Projetos APTA no Instituto de Economia Agrícola

Página Inicial / Busca de Projetos

14 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 1

A inserção do Instituto de Economia Agrícola (IEA) no Processo Prospectivo do Desenvolvimento do Brasil 2035.

n° SGP 1590

Esta proposta de projeto tem por objetivo produzir informações visando inserir as contribuições do IEA no Processo Prospectivo do Desenvolvimento do Brasil 2035, conduzido pelo NAPLP/FEA/USP. Tal processo tem por objetivo identificar elementos que subsidiem a formulação de estratégias de desenvolvimento para o Brasil, tendo 2035 como horizonte temporal. Para tanto, está estruturado em metodologia prospectiva que prevê a realização de seminários, oficinas e cursos com a participação de vários atores representantes dos segmentos da nossa sociedade, dentre eles estão as atividades de pesquisa, seus profissionais e instituições, a exemplo do IEA. Nessa oportunidade o Instituto será responsável pela condução dos trabalhos relacionados a uma das 51 variáveis que compõem o processo prospectivo. Dessa forma, as atividades de pesquisa necessárias ao cumprimento das etapas previstas no processo dependem da organização e sistematização de informações, assim como de discussão, conforme propõe esse projeto.

Ver detalhes do projeto

  Ana Victória Vieira Martins Monteiro      IEA

Intercâmbio de dados e informações entre o IRSG e o IEA para analisar o suprimento de borracha natural no Brasil

n° SGP 1555

Este projeto consiste em uma parceria entre o Instituto de Economia Agrícola (IEA) e o Grupo Internacional de Estudo da Borracha (IRSG) e tem como objetivo a troca de informações sobre as estatísticas da cultura da seringueira e de seu produto a borracha. O IRSG produz e analisa estatísticas agrícolas da seringueira e produção de borracha natural para 36 países do mundo exceto Brasil concentrando 97% da produção mundial de borracha. Esses dados são compartilhados apenas com os membros do grupo. Nessa parceria o IEA será o fornecedor oficial dos dados do Brasil (IBGE, CONAB, Indústrias) e receberá todos os dados do IRSG.

Ver detalhes do projeto

  Marli Dias Mascarenhas Oliveira      IEA

Estudo da interação entre o sistema agroindustrial do amendoim e da cana-de-açúcar

n° SGP 1501

O projeto de pesquisa tem por objetivo analisar a interação entre a produção de amendoim e o comportamento do sistema agroindustrial da cana-de-açúcar no Estado de São Paulo, especialmente, no que se refere às áreas de renovação de canaviais. Para tanto, toma como referência a metodologia para estudos das relações de mercado em sistemas agroindústrias, proposta pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) que destaca duas categorias de análise, as estruturas de mercado e de governança. Dessa forma, serão reunidas informações secundárias sobre produção, processamento e comercialização relacionadas ao sistema agroindustrial do amendoim e da cana-de-açúcar a fim de compor a análise das estruturas de mercado; e informações primárias e secundárias para mapear as estruturas de governança. Os resultados alcançados poderão contribuir para a melhor compreensão dos elementos de interação entre os dois sistemas agroindustriais a fim de oferecer subsídios ao planejamento da produção de amendoim e à formulação de políticas públicas.

Ver detalhes do projeto

  Renata Martins Sampaio      IEA

CUSTO DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE ECONÔMICA DA FRUTICULTURA NA REGIÃO DE MARÍLIA/SP

n° SGP 1130

Identificar e estimar o custo de produção e rentabilidade econômica da fruticultura na região de Marília.

Ver detalhes do projeto

  Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto      Apta Regional / IEA

Cadeia Produtiva de Citros de Mesa (Laranja, Limão, Tangerina); Uva (Fina e Rústica); Figo; Pêssego.

n° SGP 1089

São Paulo é o maior produtor brasileiro de frutas de mesa, além da importância econômica a fruticultura paulista assume importância social pela geração de empregos.

Os tradicionais pólos produtores de frutas do Estado têm sofrido profundas mudanças, pressionados por questões ligadas ao preço de terra, novo código florestal, alto custo de mão de obra, entre outros. Estes fatores ocasionaram migração da fruticultura para novas regiões, o que gera a hipótese de ser esta uma das principais alavancas das mudanças ocorridas na engrenagem do mercado de frutas e suas relações.

A cadeia produtiva sentiu o impacto das transformações tecnológicas não apenas no seu processo (produção, informação, logística, pós-colheita, entre outras), mas também na sociedade consumidora e seu comportamento.

Questões ligadas à comercialização são discutidas por autores como sendo gargalo para a cadeia de frutas, mas poucas são as soluções demonstradas e realmente absorvidas pelo setor. As informações disponibilizadas e a forma como é utilizada pode muitas vezes vir a ser uma problemática.

            O projeto tem como objetivo analisar o comportamento da cadeia produtiva de citros de mesa (laranja, limão, tangerina), uva de mesa (fina e rústica), pêssego e figo, sua atual distribuição espacial no Estado de São Paulo e suas tendências. Será montado um banco de informantes para as culturas alvo, um levantamento nas regiões produtoras, atacado e varejo para coleta de informações primárias e utilizadas informações secundárias disponíveis no IEA e CEAGESP, entre outras instituições.

Espera-se com o presente projeto elaborar um banco de informantes para as culturas alvo do projeto, avaliar o sistema de informação disponível pelo IEA para tal setor e a análise do setor frente as mudanças ocorridas no mercado de frutas e suas relações. Também as alterações resultantes das transformações tecnológicas e de consumo de frutas devem ser analisadas.

Ver detalhes do projeto

  Priscilla Rocha Silva Fagundes      IEA

CURSOS DE EXTENSÃO IEA

n° SGP 1005
Ver detalhes do projeto

  Geni Satiko Sato      IEA

IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RURAIS POTENCIAIS PARA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

n° SGP 1004

Esta pesquisa tem como objetivo identificar produtos rurais potenciais para a indicação geográfica no Estado de São Paulo e elaborar um manual ou cartilha sobre Indicações Geográficas com informações de procedimentos que auxiliem os produtores para uma tomada de ação

Ver detalhes do projeto

  Geni Satiko Sato      IEA

Análise do Valor da Produção Agropecuária no Estado de São Paulo, 2015 a 2017

n° SGP 1003

~~A pesquisa visa atender a demandas sistemáticas de instituições públicas e privadas por informações oficiais sobre o valor da produção da agricultura, da pecuária, da silvicultura e da pesca, no Estado de São Paulo, de acordo com a disposição da Lei Agrícola vigente no País. Especificamente, procura-se aprimorar os sistemas de levantamenrto de dados básicos de produção e preços e incluir novos itens na lista dos produtos, cujos valores são calculados. Pretende-se desagregar o valor total do Estado por região (Escritório de Desenvolvimento Rural – EDR e Região Administrativa – RA). Serão feitas análises da conjuntura das safras e dos mercados dos principais produtos isoladamente e em agrupamentos, visando identificar as causas das variações das duas fontes de crescimento do valor da produção agropecuária (quantidades e preços). 
    

Ver detalhes do projeto

  José Roberto da Silva      IEA

EMBRIÕES DE SISTEMAS LOCAIS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA: MAPEAMENTO, CARACTERIZAÇÃO E A INTERAÇÃO ENTRE AS FONTES DE INOVAÇÃO

n° SGP 792

Esta proposta objetiva estudar a distribuição e concentração da produção agrícola no Estado de São Paulo, com ênfase para a região Oeste, identificar aglomerações produtivas, delimitá-las geograficamente, e classificá-las em função de sua relevância regional e setorial. Apoiado por fontes primárias e secundárias, serão investigadas as vantagens comparativas que propiciaram o surgimento de “embriões de sistemas locais de produção” em regiões de menor desenvolvimento econômico, assim como o papel, atuação e relação entre atores do aparato institucional de CT&I e agentes de produção agrícola para observar a ocorrência de interação entre essas fontes de inovação. Para tanto, a especialização e a concentração da produção agrícola nas microrregiões serão avaliadas, respectivamente, por meio do cálculo do Quociente Locacional (QL) e do Gini Locacional (GL) de produtos agrícolas utilizando-se variáveis relacionadas ao valor da produção nas 65 microrregiões do estado, sendo os resultados classificados em tipologia adaptada de estudos em economia industrial para identificação de Embriões de Sistemas Locais de Produção Agrícola. A caracterização desses sistemas, será realizada mediante levantamentos sobre a estrutura de produção e CT&I agrícola a partir de consulta a dados secundários, realização de 18 entrevistas, e aplicação de 180 questionários estruturados em 03 microrregiões geográficas localizadas no oeste e extremo oeste do estado. A análise dos resultados será realizada com a utilização de técnicas descritivas, de estatística multivariada, e de análise qualitativa.

Ver detalhes do projeto

  Ricardo Firetti      Apta Regional / IEA

Mercado de cerveja artesanal em Presidente Prudente: caracterização de produtos, concorrência, preferências e percepção de consumidores

n° SGP 791

Esta proposta de pesquisa tem a finalidade de subsidiar com informações estratégicas a tomada de decisões de novos empreendedores do segmento de bebidas diferenciadas, ênfase às cervejas especiais e artesanais, quanto a aspectos fabris e mercadológicos. Para tanto, dois tipos de cerveja artesanal serão caracterizados comparativamente a produtos comerciais utilizando parâmetros físicos e químicos específicos, e, posteriormente, submetidos à análise sensorial por um grupo de provadores não especializados, mas com hábito de consumo de cervejas. Paralelamente, serão avaliados itens do composto mercadológico (produto, preço, ponto, promoção) de concorrentes comercializados no município de Presidente Prudente; e identificadas as opiniões de consumidores utilizando levantamento de dados originais e técnicas de preferência declarada. Colaboram com esta pesquisa: Caio Russo Dutra Rodrigues (FC Brew); Ana Lúcia Luz Alberti (PRDTA-AS/DDD-APTA); Marilice Zundt (FACAPP-UNOESTE); José Luiz de Lima Astolphi (FACAPP-UNOESTE); Edval Pereira dos Santos (PRDTA-AS/DDD-APTA); Edson Pereira (PRDTA-AS/DDD-APTA).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ver detalhes do projeto

  Ricardo Firetti      Apta Regional / IEA

RENTABILIDADE ECONÔMICA E DISPÊNDIOS ENERGÉTICOS NOS SISTEMAS DE CAFÉ CONVENCIONAL E IRRIGADO EM TRÊS MUNICÍPIOS NA REGIÃO DE MARÍLIA, SÃO PAULO

n° SGP 676

O objetivo deste trabalho é avaliar o benefício econômico e os dispêndios energético do cultivo de café, comparando os sistemas de café convencional e irrigado. Para o desenvolvimento do estudo, os sistemas produtivos foram delineados a partir de dados informados por uma amostra de produtores, para elaboração de uma matriz de coeficientes técnicos médios. A metodologia utilizada para a estimativa do custo operacional de produção é a do Instituto de Economia Agrícola (IEA) e foram avaliados três indicadores de rentabilidade. Na análise energética foram estudadas e quantificadas de todas as operações realizadas, juntamente com suas exigências físicas, classificando-as em seus respectivos fluxos, a partir da definição das entradas e saídas de energia, traduzindo-as em equivalentes energéticos e determinando, assim, a matriz energética dos dois sistemas de produção de café. Os resultados da produtividade apontam que o café em sistema irrigado produz 10,4 sacos de 60 kg a mais que o café convencional. O custo operacional efetivo (COE) no sistema irrigado é maior no sistema convencional. Na composição do custo observa-se que no sistema de café convencional os maiores gastos foram com adubos no item insumos e no sistema irrigado os maiores dispêndios foram com máquinas e equipamentos principalmente com a colheita, nos anos de 2013, 2014 e 2015. Os lucros operacionais nos anos de 2012, 2013 e 2015 foram positivos, sendo que o índice de lucratividade para o café convencional em 2015 foi de 44,8% e para o sistema irrigado em 49,7%. No ano de 2014, os índices de lucratividade foram negativos para o sistema de produção de café irrigado - 8,6% e para o sistema de café convencional foi de -13,9%. Os resultados energéticos mostram que na estrutura de dispêndios energéticos por tipo, fonte e origem, tem-se que a energia indireta participou com mais de 66%, sendo os adubos os dispêndios mais altos. O indicador de eficiência energética, nos dois sistemas de produção, apresenta um valor médio de 4,16 para café convencional e de 3,26 para o café irrigado. Esse valor indica que a relação entre a somatória das energias totais e a somatória das “entradas” de energia não renováveis são positivas. Vê-se, portanto, que o consumo de energia direta de origem fóssil é significativo nos dois sistemas de produção. O balanço energético, que mostra a diferença entre as energias totais e “entradas” de energias não renováveis, foi positivo nos dois sistemas produtivos, em média de 25.258,55 MJ ha-1 para o café convencional e 26.712,94 MJ ha-1 para o café irrigado. 

Ver detalhes do projeto

  PATRICIA HELENA NOGUEIRA TURCO      Apta Regional / IEA

Atualização dos sistemas de produção e do custo de produção de cana-de-açúcar dos fornecedores do Estado de São Paulo - fase 3

n° SGP 520

A análise econômica de qualquer atividade produtiva serve de balizamento e orientação, no sentido de permitir ao produtor e demais agentes envolvidos informações importantes no processo de tomada de decisão. Contribui, ademais, para norteamento na concepção e elaboração de políticas públicas destinadas ao setor.        Destacam-se, na análise econômica, estudos que permitem estimar os custos de produção e a rentabilidade de sistemas produtivos, especialmente aqueles que têm importância social, econômica e ambiental. Nesse contexto insere-se a cultura de cana-de-açúcar e nesse sentido, o objetivo do projeto é de acompanhar os sistemas de produção da cultura de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo em nível de fornecedores. Pretende-se manter atualizadas as matrizes de coeficientes técnicos e de exigências físicas de fatores de produção levantadas pelo IEA em 2009 e em 2011 em parceria com a Orplana e estimar os custos de produção para os diferentes sistemas de produção nas regiões produtoras do estado. Deverão ser realizadas reuniões com técnicos e fornecedores nas regiões pré-determinadas quando da realização do primeiro levantamento em 2009 e do segundo levantamento em 2011, serão avaliadas as operações realizadas, coeficiente técnicos, sistemas de produção e equipamentos utilizados através da metodologia de levantamento de coeficientes técnicos utilizado pelo IEA junto aos produtores fornecedores. Os dados obtidos servirão para atualização do banco de dados obtidos em levantamento anterior e reavaliar e elencar novas técnicas e sistemas, além de avaliar a representatividade das regiões pré-estabelecidas. 

Ver detalhes do projeto

  Marli Dias Mascarenhas Oliveira      IEA

Dinâmica sócio-econômica do segmento sucroenérgetico

n° SGP 488

O valor da produção da cana-de-açúcar evidencia a liderança paulista na produção da cultura. De acordo com Tsunechiro, et al. (2013), do valor total da produção agropecuária paulista em 2013, a cana-de-açúcar correspondeu a 45,5%  (26 bilhões de reais).

Em trabalho realizado em 2010 por Olivette, Nachiluk e Francisco, ao comparar os dados de 1995/1996 e 2007/2008 do LUPA (Levantamento das Unidades de Produção Agrícola), verificou-se que nesse período a cultura expandiu 101% no Estado. 

Atrelados ao crescimento nos últimos anos, as questões ambientais e a legislação trabalhista permearam a discussão da produção canavieira e tem acelerado as mudanças no panorama da cultura no estado.

Neste sentido, o propósito do projeto é o de desenvolver e complementar habilidades na equipe através de um processo permanente de capacitação e discussão sobre a cadeia produtiva da cana-de-açúcar como forma de gerar produtos e serviços que permitam o desenvolvimento setorial com sustentabilidade social, econômica e ambiental.

Ver detalhes do projeto

  Katia Nachiluk      IEA
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930