Exibindo todos os projetos ativos na APTA

Página Inicial / Busca de Projetos

701 projetos ativos encontrados - pág. 15 de 24

Melhoramento genético de raças zebuínas através da seleção para crescimento e seu efeito sobre caracteres de importância econômica relacionados à reprodução, eficiênciia de utilização de alimentos e carcaça

n° SGP 925

O Instituto de Zootecnia destaca-se pelo seu trabalho objetivo par o aumento da produção e produtividade das espécies animais e de plantas forrageiras. O Centro APTA Bovinos de Corte destaca-se pela pesquisa com raças zebuínas de corte, principalmente Nelore e Guzerá. Essas raças vem sendo selecionadas há alguns anos, porém a coleta de dados e as análises dos efeitos dessa seleção foram prejudicadas em parte por falta de infra-estrutura e pela ausência de um maior planejamento de seleção. Visando ao estudo acurado das potencialidades dessas raças que são as mais difundidas em todo o Brasil Central, e devido a possibilidade de se obter dados importantes à pecuária paulista e nacional que sirvam como padrão, foi elaborado um esquema de seleção em que a precisão e o planejamento da coleta de dados figuram como de importância fundamentais. Cumpre ainda destacar o papel dessa pesquisa que serve como laboratório vivo aos estudantes de pós-graduação, técnicos, pesquisadores e pecuaristas do Estado de São Paulo e do Brasil.

As informações obtidas nesse projeto permitirão responder inúmeras questões relativas à mudança anual da taxa de crescimento do gado zebu e as consequências em outros caracteres de impotância econômica. Dados dessa natureza não existem para as raças zebuínas no Brasil. 

Ver detalhes do projeto

  Joslaine Noely dos santos Gonçalves Cyrillo      IZ

Efeito da aplicação do Componente N1 na formação de raízes, brotação de colmos, desenvolvimento vegetativo, qualidade tecnológica e produtividade da cana-de-açúcar.

n° SGP 922

Os objetivos desta proposta será avaliar os efeitos do uso do adubo biológico gerado a partir da mistura de Componente N1 juntamente com conteúdo ruminal ou esterco bovino em processo denominado “Compostagem Líquida Contínua” (CLC). Esse produto oriundo dessa biofabrica tem a finalidade de estimular o desenvolvimento do sistema radicular e brotação inicial das gemas de cana-de-açúcar (ensaio 1). No ensaio 2, em condições de campo,  além das considerações acima, o produto poderá propiciará melhor desenvolvimento da cultura, produtividade e qualidade tecnológica de colmos quando comparados apenas ao tratamento controle representado pela fertilização mineral. Para atingir os objetivos acima serão desenvolvidos dois experimentos, um em casa de vegetação para observar a brotação das gemas e desenvolvimento inicial das plantas de cana-de-açúcar (Ensaio 1), e outro em condições de campo, que será desenvolvido durante 3 ciclos agrícolas consecutivos (ensaio 2).

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Avaliação de doses e épocas de aplicação de bokashi na produção de batata-semente orgânica de cultivares IAC de batata em telado antiafídeo

n° SGP 920

A batata é um dos quatro principais alimentos consumidos pela humanidade. Ela é importante fonte de minerais, proteínas, fibras e carboidratos. A maioria das cultivares de batata disponíveis no mercado são estrangeiras. De maneira geral, elas são exigentes em fertilização e sensíveis à doenças foliares como a requeima, o que não garante a sustentabilidade do cultivo. Como alternativa viável, surgem as cultivares originadas pelo Programa de Melhoramento de Batata do Instituto Agronômico, que tem demonstrado um satisfatório desempenho produtivo em condições de baixo uso de insumos, que as torna promissoras no sistema de cultivo orgânico. O projeto será composto por duas etapas. A primeira (p1) avaliará a dose de bokashi  e a segunda (p2) a melhor época de aplicação de bokashi que refletem na maior produtividade de tubérculos. Serão avaliados em cada cultivar, dose e época de aplicação de bokashi, o número e tamanho de tubérculos produzidos, pesados, e a sua massa transformada em t ha-1. 

Ver detalhes do projeto

  Eduardo Yuji Watanabe      IAC

VIABILIZAÇÃO DA MISTURA DE VINHAÇA CONCENTRADA COM ADUBOS NITROGENADOS PARA ADUBAÇÕES DE CANAVIAIS COLHIDOS SEM QUEIMA: Aspectos Agronômicos e Ambientais

n° SGP 913

O presente estudo refere-se à caracterização da vinhaça concentrada que permite tornar economicamente viável a sua aplicação em canaviais colhidos sem queima. O projeto objetiva avaliar a possibilidade de aplicação de fontes nitrogenadas juntamente com a vinhaça concentrada, de modo a fornecer adubação nitrogenada e potássica à cultura, em apenas uma aplicação no campo. Na mistura vinhaça - adubos nitrogenados há perdas de nitrogênio por volatilização, que podem trazer consequências ambientais e econômicas. O estudo contempla determinar quais são as perdas e quantificá-las para cada fonte de adubos nitrogenados, determinando qual a mistura e fonte mais apropriadas que maximizem a eficiência da mistura, viabilizando a substituição das adubações nitrogenadas e potássicas convencionais em uma única aplicação da mistura, e aumente o raio econômico de aplicação da vinhaça concentrada.
Desta forma, os trabalhos a serem conduzidos nessa pesquisa contribuirão para a adoção de práticas ambientalmente corretas, desde o transporte, até a utilização de novas fontes nitrogenadas junto com a vinhaça para a sua aplicação. O projeto iniciou-se em 2014, com a primeira parte de caracterização e primeiro ensaio de volatilização finalizados em outubro/2015. Uma segunda etapa foi incorporada ao projeto, visando o refinamento dos dados sobre a volatilização de adubos nitrogenados compostos com ureia protegida, que foi a opção mais segura encontrada na etapa anterior do projeto. Esta nova fase iniciou-se em novembro de 2015 e será finalizada em outubro de 2016, compreendendo dois ensaios de volatilização realizados no verão e inverno, de modo a assegurar-se da eficácia do processo em condições de alta e baixa temperatura do ambiente.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Diagnóstico de efluentes da suinocultura nas bacias do Piracicaba, Capivari, Jundiaí (PCJ) e tratamento em estação piloto

n° SGP 912

A criação de suínos em baías, caracterizada pela concentração de animais por área, exige cuidados higiênicos que reduzam a proliferação de moscas e bactérias, e proporcione bem estar animal. A lavagem diária das baías é o método mais usado para limpeza das baías, e consomem volume de água equivalente a 50 a 200 litros/matriz, considerando 01 matriz = 10 animais. Menores volumes usados de água usados produzem efluentes brutos com valores de DBO em torno de 50.000-60.000 mg L-1, e volumes maiores dejetos menos concentrados, em torno de 30.000 mg L-1. O potencial poluidor dos dejetos de suínos é cerca de quatro vezes ao dos dejetos humanos, e além da carga orgânica, são concentrados em nitrogênio, fósforo, e apresentam contaminantes como coliformes, ovos de helmintos, salmonella, e metais pesados como Cu e Zn. Dejetos de suinocultura durante anos foram despejados in natura em solos vizinhos às granjas, que em muitos casos já se encontram contaminados, com riscos de contaminação das águas subterrâneas. Em outros casos foram lançados diretamente em águas superficiais. Levantamento grosseiro aponta em torno de 25.000 suínos sendo criados na bacia do PCJ, demandando grande volume de água de lavagem, e cargas orgânicas elevadas sendo lançadas sem tratamento no meio. Dados ambientais da suinocultura paulista são escassos. Nem mesmo as agências agrícolas e ambientais os possuem. O objetivo desta proposta é identificar e levantar dados sobre a atividade, especialmente no que concernem as fontes de captação e consumo da águas nas granjas da bacia, assim como diagnosticar qual a situação do tratamento e destino dos dejetos. A caracterização química e microbiológica de efluentes brutos e tratados permitirá conhecer o real impacto da atividade no meio, e possibilitará a tomada de decisão, por exemplo, quanto a possíveis mudanças na dieta dos animais e manejo da água na granja, assim como quanto ao tratamento e destino dos dejetos por suinocultores, técnicos e legisladores. Estas metas serão executadas por meio de visitas técnicas realizadas pelos técnicos da equipe, em pelo menos 80% das granjas identificadas com atividade na bacia, e por meio de coleta e caracterização de pelo menos 40 amostras de efluentes. Ao mesmo tempo será construído um sistema piloto de tratamento de dejetos em uma granja com capacidade para 160 animais em fase de terminação - que gera alto volume de dejetos concentrados – em unidade de pesquisa da Secretaria da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, na microbacia do Ribeirão Guamium, bacia do Rio Piracicaba. O sistema piloto abrangerá todas as fases do tratamento, testando processos que sejam eficazes, práticos e economicamente viáveis ao produtor, e que possa gerar renda extra a atividade, como produção de composto orgânico, biogás, e água para reuso agrícola ou mesmo para reutilização na lavagem das baías. O sistema será construído em 03 meses, e testado e monitorado com mais de 200 análises químicas e microbiológicas ao longo de um ano, e também, será efetuado estudo de viabilidade econômica para cada fase do sistema e para o sistema global, de modo a fornecer dados suficientes para tomada de decisões técnicas e econômicas, tornando-se modelo demonstrativo regional. Pretende-se, assim, com a aplicação dos resultados desta proposta, reduzir a demanda de água da suinocultura, nesta região, em que os conflitos pelos usos múltiplos da água são constantes, e ao mesmo tempo reduzir a carga orgânica lançada na bacia pela atividade, convertendo-a em composto orgânico para fertilização sustentável dos solos da região, e em biogás que reduziria custos com energia elétrica e melhoraria a qualidade de vida dos moradores vizinhos a granja. As diversas alternativas de tratamento de dejetos geraria efluentes que poderiam ser usados na irrigação agrícola, aumentando a produtividade agrícola em função do aporte de água e nutrientes, fornecidos de modo mais balanceado às plantas, ou nos casos em que áreas vizinhas as granjas já não possam mais receber efluentes em função de contaminação, destinar o efluente final polido e desinfetado para reuso na própria lavagem das baías.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IZ

Viabilidade da olivicultura como agronegócio: Avaliação da matéria prima produzida por cultivares de oliveiras implantadas no estado de São Paulo por meio da extração e caracterização química e sensorial dos azeites.

n° SGP 911

A produção de azeitonas no estado de São Paulo ainda é incipiente, concentrando-se na região da Serra da Mantiqueira, e da Serra da Bocaína. Atualmente, estima-se em 300-400 ha plantados com oliveiras em São Paulo. Estudos iniciais de zoneamento climático indicam possibilidade de expansão da olivicultura, que necessita de quantidade de horas de frio para diferenciação das gemas vegetativas em reprodutivas, principal dificuldade para implantação das oliveiras em condições subtropicais. Contudo, ainda não há uma avaliação da qualidade do produto colhido e do azeite processado, nestas condições, que possa assegurar a viabilidade da olivicultura como agronegócio, apesar do interesse crescente de inúmeros investidores nos últimos anos. O objetivo desta proposta é avaliar a produtividade, o rendimento, e a qualidade do azeite produzido por cultivares mais plantados no estado: Arbequina, Arbosana, Koroneiki, e Picual, obtidos de 04 propriedades representativas de regiões produtoras do estado. Durante dois ciclos da cultura serão avaliadas a produção e qualidade do azeite produzido de 20 árvores de cada cultivar, cultivados em condições climáticas e tratos culturais diversificados. Serão instaladas estações meteorológicas nas propriedades de modo a obter dados da caracterização climática das regiões e determinação de graus-dias e número de horas de frio, obtendo dados de florescimento, frutificação e colheita para cada condição climática, que possam auxiliar na construção de zoneamento climático na cultura em São Paulo e outros estados brasileiros. Tais dados, também, auxiliarão no conhecimento do ciclo fenológico dos cultivares, uma vez que as propriedades agrícolas escolhidas para o estudo encontram-se em posições de relevo (800-900 m; 1100-1200 m e 1900 m de altitude), tipo de solo e condições climáticas muito diversas. O ponto de maturidade das azeitonas, em cada caso, será determinado pela interpolação de dados obtidos do teste de coloração da polpa e mesocarpo, pelo índice de Jaen, pela consistência da polpa obtida pelo uso de penetrômetro, e pelo rendimento em azeite, construindo a curva de maturação dos frutos para cada cultivar e condição climática. Tais avaliações serão efetuadas em três coletas a partir da mudança de coloração do fruto de verde para avermelhado e violeta. Análises físico-químicas e sensoriais serão realizadas nos azeites produzidos. Antes e após a primeira colheita, os pomares passarão por tratos culturais padronizados, como poda das árvores reduzindo excessos vegetativos, análises de solo, com recomendação de calagem, e fertilizações com nitrogênio, fósforo, potássio, boro, cobre e zinco, e fertilizações foliares de Cu e Zn, em épocas adequadas ao ciclo vegetativo da planta. Ênfase especial será dada a fertilização com nitrogênio, que será fornecida descontando os teores de N-amoniacal e N-nitrico presentes nos solo, e prontamente absorvidos pela planta, de modo a evitar fornecimento excessivo do elemento, que privilegia o desenvolvimento vegetativo em detrimento ao florescimento e frutificação da cultura. Será realizado controle de pragas, doenças e manejo da entrelinha da cultura. Nova colheita será realizada no segundo ano de cultivo, repetindo as determinações do ponto de maturidade dos frutos em cada situação, extração do azeite, e avaliação da qualidade por meio de análises químicas e sensoriais. Os tratos culturais serão repetidos neste segundo ano de projeto, objetivando avaliação ao longo prazo dos olivais. Serão comparados os dados de produtividade, rendimento em azeite e sua qualidade nos dois anos de cultivo. Também, será possível avaliar possíveis diferenças de qualidade entre azeites produzidos a partir do mesmo cultivar nas diferentes condições de clima. No caso de produção de azeites monovarietais de qualidade, serão realizados blends que valorizem suas características, criando misturas harmoniosas, que serão avaliadas quanto aos parâmetros físico-químicos e sensoriais. Os resíduos gerados na extração do azeite (água de lavagem das azeitonas, água de vegetação e bagaço) serão quantificados, caracterizados quimicamente, e confrontados com normas ambientais que permitam seu reuso in natura e/ou tratados em solo agrícola. A aquisição de máquina extratora de azeites permitirá esta avaliação preliminar dos azeites produzidos, além de outros inúmeros outros estudos que auxiliem o agricultor nacional na produção de azeites competitivos. Maior conhecimento sobre a técnica de extração será obtido e repassado aos produtores, podendo ocorrer aperfeiçoamento/adaptação da máquina extratora de azeite. Análises físico-químicas de azeites serão aprimoradas, e será fortalecido o grupo de análise sensorial, permitindo maior auxílio a órgãos fiscalizadores da qualidade de azeites importados e nacionais, como o MAPA-Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O grupo de pesquisadores e técnicos, com competência em áreas do conhecimento correlatas, dado que a oliveira é cultura exótica em nossas condições, obterá maior conhecimento no manejo da cultura, e nas técnicas de colheita, conservação do fruto, extração, conservação de azeites, e confecção de blends harmoniosos, de modo a propor soluções viáveis aos gargalos encontrados pelos produtores de azeitonas e extratores de azeites nacionais. Com dados climatológicos obtidos será possível avançar em conhecimentos fisiológicos sobre a cultura em condições subtropicais, que auxiliarão em zoneamentos climáticos e possivelmente expansão da área cultivada com oliveiras em São Paulo e outros estados brasileiros.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

ISCA-VIVA: EFICIÊNCIA DOS APARELHOS DE PESCA NA CAPTURA DE Gymnotus spp.

n° SGP 909

A captura de isca-viva voltada a atender a demanda da pesca amadora/esportiva, é a principal atividade ligada à pesca profissional na região de Ibitinga, São Paulo/Brasil, cujo alvo é a pesca de Gymnotus spp., regionalmente denominada de tuvira, que vem sendo capturada por pescadores isqueiros com peneiras de malha tipo “mosquiteiro” em regiões alagadas, de baixa profundidade e recobertas por macrófitas. A atividade com o uso de peneiras era amparada por Instrução Normativa (IN nº 7) até 2009, no Estado de São Paulo, quando foi substituída por outra (IN nº 26) e, tal prática, deixou de ter um instrumento legal na bacia Hidrográfica do Rio Paraná, incluindo o Médio Tietê, São Paulo. A norma atual, para a pesca de isca, permite rede de emalhar com malha e comprimentos especificados para pesca comercial. Entretanto, a tuvira quando capturada por pescadores profissionais, que utilizam a rede de emalhar, não possui valor no mercado, já que normalmente não sobrevive a este tipo de pesca, deixando de ser isca-viva. Sendo assim, este estudo tem por objetivo determinar a eficiência dos aparelhos de pesca (uma rede de emalhar e duas peneiras - tradicional e modificada), na captura de Gymnotus spp. O trabalho será desenvolvido em áreas sob influência do reservatório de Ibitinga, SP, e serão realizadas coletas nos meses de outubro/2015 e março/2016, em quatro áreas de pesca identificadas no Rio Jacaré Guaçú. Em cada área e mês de coleta será determinada à abundância relativa de tuviras capturadas com os aparelhos de pesca, com registro de variáveis abióticas e identificação de jovens e adultos, para verificar possíveis relações destas variáveis na eficiência dos aparelhos de pesca.

Ver detalhes do projeto

  Paula Maria Gênova de Castro Campanha      IP

Controle Seletivo do Carrapato dos Bovinos (Riphicephalus (B). microplus) em Pequenas Propriedades do Vale do Paraíba

n° SGP 904

                A proposta deste projeto  é promover atividades educativas em pequenas propriedades, de exploração familiar, tendo como objetivo a motivação, conscientização e capacitação do produtor rural à correta  adoção de medidas para controle racional do carrapato dos bovinos minimizando o uso de carrapaticidas e prolongando a eficácia dos ativos empregados, e dessa forma possibilitando maior retorno da atividade leiteira com diminuição de insumos, mão de obra e aumento da produção e produtividade. Portanto visa-se a aplicação de conhecimentos teóricos e práticos diretamente na propriedade, junto aos produtores.

Ver detalhes do projeto

  JOSE ROBERTO PEREIRA      Apta Regional / IB

Doses e aplicações de Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorokin, no manejo da cigarrinha-das-raízes (Hemiptera: Cercopidae), em pastagem de Brachiaria decumbens

n° SGP 898

Os prejuízos causados pelas cigarrinhas-das-raízes são estimados em centenas de milhões de dólares anualmente. Para a região dos Cerrados no Brasil, os prejuízos causados por esses insetos podem atingir cifras, dependendo da área infestada e do nível de infestação, de 99 a 819 milhões de dólares anuais. Entretanto, a utilização de táticas de manejo visando à diminuição e/ou equilíbrio populacional da cigarrinha-das-raízes em pastagens torna-se indispensável, principalmente em variedades de capins suscetíveis.

Para o manejo de cigarrinhas em pastagens tem-se o controle biológico (microbiano), com o fungo entomopatogênico Metarhizium anisopliae. A ação deste patógeno sobre cigarrinha-das-pastagens foi constatada naturalmente e comprovada em laboratório e, sua recomendação para o manejo da praga em pastagens é comum. Todavia, a inconsistência de resultados em relação à eficácia do fungo também tem sido reportada, podendo estar relacionada à qualidade e tipo de isolado, quantidade do fungo aplicada por área, problemas de formulação e armazenamento, método de aplicação, descumprimento das recomendações de uso e variações ambientais inesperadas.

Entretanto, o objetivo deste estudo foi de avaliar doses do fungo Metarhizium anisopliae (isolado IBVB 348 - Methamax EC®), com uma e duas aplicações, no manejo da cigarrinha-das-raízes D. flavopicta, bem como na produção e qualidade de Urochloa (Syn. Brachiaria) decumbens. O experimento foi realizado no Município de Cassilândia - MS (19º08’S e 51º41’O), sob o delineamento experimental de blocos ao acaso, com 11 tratamentos e quatro repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e comparação de médias pelo teste de Tukey (P ≤ 0,05). No presente estudo, M. anisopliae, nas doses de 05, 1,0, 1,5 e 2,0 L p.c. ha-1, com uma e duas aplicações, não reduziu significativamente a população de D. flavopicta, em relação à pastagem sem aplicação de defensivo (testemunha), assim como não influenciou na produção de matéria seca, teores de proteína bruta, fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA). O bioinseticida apresentou eficiência no controle da cigarrinha-das-pastagens, em algumas avaliações.

Ver detalhes do projeto

  Marcelo Francisco Arantes Pereira      Apta Regional / IB

Bioecologia de Coccinellidae (Coleoptera) e Diaphorina citri (Hemiptera: Liviidae) em citros na região nordeste do estado de São Paulo

n° SGP 896

O psilídeo Diaphorina citri Kuwayama (Hemiptera: Liviidae) é um inseto-praga que ocasiona danos ao citros principalmente pela transmissão da bactéria que causa a doença conhecida como huanglongbing (HLB), “doença do dragão amarelo”. Até a data atual, não há lugar no mundo onde HLB esteja sobre controle adequado. O psilídeo D. citri está sujeito ao controle biológico natural efetuado pelo parasitoide Tamarixia radiata (Waterston); por várias espécies de coccinelídeos, sirfídeos, crisopídeos, hemerobiídeos e de entomopatógenos. No Brasil, o método biológico tem sido pesquisado, com ênfase principalmente no parasitoide T. radiata. O controle do psilídeo D. citri efetuado por T. radiata pode ser complementado pela ação de outros inimigos naturais como os insetos predadores da família Coccinellidae. Estes predadores são importantes fontes de mortalidade natural de D. citri em pomares de citros em vários países. No Brasil, poucos são os estudos que relacionam o papel dos coccinelídeos em relação ao psilídeo. No presente trabalho será estudada a flutuação populacional de D. citri e seus inimigos naturais, os coccinelídeos predadores, em pomar de citros. As amostragens serão realizadas durante o período de abril de 2015 a março de 2017 no município de Taquaritinga e Jaboticabal, SP. Durante os anos de 2015 a 2017, serão estudados os aspectos biológicos das principais espécies de coccinelídeos coletadas durante as amostragens, utilizando-se como alimento o psilídeo D. citri.  

Ver detalhes do projeto

  Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes      IB

SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA NO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

n° SGP 893

Os sistemas Agrossilvipastoris são sistemas de produção utilizados para a recuperação de áreas degradadas, por meio do emprego de lavouras, tendo como finalidade a produção de grãos para amortizar, em parte os custos da recuperação das pastagens, pela venda dos grãos e o aproveitamento dos nutrientes residuais das lavouras para produção de forragem. Além, da lavoura e da pastagem, utiliza-se o componente arbóreo. A implantação de sombra é uma medida usada para proteger o animal do calor, para assim, diminuir o estresse calórico e melhorar o desempenho animal. O presente projeto tem por objetivo avaliar o efeito dos sistemas de produção integrados na qualidade do solo, nas condições mais próximas da realidade dos produtores da região, demonstrando a contribuição do sistema plantio direto na melhoria das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo, com destaque ao aumento de carbono; Avaliando sua viabilidade econômica; Divulgar informações técnicas e econômicas, sobre o sistema integração agricultura-pecuária-floresta na reforma de pastagem. Em cada módulo, os parâmetros avaliados serão: a produtividade de madeira, a produção da forrageira, os atributos do solo e a análise econômica. Para a pecuária serão avaliados o ganho de peso (ganho de peso/ha, ganho de peso médio diário) e taxa de lotação.

 

Ver detalhes do projeto

  Gustavo Pavan Mateus      Apta Regional / IAC

Caracterización de insectos polinizadores, parasitoides y predadores en ambientes con diverso grado de modificación antrópica en el Este uruguayo

n° SGP 879

 

A transformação do uso da terra e, em particular, a intensificação da agricultura pode ter sido a causa principal do declínio global na biodiversidade observado nas últimas décadas. A diminuição da diversidade pode levar à diminuição do funcionamento dos ecossistemas e, portanto, dos serviços prestados aos seres humanos. O conhecimento sobre a biodiversidade uruguaia é pequeno, assim como as informações sobre o impacto do uso da terra sobre a diversidade nativa. Existem estratégias e planos de ação nacionais para a conservação e uso sustentável da diversidade biológica implementados por de leis, programas e projetos. No entanto pouca informação sobre a biodiversidade e dos efeitos das mudanças ambientais sobre a mesma impossibilita determinar se as estratégias implementadas contribuem efetivamente para sua manutenção e, consequentemente, da sustentabilidade ambiental.

O monitoramento é necessário para comparar tendências causadas pelo incremento na homogeneidade da paisagem, o que constitui um feedback vital entre as ações humanas e o meio ambiente. O monitoramento determina o status da diversidade biológica em um ou mais níveis ecológico, avalia mudanças no tempo e no espaço e proporciona linhas de ação para decisões do manejo da produção e conservação. Seus resultados devem ser incorporadas nos esforços para implementar sistemas de produtivos ambientalmente viáveis, o que depende de comunicação adequada entre cientistas e tomadores de decisão. Para estabelecer a condições atuais dos ecossistemas ou prever ou prever as futuras, em geralmente se recorre a utilização de indicadores relativamente simples e fáceis de interpretar, que permitem isolar aspectos chaves do ambiente de um grande conjunto de variáveis. Os bioindicadores (uma espécie ou grupo de espécies) refletem os estados abióticos e bióticos do meio ambiente e são amplamente utilizados para detectar, quantificar e monitorar os impactos ambientais, incluindo perturbações decorrentes de atividades antrópicas. Dentre os bioindicadores, os insetos representam um grupo promissor. Himenópteros parasitoides e coleópteros predadores são caracterizados por grande diversidade e importância como agentes de controle natural de outros artrópodes e os polinizadores influenciam no sucesso reprodutivo das plantas e na manutenção da integridade das comunidades vegetais naturais e de agroecossistemas.

A região Leste do Uruguai tem características favoráveis para a análise dos efeitos das mudanças no uso da terra sobre a diversidade. No Uruguai se observa uma tendência de aumento do uso da terra destinada ao reflorestamento com espécies exóticas ao da agricultura intensiva, que substituem principalmente pradaria naturais que sustentam sistemas de criação de gado. Por outro lado, no Leste do país existem várias áreas protegidas onde existem (ou estão em desenvolvimento) planos de gestão que regulam, entre outras coisas, atividades produtivas permitidas dentro de seus limites. Existe, assim, um gradiente de intensidade de uso do solo muito útil para selecionar, avaliar e validar taxa como potenciais biomarcadores. A proposta é centrada na utilização de insetos como bioindicadores da biodiversidade e qualidade ambiental, a fim de gerar insumos para o gestão de sistemas de produção sustentáveis de áreas protegidas e conservação da biodiversidade em geral, em resposta à necessidade atual de ferramentas para detectar e prever as mudanças no meio ambiente, de forma fácil e de baixo custo. Se busca desenvolver programas de monitoramento que gerem informações para apoiar autoridades nacionais e departamentais, produtores e técnicos na tomada de decisão para gestão sustentável. Em primeira instância, o estudo foca a caracterização das comunidades de carabídeos predadores e himenópteros de parasitoides e polinizadores em três formações vegetais da região Leste do país com diferentes graus de transformação no uso da terra, bem como a avaliação do potencial destes táxons como bioindicadores. Num segundo passo, serão avaliadas a associação dos indicadores selecionados com a intensidade de uso da terra em fazendas da região com diferentes sistemas de produção. O uso desses indicadores irá definir aspectos fundamentais para desenvolver e sustentar planos de manejo produtivos que minimizem os impactos negativos sobre os recursos ambientais.

Ver detalhes do projeto

  Nelson Wanderley Perioto      IB

Estudo comparativo do desempenho produtivo e aspectos hematológicos, imunológicos e parasitológicos dos robalos Centropomus undecimalis e Centropomus parallelus cuplementados com Bacillus subtilis em momentos estratégicos de manejo em sistema intensivo

n° SGP 876

~~No Brasil, a maioria dos estudos referentes à piscicultura está voltada para peixes de água doce, o que permitiu a crescente importância da piscicultura continental. Entretanto o mesmo não ocorre em relação à piscicultura marinha, sendo relativamente recente o esforço para obtenção de dados que permitam a adequada orientação na produção comercial.
Neste cenário, o potencial do Brasil para o desenvolvimento da aquicultura é grande, pois o pais possui 8.400 km de costa marítima, 5.500.000 hectares de reservatórios de águas doces, clima extremamente favorável ao crescimento dos organismos cultivados e possui peixes marinhos com extraordinário potencial para a aquicultura, destacando-se os robalos Centropomus spp., vermelhos Lutjanus spp., garoupas Epinephelus spp., tainhas Mugil spp. corvinas da família Scianidae, linguados Paralichthys spp. e pampos da família Carangidae (Benetti & Feeley, 1998; Muedas & Vinatea, 1998). Contudo, a produção aquícola no Brasil representa apenas 24% da produção da América Latina, sendo que a piscicultura contribui com menos da metade dessa produção (FAO 2005).
Alguns estudos foram realizados no Brasil em escala experimental e indicam duas espécies de peixes marinhos com boas perspectivas para o cultivo: Centropomus undecimalis e Centropomus parallelus (Patrona, 1984; Tucker Junior, 1987; Pereira et al., 1997; Rodriguez et al., 1998; Barbuio, 1999, Souza-Filho & Cerqueira 2003; Santos et. al. 2012). Estas espécies possuem potencial elevado para o cultivo intensivo em viveiros de terra, tanques, cercos, tanques-rede ou em cultivo extensivo como controlador biológico, em razão de fatores, como a boa qualidade da carne, pelo elevado potencial comercial e por apresentarem muitos aspectos biológicos favoráveis à aquicultura: são eurihalinos, estuarino-dependentes, tem hábitos gregários, são tolerantes a altas densidades, resistentes a água eutrofizada, eficientes na conversão alimentar em biomassa e resistentes a doenças (Cerqueira, 1995; Silva, 1996; Tucker 1998, Cerqueira, 2005, Cerqueira & Tsuzuki 2009; Santos et al. 2009 e Santos et al 2012).
No Brasil, o C. undecimalis e C. parallelus estão entre as poucas espécies de peixes marinhos que já se detém maiores informações sobre sua tecnologia produtiva. Estudos relacionados à biologia reprodutiva, larvicultura, fase de pré-engorda, desenvolvimento de alimentos funcionais e a avaliação dos aspectos hematológicos e imunológicos, vem sendo conduzido em várias regiões do país desde a década de 90 (Cerqueira & Bernardini 1991, Temple et al. 2004, Alves et al. 2006, Tsuzuki et al. 2007, Cerqueira & Tsuzuki 2009, Santos et al. 2009, Santos et al. 2011 e Santos et al. 2012). No entanto, estas espécies necessitam ainda, de uma série de aportes científicos e tecnológicos para colocá-la em um patamar de plena viabilidade zootécnica e econômica. Por exemplo, não foram encontrados dados que aportem os conhecimentos básicos relacionados ao desempenho produtivo ao longo de um ciclo de cultivo, bem como o desenvolvimento de estratégias de manejo em sistema intensivo, que reduzam a taxa de mortalidade e promovam o aumento na eficiência alimentar e na taxa de crescimento dessas espécies (Oliveira et al., 2002).
Por fim, vale ressaltar que este projeto é uma continuidade do projeto aprovado pelo Edital MCT/CNPq/CT-Agronegócio/MPA Nº 36/2009 – Processo 559760/2009-4 e Protocolo: 8982588459832386.
 

Ver detalhes do projeto

  Maria José Tavares Ranzani de Paiva      IP

Centro Colaborador em Defesa Agropecuária (CDA) - Sanidade Apícola

n° SGP 874

Para conquistar novos mercados e se ter competitividade suficiente no sistema global de comércio a que hoje estamos sujeitos, faz-se necessário alcançar padrões elevados de certificação e qualidade sanitária O moderno sistema de comércio fez emergir um paradigma de competitividade diferente, centrado não mais apenas no fator custo, mas, principalmente, no fator qualidade. Gestão de sanidade e qualidade são requisitos do presente e do futuro da produção mundial. Nesse contexto, a sanidade apícola representa hoje uma preocupação mundial, em virtude de fenômenos de causas ainda indefinidas, como o declínio populacional e mortalidade de abelhas melíferas que vem sendo observado em apiários de diversos países. Nos últimos anos, tem-se observado elevada mortalidade de abelhas adultas e crias também no Brasil, com considerável queda de produção em diversas localidades. Pesquisas recentes evidenciaram a presença de novos patógenos em território brasileiro nos últimos dois anos, os quais podem ter sido introduzidos em virtude de controle oficial ineficiente. Tais constatações constituem-se em ameaça ao plantel nacional, com conseqüências gravíssimas para o setor como um todo. Os problemas sanitários que vêm sendo observados ultimamente estão colocando em risco a competitividade do Brasil no mercado externo. Tais fatos demonstram o quão imprescindível é a implementação e o uso de técnicas rápidas, precisas e práticas para diagnóstico aqui no Brasil, além da necessidade de se ter em território nacional um laboratório de sanidade apícola com corpo técnico que possa se capacitar e, posteriormente, implementar tais técnicas, para dar suporte à rede oficial e a outros laboratórios que vierem a ser criados para fins acadêmicos ou de diagnóstico, tornando assim o sistema de controle epidemiológico mais eficiente. O principal objetivo desse projeto é criar, nas instalações já existentes de uma instituição de pesquisa do Estado de São Paulo, na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios/Secretaria da Agricultura e Abastecimento, no Pólo Regional – Vale do Paraíba, com um histórico de mais de 30 anos de atuação na apicultura brasileira, um Centro Colaborador em Defesa Agropecuária na área de Sanidade Apícola que possa atuar em estreita harmonia com o Comitê Consultivo Científico em Sanidade Apícola do Ministério da Agricultura, por meio de um conjunto de ações integradoras que visem: a) melhorar os métodos de detecção de patógenos e outros parasitas das abelhas por meio de técnicas modernas de diagnóstico (principalmente ferramentas moleculares) e de intercâmbios técnico-científicos; b) desenvolvimento de pesquisas dentro do Centro (integrado a outros órgãos colaboradores, principalmente, acadêmicos) visando a busca de linhagens resistentes e mais produtivas e, finalmente, c) com a participação de entidades acadêmicas, transferir conhecimentos por meio de cursos aos agentes de defesa agropecuária voltados para sanidade apícola.

OBS.: Este projeto, coordenado pela pesquisadora da APTA, contando com a colaboração de Insituições de Ensino e Pesquisa Nacionais e Internacionais (USP, UNESP, EMBRAPA, UFERSA, UFMG, UFV, USDA, dentre outras)  recebeu verba do CNPq entre os anos de 2009 e 2012 (projeto no. 578293/2008-0, Edital 64, Linha 4, MAPA/DSA/CNPQ), totalizando R$ 934.597,22 (dentre capital, custeio e bolsas). Pela importância dos resultados obtidos, bem como profícua produção científica e avanços obtidos nesta área da ciência no Brasil foi prorrogado internamente desde então, considerando que a estrutura implementada na Instituição, bem como insumos adquiridos, além de permanente colaboração das Instituições supra citadas, permite continuidade das ações e ampliação dos conhecimentos técnico-científicos gerados. A seguir segue o teor da última solicitação de prorrogação, já concedida pela APTA, para continuidade dessa importante e inovadora proposta que vem garantindo à APTA ações de vanguarda e que visa gerar conhecimento com incremento de nível tecnológico e aumento de produtividade com preservação de meio ambiente e sustentabilidade da biodiversidade. Saliente-se que as colaborações têm sido mantidas com diferentes instituições que disponibilizam recursos em forma de insumos analíticos, cada uma na sua especialidade o que, em conjunto, denota investimento  de terceiros de forma a permitir o desenvolvimento das atividades vinculadas aos projetos, tornando-os factíveis, exequíveis, mantendo a proposta robusta e de interesse mútuo entre as Instituições. O pagamento de despesas (deslocamento, estadia e alimentação) por parte da Instituição que a convida para reuniões, grupos de trabalho, cursos ou palestras, não gera ônus para o Estado de São Paulo. Em 13/11/15 passou aintegrar grupo de assessoria do CFMV na área de sanidade apícola pela reconhecida contribuição da proposta e do trabalho que vem desenvolvendo dentro da mesma nesta área ao MAPA.

"Tendo em vista o fim da prorrogação do projeto SIGA Nº 3165 Centro Colaborador em Defesa Agropecuária - Sanidade Apícola no primeiro semestre de 2015, gostaria de solicitar prorrogação do mesmo, por um prazo de 12 meses, considerando os motivos que abaixo exponho:

 

  • Quanto à relevância e principais contribuições científicas ou tecnológicas considerando os resultados esperados e benefícios potenciais para a respectiva área do conhecimento e para a sociedade, a proposta: i) permitiu condições de desenvolvimento de competência técnico-científica para realização de diagnóstico de patógenos que acometem as abelhas no país; ii) proporcionou aos técnicos e fiscais agropecuários federais e estaduais maior eficiência na detecção de patógenos e de sintomas clínicos de doenças nos apiários; iii) avaliou morfológica e fisiologicamente, por meio de diferentes parâmetros as consequências de certos princípios ativos constituintes de formulações de agrotóxicos amplamente utilizados no país e seus efeitos para abelhas; iv) estabeleceu protocolos analíticos para fins de diagnóstico e deu início a investigações de mecanismos de resistência das doenças aos diferentes patógenos e outros agentes, utilizando meios clássicos e moleculares para que se possa selecionar colméias mais resistentes aos diferentes problemas sanitários que vem ocorrendo ultimamente no Brasil, visando evitar a necessidade de uso de quimioterápicos; v) contribuiu para a criação de uma rede de pesquisas em sanidade apícola em diferentes regiões do país, com seus problemas sanitários específicos, além de interagir com órgão oficiais na formulação de planos sanitários a serem regulamentados e, finalmente, vi) proporcionou o surgimento do primeiro laboratório especializado em sanidade apícola no Brasil. PARA MAIORES DETALHES FOI ENVIADO RELATÓRIO ANEXO EM CD (em virtude do tamanho do arquivo).
  • Tais resultados integrarão grandes avanços na área de patologia apícola, abrindo novos rumos na pesquisa e na análise e diagnóstico de patógenos no país.
  • Em outros países centenas de cientistas vêm se dedicando ao tema e a participação da classe científica brasileira precisa ser ampliada, o que só ocorrerá com a formação de conhecimento técnico-científico na área. Atualmente apenas a APTA Regional vem atuando nesta vertente.
  • A estrutura física do laboratório, bem como as atividades desenvolvidas foram apresentadas aos dirigentes da Coordenação Geral de Apoio Laboratorial (CGAL), bem como da Divisão de Sanidade de Abelhas (DSECOA), ocasião em que foi discutida a necessidade de implantação da ISO/IEC 17025 para os novos credenciamentos, visto que, por determinação do MAPA, laboratórios já credenciados teriam um prazo determinado para implantação da norma, já sendo, todavia, requisito mandatório para os novos candidatos a credenciamento, motivo pelo qual o credenciamento não se concretizou (tal credenciamento demanda considerável tempo, formação de equipe de gestão de qualidade etc.). No momento o MAPA não tem a quem recorrer para tais análises e continuamos contribuindo com o Serviço Veterinário Oficial na transferência de conhecimento.
  • Durante a execução da proposta foi possível estabelecer estreita interação com o DSA/MAPA, tanto no nível de Divisão de Sanidade de Abelhas do MAPA em Brasília (DSECOA), como com as Superintendências do MAPA e as respectivas Agências Estaduais que representam o Serviço Veterinário Oficial, em certos estados. Contribuí participando de reuniões do Comitê Científico Consultivo sempre que solicitada, bem como elaborando material técnico científico para suporte às ações do Plano Nacional de Sanidade Apícola, ainda não regulamentado, contribuindo, inclusive, para sua nova redação, a pedido do Chefe do DSECOA.
  • Centenas de fiscais foram treinados durante a condução da proposta e o número de pessoas que serão treinadas por esses agentes multiplicadores depende da estratégia utilizada pelos responsáveis pela condução do Plano Nacional de Sanidade Apícola de cada estado, após receber o treinamento padrão que elaboramos e ministramos a proposta do CDA-Sanidade Apícola.
  • Alguns estados não conseguiram viabilizar a realização do curso por questões de ordem interna, como por exemplo, diárias para seus técnicos, aquisição de vestimenta apícola etc. O DSECOA considerou, todavia, premente tal capacitação, com base em respostas de questionário sobre o PNSAp, enviado pelo MAPA em 2011 às Unidades Federativas. Tais observações levaram o Órgão a propor um curso, a realizar-se na APTA, em Pindamonhangaba (em virtude da estrutura física existente, além de plantel disponível), destinado aos médicos veterinários do serviço veterinário oficial, lotados nas Superintendências Federais de Agricultura e nos Órgãos Executores de Defesa Sanitária Animal nas diversas Unidades Federativas. A proposta, adiada para dezembro de 2012 em virtude da greve dos Servidores Federais, objetiva a validação de um curso de conteúdo unificado e padronizado, com plano específico, com base no conteúdo técnico que proferimos ao longo do projeto CDA-Sanidade Apícola para capacitar profissionais do serviço veterinário oficial para a implementação de ações relacionadas à sanidade apícola nas unidades federativas, observadas as normas e os critérios recomendados.

 

Para finalizar, podemos afirmar que a proposta trouxe importantes benefícios à sociedade brasileira, traduzindo-se no maior investimento em pesquisa já feito na área de apicultura por meio de órgãos financiadores, constituindo-se os, resultados obtidos, em embriões espalhados por diversas instituições de ensino e pesquisa, por meio do material humano capacitado durante a sua realização e que, com a anuência de sua continuidade pelo período solicitado, poderíamos continuar atendendo a tais demandas, não deixando de amparar as solicitações de órgão públicos envolvidos com defesa agropecuária, que ainda estão se estruturando para ações na área, além de permitir nossa participação em cursos nos estados que ainda não conseguiram viabilizá-los internamente. Tais ações seriam custeadas pelos órgãos interessados.

 

Informamos que atualmente encontram-se em fase de análises grande volume de dados de RNAseq, fruto desta proposta. Para obtenção do material biológico a ser analisado implementou-se, na área de pesquisa em apicultura da APTA, do Pólo Regional do Vale do Paraíba/APTA, um sistema de seleção atrelado ao sistema de produção de rainhas já existente no local. Para tanto foram instaladas 60 colmeias cujo parâmetro avaliado foi o comportamento higiênico. Há ainda questões a serem esclarecidas quanto à determinação do comportamento higiênico de abelhas (abelhas mais resistentes a doenças) e técnicas moleculares modernas como estudo de transcriptoma podem ser ferramentas bastante úteis na otimização da busca de tais conhecimentos. As análises laboratoriais de RNASeq estão em andamento e, tão logo estejam finalizadas, as análises de bioinformática serão efetuadas. É importante destacar que só conseguimos um prestador deste serviço no Brasil (Laboratório de Biotecnologia do depto. de Zootecnica /Esalq) e que tais análises são demoradas e a interpretação das mesmas é demorada e laboriosa. Tais resultados representarão as primeiras evidências de variações genotípicas atreladas aos fenótipos analisados, colocando a APTA na vanguarda não apenas de diagnóstico genético-moleculares, como já vem ocorrendo desde 2009, mas também nesta nova e importante área da ciência. Acrescente-se que encontram-se em destaque no relatório enviado os novos artigos publicados, bem como palestras proferidas, indicando o quão profícua são as colaborações e o trabalho desenvolvido nesta proposta.

Ver detalhes do projeto

  Érica Weinstein Teixeira      IB

Uso da lasalocida (Taurotec®) na alimentação de bovinos Nelore em pastejo

n° SGP 873

Objetiva-se contrastar duas doses de suplementação  1 e 2 % do peso corporal (PC) na terminação de bovinos de corte em pastagens e sua interação com o uso do ionóforo lasalocida, na época da seca. O experimento será conduzido no setor de bovinocultura de corte do Polo Regional da Alta Mogiana (Colina/SP), unidade da Agência Paulista de Tecnologia dos agronegócios (APTA). Serão utilizados 68 animais com média de 440 kg de PC que serão organizados de acordo com o peso corporal. Os animais serão sorteados para formação de lotes (4 animais por lote) e distribuídos em 16 piquetes experimentais, mais 4 animais para abate inicial. Os piquetes serão formados com Brachiaria brizantha.

Os tratamentos serão: 1) Suplementação com 1% do PC; 2) Suplementação com 1% do PC com lasalocida; 3) Suplementação com 2% do PC; 4) Suplementação com 2% do PC com lasalocida. Serão avaliados o consumo de suplemento, o ganho em peso, a eficiência alimentar. Ao final do período experimental os animais serão abatidos e as avaliações de carcaça serão realizadas.

Ver detalhes do projeto

  Gustavo Rezende Siqueira      Apta Regional / IZ

Alfa e Beta Taxonomia de Chalcidoidea (Insecta, Hymenoptera): ampliando o conhecimento da biodiversidade e fornecendo bases para sua aplicação

n° SGP 872

Este projeto é coordenado pelo Prof. Dr. Marcelo Teixeira Tavares da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e conta com recursos financeiros da Fundação de Amparo a Pesquisa e inovação do Espírito Santo (FAPES).

Tal projeto será desenvolvido pelos pesquisadores Prof. Dr. Marcelo T. Tavares, Dra. Rogéria I. R. Lara e Dr. Nelson W. Perioto (APTA Ribeirão Preto), Dr. Valmir A. Costa (Instituto Biológico, Campinas) e Dr. Yuri R. L. Leite (UFES), que conduzem trabalhos de pesquisa, ensino e extensão nos laboratórios sob sua responsabilidade, por pesquisadores colaboradores doutores e por alunos de graduação e pós-graduação.

É intuito do projeto de pesquisa ampliar o conhecimento da biodiversidade de um grupo de inimigos naturais de pragas agrícolas denominados parasitoides, pertencentes à superfamília Chalcidoidea (Hymenoptera), através de estudos de alfa e beta taxonomia e da relação com seus hospedeiros, assim como proporcionar difusão do conhecimento gerado e capacitação de mão de obra.

São focos de estudo culturas de importância econômica como café, soja e milho nas regiões onde desenvolvem suas atividades de pesquisa. Os pesquisadores principais serão responsáveis pelo levantamento das espécies e organização do conhecimento taxonômico dos calcidóideos associados a cada espécie praga hospedeira.

Os estudos serão realizados de forma independente em cada uma das instituições de pesquisa envolvidas e, posteriormente, as informações geradas nas instituições participantes serão agrupadas de forma a se obter um panorama das principais pragas e de seus parasitoides por cultura estudada.

É meta também sumarizar o conhecimento existente sobre as relações insetos-praga / parasitoides em cada uma daquelas culturas nas diferentes regiões do país, elucidar os problemas taxonômicos existentes e disponibilizar tais estudos para a comunidade científica, agricultores e público em geral.

A primeira cultura agrícola a ser abordada será a do café e terá como principal meta o estudo da alfa taxonomia, definição das espécies com “barcoding” e produção de chaves interativas de identificação, serão também realizadas as sinopse dos parasitoides associados ao bicho-mineiro-do-café Leucoptera coffeella (Lyonetiidae, Lepidoptera) e associados ao bicho-do-cesto Oiketichus spp. (Psychidae, Lepidoptera).

Os calcidóideos a serem estudados pelos pesquisadores da Apta Ribeirão Preto compreendem material biológico oriundo de projetos de pesquisa desenvolvidos no Laboratório de Sistemática e Bioecologia de Parasitoides e Predadores (LSBPP), daquela unidade, coordenados pela pesquisadora responsável por essa proposta de estudo e pelo Dr. Nelson W. Perioto.

Ver detalhes do projeto

  Rogéria Inês Rosa Lara      IB

Adição de enzima fibrolítica na suplementação de bovinos com diferentes condições ruminais manejados em pastagens

n° SGP 870

Cada vez mais a tecnologia é empregada para melhorar a eficiência dos animais, uma delas é a adição de aditivos alimentares, como enzimas fibrolíticas que podem melhorar a digestibilidade da fibra proveniente da pastagem. O objetivo do experimento é avaliar o desempenho, parâmetros ruminais e potencial de ação das enzimas fibrolíticas em duas condições ruminais de bovinos Nelore mantidos em pastagem. O experimento será realizado na APTA, Polo Alta Mogiana, Colina-SP. O experimento será instalado em uma área de 12 hectares, divididos em 12 piquetes com 1 ha cada. Cada piquete possuirá 4 cochos de suplementação individual (Intergado®). Dez piquetes serão destinados a avaliação do desempenho e dois para alocação dos animais fistulados. As condições ruminais distintas serão obtidas por diferentes níveis de suplementação. Desta forma, ter-se-á um esquema fatorial 2 x 2, sendo dois níveis de suplementação e com presença e ausência de enzima fibrolítica. O projeto será conduzido com esse desenho experimental em 3 estações do ano, verão, outono e inverno. Serão avaliados: Produção e valor nutritivo da forragem, consumo de suplemento individual, consumo individual de forragem, comportamento ingestivo, ganho em carcaça, rendimento do ganho, características de carcaça e de carne, valores de pH, nitrogênio amoniacal e ácidos orgânicos ruminais, digestibilidade, taxa de passagem e balanço de compostos nitrogenados. As análises estatísticas serão realizadas utilizando o PROC MIXED do software SAS 9.2 (SAS, 2008).

Ver detalhes do projeto

  Gustavo Rezende Siqueira      Apta Regional / IZ

Prevalência de Staphylococcus spp. isolados de mastite bovina: perfil de virulência e mecanismos de resistência aos antibacterianos

n° SGP 861

Staphylococcus spp. são reportados como uns dos principais agentes de mastite bovina. Esses microrganismos apresentam diversos fatores de virulência, como produção de toxinas e formação de biofilmes, que contribuem para sua patogenicidade e persistência na glândula mamária. Outro fator relevante é o isolamento de cepas multirresistentes e que não respondem aos tratamentos convencionais. Além disso, os antimicrobianos utilizados no tratamento da mastite geram resíduos que alteram a qualidade e segurança alimentar do leite e seus derivados. O projeto tem como objetivo avaliar a prevalência dos genes de resistência e ou virulência de Staphylococcus spp. isoladas de mastite em novilhas primíparas e vacas em lactação. As cepas de Staphylococcus spp. pertencem a coleção do Laboratório de Qualidade do Leite do Instituto de Zootecnia - Apta Bovinos de Leite de Nova Odessa - SP. A triagem das cepas resistentes será determinada através do método de difusão de discos e determinação da CIM, os genes de virulência e resistência serão investigados por PCR.

 

Ver detalhes do projeto

  Juliana Rodrigues Pozzi Arcaro      IZ

Caracterização espacial dos atributos físicos e químicos do solo em área experimental de culturas forrageiras

n° SGP 859

Áreas utilizadas para experimentação animal sofrem alteração nas suas características iniciais em função do uso a que são submetidas, tanto considerando a utilização para o plantio de culturas forrageiras, quanto o uso direto pelos animais na forma de pastagem ou ainda mantendo-se em pousio. Acrescenta-se o uso de fertilizantes e corretivos, e outros que podem modificar o perfil químico do solo, tanto em camada superficial, como em profundidade. Uma área experimental ao redor de 20 ha, pertencente ao Instituto de Zootecnia de Nova Odessa, tem sido utilizada nos últimos anos para a condução de projetos de pesquisa em forragicultura e produção animal, sendo mantida predominantemente com cobertura de pastagem, mas também com a presença de outras culturas forrageiras. Atualmente é de interesse caracterizar espacialmente o perfil físico e químico desse solo para identificar possíveis limitações, gerando informações que auxiliem no planejamento e instalação de novos projetos de pesquisa. Ainda, possibilitar a formatação de um sistema de produção animal sustentável para a referida área, simulando a condição de uma pequena propriedade rural. O objetivo deste projeto é estudar a variabilidade espacial dos atributos físicos e químicos de um solo mantido sob área experimental de pastagem e outras culturas forrageiras, gerando mapa da distribuição espacial dessas variáveis em área experimental. Amostras de solo serão coletadas adotando-se uma grade amostral de 30 x 30 m e nas profundidades de 0-10 e 10-20 cm para determinação da composição química do solo (rotina + micronutrientes), da densidade do solo, da composição granulométrica em areia+silte+argila, da resistência à penetração e do estoque de carbono no solo. A massa de forragem será determinada, seguindo essa mesma grade, possibilitando avaliar a relação entre essa variável e os atributos do solo, em áreas de pastagem exclusiva mantidas sob lotação contínua e carga animal variável.

 

Ver detalhes do projeto

  LINDA MONICA PREMAZZI      IZ

DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE DO SÊMEN E OVÓCITOS DE SURUBIM-DO-PARAÍBA, Steindachneridion parahybae

n° SGP 842

A espécie escolhida foi o surubim-do-Paraíba, Steindachneridion parahybae (Siluriformes: Pimelodidae), bagre endêmico da bacia do rio Paraíba do Sul, de grande porte, considerada como uma das poucas espécies nobres da bacia, foi outrora importante para a pesca profissional, sendo que MACHADO & ABREU (1952) relatam que a pesca da espécie em dez municípios do Vale do Paraíba Paulista, nos anos de 1950 e 1951, totalizou 1.989 kg. A bacia do rio Paraíba do Sul é caracterizada pelo isolamento geográfico das demais bacias do estado de São Paulo, localizada no eixo de maior desenvolvimento urbano e industrial do país. Hoje responsável pelo abastecimento de mais de 14 milhões de habitantes, vem sofrendo com a degradação ambiental, ocorrida em função dos ciclos agrícolas (café, gado e silvicultura), industrialização, urbanização, exploração de areia e barramentos hidroelétricos, necessários para o controle das águas e geração de energia (HILSDORF & PETRERE, 2002).O processo desordenado de ocupação do Vale do Paraíba somado a outras atitudes equivocadas como a introdução do dourado (Salminus brasiliense), espécie exótica e de alto nível trófico, introduzido em 1946 (CARAMASCHI, 1991) contribuíram para a redução de várias populações nativas de espécies de peixes, que hoje estão isoladas em pequenos lotes, limitados a áreas restritas da bacia caracterizadas pela menor ação antrópica. Estes processos, intensificaram-se a partir da segunda metade do século XX, resultando na redução drástica das populações do surubim-do-Paraíba que juntamente com outras seis espécies de peixes da bacia do Paraíba do Sul, foi incluída na lista nacional das espécies de invertebrados e peixes ameaçadas de extinção, publicada em 21 de maio de 2004 pelo Ministério do Meio Ambiente (BRASIL, 2004). E, recentemente considerada regionalmente extinta no estado de São Paulo (IBGE, 2008).Diante do impacto dos empreendimentos hidroelétricos sobre a ictiofauna e, sabendo de sua responsabilidade ambiental, a COMPANHIA ENERGÉTICA DE SÃO PAULO (CESP), mantém desde 1985 a Estação de Hidrobiologia e Aqüicultura de Paraíbuna, SP., responsável pelo programa de manejo pesqueiro na bacia do rio Paraíba do sul. Um dos desafios da CESP é a conservação da diversidade genética de espécies endêmicas da bacia, dentre elas, destaca-se o surubim-do-Paraíba. Levando-se em consideração que a espécie é uma espécie reofílica, carnívora e, por estar na lista de peixes em perigo de extinção, merece atenção especial, um dos desafios da CESP é a necessidade de uma inversão desta realidade com base em programas adequados de repovoamento, quando só poderão ter sucesso com o conhecimento das técnicas de reprodução induzida e, do material genético disponível destacando-se a espécie a ser estudada.

Ver detalhes do projeto

  elizabeth romagosa      IP

Produção de anticorpos policlonais como alternativa aos antibióticos em dietas para ruminantes

n° SGP 841

A busca por alternativas ao uso de antibióticos vem incentivando muito pesquisas que visem reduzir ou substitui-los de alguma forma. O maior estímulo para o desenvolvimento de pesquisas nessa área é o rápido desenvolvimento de resistência de muitos microrganismos aos antibióticos. O aumento do número de mortes causadas por superbactérias na última década fez com que alguns grupos de pesquisa repensassem o uso de anticorpos como importante alternativa ao uso de antibióticos. Diante desta preocupação, com uso de antibióticos e resistência bacteriana, surgem os anticorpos policlonais como alternativa para produção animal com a inclusão de substâncias naturais e funcionais em substituição aos antibióticos. Uma das grandes aplicações dos anticorpos policlonais está relacionada a recomendação da “FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS”, que proibiu a utilização de antibióticos em ração animal na California-USA, com eminência de proibição em curto prazo no resto daquele país, como já ocorreu na Europa, e muito em breve ocorrerá no Brasil, necessitando que alternativas sejam rapidamente desenvolvidas. Recentemente, muitos avanços têm sido feitos em técnicas usadas para gerar anticorpos na gema de ovo de galinhas imunizadas, sendo o uso de anticorpos uma alternativa em substituição aos antibióticos. Diferentes do uso de ratos e coelhos que precisam ser sacrificados após imunização, o uso de galinhas traz vantagens na produção de anticorpos policlonais, o método de coleta de anticorpos não é invasivo e há maior quantidade de anticorpos encontrados na gema do ovo, sem necessidade de sacrificar ou coletar sangue do animal. A produção de anticorpos em galinhas e a extração de anticorpos específicos na gema do ovo são incrivelmente atrativas e interessantes para a comunidade científica, pois a gema do ovo pode ser utilizada como um aditivo alimentar funcional para ingestão oral, sem necessidade de purificação de anticorpos. A utilização de anticorpos policlonais na dieta de ruminantes em substituição aos antibióticos é de grande interesse dos consumidores uma vez que evitam riscos para a saúde pública pela ausência de resíduo de antibióticos nos alimentos.

A parte experimental do trabalho ven sendo conduzida desde setembro de 2015 e segue até abril de 2016. Machos inteiros da raça Nelore vem sendo utilizados para avaliação de eficiência, ganho de peso e resíduos de antibióticos no confinamento e machos fistulados para avaliação de parâmetros ruminais e metano em Nova Odessa SP. No período de confinamento os animais receberão os tratamentos em instalações coletivas, sendo os dados de consumo e produção de metano avaliados nos animais fistulados. Às dietas experimentais são com antibióticos comumente utilizados pelo setor produtivo (virniamicina e monensina) e dietas com anticorpos policlonais (PAP). As mesmas dietas utilizadas no confinamento serão utilizadas para avaliação de consumo e analises de metano e ácidos graxos voláteis. Para fins estatísticos serão utilizados os dados de consumo individual em animais fistulados em Nova Odessa. O delineamento estatístico utilizado para análise de consumo, metano e AGVs foi o quadrado latino com dois grupos de três animais cada em três períodos experimentais de 28 dias de duração cada. Nas três primeiras semanas os animais permanecerão em fase de adaptação ao alimento, sendo as dietas as mesmas oferecidas no ensaio de desempenho no confinamento. O delineamento escolhido para avaliação de desempenho (ganho de peso, eficiência, rendimento e qualidade) foi o inteiramente ao acaso com 36 animais sendo cada tratamento aplicado em grupos de 12 animais. Serão formados grupos de três animais mais próximos quanto ao peso e idade e distribuídos aleatoriamente aos tratamentos. O fornecimento das dietas é ad libitum, uma vez ao dia, no período da manhã, durante todo o período experimental. A composição da dieta controle foi balanceada a partir dos dados recomendados pelo NRC para ganho de peso de acordo com o potencial genético dos animais. Para avaliação do ganho de peso e eficiencia são utilizados 12 animais por tratamento durante o período de 90 a 130 dias.

No confinamento todos os animais serão pesados para o monitoramento do ganho de peso médio (GMD), antes do abate. Previamente a cada pesagem, os animais serão submetidos a jejum hídrico e sólido de 12 horas. Em conjunto com o valor de IMS, neste caso do grupo, e o GMD dos animais, serão calculados os valores de eficiência alimentar (EA). Neste caso teremos a análise estatística apenas do ganho de peso, não havendo como realizar análise estatística de dados do grupo (não individuais). No termino do confinamento serão realizadas avaliações da área de cortes nobres e marmoreio por ultrassom e o rendimento de carcaça após o abate. O abate e a avaliação do rendimento de carcaça e parametros de qualidade serão realizados em frigorífico na FZEA/USP. Será realizada a certificação da ausência de resíduos de antibióticos na dieta teste, controles e carne. Os dados serão submetidos à análise de variância pelo PROC GLM do programa Statistical Analisys System - SAS® (SAS, 2006) e ao teste Tukey para a comparação das médias ao nível de significância de 5%.

 

Ver detalhes do projeto

  Geraldo Balieiro Neto      Apta Regional / IZ

Suplementação de Óleo essencial de Tomilho (Thymus vulgaris) na fermentação ruminal, resposta imunológica, produção e qualidade do leite

n° SGP 839

Dentre os componentes do leite que são avaliados pela indústria e monitorados pela legislação em vigor, a contagem de células somáticas é o que tem sido considerado o maior desafio para a melhoria da qualidade do leite. Esta preocupação com a contagem de células somáticas vem pela relação desta com a ocorrência de mastite, uso de antibióticos para seu controle e diminuição da produção de leite, trazendo prejuízo para a cadeia agroindustrial do leite inteira. A busca por alternativas ao uso de antibióticos vem incentivando muito pesquisas na área de plantas medicinais. Diante disso, o presente estudo tem como objetivo avaliar o efeito da inclusão de fitoterápico de tomilho na dieta de vacas em lactação sobre a fermentação ruminal, resposta imunológica, produção e qualidade do leite. Ao longo de 3 etapas, o estudo abordará aspectos de oferecimento ou não e o impacto no produto final refrigerado. Para a avaliação da inclusão do fitoterápico de tomilho, serão utilizadas técnicas de avaliação da fermentação ruminal, análise centesimal, contagem de células somáticas, perfil microbiológico dos quartos mamários e avaliação do sistema imunológico. Como resultado, espera-se encontrar método alternativo para redução de contagem de células somáticas com menor uso de antibiótico através da utilização de fitoterápicos na dieta de vacas em lactação. Outro ponto importante é abertura para esta área de pesquisa aliando fitoterápicos na dieta e qualidade do leite, auxiliando produtores leiteiros, do agricultor familiar ate o grande produtor, seja de produção orgânica ate convencional.

Ver detalhes do projeto

  Luiz Carlos Roma Junior      Apta Regional / IZ

óleos essenciais para o controle de parasitas de ovinos

n° SGP 837

A resistência dos parasitas gastrintestinais aos anti-helmínticos comerciais na produção ovina é um problema mundial.  Moléculas naturais bioquimicamente ativas podem agir contra parasitas, dentre essas, os óleos essenciais. Um óleo essencial natural pode apresentar até mais de 40 componentes que estão divididos em componentes majoritários e componentes traços, porém apresentam elevada variação química causada por efeitos naturais. Com o objetivo de se contornar essa variação, estudos com compostos puros tornam-se interessantes para buscar interações sinérgicas com a finalidade de se obter uma formulação com padronização e eficácia mais consistente. Esses compostos apresentam baixo peso molecular e podem ser divididos em quatro grupos de acordo com a sua estrutura química. A atividade anti-helmínica e sinérgica serao avaliadas dos compostos: Limoneno (estrutura da classe dos terpenos), o Linalol, Carvona, 1-8 Cineol, Timol, Carvacrol  (compostos da classe dos terpenoides) e Anetol, Vanilina, Eugenol e Cinamaldeído (classe dos fenilpropanoides). Esses compostos serao avaliados individualmente e, posteriormente, em combinações binárias, ternárias e quarternárias em testes in vitro, utilizando-se ovos de Haemonchus contortus de cepa multirresistente. O melhor composto será testado em animais infectados experimentalmente para a questao.

Ver detalhes do projeto

  Luciana Morita katiki      IZ

EFICIÊNCIA DE PLANTAS TANINÍFERAS NO CONTROLE DE HELMINTOS GASTRINTESTINAIS DE OVINOS

n° SGP 835
 A ovinocultura no Brasil tem-se expandido a cada ano e junto vêm os problemas sanitários, relacionados com os nematoides gastrintestinais. Os parasitas além de serem patogênicos, pela infecção que causa, tornaram resistentes aos principais fármacos anti-helmínticos existentes no mercado. Devido a este contexto, é preciso buscar novas alternativas sustentáveis para seu combate. O uso de plantas taniníferas (PT) para o controle parasitário tem sido uma alternativa, pois em sua composição, na qual possuem metabólitos secundários classificados no grupo químico dos taninos, podem diminuir a carga parasitária e melhorar a produção animal, com o intuito de reduzir o problema da verminose na ovinocultura. Diante deste cenário, objetiva-se avaliar através do teste in vitro a eclodibilidade de ovos de Haemonchus contortus, o desembainhamento da cutícula da L3 de Haemonchus contortus, e o teste de motilidade sobre nematóide de vida livre Caenorhabditis elegans utilizando o extrato de 15 plantas leguminosas taniníferas. Posteriormente, os extratos das duas plantas que obtiveram os melhores resultados in vitro serão avaliados em teste in vivo. Na avaliação in vivo serão utilizados 24 animais infectados artificialmente com Haemonchus contortus, Os animais serão divididos em três grupos: Grupo1: recebendo o extrato da melhor planta ranqueada no teste in vitro. Grupo 2 recebendo o segundo melhor extrato ranqueado no teste in vitro e Grupo 3: controle. O experimento terá 53 dias, nesse período oOs animais serão avaliados num total de 53 dias pela contagem de ovos de parasita nas fezes (OPG), hematócrito, peso e toxicidade frente às plantas pelo teste bioquímico do perfil hepático e renal. Testes de eclodibilidade serão realizados com as fezes de animais sob tratamento para verificação da viabilidade dos ovos. Com o termino do experimento, os animais serão abatidos e abomaso será separado para a contagem total de parasitas.
 
Ver detalhes do projeto

  Luciana Morita katiki      IZ

Staphylococcus spp. multirresistentes isolados de mastite bovina: alternativas de tratamento baseadas no uso de bacteriocinas e nanofragmentos de lípides catiônicos

n° SGP 834

Staphylococcus spp. são reportados como uns dos principais agentes de mastite bovina. Esses microrganismos apresentam diversos fatores de virulência, como produção de toxinas e formação de biofilmes, que contribuem para sua patogenicidade e persistência na glândula mamária. Outro fator relevante é o isolamento de cepas multirresistentes e que não respondem aos tratamentos convencionais. Além disso, os antimicrobianos utilizados no tratamento da mastite geram resíduos que alteram a qualidade e segurança alimentar do leite e seus derivados. Neste cenário, novas alternativas de controle e tratamento tornam-se imprescindíveis. Bacteriocinas e nanopartículas têm emergido como alternativas promissoras para futuros desenvolvimentos de agentes antimicrobianos. O presente projeto tem como objetivo avaliar in vitro a eficácia antibacteriana da bacteriocina Nisina e de nanofragmentos do lípide catiônico brometo de dioctadecildimetilamônio (DDA) frente a cepas resistentes e/ou virulentas de Staphylococcus spp. isoladas de mastite em novilhas primíparas e vacas em lactação, assim como correlacionar a eficiência do tratamento com a resistência e/ou virulência. As cepas de Staphylococcus spp. pertencem a coleção do Laboratório de Qualidade do Leite do Instituto de Zootecnia - Apta Bovinos de Leite de Nova Odessa - SP. A triagem das cepas resistentes será determinada através do método de difusão de discos e determinação da CIM, os genes de virulência e resistência serão investigados por PCR, com posterior confirmação por sequenciamento. A atividade, in vitro, da Nisina e DDA contra cepas de Staphylococcus spp. será avaliada em função do tempo de interação utilizando curvas de morte (time-kill).

Ver detalhes do projeto

  Juliana Rodrigues Pozzi Arcaro      IZ

Ocorrência de fumonisinas e zearalenona em dietas completas de bovinos leiteiros submetidos a sistemas intensivos de produção.

n° SGP 833

A utilização de volumosos conservados na foram de silagem, principalmente silagem de milho, e a inclusão de concentrados conforme o nível de produção do animal é risco de exposição dos animais a mais de uma micotoxitona presentes na dieta. O objetivo do trabalho é avaliar a ocorrência de zearalenona e de fumonisinas em dietas completas ofertadas a vacas em lactação submetidas a manejo intensivo de produção em propriedades leiteiras da região de Campinas e Ribeirão Preto. Serão avaliadas dietas completas (volumoso: concentrado, 50/50) de nove fazendas produtoras de leite tipos B e C, sendo sete fazendas da região de Campinas, e duas fazendas leiteiras localizadas na região de Ribeirão Preto. Os volumosos ofertados são na forma de silagem conservada ou cana in natura e capim picado. A colheita das amostras das dietas será realizada a cada 15 dias, sendo duas colheitas de amostras em intervalos de 24 horas, no período da manhã, logo após o trato realizado pelo funcionário da fazenda, durante período de 45  dias. A amostragem será realizada diretamente do cocho correspondente ao lote  de maior produção leiteira e correspondente a 15 vacas em lactação. As amostras das dietas serão avaliadas para atividade de água e presença de fumonisinas B1e B2 e zearalenona pela técnica de cromatografia líquida com purificação em colunas de imunoafinidade.

Ver detalhes do projeto

  Claudia Rodrigues Pozzi      IZ

Identificação e caracterização de vírus, viroides e fitoplasmas que infectam aráceas

n° SGP 830

A família Araceae é constituída por 9 subfamílias, 104 gêneros e cerca de 3.700 espécies. Essa família destaca-se na horticultura ornamental devido, principalmente, a variedade de formas e cores das folhas, como Anthurium, Caladium, Dieffenbachia, Philodendron, Spathiphyllum e Syngonium; ou como flores de corte: Anthurium andraeanum, Zantedeschia aethiopica e Z. elliottiana. O relato de doenças em aráceas cultivadas é escasso tanto no Brasil como no exterior, principalmente em relação às viroses. As aráceas cultivadas apresentam-se comumente infectadas por Dasheen mosaic virus (DsMV) porém, ele é difícil de ser diagnosticado porque se apresenta irregularmente distribuído na planta, concentração variável de acordo com as condições ambientais e, além disso, as aráceas possuem metabólitos secundários que interferem em testes de diagnóstico. Outro problema observado é com relação aos sintomas induzidos por vírus em aráceas. O padrão comumente observado, que de acordo com a literatura é atribuído apenas ao DsMV, pode ser o mesmo tanto para este vírus como para outras espécies virais, as quais incluem  espécies exóticas ao Brasil. Portanto, a identificação do patógeno é de fundamental importância para traçar um panorama das viroses que ocorrem em aráceas cultivadas no Estado de São Paulo e para programas de indexação dessas plantas. Desta forma, o objetivo deste projeto é identificar as espécies que ocorrem em aráceas cultivadas e utilizar as informações obtidas para programas de indexação de vírus para produção clonal e propagação vegetativa.

Ver detalhes do projeto

  Eliana Borges Rivas      IB

Epidemiologia dos vírus que infectam bulbosas ornamentais comercialmente cultivadas

n° SGP 829

Estimativas do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor) apontam que a floricultura movimenta no Brasil cerca de US$ 800 milhões por ano. A atividade mobiliza no país mais de 4 mil produtores, gerando em torno de 120 mil empregos. Um mercado cada vez mais ávido por beleza, forma, coloração e aspecto exótico das flores e plantas ornamentais impulsiona essa cadeia produtiva. Como as doenças causadas por vírus e nematóides representam um dos principais fatores que limitam a produção de bulbos, o conhecimento gerado pelo levantamento e identificação destes patógenos, envolvidos na depreciação econômica do produto, pode gerar informações estratégicas para a ação do MAPA junto aos produtores, exportadores e importadores. O presente projeto tem por objetivos: 1. realizar levantamento dos vírus e nematoides que ocorrem em cultivos comerciais de amarílis (Hippeastrum sp.), gladíolo (Gladiolus sp.), alstroemeria (Alstroemeria sp.) e calla (Zantedeschia sp.) e outras plantas bulbosas, nas áreas produtoras do Estado de São Paulo e em outras regiões que forem estratégicas para as ações do MAPA; 2. propor estratégias que visem a prevenção, o controle e a erradicação de vírus e nematoides detectados nas áreas de produção; 3. propor protocolos para o diagnóstico dos vírus detectados nas culturas mencionadas; 4. realizar ‘Dias de campo’ e ‘Reuniões técnicas’ para transferir conhecimento sobre os vírus e nematóides, assim como estratégias de prevenção, controle e, quando possível, erradicação destes patógenos, para produtores, técnicos e Fiscais Federais Agropecuários.

Ver detalhes do projeto

  Eliana Borges Rivas      IB

Detecção de vírus e manejo em culturas de flores e plantas tropicais

n° SGP 827

A floricultura tropical é uma atividade que está em ascensão no Brasil e no mundo por destacar-se como um agronegócio gerador de renda, fixador de mão-de-obra no campo e adequado como cultura alternativa para pequenos produtores. O agronegócio de flores e plantas ornamentais possui indiscutível importância sócio-econômica não só para a região Sudeste do Brasil, com sua característica agroindústria, como também para as regiões Norte e Nordeste. Nessa região, por exemplo, o agronegócio de flores tropicais, em cultivo irrigado, possui um retorno 30 vezes maior que o do milho e do feijão. Os cultivos estão voltados para as flores de corte, como Alpinia sp., Anthurium spp., Etlingera elatior, Heliconia sp., Tapeinochilos ananassae e Zingiber spectabilis; plantas envasadas, e para o mercado de paisagismo e jardinagem, com as Canna sp., Musa sp., Codiaeum variegatum, palmeiras e dracenas. Levantamentos buscando plantas com sintomas semelhantes aos induzidos por vírus serão realizados com os objetivos de identificar da espécie viral e elaborar protocolos para diagnósticos; para atingir tais objetivos serão realizados testes biológicos, sorológicos e moleculares, e análise filogenética molecular. Uma vez identificadas as espécies virais presentes nas culturas serão propostos manejos aos produtores visando reduzir o impacto das viroses nos campos de produção.

Ver detalhes do projeto

  Eliana Borges Rivas      IB

REVISÃO SISTEMÁTICA E META-ANÁLISE EM ESTUDOS COM ADUBAÇÃO VERDE EM CANA-DE-AÇÚCAR

n° SGP 825

Revisão sistemática é uma revisão planejada para responder a uma pergunta específica que utiliza métodos explícitos e sistemáticos para identificar, selecionar e avaliar criticamente os estudos, bem como analisar os dados dos estudos incluídos na revisão.  A meta-análise ou metanálise é um método estatístico utilizado para integrar os resultados dos estudos incluídos em uma revisão sistemática. O termo também é utilizado para se referir a revisões sistemáticas que utilizam a meta-análise.
A meta-análise se desenvolveu inicialmente nas ciências sociais, na educação, na medicina e, mais tarde, na agropecuária, sendo hoje aplicada em todas as áreas de conhecimento em que se pretende reunir estudos com o objetivo de se concluir sobre o caminho percorrido, os erros e acertos e auxiliar na projeção de novos estudos (Lovatto et al., 2007). Apesar de Smith e Glass (1977) serem considerados pela literatura como os pioneiros em meta-analise, os seus fundamentos são muito anteriores aos trabalhos desses autores.
Fisher (1935) afirmou que ao se realizar testes de hipóteses em experimentos independentes, estes podem não ser significativos, mas na associação deles as probabilidades são em geral mais baixas, podendo ser significativas. Em 1932 Fisher propôs um método para combinar os valores de p, lançando a ideia de valores de probabilidade acumulativos. Seguindo essa linha de pensamento os primeiros trabalhos que se interessaram pela problemática da combinação dos resultados de vários experimentos independentes foram realizados por Cochran (1954), mas o método desenvolvido por Mantel & Haenszel (1959) se tornou um dos principais nessa área. Muitos autores acham que esses métodos serviram como base estatística para a moderna meta-análise.
Muitas vezes o grande volume de informações pode dificultar a contextualização do problema com erros de interpretação ou análise. Nesse sentido, essa síntese melhora o poder dos testes estatísticos para avaliação dos efeitos dos tratamentos, sendo mais precisa a estimativa do tamanho do efeito. A meta-análise permite ainda, em caso de resultados aparentemente discordantes, obter uma visão geral da situação (Boissel et al., 1989; Boissel, 1994; D’Agostino & Weintraub, 1995).
O número de meta-análises publicado no domínio das ciências animais e agrícola tem aumentado nos últimos anos (Lovatto & Sauvant, 2002; Martin & Sauvant, 2002; Offner et al., 2003; Eugêne et al., 2004; Hauptli et al., 2007) sinalizando que esse procedimento possa se tornar rotina nesse campo da ciência.

O projeto na linha de revisão sistemática e meta-analise têm como o objetivo sintetizar a evidência científica e a situação atual do conhecimento sobre adubação verde em cana-de-açúcar, estimando com maior precisão o tamanho do efeito de tratamento e permitindo um melhor planejamento de pesquisas futuras.

Ver detalhes do projeto

  Edmilson José Ambrosano      Apta Regional / IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930