estimulantes vegetais referem-se às misturas de reguladores vegetais com outros compostos de natureza bioquímica diferente (aminoácidos, micronutrientes, vitaminas, etc.). Essas substâncias são eficientes quando aplicadas em baixas concentrações favorecendo a realização dos processos vitais da planta, permitindo assim a obtenção de maior produtividade, inclusive em condições ambientais adversas. Apesar das vantagens dos biostimulantes vegetais, ainda é recente sua utilização na bataticultura e cebolicultura, o que contrasta com a grande quantidade de formulações e recomendações existentes no mercado, o que implica em uso sem a devida comprovação científica e validação prática no campo, incorrendo muitas vezes em problemas de fitotoxidade e perdas em produtividade e qualidade dos tubérculos e bulbos.

Ver detalhes do projeto

  Thiago Leandro Factor      Apta Regional / IAC

Estudo da infestação de percevejo-preto em campos comerciais de amendoim, caracterização de danos e testes iniciais de controle químico do inseto

n° SGP 1758

No Brasil são citadas como pragas da cultura do amendoim cerca de 20 espécies de insetos, atacando em alguma fase de desenvolvimento das plantas. Entre as pragas de solo comumente são relatadas em amendoim os percevejos castanhos e o percevejo-preto. O percevejo-preto, Cyrtomenus mirabilis (Perty, 1836) (Hemiptera: Cydnidae) é a principal praga de solo em amendoim. Sua ocorrência tem aumentado nos últimos anos no estado de São Paulo. Esse percevejo também ataca as raízes assim como as espécies de percevejo castanho. No entanto, seu principal prejuízo está relacionado ao ataque em vagens na fase de desenvolvimento dos grãos, na qual ninfas e adultos inserem o estilete de seu aparelho bucal, atingindo os grãos em desenvolvimento. Ao se alimentarem dos grãos, os mesmos tornam-se manchados impróprios para comercialização (Figura 1). Os prejuízos podem ser de grande magnitude se se considerar o mercado de amendoim blancheado (sem pele) e o fato de esses ferimentos servirem como porta de entrada a fungos produtores de aflatoxina. Estudos relacionados a estes insetos em amendoim são escassos e por isso não há um plano de amostragem, nem mesmo medidas de controle eficientes. Uma forma de se identificar a presença do percevejo na área é através de armadilhas luminosas. Armadilhas luminosas são consideradas dispositivos para atração e captura de insetos nas formas aladas e que apresentam fototropismo positivo (que possuem atividade noturna e são atraídos pela luz entre as 19:00 e 05:00 horas), como é o caso dos percevejos. Assim, os objetivos deste projeto são: identificar a(s) espécie(s) que ocorre(m) na cultura do amendoim nas diferentes regiões do Estado de São Paulo; estudar a flutuação populacional de adultos e estratificar a ocorrência em diferentes profundidades no solo em áreas comerciais de amendoim; quantificar os danos do inseto em condições controladas (casa-de-vegetação) e avaliar eficiência de inseticidas no controle e redução dos danos do inseto.

Ver detalhes do projeto

  Marcos Doniseti Michelotto      Apta Regional / IAC

Inovações Tecnológicas Aplicadas a Cultura da Mandioca no Centro Oeste Paulista

n° SGP 1742

O presente Projeto de Pesquisa  será conduzido na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento/Gália-APTA/SAA, tendo como objetivo geral desenvolver, testar e disponibilizar tecnologias aplicadas à cultura da mandioca, com ênfase na região Centro Oeste do estado. Como objetivos específicos visa:  Promover experimentos de competição e validar clones elites de mandioca de indústria do programa de melhoramento genético de mandioca de indústria do Centro de Horticultura, do Instituto Agronômico de Campinas, Da Agência Paulista de Tecnologias do Agronegócio, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do governo do estado de São Paulo; promover alterações nos sistemas de produção, visando a construção de ambientes conservacionistas e de baixo impacto ambiental; estruturar um sistema de produção de baculovirus de mandioca; testar a viabilidade e eficiência do uso de biofertilizantes na cultura da mandioca e disponibilizar ao meio produtivo, por meio de eventos e publicações, os conhecimentos obtidos. 

Ver detalhes do projeto

  Antonio José Porto      Apta Regional / IAC

DESEMPENHO AGRONÔMICO, PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE GENÓTIPOS DE BANANEIRA TIPO TERRA NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DO VALE DO RIBEIRA, SP

n° SGP 1715

Os plátanos, também chamados de banana da terra ou ainda bananas de cozinhar pertencem ao subgrupo Terra e apresentam como principais diferenças aos demais subgrupos frutos grandes e com alto teor de amido, sendo consumidos cozidos, fritos ou assados. Esse tipo de banana é comercializado com preços superiores aos praticados para as bananas do subgrupo Prata, razão pela qual há grande interesse no cultivo desse tipo de banana. As bananeiras desse subgrupo são suscetíveis à Sigatoka-negra, razoavelmente resistentes à Sigatoka-amarela, tolerante ao mal-do-Panamá, medianamente prejudicadas pelos nematoides e altamente perseguidas pela broca-do-rizoma, por isso seus bananais têm vida curta, onde geralmente se colhe a planta-mãe com boa produção, o filho mediano e o neto produz muito pouco. Apesar dos esforços empreendidos para o melhoramento da bananeira e plátanos a partir de germoplasma natural selecionado pelo homem, o Brasil dedica pouca importância aos plátanos. Assim sendo, objetivou-se, com este trabalho avaliar o desempenho agronômico, produção e pós-colheita de genótipos de bananeira do subgrupo Terra nas condições edafoclimáticas do Vale do Ribeira, SP. Para tal, o experimento será implantado na fazenda experimental da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, APTA Regional Vale do Ribeira, localizada no município de Pariquera-Açu, SP, onde serão avaliados doze genótipos de banana da Terra desenvolvidos no programa de melhoramento genético da Embrapa. O delineamento será em blocos ao acaso, com doze tratamentos (cultivares) e quatro repetições. Para todos os tratamentos serão empregados o mesmo sistema de manejo de controle de pragas e doenças, condução do bananal e adubações. Na avaliação do desenvolvimento das cultivares serão coletados dados referentes à altura das plantas, diâmetro do pseudocaule, número de folhas vivas, número de perfilhos e ciclos da planta, durante dois ciclos produtivos; a produção será aferida na colheita de cada safra através da determinação da massa fresca do cacho, do número de pencas por cacho, do número de total de frutos no cacho, massa fresca e número de frutos da 2ª penca, do comprimento e diâmetro de frutos. Além disso, será analisada a qualidade pós-colheita dos frutos através das seguintes avaliações: perda de massa, suscetibilidade ao despencamento, massa da matéria fresca da polpa e da casca, diâmetro da polpa e espessura da casca, firmeza da polpa, cor da casca, teor de sólidos solúveis, pH, acidez titulável, ratio e teor de amido nos frutos.

Ver detalhes do projeto

  Erval Rafael Damatto Junior      Apta Regional / IAC

COMPARAÇÃO ENTRE DIFERENTES MATERIAIS GENÉTICOS DE MANDIOCA PARA INDUSTRIA SOB CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO COMERCIAL

n° SGP 1714

Este projeto visa formalizar o financiamento, pela iniciativa privada (patrocínio), de estudo comparativo entre diferentes materiais genéticos de Mandioca Industrial sob condições de plantio comercial na região de Presidente Prudente/SP.

Serão destinados 40 hectares visando a realização de “pesquisa extensiva” na Sede do Polo Regional Alta Sorocabana criando-se condições similares àquelas encontradas em plantios comerciais. Para tanto a implantação do experimento será executada pela Empresa Interessada (preparo do solo, aplicação de defensivos agrícolas, plantio mecanizado de mudas, fornecimento de insumos e acompanhamento técnico) com máquinas, equipamentos, recursos humanos, insumos e materiais próprios.

Serão avaliadas e comparadas as variáveis de crescimento, desenvolvimento e os componentes de produtividade de raízes e hastes das cultivares de mandioca. Para tanto, serão coletados dados referentes a variáveis de crescimento e desenvolvimento, tais como: área foliar; altura das plantas; número de folhas; e componentes de produtividade de raízes e hastes. 

Ver detalhes do projeto

  Ricardo Firetti      Apta Regional / IAC

Validação da utilização de modelo de produção de cana-de-açúcar IAC em diferentes arranjos espaciais (MEIOSI) para a região de Ribeirão Preto

n° SGP 1699

O presente projeto será conduzido no Polo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Centro Leste/DDD, unidade da APTA em Ribeirão Preto, SP, no período de 2017 a 2024, visando ampliar a produtividade da cana-de-açucar através da adoção sincronizada de insumos biológicos (cultivares modernas) e manejos inovadores aplicados à região de Ribeirão Preto, com acompanhamento técnico competente, para que as áreas sejam também usadas como demonstrações e treinamentos. Estabelecer um modelos aplicável a unidades produtoras de cana-de-açucar que favoreça a o aumento da rentabilidade agrícola e propor ajustes nos sistemas produtivos de interesse da região. Especialmente verificar a produtividade da cana-de-açúcar em novos arranjos espaciais de condução da cultura em área de 60 ha, de renovação de canavial, utilizando sistema de plantio convencional (cana inteira) e MPB (mudas pré brotadas) em sistema de MEIOSI (Método Inter-rotacional Ocorrendo Simultaneamente), intercalando com validação de cultivares de soja e amendoim, de alta produtividade.

Ver detalhes do projeto

  José Roberto Scarpellini      Apta Regional / IAC

VALIDAÇÃO TECNOLÓGICA DE CULTIVARES DE SOJA EM REFORMA DE CANAVIAIS

n° SGP 1698

A proposta compreende avaliação de genótipos de soja transgênica em reforma de canaviais em manejo conservacionista de solo. A cultura da soja já ocupa quase 1 milhão de hectares no Estado de São Paulo, sendo que mais de 50% é cultivada em reforma de canaviais por ocasião da reforma dos canaviais. Atualmente com a transgenia, a soja apresenta vantagens competitivas em relação às outras opções utilizadas como culturas de rotação, tais como; pode-se semear e destruir a soqueira posteriormente com herbicida glifosate, menor número de pulverizações devido ao gene Bt, ciclo mais precoce dos cultivares evita atraso na implantação do novo canavial, os resíduos deixados após a colheita fornecem o nitrogênio necessário para a cana-de-açúcar e apresenta facilidade de comercialização por ser uma commoditie. Contudo, em virtude da transgenia, o mercado de sementes de cultivares está predominantemente no setor privado, fato que dificulta a recomendação conforme a aptidão edafoclimática regional. Isso vale sobretudo para o Estado de São Paulo, devido estar em região de transição, de forma que genótipos desenvolvidos para Regiào Centro Oeste e Sul são cultivados em terras paulistas sem recomendação oficial. Normalmente, as revendas e Cooperativas vendem a semente que tem no estoque sem conhecimento sobre a adaptabilidade nas condições canvieiras. Portanto, a presente proposta tem como objetivo fornecer informações sobre o perfil fitotécnico dos principais cultivares cultivados em áreas canavieiras, sobretudo em condições de manejo conservacionista do solo. Sabe-se que a média de produtividade em semeadura direta sobre palhada de cana crua não ultrapassa as 56 sacas por hectare, enquanto em sistemas convencionais o potencial produtivo dos mesmos genótipos chega a mais de 80 sacas. Para tal estudo, a proposta conta com parceria da COOPERCITRUS através da FUNDAG. Anualmente serão avaliados cerca de 20 gentótipos, todos em semeadura direta sobre palhiço, procurando instalar pelo menos em três diferentes tipos de solos. Utilizar-se-ão os genótipos disponíveis na COOPERCITRUS além de outros sugeridos pela EMBRAPA. Além de área de produtores, serão instalados em glebas da APTA em Ribeirão Preto, Pindorama e Colina.

Ver detalhes do projeto

  Denizart Bolonhezi      Apta Regional / IAC

"Sistemas Conservacionista de Manejo de Solo para Cana-de-Açúcar em Sucessão às Culturas da Soja e do Amendoim"

n° SGP 1693

A proposta versa sobre pesquisa aplicada conduzida em parceria com o setor produtivo e envolve o tema manejo de solo em reforma de canaviais colheidos sem queima prévia. É composta por duas atividades, uma área de validação tecnológica localizada em Latossolo Vermelho textura média de Assis e um ensaio com delineamento experimental localizado em Latossolo Vermelho Escuro textura argilosa, localizado em Jardinópolis. A iniciativa de Assis/SP contempla 3 opções de manejo de solo (destruirdor mecânico de soqueira + grade aradora + niveladora, preparo reduzido com Rip Strip e plantio direto) que foram realizados antes da semeadura do amendoim, antecipando o plantio manual da variedade de cana-de-açúcar RB86-7515. A iniciativa de Jardinópolis/SP compreende 4 opções de manejo de solo (grade, grade + subsolador, preparo reduzido com Rip Strip e plantio direto) dispostos em delineamento em blocos casualizados com 5 repetições, os quais foram realizados após a colheita da soja semeada direto sobre canavial com 7 cortes mecanizados, poréml utilizou-se o sistema de transplantio de mudas  MPB do genótipo CTC9003. Estão prevista na fase de cana planta, as seguintes avaliações; sistema radicular, acúmulo da biomassa seca, perfilhamento, características agronômicas e tecnológicas do caldo, bem como alterações nas características físicas e de fertilidade do solo.

Ver detalhes do projeto

  Denizart Bolonhezi      Apta Regional / IAC

ENXOFRE, GESSAGEM E ADUBAÇÃO ORGÂNICA NA PRODUTIVIDADE E QUALIDADE DE COUVE-DE-FOLHA

n° SGP 1688

As Brássicas são exigentes em enxofre, e segundo Raij (2011) o enxofre (S) está presente em todas as proteínas da planta, sua absorção ocorre na forma aniônica de sulfato (SO4 2-), localiza-se em geral na matéria orgânica, e o restante na atmosfera, como gás sulfúrico. Na deficiência deste macronutriente, não ocorre a síntese de proteína, porque não serão produzidos aminoácidos essenciais como cistina (C6H12N2O4S2) e metionina (C5H11NO2S),  resultando em plantas com menor  teor  de clorofila e raízes menos desenvolvidas.

Não há duvidas quanto à eficiência deste nutriente, mas a grande dificuldade da utilização de S consiste na ausência dele nas formulações NPK. No entanto, pode-se encontrar no mercado de insumos diversos fertilizantes que contém certa quantidade de S como superfosfato simples, sulfato de amônio e sulfato de potássio (RAIJ, 2011).

Também a gessagem pode contribuir com o fornecimento de cálcio e enxofre na forma de sulfato de cálcio. O gesso pode diminuir a toxidez do alumínio, favorecendo o sistema radicular se desenvolver em profundidade, o que permite maior absorção de água, resultando em maior resistência à seca (QUAGGIO, 2000; RAIJ, 2008).

Vários nutrientes, inclusive o enxofre, podem ser fornecidos através de uma adubação orgânica, com destaque ao composto orgânico, que via de regra, a presença do nutriente estará em função da característica da matéria-prima utilizada (OLIVEIRA; LIMA; CAJAZEIRA, 2004)

Devido à falta de dados e pesquisas realizadas com a cultura da couve-de-folha, muitos resultados obtidos com a cultura da couve-flor e outras brássicas são usados para esta olerícola.   

Neste sentido, o trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do enxofre, gesso e adubação orgânica na produtividade e qualidade de couve-de-folha.

 O experimento será conduzido na Fazenda Experimental São Manuel, pertencente à Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Botucatu, localizada no município de São Manuel-SP.  As coordenadas geográficas são 22º 46’ de latitude sul, 48º 34’ de longitude oeste de Greenwich e altitude de 750m. 

Serão estudados doze tratamentos, em esquemas de parcelas subdivididas, sendo três tipos de preparo de solo as parcelas, e quatro doses de enxofre em cobertura as subparcelas. Os três tipos de preparo de solo serão obtidos com a incorporação em pré-plantio (2 dias antes do transplante das mudas) de composto orgânico (3 kg m-2, ou seja, 30 t ha-1) marca Visafértil; gesso agrícola (0,120 kg m-2 , ou seja, 1,2 t ha-1); composto orgânico (3 kg m-2, ou seja, 30 t ha-1) mais gesso agrícola (0,120 kg m-2 , ou seja, 1,2 t ha-1). As doses de enxofre em cobertura serão de 0; 13,33; 26,67 e 40,00 kg ha-1 de S, correspondendo a 0; 66,50; 133,00 e 200,00 kg ha-1 de sulfato de amônio. Para uniformizar a dose de N em cobertura (40,00 kg ha-1 de N), serão utilizados 90,00; 59,30; 29,80 e 0,00 kg ha-1 de ureia. As doses totais serão parceladas em 7 aplicações, a cada 14 dias. Os adubos serão aplicados ao redor de cada planta individualmente. Também será aplicado cloreto de potássio (20,00 kg ha-1 de K2O).

O delineamento experimental será em blocos ao caso, com quatro repetições, com 18 plantas por parcela distribuídas em três linhas de plantio com disposição de triângulo, sendo avaliadas as quatro plantas centrais, consideradas como parcela útil.

Ver detalhes do projeto

  MAURÍCIO DOMINGUEZ NASSER      Apta Regional / IAC

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE PULVERIZAÇÃO EM CONFINAMENTO PARA FRUTICULTURA

n° SGP 1685

Dentre as tecnologias de manejo para vinhedos incluem-se um grande número de tratamentos fitossanitários para controle de doenças fúngicas e bacterianas além de insetos, ressaltando-se também a aplicação de indutores de crescimento. Sem estes tratamentos, a produção pode ser reduzida ou mesmo totalmente comprometida. Os agroquímicos utilizados nos tratamentos fitossanitários são substâncias tóxicas que podem poluir o ar, água e solo, estendendo sua ação sobre microrganismos, levando a mudanças quantitativas e qualitativas, tanto na estrutura da população edáfica com suas atividades fisiológicas. Ao mesmo tempo que atinge o solo, os resíduos podem ser transferidos, sem sofrerem alterações significativas, para o lençol freático, animais e finalmente seres humanos, implicando em riscos potencias de várias doenças. O controle fitossanitário de pragas e doenças é realizado por máquinas especializadas, concebidos para esse fim, sendo os tratamentos eficazes quando o tamanho das gotículas dispersas é da ordem de dezenas de micrômetros, de modo a cobrir o máximo possível da superfície das folhas. O transporte das gotículas da calda de pulverização é sujeito ao fenômeno da deriva, a qual faz com que uma quantidade de substâncias tóxicas, que pode ser significativa, possa atingir o solo. Uma solução para minimizar o efeito da deriva e outras perdas ocorridas durante a aplicação de defensivos é criar um ambiente de confinamento, isolando temporariamente a área alvo da pulverização, e promovendo a recuperação e reaproveitamento do excesso de calda. Um dispositivo de acoplamento frontal será montado em trator agrícola de forma a sustentar um sistema eletrostático controlado e dirigido com o intuito de que tal estratégia de engenharia possa maximizar a eficiência na aplicação dos agroquímicos. Considerando este princípio, o desenvolvimento de um protótipo para confinamento e recuperação de calda para vinhedos e cultivos assemelhados é proposto, visando aumentar o nível de controle da pulverização de agroquímicos e atenuar os riscos de poluição do solo pelos resíduos de pesticidas que não são retidos na superfície das folhas das plantas-alvo e que atingem o microambiente circundante.

Ver detalhes do projeto

  ANTONIO ODAIR SANTOS      IAC

Projeto Piloto - Produção de mudas de seringueira em bancada suspensa.

n° SGP 1673

 

O sistema de produção de mudas de seringueira não evoluiu nestes últimos 40 anos e muitos viveiristas estão produzindo e comercializando mudas de baixa qualidade genética, sem rastreabilidade de sementes, borbulhas e sem responsável técnico. Em agosto de 2009 o MAPA criou uma Normativa para se produzir mudas de seringueira no País e em 2015 o Estado de São Paulo (maior produtor de borracha do País), criou uma Normativa Estadual em atendimento à Norma Federal.  O objetivo desta Norma entre outros, é a proteção tanto de Viveiristas quanto de Heveicultores no que tange a sanidade e qualidade genética das mudas.

Essa legislação foi estabelecida após um trabalho da Coordenadoria de Defesa Agropecuária e a UNESP de Jaboticabal em 2013, que constatou que 74% das amostras de raízes das mudas dos viveiros de chão, estavam contaminadas com nematóides. Para que o Viveirista não corra risco de ter sua produção comprometida, a lei estadual já exige que as mudas sejam em bancada suspensa visto que é quase impossível produzir no solo, mudas sem nematóides. Caso o viveirista apresente laudo de nematóides e este esteja presente em suas mudas, estas deverão ser queimadas, o que geraria um prejuízo grande ao viveirista. Por outro lado, o produtor rural também estará sendo beneficiado, pois na maioria das vezes é através das mudas que ocorre a disseminação de nematóides prejudiciais a seringueira, na sua propriedade.

Se partirmos do princípio que cabe ao produtor rural cuidar de suas terras e ao Estado evitar a disseminação de pragas e doenças o sistema de produção de mudas de bancada suspensa se encaixa como uma luva. Além disto, as mudas produzidas neste sistema possuem um sistema radicular mais abundante quando comparado as mudas convencionais o que garante homogeneidade de plantio e maior uniformidade do futuro seringal, sem contar que possui rastreabilidade genética.

No estado de São Paulo, após a obrigatoriedade da Normativa, houve por parte de alguns viveiristas uma reação contrária no atendimento da mesma uma vez que a maioria dizia que era impossível ter sucesso neste tipo de produção de mudas. Por outro lado, alguns viveiristas mais tecnificados conseguiram produzir este tipo de muda sem problema.

Visando solucionar este impasse a Comissão Técnica de Seringueira da SAA em parceria com a Estação Experimental de Bebedouro está instalando uma área demonstrativa para validação do Boletim Técnico de Produção de Mudas de seringueira em bancada suspensa e substrato e além disto realizará outras pesquisas com duas empresas de nutrição para disponibilizar inovações aos Viveirsitas.

Além disto, parte das mudas produzidas serão utlizadas para a renovação dos jardins clonais da APTA (Pólos da Alta Mogiana e Centro Norte). 

Ver detalhes do projeto

  Elaine Cristine Piffer Gonçalves      Apta Regional / IAC

AÇÃO DO NPK ENRIQUECIDO COM X-TEND B-CON NO VIGOR E NA PRODUTIVIDADE DA CANA-DE-AÇUCAR: EXPERIMENTO CASA DE VEGETAÇÃO E EM CAMPO

n° SGP 1659

1. HIPÓTESE:

A aplicação da fonte X-TEND B-CON irá favorecer a brotação precoce das gemas de cana-de-açúcar, oferecendo maior vigor e arranque inicial do sistema radicular e parte aérea quando comparada apenas a fertilizante convencional no sulco do plantio. Na soqueira irá permitir melhoria do perfilhamento e consequentemente a produtividade e qualidade de colmos.

 

2. OBJETIVO:

Avaliar efeito da fonte X-TEND B-CON (fertilizante organomineral), de acordo com as doses estabelecidas do produto, sobre desenvolvimento prévio da brotação, vigor e arranque inicial da parte aérea e sistema radicular das gemas cana-de-açúcar quando comparadas ao tratamento controle: Experimento de casa de vegetação. As gemas serão provenientes da parte inferior ou mediana do colmo. No experimento de campo e em cana soca serão avaliados o perfilhamento e a produtividade e qualidade tecnológica dos colmos.

Ver detalhes do projeto

  André Cesar Vitti      Apta Regional / IAC

GERAR ADAPTAR E TRANSFERIR CONHECIMENTO E INOVAÇÕES EM HORTICULTURA - RAÍZES E TUBÉRCULOS

n° SGP 1655

Dentro do estado de São Paulo a macroregião da EDR/CATI de Botucatu, com sede em Botucatu-SP, apresenta demanda por inovações na área de agricultura, principalmente para a agricultura familiar, sendo que o apoio de pesquisa do IAC in loco contribuirá para o atendimento dessas necessidades. Dentre as culturas de interesse destacam-se as culturas de raízes e tubérculos e as hortícolas, capazes, se bem manejadas, de gerar emprego e renda no campo, promovendo indiretamente saúde e bem estar da sociedade local. Dentro deste contexto a atuação em colaboração com técnicos da EDR Botucatu proporcionará a oportunidade de ampliação das atividades de pesquisa e de aplicação direta aos agricultores das inovações geradas pelo CH/IAC/APTA/SAA, assim como permitirá a difusão destas tecnologias para os principais polos produtores de batata (região sudoeste do estado) e de mandioca de mesa e indústria (região Sorocabana).

Objetivo principal: Auxiliar a implementação de inovações na agricultura visando melhoria da renda, do bem-estar e da saúde da população rural e urbana no âmbito do EDR de Botucatu e do estado de SP com apoio do CH/IAC/APTA/SAA; Fortalecer as atuações do IAC na região do EDR-Botucatu, servindo como ponto de apoio para a validação de inovações.

Plano de atividades

1.1 Atividades propostas:

a. Ações de curto prazo:

  • prospecção de demandas na macroregião da EDR;

b. Ações de médio prazo:

  • Auxiliar no atendimento de demandas em fitotecnia de raízes e tubérculos em apoio às atividades da EDR;

  • Promover treinamento aos agricultores em apoio às atividades da EDR;

  • Instalar experimentos de competição de cultivares e clones dos programas de melhoramento genéticos do IAC (batata, mandioca e batata-doce) e de outras hortícolas em colaboração com pesquisadores do CH-IAC e com apoio da EDR;

c. Ações de longo prazo:

  • Auxiliar no registro de cultivares dos programas de melhoramento genéticos do IAC (batata, mandioca e batata-doce) e de outras hortícolas em colaboração com pesquisadores do CH-IAC e com apoio da EDR;

  • Implementar inovações (cultivares e outras tecnologias) junto aos agricultores em apoio às atividades da EDR;

  • Promover ajustes nos sistemas de produção agrícolas no ambito da EDR;

Ver detalhes do projeto

  JOSÉ CARLOS FELTRAN      IAC

MAPEAMENTO DA QUALIDADE DA UVA ISABEL EM PRÉ-COLHEITA COM BASE NA ASSINATURA ESPECTRAL

n° SGP 1652

A uva Isabel uma das principais cultivares de Vitis labrusca é utilizada para elaboração de suco, vinho e também comercializada como uva de mesa. Compostos químicos como polifenois, antocianina e taninos são atributos de qualidade da uva de grande importância nas características do vinho e também do suco. A espectroscopia de infravermelho próximo (NIRs) é baseada na combinação dos “overtones” produzidos pela vibração da molécula. A assinatura espectral de absorção NIR é um registro do número e tipos de movimentos vibratórios possíveis para o composto em estudo. Cada molécula possui um espectro de absorção único, como uma “impressão digital”. NIRs é uma das técnicas mais promissoras para monitoramento da qualidade e seleção vegetal, adequado para os requisitos da agricultura em termos de controle de garantia de qualidade: ela requer pouca ou nenhuma preparação da amostra; é ao mesmo tempo flexível e versátil (aplicável para multiproduto e análise de múltiplos componentes); ela não gera resíduos, e é mais barato para executar do que os métodos convencionais. O uso de técnicas quimiométricas, no processo de modelagem emprega um grupo de amostras padrão, no qual o computador “aprende” como relacionar uma propriedade de interesse (concentração, por exemplo) com o respectivo espectro. Como muitas variáveis (muitos valores de absorvância a vários comprimentos de onda distintos) do espectro serão utilizadas para estabelecer a relação, tem-se assim uma calibração multivariada. O objetivo deste estudo será mapear a qualidade da uva Isabel, produzida sob sistema de cultivo convencional em Jundiaí SP. As bagas serão avaliadas em diferentes posições no cacho e em exposição norte e sul do dossel. As concentrações de polifenóis, antocianina e taninos serão estimadas utilizando espectroscopia de infravermelho e calibração multivariada. Serão analisados frutos em pré-colheita de videiras Isabel. As plantas estão enxertadas no porta-enxerto paulsen e estão conduzidas em espaldeira no espaçamento 3,0m x 2,5m. O experimento está instalado na Escola Agrícola Benedito Storani localizado em Jundiaí SP. Os dados serão coletados nas safras de 2017 e 2018. A área experimental consta de quatro linhas de Isabel, com de 120 m de comprimento. As amostras dos espectros serão tomadas a campo, diretamente nos cachos, os espectros serão medidos por posição no cacho (ombro, meio e ponta) nas duas faces de exposição do dossel (norte e sul). Para composição da malha amostral as amostras serão tomadas no intervalo de 4 metros, ao longo das linhas de cultivo da videira. Portanto, serão analisadas 32 plantas em cada linha de cultivo. O georreferenciamento das amostras tomadas a campo será baseado nas coordenadas métricas do vinhedo. Os espectros serão tomados a campo num espectrofotómetro de infra vermelho (NIR) portátil, sistema Luminar 5030 (Brimrose Corp, MD, USA). O equipamento será ligado a um Notebook e posicionado num veiculo motorizado, o qual possui dimensão adequada para transitar entre as linhas sem prejudicar as plantas. Após a aquisição e transformação de todos os dados espectrais, os mesmos serão processadas usando o programa Snap 2,04 (Brimrose, Md, EUA). A análise quimiométrica e a interpretação estatística dos espectros transformados será realizada usando o programa Unscramble (CAMO, Noruega). A previsão dos compostos químicos serão estabelecidas pela modelagem desenvolvida e validada por Cunha e Santos (2016).

 

Ver detalhes do projeto

  Maria Aparecida Lima      IAC

Análise da diversidade química e genética de cafeeiros mantidos pelo IAC

n° SGP 1650

O gênero Coffea reúne 104 espécies das quais Coffea arábica e Coffea canephora são as  exploradas comercialmente no mundo - com participação em volume de grãos de 62% e 38%, respectivamente. Embora quase que sem valor comercial como produtoras de café para bebidas,  espécies como C. liberica, C. recemosa, C. dewevrei, C. eugenoides, C. congensis, C. stenophylla, entre outras são importantes do ponto de vista de reserva gênica  e são empregadas em hibridações para transferências de características de interesse agronômico e tecnológico àquelas duas espécies comerciais.

Na medida em que os conhecimentos sobre a composição química do grão de café se ampliaram e em que se reconheceram os efeitos da alimentação no funcionamento do organismo animal e, em particular dos humanos, as fronteiras da sua exploração comercial como alimento funcional e como fonte de insumos para as indústrias de alimentos e farmacêuticas foram igualmente expandidas.  Para que o potencial tecnológico do café seja conhecido, sua identidade química deve ser definida mediante a quantificação de compostos de interesse e/ou que permitam a pressuposição da qualidade da bebida que poderá proporcionar.

 

O Banco de Germoplasma de Café do IAC conta tanto com espécies de Coffea,  como com híbridos acessos e linhagens de cafeeiros originários do seu programa de melhoramento genético.  O objetivo deste projeto é apoiar o programa de melhoramento sob demanda de análise química específica,   e definir a composição química de frutos (essencialmente grãos) e de partes (essencialmente folhas) desses cafeeiros, de modo a acompanhar a evolução da planta ao longo das gerações, prever o comportamento da planta adulta, e  disponibilizar conhecimentos para as suas possíveis aplicações tecnológicas.

Este projeto compõe o Plano de Ação 02.13.02.056.00.02 do Consórcio Pesquisa Café, cujo orçamento se encontra anexo, e que contempla também o acompanhamento da manutenção de cafeeiros do banco de germoplasma em campo e a avaliação das suas características morfológicas e agronômicas,  incluindo  a incidência de doenças e a resistência à seca.  

Ainda tratando de caracterização de cafeeiros, esse projeto conta com uma linha de pesquisa de análise genética conduzida pelo colaborador Lilian Padilha, profissional da Embrapa Café sediada no Centro de Café do IAC, visando três objetivos

Desenvolver   marcadores SNP para fins de identificação de cultivares e rastreabilidade de cafés especiai

Caracterizar germoplasma e   populações base   cafés especiais utilizando marcadores moleculares

Análisar a expressão gênica ligada à qualidade de sementes.

Ver detalhes do projeto

  Terezinha de Jesus Garcia Salva      IAC

PRODUTIVIDADE DE TRÊS CULTIVARES IAC DE BATATA EM MANEJO ORGÂNICO EM TELADO

n° SGP 1645

A batata é uma cultura estratégica no tema de Segurança Alimentar. É um alimento universal, culinariamente versátil, com elevado valor energético, rico em proteínas, minerais e carboidratos.

No Brasil, as cultivares estrangeiras dominam o mercado de batata in natura e de processamento industrial. Essas cultivares são altamente exigentes em fertilização e necessitam de uma frequente proteção por coquetéis de agrotóxicos, em especial, dos fungicidas, que coloca em dúvida a sustentabilidade agroecológica.

Nesse cenário, destaca-se a produção agrícola orgânica, que possibilita a produção de alimentos mais saudáveis, e com menores impactos negativos ao ambiente, aos produtores e consumidores.

O Programa de Melhoramento Genético do Instituto Agronômico (IAC) originou alguns genótipos de batata, mais rústicos em fertilização e às doenças foliares como a requeima e a pinta-preta. Alguns desses genótipos se destacaram como cultivar, e se encaixam em sistemas de cultivo convencional-sustentável e orgânico.

O objetivo do trabalho foi de avaliar o desempenho produtivo (nº e peso de tubérculos) entre as cultivares de batata IACs Itararé, Aracy-ruiva e Ibituaçú, em ambiente protegido (telado anti-afídeo) e sob o manejo orgânico. 

Ver detalhes do projeto

  Eduardo Yuji Watanabe      Apta Regional / IAC

O modelo WEAP para análise do ambiente construído em relação aos recursos hídricos das sub-bacias dos ribeirões do Curtume e Água Preta: Estudo de caso na cidade de Pindamonhangaba, no estado de São Paulo/Brasil.

n° SGP 1640

A qualidade da água de uma bacia hidrográfica é influenciada por diversos fatores e, dentre eles o clima, a cobertura vegetal, a topografia, a geologia, bem como o tipo, o uso e o manejo do solo da bacia hidrográfica. Os vários processos que controlam a demanda e oferta da água de determinado manancial fazem parte de um frágil equilíbrio, motivo pelo qual alterações de ordem física, química ou climática, na bacia hidrográfica, podem modificar suas características quali-quantitativas. O presente estudo tem por objetivo aplicar a ferramenta WEAP - Water Evaluation and Planning System, para análise do ambiente construído em relação aos recursos hídricos das sub-bacias do ribeirão do Curtume e Água Preta num estudo de caso no município de Pindamonhangaba, no estado de São Paulo – Brasil. Os resultados por meio de avaliação e planejamento usando a ferramenta WEAP serão relacionados ao panorama ambiental das sub-bacias considerando ainda as condições climáticas, índices de qualidade de água e indicadores de ocupação. Basicamente esta ferramenta inovadora permite através do balanço hídrico da bacia, calcular a quantidade de água disponível para atividades rurais e urbanas (ambientes construídos). Este modelo pode também contribuir para tomada de decisões durante a escassez hídrica sazonal e definir o melhor planejamento para distribuição, bem como a possibilidade de simular os impactos de novos empreendimentos, além da formação de um banco de dados técnicos gerando informações institucionais para uso regional e estadual. O apoio institucional financeiro será da IMED, bem como para a publicação dos resultados alcançados em periódicos e eventos nacionais e internacionais.

Ver detalhes do projeto

  KARLA CONCEIÇÃO PEREIRA      Apta Regional / IAC

Ações coordenadas para a facilitação de difusão e transferência de tecnologia para o setor cafeeiro

n° SGP 1638

São Paulo tem parte importante de sua economia sustentada na cadeia produtiva do café. A cafeicultura do Estado  está distribuída em regiões produtoras bastante distintas, mas com estratégias comuns voltadas ao aumento de produtividade, à redução de custos e ao aprimoramento da qualidade do café produzido. Tecnologias geradas pelo IAC e pelo Consórcio Pesquisa Café se encontram disponíveis para que metas de natureza tão diversas possam ser alcançadas pelos produtores. Todavia, sua adoção exige boa articulação entre os que geram tecnologias e aqueles que as tornam acessíveis e passíveis de aplicação. Esse projeto contempla o Estado de São Paulo  com ações para a formação de profissionais e capacitação de produtores e agentes de transferência de tecnologias relativas à cultura de café, de modo a conferir maior sustentabilidade e competitividade ao setor produtivo. Para atingir seus objetivos, na vigência do projeto serão produzidos materiais impressos e promovidos cursos, workshops, dias de campo e outros eventos técnicos.   

Os recursos financeiros para a condução do projeto provêm dos Planos de Ação 04.13.02.010.00.01 e 04.13.02.010.00.02, financiados pelo Consórcio Pesquisa Café. São do mesmo Consórcio os recursos destinados ao pagamento da Bolsa discriminada.

 

Ver detalhes do projeto

  Terezinha de Jesus Garcia Salva      IAC

DESEMPENHO AGRONÔMICO E SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE PRODUZIDOS A PARTIR DE SEMENTES

n° SGP 1610

A batata-doce é o sétimo alimento mais importante no mundo, sendo essencial para a manutenção da segurança alimentar. É um alimento muito energético, podendo ser consumido in natura ou processado, além de ser matéria-prima para a produção de álcool. A cultura apresenta grande importância para o Brasil, sendo cultivada em todas as regiões brasileiras. O Estado de São Paulo é o 2º maior produtor, no entanto, sua produtividade é muito inferior ao potencial da cultura. A região de Presidente Prudente é grande produtora no estado, mas também apresenta baixa produtividade. Uma das causas da baixa produção por unidade de área é a utilização de poucas variedades com as características comerciais necessárias sendo que esses materiais podem não ser os mais indicados para a região. Assim, visando manter as características de cor de película e de polpa desejáveis para a comercialização, objetivou-se com esse trabalho analisar características agronômicas de genótipos oriundos de sementes provenientes do cruzamento de duas variedades cultivadas na região de modo a selecionar materiais com elevada produtividade comercial e formato de raízes adequado.  

Ver detalhes do projeto

  Amarílis Beraldo Rós      Apta Regional / IAC

Seleção de genótipos de café Bourbon para o desenvolvimento de cultivares visando a produção de cafés especiais

n° SGP 1601

     Após o lançamento da cultivar Mundo Novo na década de 50 os programas de melhoramento genético de café arábica priorizaram o desenvolvimento de genótipos voltados para o mercado de café commoditie, isto é, cultivares altamente produtivas e com boas características agronômicas, sobretudo resistentes à ferrugem-da-folha, principal doença do café. Nesse sentido, a cultivar Bourbon, até então a mais plantada no país naquela época, não foi mais priorizada pelos cafeicultores e pelos programas de melhoramento devido a sua baixa produção e ser suscetível a doenças e exigente em nutrição, ao contrário do Mundo Novo que apesar de ser altamente suscetível à ferrugem é uma planta bem rústica, produtiva e adaptada aos mais diversos ambientes de cultivo. Essas duas cultivares são de porte alto.

     Com o advento do mercado de cafés especiais o germoplasma Bourbon retomou o interesse tanto por parte do consumidor quanto dos melhoristas. Apesar de seus problemas agronômicos esse material possui uma qualidade sensorial diferenciada tais como doçura, sabor achocolatado, aroma frutado intenso e agradável acidez cítrica, sendo, portanto, um material genético específico para a produção de cafés especiais.

     A seleção de linhagens/progênies de Bourbon do Banco de Germoplasma do IAC introduzidas na década de 50 é uma frente de trabalho para desenvolver novas cultivares; outra frente seria realizar hibridações entre o germoplasma Bourbon com cultivares elites, tais como Obatã, Tupi, IAC 125 (são produtivas, porte baixo e resistentes/tolerantes à ferrugem-da-folha) entre outros.

     O objetivo desse trabalho é selecionar linhagens e desenvolver progênies de café arábica com o perfil sensorial do Bourbon e que apresentem características agronômicas desejáveis, tais como produção/vigor, menor porte e tolerância à ferrugem-da-folha esperando-se que num futuro próximo uma nova cultivar com essas características e perfil sensorial diferenciado agregará valor ao cafeicultor brasileiro.

     Serão realizadas avaliações agronômicas de genótipos de café Bourbon das coleções do IAC para a seleção de plantas promissoras, as quais serão utilizadas no processo convencional de melhoramento (sucessivos ciclos seletivos e avanços de gerações) e no programa de hibridações. Serão realizadas avaliações agronômicas visando a melhoria da produção, do vigor, porte e arquitetura da planta, tolerância a doenças (principalmente a ferrugem-da-folha), diferentes estágios de maturação e tamanho dos frutos. As plantas selecionadas serão então estudadas em novos experimentos, instalados em pelo menos dois locais no estado de São Paulo, seguindo o delineamento de blocos ao acaso, contendo entre 15 e 25 genótipos derivados de Bourbon e entre duas e quatro testemunhas comuns a todos os experimentos, quatro ou seis repetições e com no mínimo cinco plantas por parcela. Concomitantemente, serão realizadas hibridações entre genótipos de café Bourbon (do banco de germoplasma) e materiais genéticos elite (cultivares comerciais) e genótipos introduzidos de outros países do banco de germoplasma do IAC afim de desenvolver populações-base. As sementes híbridas serão então plantadas em delineamento experimental para as avaliações agronômicas, tecnológicas e sensoriais para o avanço de gerações em cada Estado.

Ver detalhes do projeto

  Júlio César Mistro      IAC

Desenvolvimento de cultivares de café tipo arábica visando produtividade, resistência à ferrugem e outras características agronômicas e tecnológicas

n° SGP 1598

     A ferrugem alaranjada é a principal doença do café, chegando a ocasionar perdas na produção brasileira de café da ordem de 30 a 50%, se nenhuma medida de controle da doença for adotada. Entre as medidas de controle a utilização de cultivares resistentes é a mais fácil e econômica de ser empregada, visando minimizar os prejuízos causados pelos parasitas que atacam a lavoura de café. Após a constatação da ferrugem do cafeeiro no Brasil, em 1970, grande esforço tem sido feito no melhoramento genético para a obtenção de cultivares resistentes. Várias cultivares foram disponibilizadas para o cultivo comercial pelas instituições que se dedicam ao melhoramento do cafeeiro. No entanto, devido à grande variabilidade que ocorre no fungo Hemileia vastatrix, há surgimento de novas raças fisiológicas, com genes de virulência capazes de anular a resistência das cultivares resistentes. Por isso os programas de melhoramento devem ser dinâmicos e contínuos, de modo a disponibilizar sempre novas cultivares com fatores de resistência complexos que se constituam em eficientes barreiras para as novas raças fisiológicas do fungo H. vastatrix.

     Este projeto tem como objetivo geral a obtenção de cultivares de café tipo arábica visando produtividade, resistência à ferrugem-da-folha e outras boas características agronômicas e tecnológicas. Para tanto serão avaliadas novas seleções de cafeeiros de porte alto e baixo e com boa arquitetura, derivados de hibridações, com resistência específica e/ou não especifica à Hemileia vastatrix, produtivas, adaptadas às regiões cafeeiras e com produto de boa qualidade Serão também desenvolvidas e avaliadas linhagens de cafeeiros com fatores de resistência vertical SH1, SH2, SH3 e SH4 derivadas do cruzamento de introduções de Coffea arabica com cultivares elites. 

     

Ver detalhes do projeto

  Júlio César Mistro      IAC

Desenvolvimento e avaliação de cultivares e progênies de café arábica apropriadas para a cafeicultura de montanha do Estado de São Paulo

n° SGP 1596

     O estado de São Paulo é o segundo  produtor nacional de café arábica, sendo que o seu cultivo ocorre também em áreas montanhosas, acidentadas caracterizadas por temperaturas amenas e altitudes elevadas, tais como as regiões da Alta, Média e Baixa Mogiana (maior produtora) e o Centro-Sul. Essa condição climática potencializa a qualidade sensorial do café, atributo atualmente de grande valor econômico, porém a declividade acentuada dificulta o cultivo do café, onde os tratos culturais são de difíceis execuções. Nesse sentido, o desenvolvimento de cultivares que se adaptem melhor a essa condições e concomitantemente apresentem características que dispensem, ou utilizem menos, defensivos agrícolas e facilitem a colheita manual são de grande valia a esses cafeicultores. Atualmente, o IAC possui em seu programa de melhoramento genético vários genótipos, em diferentes gerações, que poderão no futuro ser indicados para esse tipo de cafeicultura, pois aliam porte baixo (o que facilita a colheita), resistência à ferrugem-da-folha (principal doença e que ocorre com maior severidade nessas regiões) e qualidade diferenciada de bebida, o que agregaria maior valor econômico ao produto.

     A finalidade do projeto é verificar o comportamento agronômico e a adaptação de genótipos de café arábica em áreas de montanhas no estado de São Paulo, para tanto serão instalados experimentos em locais a serem definidos no transcorrer da vigência dessa proposta. Tais experimentos serão alocados em delineamento de blocos ao acaso, com no mínimo três repetições. O número de plantas por parcela será de acordo com a geração filial em que os genótipos se encontrem.

Ver detalhes do projeto

  Júlio César Mistro      IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930