Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

163 projetos ativos encontrados - pág. 4 de 6

VARIABILIDADE GENÉTICA E NÃO GENÉTICA NO DESEMPENHO DE EQUINOS

n° SGP 1024

Serão comparados sistemas de produção de equinos da raça Brasileiro de Hipismo (BH) sob distintos efeitos genéticos e ambientais. Matrizes pertencentes ao rebanho do PRDTA da Alta Mogiana, Colina serão acasaladas com garanhões das raças BH ou Hanoveriano. Os animais do rebanho avaliado serão mantidos em sistema intensivo ou semi-extensivo. Serão registradas informações sobre crescimento, desenvolvimento ósseo, comportamento, nutrição, conformação corporal, qualidade dos andamentos básicos e saltos em liberdade dos potros e cavalos jovens, de modo a avaliar a variabilidade genética e não genética nos sistemas de produção considerados.

Tendo disponíveis tais informações, relevantes ao desempenho esportivo das progênies de garanhões e matrizes, contando com rebanho base de qualidade genética louvável, será implementado programa de seleção dentro de rebanho, mediante a avaliação do desempenho esportivo de potros e cavalos jovens.

Como resultados principais, haverá o fomento ao mercado consumidor de animais genetica e fenotipicamente superiores, transferência de tecnologia na avaliação de equídeos de salto a outros criatórios, na criação mais sustentável do ponto de vista econômico, ambiental e social, além disso, proverá formação e treinamento de recursos humanos, desde o nível básico até o de formação superior.

Devido ao fato da pesquisa avaliar o próprio rebanho da fazenda, o interesse em empresas privadas contribuírem com recursos financeiros, é bastante escasso. No caso, o maior interesse, é para a própria instituição – em virtude da geração de informações úteis para a melhora produtiva e técnica do rebanho, bem como para a comunidade que é prestigiada por equinos de melhor qualidade para as diversas funções, bem como pela disponibilização de informações a serem utilizadas em outros criatórios.

Ver detalhes do projeto

  Anita Schmidek      Apta Regional / IZ

Estabelecimento de programa reprodutivo utilizando inseminação artificial em tempo fixo seguido de ressincronização em fêmeas bovinas leiteiras

n° SGP 1023

A inseminação artificial (IA) é uma tecnologia relevante para aumentar a produtividade em rebanhos especializados na produção de leite. Os programas de sincronização da ovulação para inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são ferramentas que permitem aumentar o número de fêmeas inseminadas, eliminando a necessidade de detecção de estro, aumentando a eficiência reprodutiva dos rebanhos. Atualmente, os protocolos de sincronização da ovulação estabelecidos, apresentam resultados satisfatórios e previsíveis quando aplicados em propriedades com adequado manejo nutricional e sanitário. Vários estudos foram realizados para estabelecer programas reprodutivos aplicados ao manejo das propriedades comerciais com os protocolos de IATF existentes. Tais programas visam facilitar e intensificar a aplicação dessas biotecnologias, bem como adequá-las aos objetivos específicos de cada fazenda. Atualmente, dentre as formas de intensificação do uso da IA/IATF, o estabelecimento de programas de ressincronização das fêmeas não gestantes após o primeiro serviço merecem destaque. Os programas de ressincronização eliminam a necessidade de observação de estro (facilitam o manejo e aumentam a taxa de serviço), reduzem o intervalo entre o parto e a concepção (aumentam a eficiência reprodutiva) e aumentam o número de produtos oriundos de IA (incremento do ganho genético), determinando maior lucratividade às propriedades produtoras de leite. Em resumo, o aprimoramento das técnicas de IATF associadas aos programas de ressincronização são ferramentas eficientes para o alcance máximo da eficiência reprodutiva dos rebanhos de forma organizada, pré-determinada e previsível, ou seja, com resultados zootécnicos satisfatórios e precisos. Portanto, uma vez estabelecido o objetivo da atividade rural, esses programas são incorporados ao sistema de produção e de gestão, aumentando a produtividade e a rentabilidade da propriedade.Os tratamentos hormonais utilizados na IATF faz parte da parceria com o Departamento de Reprodução Animal da FMVZ/USP.

Ver detalhes do projeto

  João Batista Pereira de Carvalho      Apta Regional / IZ

REAÇÃO DE PORTA ENXERTOS DE NOGUEIRA MACADAMIA (MACADAMIA INTEGRIFOLIA), AOS NEMATOIDES DAS GALHAS (MELOIDOGYNE SPP) E AO DAS LESÕES RADICULARES (PRATYLENCHUS BRACHYURUS)

n° SGP 1013

O objetivo desse trabalho será avaliar a resistência de variedades de nogueira macadâmia (Macadamia integrifolia), a nematoides das galhas (Meloidogyne spp), e ao das lesões radiculares (Pratylenchus brachyurus). Serão utilizados sete (7) cultivares de nogueira macadamia (Macadamia integrifolia): HAES 344, HAES 660, HAES 816 e IAC 10-14, IAC 4-12B, IAC 9-20 e IAC 4-20. As sementes serão coletadas no município de DOIS CORREGOS – SP, germinadas em caixas de madeira, com areia estéril. Após a germinação, as mudas serão transplantadas, uma por vaso, para recipientes de polietileno, contendo 2000 ml de solo autoclavado, na proporção de 1:2:1 (solo:areia:matéria orgânica). Cada planta será inoculada com 5.000 ovos, e eventuais juvenis de segundo estádio (Pi), da população dos nematoides Meloidogyne enterolobii, Meloidogyne javanica, Meloidogyne incógnita, raça 2, M. paranaensis, M. exigua e Pratylenchus brachuyrus, provenientes de populações puras, mantidas em tomateiros ‘Rutgers’, processadas segundo o método de extração proposto por Hussey & Baker (1973), modificado por Bonetti & Ferraz (1981). O tomateiro ‘Rutgers’ também será utilizado como padrão de viabilidade do inóculo. O delineamento experimental será inteiramente casualizado com sete tratamentos e cinco repetições. A avaliação do índice de galhas, índice de massas de ovos e fator de reprodução do nematoide (FR=PF/PI) será realizada 60 dias após a inoculação. O sistema radicular de cada parcela será pesado, colorido com Floxine B, para a coloração das massas de ovos externas, as quais serão contadas e relacionadas com escala de notas de 0 a 5, assim como as galhas presentes. Em seguida, será processado, pelo método de trituração no liquidificador, peneiramento e centrifugação para a obtenção do fator de reprodução (Pf/Pi). 

Ver detalhes do projeto

  Maria José De Marchi Garcia      Apta Regional / IB

Sustentabilidade da agricultura familiar no Centro Oeste paulista

n° SGP 1006

A sustentabilidade da atividade agrícola é o objetivo para a agricultura familiar. Para atingir a sustentabilidade, a propriedade rural necessita desenvolver diversas funções, como questões socioambientais e melhorias na gestão da atividade econômica. A proposta do projeto é auxiliar a demanda da região para garantir a sustentabilidade da agricultura familiar paulista, principalmente na cadeia da olericultura e da fruticultura na região Centro Oeste do estado de São Paulo. A metodologia será revisão bibliográfica de dados secundários em seus aspectos históricos, sociais, econômicos e políticas. As informações coletadas serão a base da formulação indicadores determinantes nessa atividade econômica. O resultado esperado do projeto proporciona uma ferramenta para melhorar as condições na renda da agricultura familiar para permanência do homem no campo.

Ver detalhes do projeto

  Raquel Nakazato Pinotti      Apta Regional / IEA

NUTRIÇÃO, CONTROLE PRODUTIVO, SANITÁRIO E REPRODUTIVO DE BÚFALAS LEITEIRAS

n° SGP 998

O crescente interesse dos bubalinocultores no desenvolvimento da cadeia produtiva, aliado ao aumento dos rebanhos, fez com que a espécie bubalina tenha se tornado uma fonte viável de produção de proteínas de origem animal. Isto se deve à fácil adaptação dos búfalos a diferentes regiões do mundo. A população bubalina mundial cresceu 24,6% nos últimos 10 anos e, atualmente, é estimada em aproximadamente 195 milhões de cabeças, das quais 110 milhões encontram-se na Índia. No Brasil, no mesmo período, a população bubalina aumentou 13,1%, o que demonstra a adaptabilidade da espécie às nossas condições e as possibilidades futuras da bubalinocultura como atividade emergente no país.

Entretanto, como ocorre nas demais espécies de interesse zootécnico, o crescimento do rebanho bubalino deve estar associado a ajustes finos nas propriedades, que viabilizem o controle da produtividade – o que possibilita a identificação dos indivíduos que possuem mérito genético – e, consequentemente, à multiplicação e à distribuição dos animais melhoradores. Se assim conduzida, a bubalinocultura - que atualmente responde por 13,3% da produção mundial de leite – tende a se tornar uma atividade econômica cada vez mais atraente sob os pontos de vista econômicos e sociais.

Nesse contexto, o presente projeto tem como meta implementar melhorias na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Registro e, desta forma, torná-la Unidade Modelo e Difusora de Tecnologia para a Região do Vale do Ribeira. Dessa forma, o bubalinocultor poderá se espelhar na Unidade e assim, aumentar a produtividade de seu rebanho, com conseqüente aumento nas suas condições sócio-econômicas. O pequeno produtor quando bem remunerado, consegue empregar toda a família na atividade e gerar empregos para a população. Dessa forma, ele, sua família e seus funcionários passam a ser incluídos na sociedade e a viver de maneira digna. 

Ver detalhes do projeto

  NELCIO ANTONIO TONIZZA DE CARVALHO      Apta Regional / IZ

Tratamentos associados ao protocolo Ovsynch para superar o anestro sazonal de búfalas leiteiras.

n° SGP 997

A sazonalidade reprodutiva em bubalinos é caracterizada por alterações comportamentais, endócrinas e reprodutivas que ocorrem em períodos distintos do ano. Durante a estação reprodutiva desfavorável, a prevalência de dias mais longos suprime o comportamento estral e a ovulação, limitando a eficiência reprodutiva, especialmente em relação aos programas de inseminação artificial. Para superar o anestro sazonal de búfalas leiteiras, o projeto proposto consiste de dois experimentos. No primeiro exp., serão utilizadas 27 fêmeas bubalinas distribuídas em um de três grupos (GC, GM e GP4). Nas búfalas do GM serão inseridos implantes de melatonina no D -20. No D0, as fêmeas de todos os grupos receberão a administração intramuscular (im) de GnRH e, além disso, nas búfalas do GP4, será inserido um dispositivo intravaginal de P4, que permanecerá por 7 dias. No D7, todas as fêmeas receberão uma dose im de PGF2α. Dois dias após, mais uma aplicação de GnRH será efetuada em todos os animais. Serão realizadas avaliações ultrassonográficas para verificar a presença de CL, de folículos ≥ 8mm (FL), para mensurar o diâmetro (ø) do FL, para aferir a taxa de ovulação ao 1º GnRH e ao final do protocolo e também para avaliar o ø e a % de CL. No exp. 2, 225 búfalas serão submetidas aos mesmos tratamentos descritos no exp. 1, com as seguintes diferenças: 16h após o 2º GnRH, todas as fêmeas serão inseminadas. No D20, as búfalas serão submetidas à monta natural, para a cobertura no retorno ao estro. Serão realizadas também avaliações ultrassonográficas para verificar a presença de CL, de FL, para mensurar o ø do FL, para aferir as taxas de ovulação ao 1o GnRH e ao final do protocolo, para avaliar o ø e a % de CL, para o diagnóstico de gestação e para quantificar as perdas gestacionais e a taxa de prenhez por monta natural. Espera-se que tanto os dispositivos intravaginais de P4 quanto os implantes subcutâneos de melatonina quando associados ao protocolo Ovsynch, possibilitem o reestabelecimento da atividade cíclica ovariana, com satisfatórias taxas de ovulação e de prenhez à IATF e à monta natural, possibilitando a desestacionalização dos partos.

Ver detalhes do projeto

  NELCIO ANTONIO TONIZZA DE CARVALHO      Apta Regional / IZ

ENSILAGEM DA POLPA ÚMIDA DE LARANJA

n° SGP 993

O objetivo será avaliar a ensilagem da polpa úmida de laranja e, para isso, este projeto será realizado em três fases. Na fase 1 será determinado o teor de polpa cítrica peletizada (0, 10%, 20%, 30% p/p) a ser adicionada à polpa úmida de laranja para atingir a matéria seca (MS) final entre 25% a 35%, avaliando-se as perdas totais, composição bromatológica, populações microbianas, pH e nitrogênio amoniacal das silagens nos tempos zero e 60 dias de fermentação. Serão confeccionados 20 silos experimentais (4 tratamentos com 5 repetições) de 25 litros cada, com base delineamento inteiramente casualizado. Na fase 2 será avaliado o efeito de diferentes doses de aditivos químicos ou microbiano na ensilagem de polpa úmida de laranja em dois níveis de MS: um com a polpa ao natural, sem adição de pellet, e outro com a polpa + pellet selecionado na fase 1. Os aditivos e respectivas doses: (BNZ) benzoato de sódio (0, 0,05%, 0,1%, 0,2%), (SRB): sorbato de potássio (0, 0,05%, 0,1%, 0,2%), (OXC) óxido de cálcio (0, 0,5%, 1%, 2%) e (BUCH) L. buchineri (0, 1.103, 1.105, 1.107 UFC) serão estudados separadamente para viabilizar a realização à contento das análises descritas na fase 1, nas silagens no tempo zero e após 60 dias de armazenamento anaeróbio. Serão confeccionados 40 silos para cada tratamento, em arranjo fatorial 4 x 2, sendo 4 doses de cada aditivo e 2 níveis de MS da polpa úmida de laranja, com cinco repetições. Após a abertura final, em cada tratamento será avaliado a estabilidade aeróbia, medindo-se o perfil microbiano, pH, nitrogênio amoniacal e temperatura da silagem após 4, 8 e 12 dias de exposição aeróbia. Na fase 3 será comparado os efeitos dos aditivos (BNZ, SRB, OXC e BUCH) na melhor dose selecionada na fase 2, no controle das perdas durante a fermentação e estabilidade aeróbia das silagem da polpa úmida de laranja com dois níveis de MS, conforme descrito nas fases 1 e 2. O delineamento estatístico da estabilidade aeróbia nas fases 1, 2 e 3 será o inteiramente casualizado, com medidas repetidas no tempo. O objetivo final deste trabalho será obter uma silagem adequada para formulação de ração animal.

 

Ver detalhes do projeto

  Regina Kitagawa Grizotto      Apta Regional / IZ

Soroprevalência de maedi-visna em ovinos da região noroeste do estado de São Paulo

n° SGP 990

Os vírus maedi-visna são vírus que infectam principalmente ovinos, mas também caprinos, e caracterizam-se por provocarem infecções persistentes e geralmente assintomáticas. Sinais clínicos surgem após um longo período e apresentam evolução igualmente lenta. As principais apresentações clínicas são pneumonia, mastite, artrite e meningoencefalomielite. A transmissão ocorre primariamente pela ingestão de colostro ou leite de ovelhas infectadas e por contato com secreções respiratórias, e secundariamente por via intrauterina e fômites. O transporte de animais vivos e o confinamento são importantes fatores que favorecem a transmissão. No Brasil, a ocorrência de anticorpos contra o vírus varia de 0 a 7%, dependendo da região. A região de São José do Rio Preto responde pelo maior número de cabeças de ovinos do estado de São Paulo, porém há poucos estudos disponíveis sobre a prevalência de agentes infecciosos nos ovinos desta região. Assim, objetiva-se no presente trabalho determinar a soroprevalência e os fatores de risco para a infecção pelo vírus maedi-visna em ovinos da região do Escritório de Desenvolvimento Rural de São José do Rio Preto. Para tanto, 1503 soros de matrizes e reprodutores desta região, coletados previamente, serão submetidos à imunodifusão em gel de ágar para detecção de anticorpos contra o vírus. Além disso, variáveis retiradas de um questionário aplicado junto aos produtores serão submetidas a análises univariada e multivariada para verificação de possíveis fatores de risco.

 

Ver detalhes do projeto

  Tatiana Evelyn Hayama Ueno      Apta Regional / IB

Avaliação da Eficiência de Óleos Essenciais, Extratos de Plantas e Microorganismos Probióticos Sobre Ecto e Endoparasitos de Bovinos Leiteiros.

n° SGP 973

Afecções parasitárias, causadas por carrapatos (Boophilus microplus) e helmintos (Ordem Strongylida) produzem uma variedade de síndromes clínicas e subclínicas desfavoráveis ao desenvolvimento dos rebanhos bovinos, especialmente de exploração leiteira, resultando em perdas e prejuízos econômicos para o produtor e comprometendo a qualidade dos produtos oferecidos ao consumo da população e conseqüentemente à saúde pública. O produtor utiliza práticas tradicionais de manejo devido à necessidade de sobrevivência da propriedade  e à pressão do mercado e à carência de métodos alternativos de controle. O controle ecto e endoparasitos é um dos maiores problemas em um sistema de produção de leite sustentável, acarretando aumento nos custos de produção, em função do uso cada vez maior de antiparasitários, devido principalmente a falta de eficácia dos produtos disponíveis no mercado ocasionada pela resistência dos parasitos aos princípios ativos atuais. Em face desta nova filosofia, há a necessidade de estudos que possam dar subsídios a utilização dessa modalidade de controle alternativo, visando não só a viabilidade econômica, mas também que possam dar validação cientifica ao modo de ação, dosagem, segurança na manipulação de tais substâncias no controle dos parasitos pelos produtores.  O presente trabalho visa obter alternativas para controle de ecto e endoparasitos de bovinos leiteiros na região do Vale do Paraíba, Estado de São Paulo por meio da realização de  teste para determinação da eficiência   e cálculos de concentração eficaz de fitoterápicos (in vitro ), sobre condições de campo (in vivo)  e a utililização de probióticos, complemento alimentar natural, composto de microorganismos vivos, que possuem diversos efeitos benéficos a saúde do hospedeiro, principalmente pelo estimulo à imunidade que promovem o aumento de anticorpos ou atividade dos macrófagos.

 

Ver detalhes do projeto

  JOSE ROBERTO PEREIRA      Apta Regional / IAC

USO RACIONAL DA ÁGUA NA FRUTICULTURA IRRIGADA DA REGIÃO CENTRO OESTE PAULISTA

n° SGP 970

A adoção de técnicas de irrigação vem de encontro ao conceito de manejo otimizado das lavouras. Entretanto, os benefícios estão atrelados ao correto manejo do sistema. Dentre estes benefícios, pode-se citar: aumento da produtividade e qualidade do produto agrícola; maximiza o uso da água racionalizando a sua utilização; diminui as perdas de nutrientes por lixiviação; otimiza o armazenamento de água no perfil do solo; minimiza problemas com encharcamento do solo; otimiza a absorção dos nutrientes pelas plantas.

No manejo de um sistema de irrigação deve-se levar em consideração a fase fenológica de cada cultura, pois as exigências hídricas são distintas. A setorização dos projetos de irrigação permite este manejo, fornecendo águia na quantidade, local e fase correta de cada lavoura.

A utilização de sistemas de irrigação localizada na fruticultura pode ser considerada uma tecnologia de relação custo: benefício extremamente atraente ao produtor rural, uma vez que o aumento da produtividade e qualidade dos frutos aumentam a rentabilidade pagando o investimento rapidamente.

A existência de uma área experimental de agricultura sustentável, com infraestrutura para o desenvolvimento da agricultura irrigada, e de pesquisadores de diferentes instituições atuando de maneira integrada, possibilitará a geração de tecnologias apropriadas e o treinamento de técnicos e produtores da região e, conseqüentemente, a rápida adoção das tecnologias e o retorno dos investimentos públicos.

Os resultados a serem alcançados com a realização deste projeto irão preencher uma importante lacuna no conhecimento necessário para o correto manejo de pomares irrigados na região do Planalto Paulista, especialmente em relação ao estresse hídrico, associado ao monitoramento fitossanitário das culturas. O conhecimento a ser gerado subsidiará a elaboração de recomendações para as culturas, buscando incrementar seu rendimento e retorno econômico nas condições do Planalto, com base no manejo adequado da irrigação e escolha do material genético mais adaptado para a região.

Ver detalhes do projeto

  Adriana Novais Martins      Apta Regional / IAC

DESEMPENHO DE CULTIVARES DE CEBOLA E MANEJOS DO SOLO NO OESTE PAULISTA

n° SGP 969

O cultivo da cebola tem despertado interesse de produtores do Oeste Paulista, especialmente devido aos programas governamentais que adquirem produtos da agricultura familiar, sendo a cebola uma hortaliça adquirida em grandes volumes por este mercado. Para fornecer suporte aos agricultores no cultivo desta hortaliça nessa região são necessários estudos que posicionem variedades com maior adaptabilidade às condições locais de clima e solo. Deste modo, o objetivo deste projeto é avaliar materiais de polinização aberta e híbridos de cebola cultivados em diferentes manejos. Os experimentos serão realizados no outono-inverno. Serão avaliados os seguintes cultivares: Bella Dura, Primavera, Boreal, Sirius e Sulista em rotação com alface cultivado em plantio direto sobre Brachiaria ruziziensis e de forma convencional. Também serão avaliadas as cultivares HT 125 Belinha, Atlanta, Bella Dura, Optima e Aquarius cultivadas sobre mucuna e milheto incorporados, mais a testemunha sem adubação verde. Os experimentos serão realizados no Polo Regional da Alta Sorocabana, no delineamento em blocos ao acaso com quatro repetições. Adicionalmente serão realizadas áreas demonstrativas com esses materiais em assentamentos de Teodoro Sampaio.

 

Ver detalhes do projeto

  Andréia Cristina Silva Hirata      Apta Regional / IAC

MANEJO DO SOLO DA MELANCIEIRA EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAL

n° SGP 967

A região oeste é um dos principais pólos produtores de melancia do Estado de São Paulo. O cultivo é realizado prioritariamente em áreas de pastagens arrendadas, que cada vez são mais escassas, devido principalmente à grande expansão canavieira na região. Assim, neste contexto é primordial a apresentação de propostas inovadoras que viabilizem a utilização racional da terra tanto para produção de produtos agroenergéticos quanto para a produção de alimentos. Para tal, durante a reforma de canaviais deve-se propor sistemas de produção que aliem a conservação dos recursos ambientais com produção de alimentos. O presente trabalho tem o objetivo de estudar sistemas de preparo do solo, bem como doses de nitrogênio apropriadas para instalação e cultivo de melancieira (Citrullus lanatus) em áreas de renovação de canavial. Assim esta sendo desenvolvido experimentos no Pólo Regional do Extremo Oeste, em Andradina-SP. Os tratamentos propostos serão a combinação de diferentes sistemas de preparo do solo (plantio convencional, cultivo mínimo e plantio direto) sobre diferentes doses de nitrogênio aplicadas em cobertura (0, 100, 200 e 300 kg N / ha). O delineamento experimental é em blocos casualizados em esquema de parcelas subdivididas sendo as parcelas os sistemas de preparo do solo e as sub-parcelas as doses de nitrogênio em cobertura com 4 repetições.  Estudar-se-á as alterações dos atributos químicos e físicos do solo, a massa fresca e seca da palhada da cana sobre o solo, as características da parte vegetativa da planta (caule + folhas), característica químicas da parte aérea (parte vegetativa + frutos), a produção de frutos. Os dados obtidos serão analisados estatisticamente através da análise de variância e por meio do teste F, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade e / ou análise de regressão que melhor represente a variável analisada, levando em consideração o ajuste (R2) e representação do fenômeno biológico. Os resultados serão redigidos em formas de resumos para apresentação em congresso, artigos para publicação em revistas científicas e apresentado em uma vitrine tecnológica.  

Ver detalhes do projeto

  Humberto Sampaio de Araújo      Apta Regional / IAC

Rede Agroecológica Caiçara: Grupos de Consumo e as Políticas Públicas

n° SGP 965

Este projeto visa avaliar um coletivo de produção e consumo responsáveis de Ubatuba: a Rede Agroecológica Caiçara. A iniciativa surgiu de um arranjo interinstitucional e multidisciplinar que envolve pesquisa, assistência técnica, extensão rural e políticas públicas em interação direta com a produção e o consumo. A Rede Agroecológica Caiçara foi idealizada e criada em junho de 2013 por integrantes desse grupo e consiste em um coletivo de produção e consumo que visa simplificar e otimizar a produção e comercialização dos produtos da agricultura familiar de Ubatuba, SP por meio da aproximação entre produtores, consumidores e técnicos. Os objetivos do projeto são: 1- avaliar o capital social criado no contexto da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara, por meio da avaliação das redes de relações estabelecidas; 2 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural; 3 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com o Plano Nacional de Economia Solidária, 4 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica; de modo a ampliar a visão interna da iniciativa, assim como, verificar sua adequação às políticas públicas que definem a sua interação com o ambiente externo. Para atender o primeiro objetivo, propõe-se a metodologia de Net-Maps que visa avaliar o capital social por meio da percepção individual da rede de relações estabelecida. Para o segundo e terceiro objetivos, a metodologia proposta é de revisão bibliográfica para comparação da iniciativa com as políticas e planos em questão. É uma proposta de baixo custo que visa o bom aproveitamento dos recursos públicos que já estão investidos na instituição e que não são passíveis de financiamento – como salários dos pesquisadores, computadores, energia elétrica, além do capital social - criado nas fases anteriores do projeto, que viabiliza a colaboração na atual fase do projeto, assim como, a operacionalização do projeto.

Ver detalhes do projeto

  ISABEL FERNANDES PINTO VIEGAS      Apta Regional / IEA

Teste de progênies de segunda geração de pinus Tropicais para produção de resina e madeira

n° SGP 958

A introdução de espécies florestais exóticas no Brasil proporcionou grandes benefícios para o desenvolvimento socioeconômico de diversas regiões do País, o Pinus está dentre as espécies exóticas de rápido crescimento que tiveram grande sucesso como produtoras de aglomerados, laminados, madeira, móveis, serraria, celulose e resina, para esta, tem se destacado as espécie Pinus caribaea e suas três variedades. E procurando selecionar material genético adaptado e produtivo para as diferentes regiões bioclimáticas, este trabalho tem como objetivo: i. Avaliar os caracteres de crescimento (altura, CAC) em experimentos de Pinus caribaea var. bahamensis e Pinus caribaea var. hondurensis; ii. Estimar a variabilidade genética entre as progênies; iii. Determinar os ganhos na seleção para selecionar as melhores progênies para produção de resina.

Ver detalhes do projeto

  Gustavo Pavan Mateus      Apta Regional / IAC

Agroecologia, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional

n° SGP 948

O direito a alimentação adequada e saudável, o resgate e incentivo ao consumo de plantas não convencionais, reconhecer o alimento como patrimônio cultural constituem-se em aspectos chave que fortalecem a defesa dos biomas e territórios, com suas especificidades culturais e com suas lutas pelo direito à alimentação adequada e saudável. Este projeto tem a finalidade do resgate, produção, consumo e promoção do auto-consumo de plantas não convencionais em áreas rurais e peri-urbanas;  avaliar como as ações de Segurança Alimentar são estruturadoras dos sistemas agroecológicos e dos processos sociais a eles interligados;  estudo de métodos de propagação e  germinação  de espécies de plantas não convencionais e produção de cartilha técnica sobre manejo agroecológico de plantas não convencionais. A metodologia participativa norteadora do projeto visa à construção e validação de estratégias agroecológicas assegurando a soberania, segurança alimentar e nutricional a partir da utilização da biodiversidade local. 

 

O presente projeto encontrava-se em execução no Polo Vale do Paraíba, desde 2011, registrado no SIGA sob NRP 4194, Hortaliças Não Convencionais: Aspectos fitotécnicos de cultivo, fenologia reprodutiva e qualidade nutricional, findando em dezembro/2015. Foi, durante todo o seu desenvolvimento, custeado por outro projeto que havia financiamento da FAPESP (NRP 4446 - Estratégias de adubação verde em plantio direto para produção orgânica de brocolis e milho verde no Vale do Paraiba. Em outubro de 2015,  o projeto sofreu algumas modificações, sendo submetido a FAPESP, que em dezembro/2015, retornou denegando o mesmo, porém com possiblidades de recorrer, o que foi realizado. Estou aguardando novo parecer da FAPESP, porém o projeto já implantado no campo, onde está sendo realizado a fase 2, com o viveiro antigo, fazendo a mutenção e ampliação da unidade de PANC, e estudos de método de propagação, tempo de germinação e manejo agroecológico das espécies constantes no projeto. Também estamos elaborando processo para venda de residuo de pesquisa oriunda da área deste projeto, de estacas de gliricídea, oriundos do manejo agroecológico a ser realizado, para recolher recursos, e utilizá-lo no projeto.

 

Ver detalhes do projeto

  CRISTINA MARIA DE CASTRO      Apta Regional / IAC

Efeito da aplicação do Componente N1 na formação de raízes, brotação de colmos, desenvolvimento vegetativo, qualidade tecnológica e produtividade da cana-de-açúcar.

n° SGP 922

Os objetivos desta proposta será avaliar os efeitos do uso do adubo biológico gerado a partir da mistura de Componente N1 juntamente com conteúdo ruminal ou esterco bovino em processo denominado “Compostagem Líquida Contínua” (CLC). Esse produto oriundo dessa biofabrica tem a finalidade de estimular o desenvolvimento do sistema radicular e brotação inicial das gemas de cana-de-açúcar (ensaio 1). No ensaio 2, em condições de campo,  além das considerações acima, o produto poderá propiciará melhor desenvolvimento da cultura, produtividade e qualidade tecnológica de colmos quando comparados apenas ao tratamento controle representado pela fertilização mineral. Para atingir os objetivos acima serão desenvolvidos dois experimentos, um em casa de vegetação para observar a brotação das gemas e desenvolvimento inicial das plantas de cana-de-açúcar (Ensaio 1), e outro em condições de campo, que será desenvolvido durante 3 ciclos agrícolas consecutivos (ensaio 2).

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Avaliação de doses e épocas de aplicação de bokashi na produção de batata-semente orgânica de cultivares IAC de batata em telado antiafídeo

n° SGP 920

A batata é um dos quatro principais alimentos consumidos pela humanidade. Ela é importante fonte de minerais, proteínas, fibras e carboidratos. A maioria das cultivares de batata disponíveis no mercado são estrangeiras. De maneira geral, elas são exigentes em fertilização e sensíveis à doenças foliares como a requeima, o que não garante a sustentabilidade do cultivo. Como alternativa viável, surgem as cultivares originadas pelo Programa de Melhoramento de Batata do Instituto Agronômico, que tem demonstrado um satisfatório desempenho produtivo em condições de baixo uso de insumos, que as torna promissoras no sistema de cultivo orgânico. O projeto será composto por duas etapas. A primeira (p1) avaliará a dose de bokashi  e a segunda (p2) a melhor época de aplicação de bokashi que refletem na maior produtividade de tubérculos. Serão avaliados em cada cultivar, dose e época de aplicação de bokashi, o número e tamanho de tubérculos produzidos, pesados, e a sua massa transformada em t ha-1. 

Ver detalhes do projeto

  Eduardo Yuji Watanabe      Apta Regional / IAC

VIABILIZAÇÃO DA MISTURA DE VINHAÇA CONCENTRADA COM ADUBOS NITROGENADOS PARA ADUBAÇÕES DE CANAVIAIS COLHIDOS SEM QUEIMA: Aspectos Agronômicos e Ambientais

n° SGP 913

O presente estudo refere-se à caracterização da vinhaça concentrada que permite tornar economicamente viável a sua aplicação em canaviais colhidos sem queima. O projeto objetiva avaliar a possibilidade de aplicação de fontes nitrogenadas juntamente com a vinhaça concentrada, de modo a fornecer adubação nitrogenada e potássica à cultura, em apenas uma aplicação no campo. Na mistura vinhaça - adubos nitrogenados há perdas de nitrogênio por volatilização, que podem trazer consequências ambientais e econômicas. O estudo contempla determinar quais são as perdas e quantificá-las para cada fonte de adubos nitrogenados, determinando qual a mistura e fonte mais apropriadas que maximizem a eficiência da mistura, viabilizando a substituição das adubações nitrogenadas e potássicas convencionais em uma única aplicação da mistura, e aumente o raio econômico de aplicação da vinhaça concentrada.
Desta forma, os trabalhos a serem conduzidos nessa pesquisa contribuirão para a adoção de práticas ambientalmente corretas, desde o transporte, até a utilização de novas fontes nitrogenadas junto com a vinhaça para a sua aplicação. O projeto iniciou-se em 2014, com a primeira parte de caracterização e primeiro ensaio de volatilização finalizados em outubro/2015. Uma segunda etapa foi incorporada ao projeto, visando o refinamento dos dados sobre a volatilização de adubos nitrogenados compostos com ureia protegida, que foi a opção mais segura encontrada na etapa anterior do projeto. Esta nova fase iniciou-se em novembro de 2015 e será finalizada em outubro de 2016, compreendendo dois ensaios de volatilização realizados no verão e inverno, de modo a assegurar-se da eficácia do processo em condições de alta e baixa temperatura do ambiente.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Diagnóstico de efluentes da suinocultura nas bacias do Piracicaba, Capivari, Jundiaí (PCJ) e tratamento em estação piloto

n° SGP 912

A criação de suínos em baías, caracterizada pela concentração de animais por área, exige cuidados higiênicos que reduzam a proliferação de moscas e bactérias, e proporcione bem estar animal. A lavagem diária das baías é o método mais usado para limpeza das baías, e consomem volume de água equivalente a 50 a 200 litros/matriz, considerando 01 matriz = 10 animais. Menores volumes usados de água usados produzem efluentes brutos com valores de DBO em torno de 50.000-60.000 mg L-1, e volumes maiores dejetos menos concentrados, em torno de 30.000 mg L-1. O potencial poluidor dos dejetos de suínos é cerca de quatro vezes ao dos dejetos humanos, e além da carga orgânica, são concentrados em nitrogênio, fósforo, e apresentam contaminantes como coliformes, ovos de helmintos, salmonella, e metais pesados como Cu e Zn. Dejetos de suinocultura durante anos foram despejados in natura em solos vizinhos às granjas, que em muitos casos já se encontram contaminados, com riscos de contaminação das águas subterrâneas. Em outros casos foram lançados diretamente em águas superficiais. Levantamento grosseiro aponta em torno de 25.000 suínos sendo criados na bacia do PCJ, demandando grande volume de água de lavagem, e cargas orgânicas elevadas sendo lançadas sem tratamento no meio. Dados ambientais da suinocultura paulista são escassos. Nem mesmo as agências agrícolas e ambientais os possuem. O objetivo desta proposta é identificar e levantar dados sobre a atividade, especialmente no que concernem as fontes de captação e consumo da águas nas granjas da bacia, assim como diagnosticar qual a situação do tratamento e destino dos dejetos. A caracterização química e microbiológica de efluentes brutos e tratados permitirá conhecer o real impacto da atividade no meio, e possibilitará a tomada de decisão, por exemplo, quanto a possíveis mudanças na dieta dos animais e manejo da água na granja, assim como quanto ao tratamento e destino dos dejetos por suinocultores, técnicos e legisladores. Estas metas serão executadas por meio de visitas técnicas realizadas pelos técnicos da equipe, em pelo menos 80% das granjas identificadas com atividade na bacia, e por meio de coleta e caracterização de pelo menos 40 amostras de efluentes. Ao mesmo tempo será construído um sistema piloto de tratamento de dejetos em uma granja com capacidade para 160 animais em fase de terminação - que gera alto volume de dejetos concentrados – em unidade de pesquisa da Secretaria da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, na microbacia do Ribeirão Guamium, bacia do Rio Piracicaba. O sistema piloto abrangerá todas as fases do tratamento, testando processos que sejam eficazes, práticos e economicamente viáveis ao produtor, e que possa gerar renda extra a atividade, como produção de composto orgânico, biogás, e água para reuso agrícola ou mesmo para reutilização na lavagem das baías. O sistema será construído em 03 meses, e testado e monitorado com mais de 200 análises químicas e microbiológicas ao longo de um ano, e também, será efetuado estudo de viabilidade econômica para cada fase do sistema e para o sistema global, de modo a fornecer dados suficientes para tomada de decisões técnicas e econômicas, tornando-se modelo demonstrativo regional. Pretende-se, assim, com a aplicação dos resultados desta proposta, reduzir a demanda de água da suinocultura, nesta região, em que os conflitos pelos usos múltiplos da água são constantes, e ao mesmo tempo reduzir a carga orgânica lançada na bacia pela atividade, convertendo-a em composto orgânico para fertilização sustentável dos solos da região, e em biogás que reduziria custos com energia elétrica e melhoraria a qualidade de vida dos moradores vizinhos a granja. As diversas alternativas de tratamento de dejetos geraria efluentes que poderiam ser usados na irrigação agrícola, aumentando a produtividade agrícola em função do aporte de água e nutrientes, fornecidos de modo mais balanceado às plantas, ou nos casos em que áreas vizinhas as granjas já não possam mais receber efluentes em função de contaminação, destinar o efluente final polido e desinfetado para reuso na própria lavagem das baías.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IZ

Viabilidade da olivicultura como agronegócio: Avaliação da matéria prima produzida por cultivares de oliveiras implantadas no estado de São Paulo por meio da extração e caracterização química e sensorial dos azeites.

n° SGP 911

A produção de azeitonas no estado de São Paulo ainda é incipiente, concentrando-se na região da Serra da Mantiqueira, e da Serra da Bocaína. Atualmente, estima-se em 300-400 ha plantados com oliveiras em São Paulo. Estudos iniciais de zoneamento climático indicam possibilidade de expansão da olivicultura, que necessita de quantidade de horas de frio para diferenciação das gemas vegetativas em reprodutivas, principal dificuldade para implantação das oliveiras em condições subtropicais. Contudo, ainda não há uma avaliação da qualidade do produto colhido e do azeite processado, nestas condições, que possa assegurar a viabilidade da olivicultura como agronegócio, apesar do interesse crescente de inúmeros investidores nos últimos anos. O objetivo desta proposta é avaliar a produtividade, o rendimento, e a qualidade do azeite produzido por cultivares mais plantados no estado: Arbequina, Arbosana, Koroneiki, e Picual, obtidos de 04 propriedades representativas de regiões produtoras do estado. Durante dois ciclos da cultura serão avaliadas a produção e qualidade do azeite produzido de 20 árvores de cada cultivar, cultivados em condições climáticas e tratos culturais diversificados. Serão instaladas estações meteorológicas nas propriedades de modo a obter dados da caracterização climática das regiões e determinação de graus-dias e número de horas de frio, obtendo dados de florescimento, frutificação e colheita para cada condição climática, que possam auxiliar na construção de zoneamento climático na cultura em São Paulo e outros estados brasileiros. Tais dados, também, auxiliarão no conhecimento do ciclo fenológico dos cultivares, uma vez que as propriedades agrícolas escolhidas para o estudo encontram-se em posições de relevo (800-900 m; 1100-1200 m e 1900 m de altitude), tipo de solo e condições climáticas muito diversas. O ponto de maturidade das azeitonas, em cada caso, será determinado pela interpolação de dados obtidos do teste de coloração da polpa e mesocarpo, pelo índice de Jaen, pela consistência da polpa obtida pelo uso de penetrômetro, e pelo rendimento em azeite, construindo a curva de maturação dos frutos para cada cultivar e condição climática. Tais avaliações serão efetuadas em três coletas a partir da mudança de coloração do fruto de verde para avermelhado e violeta. Análises físico-químicas e sensoriais serão realizadas nos azeites produzidos. Antes e após a primeira colheita, os pomares passarão por tratos culturais padronizados, como poda das árvores reduzindo excessos vegetativos, análises de solo, com recomendação de calagem, e fertilizações com nitrogênio, fósforo, potássio, boro, cobre e zinco, e fertilizações foliares de Cu e Zn, em épocas adequadas ao ciclo vegetativo da planta. Ênfase especial será dada a fertilização com nitrogênio, que será fornecida descontando os teores de N-amoniacal e N-nitrico presentes nos solo, e prontamente absorvidos pela planta, de modo a evitar fornecimento excessivo do elemento, que privilegia o desenvolvimento vegetativo em detrimento ao florescimento e frutificação da cultura. Será realizado controle de pragas, doenças e manejo da entrelinha da cultura. Nova colheita será realizada no segundo ano de cultivo, repetindo as determinações do ponto de maturidade dos frutos em cada situação, extração do azeite, e avaliação da qualidade por meio de análises químicas e sensoriais. Os tratos culturais serão repetidos neste segundo ano de projeto, objetivando avaliação ao longo prazo dos olivais. Serão comparados os dados de produtividade, rendimento em azeite e sua qualidade nos dois anos de cultivo. Também, será possível avaliar possíveis diferenças de qualidade entre azeites produzidos a partir do mesmo cultivar nas diferentes condições de clima. No caso de produção de azeites monovarietais de qualidade, serão realizados blends que valorizem suas características, criando misturas harmoniosas, que serão avaliadas quanto aos parâmetros físico-químicos e sensoriais. Os resíduos gerados na extração do azeite (água de lavagem das azeitonas, água de vegetação e bagaço) serão quantificados, caracterizados quimicamente, e confrontados com normas ambientais que permitam seu reuso in natura e/ou tratados em solo agrícola. A aquisição de máquina extratora de azeites permitirá esta avaliação preliminar dos azeites produzidos, além de outros inúmeros outros estudos que auxiliem o agricultor nacional na produção de azeites competitivos. Maior conhecimento sobre a técnica de extração será obtido e repassado aos produtores, podendo ocorrer aperfeiçoamento/adaptação da máquina extratora de azeite. Análises físico-químicas de azeites serão aprimoradas, e será fortalecido o grupo de análise sensorial, permitindo maior auxílio a órgãos fiscalizadores da qualidade de azeites importados e nacionais, como o MAPA-Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O grupo de pesquisadores e técnicos, com competência em áreas do conhecimento correlatas, dado que a oliveira é cultura exótica em nossas condições, obterá maior conhecimento no manejo da cultura, e nas técnicas de colheita, conservação do fruto, extração, conservação de azeites, e confecção de blends harmoniosos, de modo a propor soluções viáveis aos gargalos encontrados pelos produtores de azeitonas e extratores de azeites nacionais. Com dados climatológicos obtidos será possível avançar em conhecimentos fisiológicos sobre a cultura em condições subtropicais, que auxiliarão em zoneamentos climáticos e possivelmente expansão da área cultivada com oliveiras em São Paulo e outros estados brasileiros.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Controle Seletivo do Carrapato dos Bovinos (Riphicephalus (B). microplus) em Pequenas Propriedades do Vale do Paraíba

n° SGP 904

                A proposta deste projeto  é promover atividades educativas em pequenas propriedades, de exploração familiar, tendo como objetivo a motivação, conscientização e capacitação do produtor rural à correta  adoção de medidas para controle racional do carrapato dos bovinos minimizando o uso de carrapaticidas e prolongando a eficácia dos ativos empregados, e dessa forma possibilitando maior retorno da atividade leiteira com diminuição de insumos, mão de obra e aumento da produção e produtividade. Portanto visa-se a aplicação de conhecimentos teóricos e práticos diretamente na propriedade, junto aos produtores.

Ver detalhes do projeto

  JOSE ROBERTO PEREIRA      Apta Regional / IB

Efeito de produtos BASF no controle de pragas dos citros (ácaro da falsa ferrugem e ácaro da leprose)

n° SGP 901

O objetivo deste trabalho é estudar o efeito de produtos BASF, no controle do ácaro da falsa ferrugem Phyllocoptruta oleivora e do ácaro da leprose Brevipalpus phoenicis, em comparação com produtos comerciais  de outras empresas, bem como se há algum efeito fitotóxico às plantas de citros e aos inimigos naturais de ácaros e pragas. Os trabalhos serão desenvolvidos na região de Ribeirão Preto, SP e constará da condução de experimentos, nas safras agrícolas (2015/2016), instalados os campos conforme metodologia normalmente utilizada. Os experimentos serão em blocos ao acaso, constando dos tratamentos conforme protocolos, no projeto em anexo.  As aplicações serão com pistola acoplada a trator, com volume de calda adequada ao tamanho de planta, tomando-se horário inicial e final das aplicações, umidade relativa e  temperatura (inicial e final), em cada aplicação. As avaliações serão realizadas, tomando-se amostragem adequada a cada praga e realizando-se as contagens da praga, ou quantificação de seus danos, conforme pertinentes. Os resultados obtidos serão transformados em  e analisados estatísticamente pelo teste F e de Tukey. Os porcentuais de eficiência (%E) serão calculados utilizando-se a fórmula de ABBOTT, conforme citado por NAKANO et al. (1981).

Ver detalhes do projeto

  José Roberto Scarpellini      Apta Regional / IB

Eficácia biológica dos produtos QL Agri adjuvante em Brevipalpus phoenicis e Phyllocoptruta oleivora na cultura dos citros

n° SGP 900

O objetivo do projeto é verificar eficácia de diversos acaricidas BASF associados ao QL Agri para o ácaro da leprose Brevipalpus phoenicis e para o ácaro da falsa ferrugem Phyllocoptruta oleivora bem como seus efeitos aos inimigos naturais e ácaros predadores. Serão realizados experimentos na Fazenda Experimental do Polo RDTA Centro Leste, municipio de Ribeirão Preto-SP. O cultivar será Pera-Rio, com 6 anos de idade, utilizando-se 3 plantas por parcela, utilizando-se dos seguintes tratamentos: Testemunha; 2 – Kumulus + QL AGRI, 3 – Kumulus + QL AGRI, 4 – Kumulus + QL AGRI, 5 – Kumulus + Break Thru, 6 – QL Agri 35, 7 – QL Agri 35, 8 – QL Agri 35, 9 – Kumulus DF, 10 – Envidor. A pulverização será realizada com pistola motorizada, acoplada ao trator a pressão constante e volume de calda de 2000 L/ha. Com  avaliações previamente a pulverização e aos 7, 14, 21, 30, 45, 60, 75 e 90 dias após, contando-se o número de ácaros presentes em 20 frutos por parcela. Estes frutos são escovados em máquina de escovas e varredura “modelo Jaboticabal”, contidos em uma placa de vidro e contados sob microscópio estereoscópico.. Também será observada fitotoxicidade advinda da aplicação dos defensivos agrícolas, nas dosagens empregadas nos presente experimentos, bem como ácaros predadores e inimigos naturais presentes anotando-se todos encontrados em uma volta na planta central durante dois minutos. Os resultados obtidos durante o transcorrer do experimento serão analisados em teste de variância e tukey utilizando programas estatísticos SAS ou SANEST.

Ver detalhes do projeto

  José Roberto Scarpellini      Apta Regional / IB

Doses e aplicações de Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorokin, no manejo da cigarrinha-das-raízes (Hemiptera: Cercopidae), em pastagem de Brachiaria decumbens

n° SGP 898

Os prejuízos causados pelas cigarrinhas-das-raízes são estimados em centenas de milhões de dólares anualmente. Para a região dos Cerrados no Brasil, os prejuízos causados por esses insetos podem atingir cifras, dependendo da área infestada e do nível de infestação, de 99 a 819 milhões de dólares anuais. Entretanto, a utilização de táticas de manejo visando à diminuição e/ou equilíbrio populacional da cigarrinha-das-raízes em pastagens torna-se indispensável, principalmente em variedades de capins suscetíveis.

Para o manejo de cigarrinhas em pastagens tem-se o controle biológico (microbiano), com o fungo entomopatogênico Metarhizium anisopliae. A ação deste patógeno sobre cigarrinha-das-pastagens foi constatada naturalmente e comprovada em laboratório e, sua recomendação para o manejo da praga em pastagens é comum. Todavia, a inconsistência de resultados em relação à eficácia do fungo também tem sido reportada, podendo estar relacionada à qualidade e tipo de isolado, quantidade do fungo aplicada por área, problemas de formulação e armazenamento, método de aplicação, descumprimento das recomendações de uso e variações ambientais inesperadas.

Entretanto, o objetivo deste estudo foi de avaliar doses do fungo Metarhizium anisopliae (isolado IBVB 348 - Methamax EC®), com uma e duas aplicações, no manejo da cigarrinha-das-raízes D. flavopicta, bem como na produção e qualidade de Urochloa (Syn. Brachiaria) decumbens. O experimento foi realizado no Município de Cassilândia - MS (19º08’S e 51º41’O), sob o delineamento experimental de blocos ao acaso, com 11 tratamentos e quatro repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e comparação de médias pelo teste de Tukey (P ≤ 0,05). No presente estudo, M. anisopliae, nas doses de 05, 1,0, 1,5 e 2,0 L p.c. ha-1, com uma e duas aplicações, não reduziu significativamente a população de D. flavopicta, em relação à pastagem sem aplicação de defensivo (testemunha), assim como não influenciou na produção de matéria seca, teores de proteína bruta, fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA). O bioinseticida apresentou eficiência no controle da cigarrinha-das-pastagens, em algumas avaliações.

Ver detalhes do projeto

  Marcelo Francisco Arantes Pereira / APTA      Apta Regional / IB

Bioecologia de Coccinellidae (Coleoptera) e Diaphorina citri (Hemiptera: Liviidae) em citros na região nordeste do estado de São Paulo

n° SGP 896

O psilídeo Diaphorina citri Kuwayama (Hemiptera: Liviidae) é um inseto-praga que ocasiona danos ao citros principalmente pela transmissão da bactéria que causa a doença conhecida como huanglongbing (HLB), “doença do dragão amarelo”. Até a data atual, não há lugar no mundo onde HLB esteja sobre controle adequado. O psilídeo D. citri está sujeito ao controle biológico natural efetuado pelo parasitoide Tamarixia radiata (Waterston); por várias espécies de coccinelídeos, sirfídeos, crisopídeos, hemerobiídeos e de entomopatógenos. No Brasil, o método biológico tem sido pesquisado, com ênfase principalmente no parasitoide T. radiata. O controle do psilídeo D. citri efetuado por T. radiata pode ser complementado pela ação de outros inimigos naturais como os insetos predadores da família Coccinellidae. Estes predadores são importantes fontes de mortalidade natural de D. citri em pomares de citros em vários países. No Brasil, poucos são os estudos que relacionam o papel dos coccinelídeos em relação ao psilídeo. No presente trabalho será estudada a flutuação populacional de D. citri e seus inimigos naturais, os coccinelídeos predadores, em pomar de citros. As amostragens serão realizadas durante o período de abril de 2015 a março de 2017 no município de Taquaritinga e Jaboticabal, SP. Durante os anos de 2015 a 2017, serão estudados os aspectos biológicos das principais espécies de coccinelídeos coletadas durante as amostragens, utilizando-se como alimento o psilídeo D. citri.  

Ver detalhes do projeto

  Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes      Apta Regional / IAC

SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA NO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

n° SGP 893

Os sistemas Agrossilvipastoris são sistemas de produção utilizados para a recuperação de áreas degradadas, por meio do emprego de lavouras, tendo como finalidade a produção de grãos para amortizar, em parte os custos da recuperação das pastagens, pela venda dos grãos e o aproveitamento dos nutrientes residuais das lavouras para produção de forragem. Além, da lavoura e da pastagem, utiliza-se o componente arbóreo. A implantação de sombra é uma medida usada para proteger o animal do calor, para assim, diminuir o estresse calórico e melhorar o desempenho animal. O presente projeto tem por objetivo avaliar o efeito dos sistemas de produção integrados na qualidade do solo, nas condições mais próximas da realidade dos produtores da região, demonstrando a contribuição do sistema plantio direto na melhoria das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo, com destaque ao aumento de carbono; Avaliando sua viabilidade econômica; Divulgar informações técnicas e econômicas, sobre o sistema integração agricultura-pecuária-floresta na reforma de pastagem. Em cada módulo, os parâmetros avaliados serão: a produtividade de madeira, a produção da forrageira, os atributos do solo e a análise econômica. Para a pecuária serão avaliados o ganho de peso (ganho de peso/ha, ganho de peso médio diário) e taxa de lotação.

 

Ver detalhes do projeto

  Gustavo Pavan Mateus      Apta Regional / IAC

Efeito potencializador do óleo mineral AGEFIX no controle da Sigatoka-negra na cultura da banana

n° SGP 885

Devido ao aumento da severidade Sigatoka-negra nos bananais comerciais do país, há a crescente necessidade do aumento do numero de aplicações anuais e das dosagens dos fungicidas registrados para o controle da doença. Por isso, um experimento será desenvolvido com o objetivo de avaliar o efeito potencializador do óleo mineral AGEFIX em emulsões de óleo mineral e fungicidas sistêmicos no controle da sigatoka-negra na cultura da banana, a fim de reduzir a quantidade de óleo e manter a eficiência de controle da doença. Para tanto, um experimento será conduzido na Fazenda Experimental da APTA - Polo Regional do Vale do Ribeira, em Pariquera-açu, entre os meses de outubro de 2015 a dezembro de 2016. O experimento será conduzido em bananal experimental de seis anos de idade, constituído de bananeira Nanica ‘Grand Naine’, espaçada de 2,5 x 2,5 m, sem histórico de aplicação de fungicidas. Cinquenta e cinco plantas serão selecionadas ao acaso, para aplicação de 11 tratamentos. Os tratamentos serão constituídos de três doses de AGRFIX (8,0, 5,0 e 3,0 L.Ha-1), em substituição ao óleo mineral (8,0 L.Ha-1) em emulsões com dois fungicidas (propiconazole e azoxystrobina) e 5 repetições. A calda fungicida será pulverizada na extremidade direita superior da folha nº 2 de cada planta, simulando-se a aplicação aérea com calda de 16 L.Ha-1. Previamente à aplicação das emulsões fungicidas, cinco lesões iniciais da Sigatoka-negra serão identificadas, demarcadas e avaliadas semanalmente, quanto à evolução dos estádios de desenvolvimento dos sintomas. A severidade da doença será avaliada semanalmente, utilizando-se uma escala de notas de 1 a 6, estabelecida para cada estádio de desenvolvimento dos sintomas da doença. Espera-se com o presente projeto apresentar uma alternativa de controle da doença, baseada na redução do óleo mineral e manter a eficiência de controle da doença, uma vez que o excesso de óleo compromete a fotossíntese e a produção de biomassa.

 

Ver detalhes do projeto

  Eduardo Jun Fuzitani      Apta Regional / IAC

Caracterización de insectos polinizadores, parasitoides y predadores en ambientes con diverso grado de modificación antrópica en el Este uruguayo

n° SGP 879

 

A transformação do uso da terra e, em particular, a intensificação da agricultura pode ter sido a causa principal do declínio global na biodiversidade observado nas últimas décadas. A diminuição da diversidade pode levar à diminuição do funcionamento dos ecossistemas e, portanto, dos serviços prestados aos seres humanos. O conhecimento sobre a biodiversidade uruguaia é pequeno, assim como as informações sobre o impacto do uso da terra sobre a diversidade nativa. Existem estratégias e planos de ação nacionais para a conservação e uso sustentável da diversidade biológica implementados por de leis, programas e projetos. No entanto pouca informação sobre a biodiversidade e dos efeitos das mudanças ambientais sobre a mesma impossibilita determinar se as estratégias implementadas contribuem efetivamente para sua manutenção e, consequentemente, da sustentabilidade ambiental.

O monitoramento é necessário para comparar tendências causadas pelo incremento na homogeneidade da paisagem, o que constitui um feedback vital entre as ações humanas e o meio ambiente. O monitoramento determina o status da diversidade biológica em um ou mais níveis ecológico, avalia mudanças no tempo e no espaço e proporciona linhas de ação para decisões do manejo da produção e conservação. Seus resultados devem ser incorporadas nos esforços para implementar sistemas de produtivos ambientalmente viáveis, o que depende de comunicação adequada entre cientistas e tomadores de decisão. Para estabelecer a condições atuais dos ecossistemas ou prever ou prever as futuras, em geralmente se recorre a utilização de indicadores relativamente simples e fáceis de interpretar, que permitem isolar aspectos chaves do ambiente de um grande conjunto de variáveis. Os bioindicadores (uma espécie ou grupo de espécies) refletem os estados abióticos e bióticos do meio ambiente e são amplamente utilizados para detectar, quantificar e monitorar os impactos ambientais, incluindo perturbações decorrentes de atividades antrópicas. Dentre os bioindicadores, os insetos representam um grupo promissor. Himenópteros parasitoides e coleópteros predadores são caracterizados por grande diversidade e importância como agentes de controle natural de outros artrópodes e os polinizadores influenciam no sucesso reprodutivo das plantas e na manutenção da integridade das comunidades vegetais naturais e de agroecossistemas.

A região Leste do Uruguai tem características favoráveis para a análise dos efeitos das mudanças no uso da terra sobre a diversidade. No Uruguai se observa uma tendência de aumento do uso da terra destinada ao reflorestamento com espécies exóticas ao da agricultura intensiva, que substituem principalmente pradaria naturais que sustentam sistemas de criação de gado. Por outro lado, no Leste do país existem várias áreas protegidas onde existem (ou estão em desenvolvimento) planos de gestão que regulam, entre outras coisas, atividades produtivas permitidas dentro de seus limites. Existe, assim, um gradiente de intensidade de uso do solo muito útil para selecionar, avaliar e validar taxa como potenciais biomarcadores. A proposta é centrada na utilização de insetos como bioindicadores da biodiversidade e qualidade ambiental, a fim de gerar insumos para o gestão de sistemas de produção sustentáveis de áreas protegidas e conservação da biodiversidade em geral, em resposta à necessidade atual de ferramentas para detectar e prever as mudanças no meio ambiente, de forma fácil e de baixo custo. Se busca desenvolver programas de monitoramento que gerem informações para apoiar autoridades nacionais e departamentais, produtores e técnicos na tomada de decisão para gestão sustentável. Em primeira instância, o estudo foca a caracterização das comunidades de carabídeos predadores e himenópteros de parasitoides e polinizadores em três formações vegetais da região Leste do país com diferentes graus de transformação no uso da terra, bem como a avaliação do potencial destes táxons como bioindicadores. Num segundo passo, serão avaliadas a associação dos indicadores selecionados com a intensidade de uso da terra em fazendas da região com diferentes sistemas de produção. O uso desses indicadores irá definir aspectos fundamentais para desenvolver e sustentar planos de manejo produtivos que minimizem os impactos negativos sobre os recursos ambientais.

Ver detalhes do projeto

  Nelson Wanderley Perioto      Apta Regional / IB

A idade de introdução de rainha de A. mellifera L. africanizada que emerge em incubadora influencia a taxa de fecundação?

n° SGP 877

A produção de abelhas rainhas em grande escala, é uma atividade economicamente importante e fundamental na apicultura moderna. No Brasil, entretanto, esta atividade pode ser considerada incipiente, com os investimentos iniciais elevados, técnica de produção pouco conhecida e o mercado não organizado, havendo pequena participação da iniciativa privada, predominando as atividades de órgãos governamentais no setor. O método mais utilizado para a produção industrial de rainhas é o Doolitle que possui como característica essencial a transferência de larvas femininas da colônia onde foram produzidas (matriz) para outra colônia povoada de abelhas (recria), a qual cuidará das jovens larvas até a sua completa metamorfose. A realeira madura ou a rainha já emergida é introduzida em pequenas colônias (núcleos de fecundação ou acasalamento), das quais uma rainha com postura tenha sido retirada ou esteja naturalmente órfão, para realizar seu voo de acasalamento. Visando desenvolvimento de técnicas criatórias mais eficientes para produção de rainhas, com menor número de colmeias de apoio e consequente diminuição de mão de obra no manejo apícola, a introdução de princesas emergidas em estufa com condições controladas em núcleo de fecundação, sem que ocorra a transferência prévia para a colmeia terminadora, otimiza e garante a finalização do processo de desenvolvimento da nova rainha, sem a interferência das variações climáticas. Todavia, persiste a necessidade de avaliação do tempo máximo que a princesa pode permanecer na incubadora após sua emergência, de modo a garantir o sucesso no processo de fecundação. O presente trabalho terá como objetivo verificar quão precoce pode ser a introdução de rainhas virgens emergidas em estufa, garantindo o sucesso na fecundação de rainhas de Apis melífera africanizadas, produzidas em larga escala.

Observações:

1) A pesquisadora Erica Weinstein Teixeira é a orientadora da bolsista (PIBIC/APTA)

2) A coleta de dados deste projeto será desenvolvida no sistema de criação de rainhas em funcionamento na Area de Pesquisa em Apicultura do Polo Apta Vale do Paraiba. Os recursos gerados atraves do recolhimento no fundo Especial de Despesa (FED)  de rainhas fecundadas e virgem permitirão permitirão o desenvolvimento do projeto

A bolsista de iniciação cientica CNPQ/PIBIC/ APTA ata neste projeto.

 

Ver detalhes do projeto

  Maria Luisa Teles Marques Florencio Alves      Apta Regional / IZ

Centro Colaborador em Defesa Agropecuária (CDA) - Sanidade Apícola

n° SGP 874

Para conquistar novos mercados e se ter competitividade suficiente no sistema global de comércio a que hoje estamos sujeitos, faz-se necessário alcançar padrões elevados de certificação e qualidade sanitária O moderno sistema de comércio fez emergir um paradigma de competitividade diferente, centrado não mais apenas no fator custo, mas, principalmente, no fator qualidade. Gestão de sanidade e qualidade são requisitos do presente e do futuro da produção mundial. Nesse contexto, a sanidade apícola representa hoje uma preocupação mundial, em virtude de fenômenos de causas ainda indefinidas, como o declínio populacional e mortalidade de abelhas melíferas que vem sendo observado em apiários de diversos países. Nos últimos anos, tem-se observado elevada mortalidade de abelhas adultas e crias também no Brasil, com considerável queda de produção em diversas localidades. Pesquisas recentes evidenciaram a presença de novos patógenos em território brasileiro nos últimos dois anos, os quais podem ter sido introduzidos em virtude de controle oficial ineficiente. Tais constatações constituem-se em ameaça ao plantel nacional, com conseqüências gravíssimas para o setor como um todo. Os problemas sanitários que vêm sendo observados ultimamente estão colocando em risco a competitividade do Brasil no mercado externo. Tais fatos demonstram o quão imprescindível é a implementação e o uso de técnicas rápidas, precisas e práticas para diagnóstico aqui no Brasil, além da necessidade de se ter em território nacional um laboratório de sanidade apícola com corpo técnico que possa se capacitar e, posteriormente, implementar tais técnicas, para dar suporte à rede oficial e a outros laboratórios que vierem a ser criados para fins acadêmicos ou de diagnóstico, tornando assim o sistema de controle epidemiológico mais eficiente. O principal objetivo desse projeto é criar, nas instalações já existentes de uma instituição de pesquisa do Estado de São Paulo, na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios/Secretaria da Agricultura e Abastecimento, no Pólo Regional – Vale do Paraíba, com um histórico de mais de 30 anos de atuação na apicultura brasileira, um Centro Colaborador em Defesa Agropecuária na área de Sanidade Apícola que possa atuar em estreita harmonia com o Comitê Consultivo Científico em Sanidade Apícola do Ministério da Agricultura, por meio de um conjunto de ações integradoras que visem: a) melhorar os métodos de detecção de patógenos e outros parasitas das abelhas por meio de técnicas modernas de diagnóstico (principalmente ferramentas moleculares) e de intercâmbios técnico-científicos; b) desenvolvimento de pesquisas dentro do Centro (integrado a outros órgãos colaboradores, principalmente, acadêmicos) visando a busca de linhagens resistentes e mais produtivas e, finalmente, c) com a participação de entidades acadêmicas, transferir conhecimentos por meio de cursos aos agentes de defesa agropecuária voltados para sanidade apícola.

OBS.: Este projeto, coordenado pela pesquisadora da APTA, contando com a colaboração de Insituições de Ensino e Pesquisa Nacionais e Internacionais (USP, UNESP, EMBRAPA, UFERSA, UFMG, UFV, USDA, dentre outras)  recebeu verba do CNPq entre os anos de 2009 e 2012 (projeto no. 578293/2008-0, Edital 64, Linha 4, MAPA/DSA/CNPQ), totalizando R$ 934.597,22 (dentre capital, custeio e bolsas). Pela importância dos resultados obtidos, bem como profícua produção científica e avanços obtidos nesta área da ciência no Brasil foi prorrogado internamente desde então, considerando que a estrutura implementada na Instituição, bem como insumos adquiridos, além de permanente colaboração das Instituições supra citadas, permite continuidade das ações e ampliação dos conhecimentos técnico-científicos gerados. A seguir segue o teor da última solicitação de prorrogação, já concedida pela APTA, para continuidade dessa importante e inovadora proposta que vem garantindo à APTA ações de vanguarda e que visa gerar conhecimento com incremento de nível tecnológico e aumento de produtividade com preservação de meio ambiente e sustentabilidade da biodiversidade. Saliente-se que as colaborações têm sido mantidas com diferentes instituições que disponibilizam recursos em forma de insumos analíticos, cada uma na sua especialidade o que, em conjunto, denota investimento  de terceiros de forma a permitir o desenvolvimento das atividades vinculadas aos projetos, tornando-os factíveis, exequíveis, mantendo a proposta robusta e de interesse mútuo entre as Instituições. O pagamento de despesas (deslocamento, estadia e alimentação) por parte da Instituição que a convida para reuniões, grupos de trabalho, cursos ou palestras, não gera ônus para o Estado de São Paulo. Em 13/11/15 passou aintegrar grupo de assessoria do CFMV na área de sanidade apícola pela reconhecida contribuição da proposta e do trabalho que vem desenvolvendo dentro da mesma nesta área ao MAPA.

"Tendo em vista o fim da prorrogação do projeto SIGA Nº 3165 Centro Colaborador em Defesa Agropecuária - Sanidade Apícola no primeiro semestre de 2015, gostaria de solicitar prorrogação do mesmo, por um prazo de 12 meses, considerando os motivos que abaixo exponho:

 

  • Quanto à relevância e principais contribuições científicas ou tecnológicas considerando os resultados esperados e benefícios potenciais para a respectiva área do conhecimento e para a sociedade, a proposta: i) permitiu condições de desenvolvimento de competência técnico-científica para realização de diagnóstico de patógenos que acometem as abelhas no país; ii) proporcionou aos técnicos e fiscais agropecuários federais e estaduais maior eficiência na detecção de patógenos e de sintomas clínicos de doenças nos apiários; iii) avaliou morfológica e fisiologicamente, por meio de diferentes parâmetros as consequências de certos princípios ativos constituintes de formulações de agrotóxicos amplamente utilizados no país e seus efeitos para abelhas; iv) estabeleceu protocolos analíticos para fins de diagnóstico e deu início a investigações de mecanismos de resistência das doenças aos diferentes patógenos e outros agentes, utilizando meios clássicos e moleculares para que se possa selecionar colméias mais resistentes aos diferentes problemas sanitários que vem ocorrendo ultimamente no Brasil, visando evitar a necessidade de uso de quimioterápicos; v) contribuiu para a criação de uma rede de pesquisas em sanidade apícola em diferentes regiões do país, com seus problemas sanitários específicos, além de interagir com órgão oficiais na formulação de planos sanitários a serem regulamentados e, finalmente, vi) proporcionou o surgimento do primeiro laboratório especializado em sanidade apícola no Brasil. PARA MAIORES DETALHES FOI ENVIADO RELATÓRIO ANEXO EM CD (em virtude do tamanho do arquivo).
  • Tais resultados integrarão grandes avanços na área de patologia apícola, abrindo novos rumos na pesquisa e na análise e diagnóstico de patógenos no país.
  • Em outros países centenas de cientistas vêm se dedicando ao tema e a participação da classe científica brasileira precisa ser ampliada, o que só ocorrerá com a formação de conhecimento técnico-científico na área. Atualmente apenas a APTA Regional vem atuando nesta vertente.
  • A estrutura física do laboratório, bem como as atividades desenvolvidas foram apresentadas aos dirigentes da Coordenação Geral de Apoio Laboratorial (CGAL), bem como da Divisão de Sanidade de Abelhas (DSECOA), ocasião em que foi discutida a necessidade de implantação da ISO/IEC 17025 para os novos credenciamentos, visto que, por determinação do MAPA, laboratórios já credenciados teriam um prazo determinado para implantação da norma, já sendo, todavia, requisito mandatório para os novos candidatos a credenciamento, motivo pelo qual o credenciamento não se concretizou (tal credenciamento demanda considerável tempo, formação de equipe de gestão de qualidade etc.). No momento o MAPA não tem a quem recorrer para tais análises e continuamos contribuindo com o Serviço Veterinário Oficial na transferência de conhecimento.
  • Durante a execução da proposta foi possível estabelecer estreita interação com o DSA/MAPA, tanto no nível de Divisão de Sanidade de Abelhas do MAPA em Brasília (DSECOA), como com as Superintendências do MAPA e as respectivas Agências Estaduais que representam o Serviço Veterinário Oficial, em certos estados. Contribuí participando de reuniões do Comitê Científico Consultivo sempre que solicitada, bem como elaborando material técnico científico para suporte às ações do Plano Nacional de Sanidade Apícola, ainda não regulamentado, contribuindo, inclusive, para sua nova redação, a pedido do Chefe do DSECOA.
  • Centenas de fiscais foram treinados durante a condução da proposta e o número de pessoas que serão treinadas por esses agentes multiplicadores depende da estratégia utilizada pelos responsáveis pela condução do Plano Nacional de Sanidade Apícola de cada estado, após receber o treinamento padrão que elaboramos e ministramos a proposta do CDA-Sanidade Apícola.
  • Alguns estados não conseguiram viabilizar a realização do curso por questões de ordem interna, como por exemplo, diárias para seus técnicos, aquisição de vestimenta apícola etc. O DSECOA considerou, todavia, premente tal capacitação, com base em respostas de questionário sobre o PNSAp, enviado pelo MAPA em 2011 às Unidades Federativas. Tais observações levaram o Órgão a propor um curso, a realizar-se na APTA, em Pindamonhangaba (em virtude da estrutura física existente, além de plantel disponível), destinado aos médicos veterinários do serviço veterinário oficial, lotados nas Superintendências Federais de Agricultura e nos Órgãos Executores de Defesa Sanitária Animal nas diversas Unidades Federativas. A proposta, adiada para dezembro de 2012 em virtude da greve dos Servidores Federais, objetiva a validação de um curso de conteúdo unificado e padronizado, com plano específico, com base no conteúdo técnico que proferimos ao longo do projeto CDA-Sanidade Apícola para capacitar profissionais do serviço veterinário oficial para a implementação de ações relacionadas à sanidade apícola nas unidades federativas, observadas as normas e os critérios recomendados.

 

Para finalizar, podemos afirmar que a proposta trouxe importantes benefícios à sociedade brasileira, traduzindo-se no maior investimento em pesquisa já feito na área de apicultura por meio de órgãos financiadores, constituindo-se os, resultados obtidos, em embriões espalhados por diversas instituições de ensino e pesquisa, por meio do material humano capacitado durante a sua realização e que, com a anuência de sua continuidade pelo período solicitado, poderíamos continuar atendendo a tais demandas, não deixando de amparar as solicitações de órgão públicos envolvidos com defesa agropecuária, que ainda estão se estruturando para ações na área, além de permitir nossa participação em cursos nos estados que ainda não conseguiram viabilizá-los internamente. Tais ações seriam custeadas pelos órgãos interessados.

 

Informamos que atualmente encontram-se em fase de análises grande volume de dados de RNAseq, fruto desta proposta. Para obtenção do material biológico a ser analisado implementou-se, na área de pesquisa em apicultura da APTA, do Pólo Regional do Vale do Paraíba/APTA, um sistema de seleção atrelado ao sistema de produção de rainhas já existente no local. Para tanto foram instaladas 60 colmeias cujo parâmetro avaliado foi o comportamento higiênico. Há ainda questões a serem esclarecidas quanto à determinação do comportamento higiênico de abelhas (abelhas mais resistentes a doenças) e técnicas moleculares modernas como estudo de transcriptoma podem ser ferramentas bastante úteis na otimização da busca de tais conhecimentos. As análises laboratoriais de RNASeq estão em andamento e, tão logo estejam finalizadas, as análises de bioinformática serão efetuadas. É importante destacar que só conseguimos um prestador deste serviço no Brasil (Laboratório de Biotecnologia do depto. de Zootecnica /Esalq) e que tais análises são demoradas e a interpretação das mesmas é demorada e laboriosa. Tais resultados representarão as primeiras evidências de variações genotípicas atreladas aos fenótipos analisados, colocando a APTA na vanguarda não apenas de diagnóstico genético-moleculares, como já vem ocorrendo desde 2009, mas também nesta nova e importante área da ciência. Acrescente-se que encontram-se em destaque no relatório enviado os novos artigos publicados, bem como palestras proferidas, indicando o quão profícua são as colaborações e o trabalho desenvolvido nesta proposta.

Ver detalhes do projeto

  Érica Weinstein Teixeira      Apta Regional / IZ
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930