Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

138 projetos ativos encontrados - pág. 2 de 5

Coletores solares na produção de mudas de couve IAC

n° SGP 1563

A couve (Brassica oleracea var acephala) é uma das folhosas mais produzidas em propriedades agrícolas de pequeno e médio porte, com crescente aumento de consumo no mercado brasileiro. Diante disso pretende-se otimizar a produção de mudas de três cultivares de couve IAC, que melhor se adaptaram às condições de cultivo de Bauru-SP, através da solarização de substrato utilizando coletores solares.

Para tanto serão testados três tipos de substratos: 1- Comercial (Carolina®), 2- mistura de substrato comercial+solo agrícola não solarizado e 3- mistura de substrato comercial+solo agrícola solarizado por 48 horas. A proporção da mistura de substrato comercial e solo agrícola será de 2:1. Todos os substratos serão acondicionados em vasos pretos de polietileno com capacidade de 5 litros, onde cada vaso receberá dois brotos de cada cultivar de couve, com aproximadamente 30 dias dos seguintes materiais provenientes do banco de germoplasma do IAC: “Verde escura”, “Pires 2” e “Orelha de elefante”. Cada tratamento será composto por cinco repetições, distribuídas em blocos ao acaso em condições semi controladas de casa de vegetação.

Passadas quatro semanas ao plantio será realizada a contagem do número de folhas da parte aérea de cada planta de cada tratamento, bem como massa fresca e seca, através da utilização de uma balança digital e de estufa de ventilação forçada a 60ºC por 48 horas respectivamente. Também será realizada a quantificação da altura (cm) de cada muda com o auxílio de uma trena manual. O desenvolvimento do sistema radicular de cada planta será avaliado através da quantificação do comprimento da raiz principal (cm) com auxílio de trena manual, após delicada limpeza e lavagem em água corrente.

Durante o desenvolvimento do ensaio será realizada a quantificação da incidência de doenças fúngicas e bacterianas, que possam se instalar naturalmente em cada cultivar. Em caso positivo, o material será encaminhado aos laboratórios de sanidade vegetal da APTA Polo Centro Oeste-Bauru para identificação e determinação de controle. Também serão realizadas adubações necessárias para o bom desenvolvimento da cultura, bem como irrigação manual quando necessário.

A couve (Brassica oleracea var acephala) é uma das folhosas mais produzidas em propriedades agrícolas de pequeno e médio porte, com crescente aumento de consumo no mercado brasileiro. Diante disso pretende-se otimizar a produção de mudas de três cultivares de couve IAC, que melhor se adaptaram às condições de cultivo de Bauru-SP, através da solarização de substrato utilizando coletores solares.

Para tanto serão testados três tipos de substratos: 1- Comercial (Carolina®), 2- mistura de substrato comercial+solo agrícola não solarizado e 3- mistura de substrato comercial+solo agrícola solarizado por 48 horas. A proporção da mistura de substrato comercial e solo agrícola será de 2:1. Todos os substratos serão acondicionados em vasos pretos de polietileno com capacidade de 5 litros, onde cada vaso receberá dois brotos de cada cultivar de couve, com aproximadamente 30 dias dos seguintes materiais provenientes do banco de germoplasma do IAC: “Verde escura”, “Pires 2” e “Orelha de elefante”. Cada tratamento será composto por cinco repetições, distribuídas em blocos ao acaso em condições semi controladas de casa de vegetação.

Passadas quatro semanas ao plantio será realizada a contagem do número de folhas da parte aérea de cada planta de cada tratamento, bem como massa fresca e seca, através da utilização de uma balança digital e de estufa de ventilação forçada a 60ºC por 48 horas respectivamente. Também será realizada a quantificação da altura (cm) de cada muda com o auxílio de uma trena manual. O desenvolvimento do sistema radicular de cada planta será avaliado através da quantificação do comprimento da raiz principal (cm) com auxílio de trena manual, após delicada limpeza e lavagem em água corrente.

Durante o desenvolvimento do ensaio será realizada a quantificação da incidência de doenças fúngicas e bacterianas, que possam se instalar naturalmente em cada cultivar. Em caso positivo, o material será encaminhado aos laboratórios de sanidade vegetal da APTA Polo Centro Oeste-Bauru para identificação e determinação de controle. Também serão realizadas adubações necessárias para o bom desenvolvimento da cultura, bem como irrigação manual quando necessário.

Dessa forma pretende-se determinar se o uso de coletores solares no preparo de substratos para a produção de mudas de couve, obtidas através de brotos, pode incrementar o desenvolvimento e vigor das mesmas antes de serem transplantadas para o campo, contribuindo de maneira sustentável para a melhora na produção agrícola da cadeia produtiva de hortaliças.

Ver detalhes do projeto

  Juliana Cristina Sodário Cruz      Apta Regional / IAC

Determinação da Curva de Crescimento para Validação Genética de Duas Linhagens de Suínos

n° SGP 1562

A carne suína no Brasil é produzida com tecnologia, não deixando nada a desejar aos países desenvolvidos, sendo que cientistas e indústria trabalham concomitantemente com o objetivo do aprimoramento dos sistemas produtivos, atendendo assim tanto os anseios tecnológicos do complexo agroindustrial quanto às exigências dos consumidores.

Em 2010 a suinocultura brasileira foi representada por mais de 50 mil produtores com um plantel de 1,65 milhões de matrizes tecnificadas. Produziu o equivalente a 3,24 milhões de toneladas, exportou 1,34 bilhões de dólares, gerou um milhão de empregos na cadeia e a nível mundial é classificada como quarto maior produtor e quarto maior exportador de carne suína. Em 1970 o plantel era de 31,5 milhões de cabeças e a produção havia sido de 705 mil toneladas. Em 2010, com 34 milhões de cabeças a produção aumentou para 3,24 milhões de toneladas. Portanto em 36 anos o crescimento do plantel foi de apenas 7,94% enquanto que a produção aumentou 360% (PORKWORLD, 2010). Em 2014 o Brasil tinha um rebanho de 37,9 milhões cabeças e produziu mais de 3,43 milhões de toneladas (IBGE, 2016).

Esses números exemplificam a evolução tecnológica do setor nesse período, graças a um forte trabalho nas áreas de genética, nutrição e manejo, melhorando a produtividade, o peso ao abate e as características da carcaça e da carne. Dentre os fatores que contribuem na evolução da suinocultura destaca-se o melhoramento genético que visa produzir animais com maior precocidade sexual e capacidade reprodutiva; maior velocidade de crescimento, maior eficiência alimentar e maior rendimento de carne. Na suinocultura nacional atual, os programas de melhoramento genético e de plano nutricional de suínos têm enfatizado a deposição de carne magra, em detrimento à gordura, a fim de satisfazer a demanda de um mercado cada vez mais competitivo.

Como destacaram Resende et. al. (2008) a eficiência dos programas de melhoramento genético depende basicamente de duas ações do geneticista: a criação e a identificação de genótipos superiores. E, em ambas as ações, a seleção desempenha papel fundamental na definição dos cruzamentos a serem realizados, visando a criação de novos genótipos e, na indicação dos indivíduos superiores a serem usados comercialmente ou em novos ciclos de seleção.   

Para verificação do potencial genético, as análises de dados de medidas repetidas são de fundamental importância na produção animal, pois incluem as situações em que as unidades experimentais ou indivíduos, de diferentes subpopulações ou tratamentos (sexo, raça, entre outros), são analisados ao longo de diversas condições de avaliação (tempo, doses etc). E, as curvas de crescimento na produção animal, destacam-se entre essas análises de medidas repetitivas, pois relacionam os pesos (y) e as idades (t) dos animais, por meio de modelos não-lineares (Davidian e Giltinan, 1996; Paz, 2002).

Dentre as diversas aplicações das curvas de crescimento na avaliação da produtividade animal, pode-se ressaltar: a) resumir em três ou quatro parâmetros, as características de crescimento da população, pois alguns parâmetros dos modelos não-lineares utilizados possuem interpretação biológica; b) avaliar o perfil de respostas de tratamentos ao longo tempo; c) estudar as interações de respostas das subpopulações ou tratamentos com o tempo; d) identificar em uma população os animais mais pesados em idades mais jovens; essas informações podem ser obtidas investigando-se o relacionamento entre o parâmetro k das curvas de crescimento, que expressam a taxa de declínio na taxa de crescimento relativa, e o peso limite do animal ou peso assintótico (Sandland & Mcgilchrist, 1979; Draper & Smith, 1980; Davidian & Giltinam, 1996); e) obter a variância entre e dentro de indivíduos de grande interesse nas avaliações genéticas (Mansour et al., 1991).

.

Ver detalhes do projeto

  SIMONE RAYMUNDO DE OLIVEIRA      Apta Regional / IZ

Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorokin formulado em microescleródios e pó molhável, no manejo da cigarrinha-das-raízes (Hemiptera: Cercopidae) em pastagem

n° SGP 1547

As cigarrinhas das raízes (Hemiptera: Cercopidae) são consideradas as principais pragas das pastagens, causando danos em cerca de 10 milhões de hectares de gramíneas, com prejuízos de até 90% nas pastagens. As principais espécies de cigarrinhas que atacam as pastagens são: Deois flavopicta, D. schach, Zulia entreriana e Mahanarva fimbriolata, sendo as três primeiras as mais importantes para o Centro-Sul, especialmente em pastagens de Urochloa (syn. Brachiaria) decumbens.

O controle biológico, com o fungo Metarhizium anisopliae é uma alternativa cada vez mais recomendada para o manejo da população de cigarrinhas, reduzindo-a a níveis de danos não econômicos. A recomendação de dosagem de M. anisopliae pode variar de 50 a 500g de conídios puros ha-1, sendo aplicado no início da estação chuvosa, devendo-se reaplicar visando melhores condições para atuação do fungo sobre as ninfas e adultos do inseto. Ainda, fungo entomopatogênico deve ser aplicado em pastagens com 25 a 40 cm de altura, com o objetivo de evitar a ação indesejável da radiação ultravioleta. A condição climática também é indispensável, com umidade relativa do ar acima de 60% e temperaturas de 25 a 27oC.

Entretanto, propõe-se o desenvolvimento desta pesquisa com o objetivo de avaliar a eficiência agronômica de bioinseticida a base do fungo M. anisopliae formulado em microescleródios e pó molhável, nas doses de 1,0 e 2,0 kg p.c. ha-1, no controle de ninfas de cigarrinhas das raízes.

Para tanto, será conduzido um experimento em pastagem de U. decumbens com histórico de ocorrência da cigarrinha-das-raízes, na região Noroeste do Estado de São Paulo, no período de dezembro de 2016 a abril de 2017.

O delineamento experimental será em blocos casualizados com seis tratamentos e quatro repetições. As unidades experimentais serão constituídas por área de oito metros de largura e dez metros de comprimento, totalizando 80m2.

Previamente, será efetuada amostragem para detecção de infestação e distribuição populacional da cigarrinha-das-raízes na pastagem. Posteriormente, ponderando a infestação de ninfas de cigarrinhas na área experimental, será realizada a aplicação dos produtos. Para o bioinseticida formulado em microescleródios, a aplicação deverá ser efetuada por atomizador costal motorizado, enquanto que para o bioinseticida na formulação pó molhável e o inseticida padrão tiametoxam + lambdacialotrina será utilizado pulverizador pressurizado a CO2, com barra equipada com quatro pontas de pulverização do tipo leque (XR 11003), espaçadas de 0,50m, sob pressão constante de 2,0 bar e volume de calda de 300 L ha-1.

A aplicação será conduzida no período da tarde (anoitecer), evitando radiação solar, ou seja, considerando condições climáticas (umidade relativa e temperatura) favoráveis à aplicabilidade de fungos entomopatogênicos, as quais deverão ser registradas na ocasião da aplicação.

O produto tiametoxam + lambdacialotrina (Engeo Pleno®), devidamente registrado para o controle de cigarrinha-das-pastagens, será utilizado como padrão de controle, ponderando recomendação técnica.

Em caso de reinfestação do inseto-praga na área experimental, poderá ser efetuada a reaplicação dos defensivos.

Para avaliação populacional da cigarrinha-das-raízes serão realizadas contagens quinzenais de ninfas em ponto amostral de 0,25 x 0,25m (0,0625m2) por parcela, aos 0, 15, 30, 45, 60, 75 e 90 dias após a primeira aplicação.

Os dados obtidos serão extrapolados para população de ninfas m2-1 e, submetidos à análise de variância pelo teste F e comparação de médias pelo teste de Duncan (P ≤ 0,05), utilizando o programa AgroEstat.

A porcentagem de eficiência dos defensivos no controle da cigarrinha das raízes em pastagem de U. decumbens, em relação à área sem aplicação de defensivo (testemunha), será calculada pela fórmula de Abbott (1925).

Ver detalhes do projeto

  Marcelo Francisco Arantes Pereira / APTA      Apta Regional / IB

Estudo morfológico e molecular de espécies do filo Oomycota isoladas de cultivo de truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss Walbaum) em Campos do Jordão, estado de São Paulo, Brasil

n° SGP 1531

A truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss Walbaum), originária da América do Norte e introduzida no Brasil na década de 40, é hoje um exemplo de sucesso na criação de peixes em regiões frias e montanhosas do país. No entanto, problemas com parasitas tem causado preocupação aos piscicultores, pois os patógenos afetam a qualidade do pescado e interferem no sistema de cultivo. Saprolegniose, doença causada por oomicetos do gênero Saprolegnia, é a mais conhecida das parasitoses e está presente principalmente nos ovos de O. mykiss. Representantes de outros gêneros do filo Oomycota também são normalmente registrados como patógenos, tais como AchlyaAphanomyces e Dictyuchus. Em vista disto, o presente projeto foi elaborado com o objetivo de avaliar a riqueza e a diversidade dos representantes do filo Oomycota em truticulturas localizadas em Campos do Jordão, em diferentes fases do cultivo do peixe. Para isto, serão coletadas amostras da água que abastecem os sistemas; dos tanques de criação, nas diferentes fases de desenvolvimento da truta; bem como da água de saída dos tanques. Em laboratório, as amostras serão tratadas pelo método de iscagem múltipla com substratos celulósicos e queratinosos, a fim de se obter o maior número de espécimes. Peixes e ovos sintomáticos serão também analisados por meio de coleta direta do micélio e posterior inoculação em meio de cultura. As espécies serão identificadas por meio de análises morfológicas e moleculares, documentadas, descritas e incorporadas ao acervo do Instituto de Botânica (CCIBt e/ou Herbário SP). As sequências obtidas serão disponibilizadas no banco de dados do GenBank. Este projeto é pioneiro no Brasil considerando o estudo da diversidade de oomicetos em sistema de cultivo de truta, bem como nas diferentes fases de desenvolvimento do peixe, possibilitando assim a detecção dos pontos de entrada dos eventuais patógenos no sistema.
 

Ver detalhes do projeto

  Yara Aiko Tabata      Apta Regional / IP

Monitoramento da qualidade de água em córregos do município de Adamantina

n° SGP 1524

A água é um recurso ambiental finito, fundamental para existência de vida na terra e para o funcionamento da sociedade, já que está presente em todos os seus setores. O presente trabalho tem por objetivo analisar a qualidade da água em diferentes córregos no município de Adamantina-SP decorrente da influência dos seus distintos usos e a ocupação de solo nas regiões nos seus entornos. Serão analisadas amostras das águas em quatro pontos de coleta distribuídos nos córregos Lambari, Taipus e Tocantins, os quais forma escolhidos de acordo com a localização geográfica e condições do localdo uso e ocupação do solo. As coletas serão realizadas bimestralmente, a partir das amostras de água colhidas serão analisadas variáveis físicas, químicas e biológicas entre elas: ferro; cálcio; manganês; cor; pH; oxigênio dissolvido; condutividade elétrica; turbidez; demanda bioquímica de oxigênio; coliformes totais. Os resultados obtidos serão analisados de acordo com a legislação vigente permitindo avaliar suas condições em relação à fins agrícolas e possibilitando identificar possíveis localidades contaminadas na região.

Ver detalhes do projeto

  Denilson Burkert      Apta Regional / IP

ISOLAMENTO, IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR E DETECÇÃO DE GENES DE VIRULÊNCIA DE Yersinia enterocolitica EM AMOSTRAS DE LEITE DE TANQUES DE EXPANSÃO DE PROPRIEDADES DO CENTRO-OESTE PAULISTA / FAPESP 2016/15908-6

n° SGP 1519

Ainda existe a crença, por grande parte da população, de que o leite cru além de mais saboroso é mais saudável, nutritivo e ainda possui menor preço, bem como de que o leite industrializado possui conservantes e produtos químicos que podem afetar a saúde de quem o consome. Esses argumentos são utilizados por pessoas que consomem leite cru em diversos estados do Brasil. Porém, o leite e seus derivados são ótimos meios para o desenvolvimento de microrganismos patogênicos e deteriorantes, havendo a necessidade de cuidados rigorosos com a ordenha, beneficiamento e estocagem. Dentre os diversos grupos de bactérias que podem se desenvolver no leite cru refrigerado, destacam-se as psicrotróficas, já que multiplicam-se em temperaturas abaixo de 7°C, e assim representam um alto risco para os consumidores de leite cru resfriado. Entre essas bactérias psicrotróficas, Yersinia enterocolitica, que é um enteropatógeno invasivo de humanos, provoca uma série de sintomas clínicos intestinais e extra-intestinais, variando desde uma gastroenterite branda a uma linfadenite mesentérica, podendo mimetizar quadro de apendicite e, em casos raros, com evolução para septicemia, além de poder levar a sequelas imunológicas, incluindo glomerulonefrite, artrite e eritema nodoso. Yersinia enterocolitica já foi identificada no Brasil em material fecal de humanos doentes e de animais, no meio ambiente, em carne e industrializados de suínos, assim como em gelo utilizado para alimentação humana; porém é desconhecida sua real prevalência em leite cru refrigerado. O presente trabalho tem como objetivos detectar e identificar a presença de Yersinia enterocolitica em 101 amostras de leite bovino procedente de tanques de expansão de propriedades localizadas na região Centro-Oeste Paulista, pela inoculação em três diferentes meios de cultura, seguido de provas bioquímicas e utilização do sistema de identificação API 20E, identificação dos biotipos e sorogrupos, além da realização do teste de Reação em Cadeia da Polimerase convencional (cPCR), tanto das amostras de leite do tanque quanto das colônias isoladas suspeitas, bem como detectar a presença dos genes de virulência de espécies patogênicas de Yersinia enterocolitica:  inv, ail , YadA,  virF, ystA e ystB. Será realizado também o perfil de sensibilidade microbiana das amostras isoladas e a comparação dos diferentes métodos diagnósticos para identificação de Y. enterocolitica.      

Ver detalhes do projeto

  Simone Baldini Lucheis      Apta Regional / IB

Influencia dos fatores meteorológicos sobre a duração do período larval, emergência e a porcentagem de fecundação de rainhas de abelhas rainhas africanizadas (Apis mellifera L.)

n° SGP 1516

A produção de rainhas e a sua disponibilidade com qualidade e padrão é pré-requisito básico de todas as nações detentoras de apicultura tecnologicamente evoluída bem como economicamente bem sucedida. No Brasil, a despeito da importância e tradição dessa atividade, esta especialidade ainda não está totalmente desenvolvida, haja vista as poucas iniciativas privadas ou publicas que oferecem rainhas em grande escala e de modo continuo aos apicultores. Os poucos apicultores que se propõe a criar rainhas o fazem baseado em encomendas previas e o apicultor por não ter uma oferta sistematizada deixa de colocar no seu calendário apícola a substituição anual e regular das rainhas. O método utilizado para a produção de industrial de rainhas ainda é basicamente o mesmo desenvolvido por Doolittle em 1889. A característica essencial deste método é a transferência de larvas femininas, da colônia onde foram produzidas (matriz) para outra colônia, povoada de abelhas (recria), a qual cuidará das jovens larvas até a sua completa metamorfose em rainhas. A influencia climática é considerado de menor importância quando questões como: população forte, quantidade suficiente de operarias que exerçam a atividade de nutrizes, idade das larvas enxertada e número de adequado de células-rainha enxertadas forem respeitados. A produção de rainhas, entretanto, não termina com sua emergência das células reais, a fecundação é a fase mais incerta do processo, o que a torna a parte mais onerosa da produção. As condições ambientais, como temperatura, vento e nebulosidade exercem influência no comportamento de acasalamento. Visando desenvolvimento de técnicas criatórias mais eficientes para produção de rainhas, com menor número de colmeias de apoio e consequente diminuição de mão de obra, há necessidade de ampliar o conhecimento sobre as reações das abelhas africanizadas aos métodos disponíveis de manejo produtivo durante o período entre a emergência e a fecundação das rainhas, definindo condições que viabilizem economicamente a atividade de produção de rainhas de abelhas africanizadas em clima tropical e subtropical.

Palavras chaves: criação de rainhas, fecundação de rainhas, aceitação de larvas

Ver detalhes do projeto

  Maria Luisa Teles Marques Florencio Alves      Apta Regional / IZ

Crescimento compensatório em vieiras Nodipecten nodosus cultivadas em Caraguatatuba, estado de São Paulo.

n° SGP 1513

As vieiras são bivalves pectnídeos de grande valor comercial. No Brasil, a espécie Nodipecten nodosus se destaca por ser a maior vieira conhecida, sendo o estado de Santa Catarina o maior produtor nacional. A produção de juvenis em laboratório já está bem estabelecida, no entanto há necessidade de estudar as densidades de estocagem e o manejo do cultivo, no sentido de maximizar o crescimento e ao mesmo tempo reduzir o custo de produção. Para tal, uma estratégia interessante seria a verificação da existência do crescimento compensatório na espécie, a exemplo do que ocorre em outros organismos aquáticos, com vistas a viabilizar a estocagem em altas densidades na fase de cultivo intermediário e a utilização de altas densidades também durante parte da etapa de crescimento final. Com o presente trabalho pretende-se, em um primeiro experimento, determinar a existência de crescimento compensatório em vieiras estocadas na fase de cultivo intermediário (4 meses) em altas densidades (800, 1600 e 3200 m-2) e posteriormente transferidas para baixas densidades (50 m-2) durante a etapa de crescimento final. Em um segundo experimento será testada a manutenção de altas densidades (600, 400 e 200 animais / m2), durante os dois meses iniciais da fase de crescimento final, com posterior redução para 50 /m2. No tratamento controle (T50) desse experimento, as vieiras serão cultivadas durante toda a fase de crescimento final na densidade de 50/m2. Os dados de crescimento em altura, peso total e peso do músculo adutor serão comparados através de ANOVA. Dados de temperatura, salinidade, transparência, clorofila-a e sólidos em suspensão serão monitorados na água. Uma análise de orçamento parcial verificará a viabilidade econômica desse manejo nas densidades testadas.

Ver detalhes do projeto

  Helcio Luis de Almeida Marques      Apta Regional / IP

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CRIAÇÃO DE TILÁPIAS, EM TRÊS DENSIDADES DE ESTOCAGEM, UTILIZANDO TANQUES-REDE DE GRANDE VOLUME ARTICULADADOS COM DISPENSADOR DE RAÇÃO AUTOMATIZADO.

n° SGP 1250

Estima-se que a produção brasileira de peixe pela aquicultura para o ano de 2015 foi de 638 mil toneladas, 10,23% a mais que em 2014. Atualmente, a procura para utilização de tanques-rede de grande volume (TRGV) tem aumentado principalmente nos grandes empreendimentos aquícolas, com intuito de aumentar a escala de produção e diminuir os custos de investimento por metro cúbico. No entanto, a maioria dos TRGV que vem sendo utilizados é de aproximadamente 110 m3. Em meados de 2014, a empresa FISHER, junto com as equipes da APTA Regional e do Instituto de Pesca, iniciou um projeto para o desenvolvimento e teste de um protótipo de TRGV, com 450 m3 de volume útil, de formato cilíndrico, que possui mecanismos próprios para classificação e despesca. Tal projeto foi financiado pela FAPESP (PIPE I - Processo: 14/50170 - 2), obtendo resultados satisfatórios quanto ao seu funcionamento e produção dos peixes. Neste primeiro teste foi utilizada a densidade de estocagem de 20.000 juvenis, considerada abaixo do que vem sendo utilizada na região para TRGV. Com o princípio de otimização de espaço e da melhor biomassa econômica, há a necessidade de testar densidades maiores visando à adequação de manejo e capacidade de suporte local. Assim, o objetivo deste projeto será avaliar três densidades de estocagem (60.000; 80.000 e 100.000 juvenis de tilápia por TRGV), em dois ciclos de produção (verão e inverno) utilizando-se os TRGV com 450 m3, contendo novos componentes como o dispersador de ração automático.

Ver detalhes do projeto

  Celia Maria Doria Frascá Scorvo      Apta Regional / IP

Efeito do sistema de produção e de extratos vegetais no bem-estar, na saúde, produtividade e qualidade de ovos de poedeiras brancas sem debicagem

n° SGP 1215

A atenção à parâmetros que apontem a sustentabilidade nas cadeias produtivas passou a ser medida urgente devido a crescente exigência dos consumidores por informações que antes não eram relevadas na escolha de um produto, como implicações éticas e ambientais na produção de um alimento, e que agora são observados como atributos essenciais de segurança alimentar e qualidade.

Os sistemas de produção de alimentos sustentáveis devem ser economicamente viáveis, socialmente responsáveis, garantir a saúde e o bem-estar humanos e animal, e a proteção ao meio-ambiente. Diante disso, os produtores vêm adaptando-se às mudanças, no sentido de atender às exigências dos mercados através da implementação de práticas sustentáveis na produção de alimentos.

Com vista na grande importância econômica da avicultura, o país necessita adequar-se às principais mudanças exigidas pela União Européia as quais se referem às legislações de bem-estar animal.

O setor avícola brasileiro precisa estar preparado para o desafio de manter a oferta de alimentos e atender às exigências dos consumidores com os novos sistemas de criação de poedeiras. O produtor nacional tem condições de atender às exigências do mercado externo, principalmente no que diz respeito à densidade populacional, podendo proporcionar às poedeiras o bem-estar necessário, garantindo assim sua estabilidade no mercado interno e externo.

 

O objetivo geral desta pesquisa será avaliar o efeito de extratos vegetais no bem-estar de aves poedeiras não debicadas, criadas em dois diferentes sistemas de criação: gaiolas convencionais (GC) Criação em Piso com ninhos (PN) e a qualidade desses sistemas no que diz respeito aos aspectos comportamentais, fisiológicos e produtivos e de qualidade de ovos. O experimento será desenvolvido na Unidade do Leste Paulista da APTA Regional e terá a duração de quatro períodos experimentais de 28 dias cada. Serão utilizadas 324 aves poedeiras da linhagem Novogen White com 25 semanas de idade. O delineamento experimental adotado será o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x3 (dois sistemas de criação e três níveis de inclusão de extratos vegetais (0, 1 e 2%) com seis repetições. A pesquisa analisará diferentes parâmetros: produção; aspectos fisiológicos; desempenho zootécnico; qualidade dos ovos e avaliação comportamental para avaliação de bem estar, juntamente com parâmetros fisiológicos e hematológicos.

A análise econômica e viabilidade do experimento serão estabelecidas. A análise estatística dos resultados será realizada através da Análise de Variância e o contraste entre médias de tratamentos pelo teste de Tukey a 5 %, com auxílio do pacote computacional SAS (2002).

 

 

 

Ver detalhes do projeto

  Christine Laganá      Apta Regional / IB

Manejo Nutricional para cultura do Café: Programa Nutriplant®

n° SGP 1214

Resumo da Proposta

 

  1. Justificativa e relevância do tema

 

O Brasil, maior produtor e exportador mundial de café, e segundo maior consumidor do produto, apresenta, no ano de 2014, um parque cafeeiro estimado em 2,256 milhões de hectares, com produção de 45,34 milhões de sacas de 60 kg de café beneficiado, em 15 Estados, com destaque para Minas Gerais, que respondeu por 49,93% da produção nacional, seguido do Espírito Santo, São Paulo, Bahia, Rondônia e Paraná. (BRASIL, 2015).

A adubação é um dos fatores que mais está ligado ao custo de produção, mas oferece um retorno satisfatório quando realizada de maneira correta. Portanto, é necessário reduzir o custo de produção para elevar a lucratividade, entretanto, sem diminuir a produtividade das lavouras. A utilização eficiente dos adubos é possível a partir de um diagnóstico nutricional com identificação do nutriente a ser aplicado, em quantidade, época e forma de aplicação correta.

A adubação foliar é uma prática bastante difundida, uma vez que a folha tem a capacidade de absorver nutrientes e com muita eficiência que a adubação via solo. O zinco, boro, cobre; manganês são os nutrientes que mais frequentemente apresentam deficiências, porém a correção deve ser realizada com base na análise química das folhas e de critérios estabelecidos pela pesquisa.

O programa nutricional Nutriplant é composto por produtos de alta solubilidade que complementa a adubação radicular das plantas e suplementa sua nutrição com segurança e qualidade. Assim o objetivo do ensaio é avaliar  a produtividade e qualidade de bebida do cafeeiro submetido a diferentes programas nutricionais via foliar.

 

 

 

  1. Material e Métodos

 

O experimento será instalado no Sítio Favarin, localizado no Bairro Venda Branca, município de Osvaldo Cruz-SP. O período experimental corresponderão aos meses de maio de 2016 à agosto de 2018. Será selecionado uma área de cafezal “C. arábica”, variedade Catuaí Vermelho (IAC-144), na qual será estaqueada, demarcando todas parcelas experimentais. Cada parcela será composta de 200 plantas numa mesma linha, sendo que as linhas laterais serão consideradas bordaduras. A lavoura encontra-se com 5 anos de idade, com espaçamento de 0,6m entre plantas e 3,5m entre linhas, totalizando 4762 plantas por ha. Utilizar-se-á para aplicação dos nutrientes um pulverizador/atomizador tratorizado equipado com turbina marca Jacto mod. ARBUS 400. O delineamento experimental será em blocos casualizados, com 4 repetições, 5 tratamentos, conforme descritos na tabela 1.

 

  1. Descrição dos Tratamentos

Tabela 1 – Descrição dos Tratamentos, Cultura do Café, 2015

 * vide em arquivos anexos

 
 

 

            Durante o período experimental serão realizadas avaliações de bimetria, bem como crescimento e contagem de “par de folhas” dos ramos plagiotrópicos. Será efetuada a colheita para avaliação da produtividade e posteriormente análises de qualidade de peneira e qualidade de bebida.

 

            Os resultados serão submetidos à análise estatística através da análise de variância ANOVA e o contraste entre médias de tratamentos pelo teste de Tukey a 5%, com o auxilio de pacote computacional ASSISTAT 7.7 beta (SILVA F.A.S, 2015).

 

  1. Material necessário para a execução da pesquisa:

 

Todo material necessário à realização desta pesquisa serão fornecidos pelo contratante.

 

  1. Infraestrutura e Mão de obra:

 

O PRDTA Alta Paulista disponibilizará infraestrutura e mão de obra necessárias ao desenvolvimento do presente trabalho.

 

  1. Responsáveis:

 

Coordenador:

Fernando Takayuki Nakayama – Pesquisador Científico do PRDTA Alta Paulista

 

Colaborador:

Danilo Marcelo Aires dos Santos – Eng. Agr. Dr. – Nutriplant Indústria e Comercio S.A.

 

  1. Cronograma de execução

 

Atividades

Período

Preparo das instalações

maio de 2016

 

 

Condução experimental: Instalação e aplicação dos tratamentos

maio a Setembro de 2016

 

 

Avaliações de biometria

Janeiro a março de 2017

 

 

Colheita do experimento

Maio a julho de 2017

 

 

Tabulação dos dados

Julho a Agosto de 2017

 

 

Análise estatística dos resultados

Agosto de 2017

 

 

Elaboração do Relatório final

Setembro de 2017

 

 

 

  1. Orçamento

 

  1. A Empresa deverá doar todo material necessário à execução da pesquisa (produtos, estacas, instrumentos de medidas e colheita);
  2. A Empresa arcará ainda com uma contribuição total de R$4000,00  referente à combustível, alimentação, pagamento de Mao de obra de terceiros, custo de análises dentre outros, sendo desembolsado de acordo com as necessidades do projeto durante o período de execução.

 

  1. Condições para a realização do projeto

 

O presente trabalho deverá ainda ser oficializado junto à Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio – FUNDEPAG. Para tal deverá ser elaborado um contrato segundo as normas da Fundação e adequado à empresa participante. O cronograma de desembolso é apenas sugerido, podendo ser adaptado conforme disponibilidade da Empresa. A empresa poderá a qualquer momento visitar o experimento, bem como participar das diversas etapas e sugerir correções e alterações de comum acordo.

      O pesquisador responsável e a APTA/DDD reservam-se o direito de divulgar a qualquer momento a pesquisa e seus resultados. Da mesma forma a Empresa reserva-se no direito de divulgar comercialmente os resultados ou parte deles, conforme melhor lhe convier.

 

  1. Referências

 

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Café, disponível em:  http://www.agricultura.gov.br/vegetal/culturas/cafe/saiba-mais. Acesso em: 25 de junho de 2015.

Ver detalhes do projeto

  Fernando Takayuki Nakayama      Apta Regional / IAC

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA E SENSORIAL DE CARNE DE CORDEIRO COMERCIALIZADA EM ESTABELECIMENTO DE VAREJO EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP

n° SGP 1212

  Apesar do consumo ainda pouco expressivo no Brasil, tem se identificado na atualidade que a carne de ovinos vem sendo cada vez mais procurada por um mercado consumidor que crescentemente vem se tornando cada vez mais exigente em relação à qualidade do que consome, em particular a carne ovina.

                 A carne de cordeiro atualmente é comercializada em quase toda sua totalidade, principalmente no Estado de São Paulo, na forma congelada, e nesta direção os frigoríficos estão investindo na oferta de cortes e produtos cárneos diferenciados congelados para atender a essa gradativa demanda.

Este trabalho tem como objetivo avaliar a qualidade sensorial e microbiológica de cortes de carne de cordeiro comercializadas em estabelecimento varejista do município de  Presidente Prudente

Ver detalhes do projeto

  Ana Lúcia Luz Alberti      Apta Regional / ITAL

Suplementação de dietas práticas para pacu e tambacu com silagem de resíduo de pescado.

n° SGP 1208

A busca por ingredientes proteicos alternativos à farinha de peixe é tema prioritário da pesquisa mundial em nutrição de peixes. Ao mesmo tempo, o aproveitamento de resíduos gerados no processamento do pescado é fundamental para a preservação do meio ambiente e redução de custos. A presente proposta tem como finalidade utilizar a silagem ácida de pescado, proveniente de resíduos gerados no Vale do Ribeira (região ao sul do Estado de São Paulo), como ingrediente proteico suplementado em dietas práticas para juvenis de pacu e tambacu.

A silagem ácida de pescado visa a manutenção da qualidade nutricional dos resíduos pela sua conservação imediatamente após sua obtenção. A matéria-prima para o preparo da silagem foi obtida das processadoras e pesqueiros da Região do Vale do Ribeira. O resíduo de pescado coletado foi moído e teve a adição de ácido acético comercial para propiciar a hidrólise ácida. O processo foi realizado no Laboratório de Tecnologia do Campus Experimental de Registro - UNESP.

O experimento com a alimentação dos peixes será desenvolvido no Pólo Regional do Vale do Ribeira (APTA, SAA, SP), em Pariquera-Açu, SP. O delineamento experimental será fatorial, com dois grupos de peixes e duas dietas, em triplicata. Os peixes serão juvenis de peixes redondos, uma espécie pura e um híbrido: (1) pacu (Piaractus mesopotamicus); (2) tambacu (Colossoma macropomum x Piaractus mesopotamicus). Os animais serão estocados em 12 tanques-rede de 1m3, alocados em um viveiro escavado de terra de 600m2. As duas dietas experimentais terão como base ingredientes de origem vegetal, sendo que uma delas será suplementada com 5% (na matéra seca) de silagem de resíduo de pescado: (1) dieta base; (2) dieta base + silagem. As dietas práticas (iso-proteicas, iso-energéticas) serão peletizadas e secas em estufa.

O período experimental será de 60 dias. Serão realizadas biometrias dos animais a cada 20 dias, e serão registradas as mortalidades e o consumo de alimento, fornecido na taxa diária de 2% da biomassa ao dia. Também será monitorada diariamente a temperatura da água e semanalmente os demais parâmetros de qualidade da água: oxigênio dissolvido, pH, alcalinidade, transparência e amônia.

As dietas experimentais serão analisadas de acordo com metodologias descritas pela AOAC (1999). Os resultados serão submetidos à análise de variância bifatorial e ao teste de Tukey para comparação de médias, com nível de significância de 5%.

Ver detalhes do projeto

  Camila Fernandes Corrêa      Apta Regional / IP

Adubação nitrogenada consecutiva em áreas colhidas sem queima: Experimento de longo prazo

n° SGP 1205

O objetivo desse trabalho esta sendo em avaliar as alterações em longo prazo da adubação nitrogenada no solo e nas plantas de cana-de-açúcar e a influência do efeito residual e aproveitamento do N-fertilizante na resposta da cultura garantido a sustentabilidade do sistema de produção: aspectos agronômicos, econômicos e ambientais. O experimento foi implantado em Piracicaba-SP, no delineamento de blocos ao acaso e 4 repetições, em março/2007 com o cultivar IACSP92-1099 desenvolvida no Pólo Centro Sul, APTA. Doses de N-fertilizante foram aplicadas após a brotação da 1ª soqueira (0, 60, 120 e 180 kg ha-1) e os tratamentos foram reaplicados durante quatro soqueiras, até a colheita da 4ª soqueira em setembro/2012. Nesse período foi desenvolvida a tese de doutorado de Helio Antonio Wood Joris, intitulada: “Nitrogênio na produção de cana-de-açúcar: aspectos agronômicos e ambientais”. Nessa tese foram avaliadas as alterações no solo, acúmulo de macronutrientes e produtividade de colmos. No último ciclo, entre outubro/2011 e setembro/2012, as parcelas foram divididas para avaliação da inoculação com bactérias diazotróficas e aplicação de 100 kg ha-1 de N em cada tratamento de adubação nitrogenada em longo prazo, com implantação de microparcelas e aplicação de 15N-sulfato de amônio para avaliação do aproveitamento do N-fertilizante pelas plantas. Com correção adequada do solo, a adubação nitrogenada promoveu melhorias nas condições químicas do solo. O acúmulo de nutrientes aumentou com as doses de N aplicadas, e a ordem de acúmulo dos nutrientes foi K>N>Ca>Mg>S>P. Em todas as soqueiras avaliadas, ocorreu aumento linear na produtividade de colmos, com um incremento médio de 175 kg de colmos para cada kg de N-fertilizante aplicado. Considerando o balanço de entradas e saídas de N do sistema, a quantidade média necessária para reposição do N exportado foi 69 kg de N ha-1 ciclo-1, que representa 38,3% da maior dose aplicada (180 kg ha-1). A inoculação com bactérias diazotróficas beneficiou a nutrição mineral das plantas, porém resultou em produtividade de colmos inferior à aplicação de N-fertilizante. O aproveitamento de 15N-fertilizante foi maior nas condições de ausência de aplicação de N nas soqueiras anteriores (44,2%) que nas doses 60 (34,3%), 120 (24,8%) e 180 (31,8%). A inoculação com bactérias diazotróficas não substitui a adubação nitrogenada. O solo é a principal fonte de N para as plantas de cana-de-açúcar, porém a obtenção de altas produtividades depende de doses elevadas de N-fertilizante para a manutenção do sistema.

Após esse ciclo de 4 socas com reaplicação de doses de N nos respectivos tratamentos, as parcelas foram mantidas e foi reinstalado o experimento com a variedade IACSP95-5094 que já ocorreu o ciclo de cana-planta (safra 2013-14) com tratamentos contendo quatro doses de N, 0, 30, 60 e 90 kg/ha e na cana soca (safra 2014/2015) as doses de N foram mantidas como no primeiro ciclo(0, 60, 120 e 180 kg/ha de N). Atualmente (2016) a cultura já esta na segunda soca (colheita do terceiro corte prevista para agosto/setembro de 2016). 

Ver detalhes do projeto

  André Cesar Vitti      Apta Regional / IAC

PRODUÇÃO DE SEMENTES HÍBRIDAS DE TOMATE EM AMBIENTE PROTEGIDO COM SUBSTRATO ASSOCIADO A ADUBO DE LIBERAÇÃO LENTA

n° SGP 1188

Em países onde o cultivo protegido encontra-se avançado, o solo vem sendo substituído por substratos, todavia, o cultivo em substrato depende da otimização de diversas variáveis, como a nutrição uma vez que o volume explorado pelo sistema radicular da cultura é reduzido. O adensamento é outro aspecto que apresenta grande impacto na cultura do tomateiro. O cultivo em substrato enriquecido com adubo de liberação lenta pode ser uma alternativa para facilitar a produção de sementes híbridas de tomate em estufa. Nos adubos de liberação lenta, os nutrientes são encapsulados por resinas especiais e são liberados mais lentamente, propiciando uma disponibilidade contínua dos mesmos para as plantas. Os tratamentos serão constituídos por dois espaçamentos entre plantas (0,20 e 0,30 m), resultando em 7 e 5 plantas por saco de cultivo, respectivamente e três doses de adubo de liberação lenta (150 g, 300 g e 450 g por saco de cultivo). O delineamento experimental será inteiramente casualizado, com quatro repetições, em esquema fatorial 2 x 3.

Ver detalhes do projeto

  Nobuyoshi Narita      Apta Regional / IAC

Fatores Determinantes nas Diferenças Regionais na Contribuição do Rendimento e da Área na Produção Agrícola Paulista, 1983 a 2015.

n° SGP 1184

Este artigo procurará medir o crescimento da produtividade das principais culturas, nos 40 EDRs do Estado de São Paulo, no período 1983 a 2015. Tem por objetivo determinar as diferenças regionais de rendimento agrícola de uma mesma atividade e as contribuições das participações da produtividade da terra e da área para a produção agrícola. Tendo em vista que no período proposto o setor agropecuário passou por transformações quer pela adoção de tecnologias modernas poupadoras de terra, como também da especialização regional em determinadas atividades agrícolas conforme pode ser observado no trabalho de Olivette et al (2003) o qual estudou o crescimento da produtividade das 15 principais culturas, nas regiões administrativas do Estado de São Paulo, no período 1983 a 2002.

              A busca de geração e adoção de inovações tecnológicas é o grande mecanismo para a criação de oportunidades de crescimento do setor agropecuário a longo prazo. Dadas a inexistência de fronteiras agrícolas no Estado de São Paulo, a heterogeneidade dos solos e a consequente utilização de áreas de baixo potencial de produção, é de suma importância avaliar como ocorreu o desenvolvimento da agricultura paulista em suas diferentes regiões, sendo a produtividade das lavouras um dos indicadores existentes para aferir esse progresso tecnológico.

              Assim, o conhecimento das possíveis diferenças regionais de rendimento agrícola de uma mesma atividade e a contribuição dessa participação da produtividade no crescimento da produção é um indicador no estabelecimento das diferentes estratégias tanto no processo de geração quanto no de adoção de tecnologia para o setor rural (VEIGA FILHO e NEGRI NETO, 2002).

              O objetivo especifico deste estudo consiste em um exercício analítico sobre as tendências empíricas observáveis, nas últimas décadas, na produção agrícola paulista, em suas diversas regiões. Para tanto, serão calculadas e analisadas as contribuições da área e da produtividade da terra para a expansão ou retração da produção dos principais produtos agrícolas quanto ao valor da produção do Estado de São Paulo, dos 40 Escritórios de Desenvolvimento Rural (EDRs), no período 1983 a 2015.

As informações sobre a área e a produção agrícola no Estado de São Paulo, no período 1983 a 2015, para os 40 EDRs, serão obtidas dos levantamentos por município efetuados pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) e Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI). Serão considerados os subperíodos de 1984-1993, 1994-2000, 2001-2009 e 2010-2015 para o cálculo da contribuição da área e rendimento para a produção agrícola.

Dada a grande diversidade das atividades agrícolas desenvolvidas no Estado, para o presente estudo, serão consideradas culturas mais representativas em valor da produção, dentre os produtos de origem vegetal, no ano agrícola 2014/15, provenientes do banco de dados do IEA.

Como as diversas regiões paulistas apresentam características variáveis entre si, para os EDRs será adotado procedimento similar ao do Estado para a escolha dos produtos vegetais, ou seja, pelo valor da produção.

A metodologia escolhida é a proposta por VERA FILHO e TOLLINI (1979), que emprega taxas de crescimento da área[1] e da produção ob­tidas de análise de regressão múltiplas, pelo método dos mínimos quadrados ordinários.

              Para produção tem-se:

 

 

e para a área

 

onde:

Pt e At representam, respectivamente, produção e área plantada no ano t.

e representam as taxas de crescimento da produção e área plantada.

Serão calculadas para cada cultura as contribuições do aumento da área (CA) e do aumento do rendimento (CR) para o aumento da produção. Assim:

 

 

              As estimativas da contribuição da expansão da área e do rendimento para o aumento da produção de lavouras do Estado serão assim obtidas:

 

 

 

onde:

CAj = contribuição da área da região j;

CAij = contribuição da área para o aumento da produção do i-ésimo produto da região j;

Pij = valor médio da produção do i-ésimo produto da região j dividido pelo valor total da produção de lavouras na região j; e

CRj = contribuição do rendimento para o aumento da produção de lavouras na região j.

              As estimativas das contribuições agregadas, por região (EDR), serão obtidas calculando-se a média ponderada a partir da CA de cada produto nas regiões, tendo por base a participação do valor da produção dos produtos em relação ao valor total da produção regional, para a safra 2014/15. No caso do Estado de São Paulo, será levado em consideração o valor total da produção estadual, para o conjunto das culturas selecionadas para o estudo.

 

[1]Para as culturas de: banana, cana-de-açúcar, laranja, limão, manga e tangerina serão consideradas as áreas em produção, no ano agrícola em questão.

 

Ver detalhes do projeto

  Raquel Castellucci Caruso Sachs      Apta Regional / IEA

EFEITO DE EXTRATOS VEGETAIS SOBRE A SAÚDE, IMUNIDADE, DESEMPENHO, RENDIMENTO E QUALIDADE DA CARNE DE FRANGO COLONIAL

n° SGP 1183

Um experimento de 80 dias será realizado com o objetivo de avaliar o efeito de extratos vegetais acrescentados à dieta das aves, na imunocompetência, saúde, desempenho, rendimento e qualidade da carne de frangos colonial.  Serão utilizados 720 pintos de linhagem colonial comercial de 1 dia distribuídos em delineamento inteiramente casualizado 2 X 4  (duas linhagens e quatro níveis de inclusão de extrato vegetal) com 6 repetições de 15 aves cada. Os tratamentos serão constituídos de: T1, dieta controle linhagem paraíso pedrês; T2,  dieta controle, linhagem caipirinha; T3, dieta controle acrescida de 50ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem paraíso pedrês T4, dieta controle acrescida de 50ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem caipirinha; T5, dieta controle acrescida de 100ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem paraíso pedrês T6, dieta controle acrescida de 100ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem caipirinha; T7, dieta controle acrescida de 150ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem Paraíso pedrês e T8, dieta controle acrescida de 150ppm de extrato vegetal (cúrcuma, orégano, alho e canela); linhagem caipirinha. Serão verificados parâmetros de desempenho e rendimento de carcaça. Ao final do experimento o sangue de duas aves por parcela será coletado para avaliação de lipidograma e relação heterofilo: linfócito e a retirada do intestino (duodeno e jejuno) para análise de Tbars do intestino. Aos 40 e 80 dias de idade, será realizada a eutanásia de uma ave por parcela para avaliação intestinal de lesões de coccidiose. Simultaneamente, amostras de conteúdo cecal serão colhidas para a realização da contagem de oocistos. Também serão colhidas 10g de amostra de excretas (dos boxes) de cada parcela  para realização da contagem de oocistos. Serão mensurados na ocasião do abate, peso das aves , órgão e cortes e posteriormente pH das partes musculares, perda de peso durante o cozimento, determinação objetiva da cor do peito,  composição centesimal, força do cisalhamento, perfil de ácidos graxos e teor de colesterol. A análise econômica e viabilidade do experimento será estabelecida. A análise estatística dos resultados será realizada através da Análise de Variância e o contraste entre médias de tratamentos pelo teste de Tukey a 5 %, com auxílio do pacote computacional SAS (2002).

Ver detalhes do projeto

  Christine Laganá      Apta Regional / IB

Biologia de plantas daninhas nas culturas em sucessão a cana-de-açúcar

n° SGP 1178

A cana-de-açúcar é uma das principais culturas brasileiras e a interferência proporcionada pelas plantas daninhas acarreta redução significativa no rendimento da cultura. O objetivo deste trabalho será avaliar a influência de três sistemas de manejo do solo e três importantes culturas comerciais como culturas de sucessão na supressão de plantas daninhas e na composição da comunidade infestante em áreas de reforma de cana crua. O experimento será instalado sobre ARGISSOLO Vermelho-Amarelo eutroférrico, em canavial colhido sem queima prévia nos últimos cinco cortes. Será utilizado delineamento experimental em blocos casualizados, com os tratamentos arranjados em parcelas sub-divididas e dispostos em quatro repetições, sendo os tratamentos principais três sistemas de cultivo; convencional, cultivo mínimo e plantio direto e os tratamentos secundários de três opções de culturas comerciais (amendoim, girassol e soja) e uma parcela em pousio. Após 180 dias da colheita da cana-de-açúcar será contado o número de plantas daninhas.m-² e determinada a massa seca da parte aérea, calculando assim seus índices fitossociológicos. 

Ver detalhes do projeto

  Maria Beatriz Bernardes Soares      Apta Regional / IAC

Digestibilidade de uma dieta em três níveis de oferta por cordeiros de diferentes grupos genéticos

n° SGP 1164

O objetivo no presente projeto é comparar cordeiros de sete grupos genéticos quanto a digestibilidade de uma dieta em três níveis de oferta de alimento. Cento e vinte e seis cordeiros das raças Dorper, Ile-de-France, Texel e Santa Inês, e dos cruzamentos ½ Dorper + ½ Santa Inês, ½ Ile-de-France + ½ Santa Inês e ½ Texel + ½ Santa Inês serão desmamados aos 90 dias de idade e confinados em baias individuais com piso ripado. Essa distribuição nas baias será de forma aleatória. Os animais serão pesados no início do confinamento e permanecerão em adaptação por 21 dias recebendo uma dieta peletizada com 90% de concentrado e 10% de feno de alfafa. A ração será oferecida em duas refeições diárias, à vontade, permitindo-se sobra ao redor de 10% do ingerido no dia anterior. Para isso, as sobras serão retiradas e pesadas diária e individualmente. Os bebedouros (um para cada duas baias) serão limpos diariamente, e, quando necessário, mais de uma vez por dia. Nos últimos cinco dias desse período, serão colocadas em todos os indivíduos, bolsas de lona para recolhimento das fezes produzidas, que serão esvaziadas diariamente. Ao final do período de adaptação, os animais serão novamente pesados após jejum de 14 horas. Em seguida, seis animais de cada um dos grupos genéticos receberão a mesma dieta do período de adaptação, nos seguintes níveis de oferta: ad libitum, 75 e 63 g de ração/kg de peso metabólico. Para o cálculo do nível oferecido ad libitum, será considerado, para cada indivíduo, o consumo médio dos últimos sete dias do período de adaptação. Os animais receberão essa quantidade de ração durante cinco dias, sendo a ração amostrada diariamente. Durante esse período, serão recolhidas, pesadas e armazenadas todas as sobras que possam ocorrer. Também serão recolhidas, pesadas e amostradas (10% do total produzido) as fezes produzidas por cada animal do segundo até o sexto dia do período experimental. Ao final, as amostras de alimento oferecido, das sobras e das fezes serão compostas por indivíduo e analisadas quanto aos teores de matéria seca, proteína bruta, extrato etéreo, minerais, fibra em detergente neutro e fibra em detergente ácido, conforme metodologia do AOAC (2005). A digestibilidade de cada uma das frações nutritivas será calculada em porcentagem considerando-se a quantidade retida pela quantidade ingerida. Os resultados serão analisados estatisticamente considerando-se um delineamento inteiramente casualizado com 7 grupos genéticos, 3 níveis de ingestão e a interação entre os fatores, com 6 repetições, em modelo misto.

Ver detalhes do projeto

  Wignez Henrique      Apta Regional / IZ

Uso de bioindicadores para avaliação da qualidade da água na piscicultura

n° SGP 1163

Frente à crescente expansão da aquicultura no Brasil, aumenta também a preocupação com a sustentabilidade da atividade. Na presente proposta, os produtores de tilápia são os principais atores na tomada de decisões sobre a identificação de impactos ambientais oriundos de suas propriedades, como também demandantes da obtenção de estimativas/avaliações usualmente necessárias ao acompanhamento do sistema de produção no contexto da sustentabilidade ambiental. O biomonitoramento de organismos bentônicos constitui uma ferramenta eficaz e de baixo custo na avaliação da qualidade da água em ecossistemas de água doce. A comunidade macrobentônica tem sido utilizada no Brasil como bioindicadora na avaliação da qualidade da água há décadas, porém na aquicultura esta ferramenta ainda é pouco utilizada. No entanto, em países como a Noruega a avaliação da qualidade da água é feita com base em índices bióticos utilizando-se a comunidade bentônica presente em áreas de aquicultura marinha desde 1997. No projeto da rede Aquabrasil foram desenvolvidos e avaliados vários aparatos de coleta em viveiros escavados e avaliada a fauna macrobentônica colonizadora do lago localizado em Monte Alegre do Sul, SP, na APTA Leste Paulista. Ainda no âmbito desse projeto, foram descritos os principais grupos presentes no lago da APTA e atribuídos escores associados à qualidade da água com base em dados da literatura. Estes dados servirão de base para o levantamento e caracterização da fauna a ser identificada na presente proposta. Além disso, o projeto Aquisys (em execução pelo Macroprograma 3) tem como uma das rotinas em desenvolvimento de seu software o uso da fauna macrobentônica na avaliação da qualidade da água em viveiros com tilápia. Assim, busca-se ampliar a área amostral para o alcanço do objetivo principal da presente proposta, que é selecionar um grupo de organismos bioindicadores da qualidade da   água na piscicultura em viveiros escavados com cultivo de tilápia, com base na comunidade de macroinvertebrados bentônicos. Para a coleta destes organismos será utilizado o coletor de substrato artificial já testado em outros projetos anteriores da Embrapa, tais como o Aquabrasil (já encerrado) e o projeto de Validação do sistema AQUISYS (Ideare n. 03.12.03.014.00). A seleção dos grupos bioindicadores se fará por meio de análises estatísticas em conjunto com as variáveis físico-químicas de qualidade da água, sistema de manejo empregado nas propriedades, e dados de literatura sobre os níveis de tolerância conhecidos em relação à poluição orgânica pelos organismos bentônicos. A aplicação desta ferramenta na piscicultura será inédita no contexto da aquicultura brasileira, e elucidará questões ainda pendentes de pesquisas de campo. Por fim, a presente proposta é uma sequência do projeto Aquabrasil, na medida em que busca a ampliação da área de amostragem e por um período maior de acompanhamento (três ciclos de produção de tilápia), permitindo que a metodologia de biomonitoramento proposta seja oferecida aos piscicultores como uma avaliação relativamente rápida e de baixo custo no monitoramento da qualidade da água.

Ver detalhes do projeto

  Celia Maria Doria Frascá Scorvo      Apta Regional / IP

ECOAGRICULTURAS - Cultivando Águas e Boas Práticas no Litoral Norte

n° SGP 1153

O Projeto “Ecoagriculturas – cultivando águas e boas práticas do litoral norte” tem a duração de 24 meses e está localizado na UGRHI 03 – Litoral Norte, nos municípios de Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela, Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar, visando “integrar as ações e experiências em agroecologia na UGRHI-LN 03, com objetivos específicos de desenvolver estratégias de boas práticas de manejo das atividades agropecuárias para aproveitamento racional e proteção dos recursos hídricos”.  Os principais 200 beneficiários diretos são agricultores, proprietários rurais, gestores e técnicos dos órgãos públicos e membros de colegiados e da sociedade civil atuantes na temática.

A proposta foi elaborada de forma democrática e participativa por representantes do GT Agroecologia do CBHLN, da Rede de Sementes do Litoral Norte e membros da sociedade civil, engajados em construir e fortalecer um trabalho regional e coletivo de boas práticas de agroecologia; redirecionando as práticas de agricultura tradicional para evitar o uso intensivo de agrotóxicos e manejo inadequado do solo e dos recursos hídricos. A melhor ecoeficiência das unidades produtivas rurais do litoral norte ajudará a restaurar a condição ambiental das propriedades e, dessa forma, a proteção dos recursos hídricos, além de promover a segurança alimentar e a geração de renda local. 

Como estratégia para alcançar os resultados esperados, foi desenhado um fluxograma sequencial de ações que propiciem a gestão e construção participativa do início ao fim, impactando também na capacitação contínua e permanente dos envolvidos durante o processo; bem como no fortalecimento coletivo e a mobilização dos envolvidos para o compartilhamento de boas práticas, as quais potencializam as metas do Plano de Bacia e áreas afins.

Os principais produtos e benefícios são: 01 análise situacional participativa de boas práticas existentes na região (vide descritivo no documento como “Boas Práticas Agrícolas/Agropecuárias - BPA”), como um marco zero para atuais e futuras ações de planejamento, o qual também norteará 01 Plano de Trabalho Participativo para o percurso do projeto e sugestões de conteúdos para 06 Encontros de Fortalecimento Regional e 04 Capacitações Temáticas com intercâmbios (vivências práticas) entre os proprietários e municípios. Além de melhorar a qualidade da capacidade técnica dos agricultores e demais beneficiários, o envolvimento direto dos beneficiados torna viável a elaboração de Planejamento Integral de 20 Propriedades/posse e a escolha e implantação prática de pelo menos 04 unidades de adaptação tecnológica de práticas visando a transição agroecológica para o aumento da ecoeficiência de unidades produtivas da zona rural. De acordo com as demandas levantadas no Planejamento Integral das propriedades serão escolhidas práticas para melhorar a gestão da unidade, além de estratégias para conservação e proteção da biodiversidade, do solo e da água. As unidades de adaptação tecnológica serão acompanhadas para evoluírem e se tornarem uma referência para a difusão de práticas que facilitem a transição agroecológica na região.

Para as estratégias de comunicação integrada e compartilhamento das boas práticas estão previstos 01 Fórum Regional, 01 Documento Final com diretrizes e encaminhamentos, bem como o uso de sites e redes sociais do proponente e parceiros para difusão.

Ver detalhes do projeto

  ISABEL FERNANDES PINTO VIEGAS      Apta Regional / IEA

Avaliação e caracterização da resistência de germoplasma silvestres de Arachis spp. a Enneothrips flavens (Thysanoptera: Thripidae) e Stegasta bosquella (Lepidoptera: Gelechiidae) e cruzamentos visando a introgressão de genes de resistência no amendoim cu

n° SGP 1146

A cultura do amendoim vem ganhando importância no Brasil. A atual cadeia de produção abastece o mercado interno e está ganhando competitividade no mercado internacional. A expansão e sustentabilidade desse agronegócio passam pela sua evolução tecnológica. Um dos principais gargalos da cultura é a sua dependência de agroquímicos para o controle de pragas e doenças. O tripes (Enneothrips flavens) e a lagarta do pescoço vermelho (Stegasta bosquella) são pragas-chave da cultura na região Centro-Sul do país. Assim, a resistência a esses agentes bióticos é um dos principais objetivos dos programas de melhoramento genético. O gênero Arachis é nativo da América do Sul, inclusive do Brasil, e compreende mais de 80 espécies já identificadas e conservadas em coleções. Trabalhos têm mostrado que diversas dessas espécies possuem alta resistência às pragas, mas as tentativas de cruzamentos entre essas espécies (diploides, na grande maioria) e o amendoim cultivado (alotetraploide) têm sido prejudicadas por essa incompatibilidade devida à diferença de ploidia. Pesquisas realizadas em passado recente mostram a viabilidade de sucesso nesses cruzamentos através de anfidiploides. Estes são produtos do cruzamento de duas espécies diploides de genomas diferentes (A e B) gerando um híbrido AB que, após tratamento com colchicina, torna-se um alotetraploide (AABB) semelhante ao genoma da espécie cultivada. Assim, com esta estratégia, este projeto propõe realizar a experimentação para avaliação fenotípica e identificação do germoplasma resistente (as espécies avaliadas e os anfidiploides gerados pelo programa). Inclui também a realização de retrocruzamentos dos parentais silvestres resistentes com genitores hypogaea recorrentes (cultivares e linhagem de alto desempenho agronômico) visando à recuperação das características agronômicas do material comercial. O desenvolvimento de linhagens intermediárias de melhoramento (germoplasma melhorado), portadoras de alta resistência a esses agentes bióticos, é o resultado que se espera deste projeto, durante sua vigência.

Ver detalhes do projeto

  Marcos Doniseti Michelotto      Apta Regional / IAC

Desempenho e saúde de bezerros suplementados com virginiamicina e complexo vitamínico mineral.

n° SGP 1143

O objetivo do trabalho foi de verificar o desempenho e a saúde de bezerros em aleitamento com a utilização de um probiotico chamado virginiamicina. A virginiamicina tem seu uso comprovado como eficaz e de custo baixo na nutrição animal podendo melhorar a conversão alimentar e a saúde intestinal dos animais, com isso a possibilidade de aumentar a taxa de produtividade das bezerras nesta fase da produção leiteira. O experimento foi realizado na Fazenda Experimental APTA Regional Centro Leste situada em Ribeirão Preto – SP, utilizando 27 bezerros da raça Jersey, machos e fêmeas, em delineamento em blocos casualizados (idade de nascimento) no período de idade de 0 a 60 dias de vida nos seguintes tratamentos: CONTROLE (COMPLEXO VITAMINA E MINERAIS NO LEITE), VIRGINIAMICINA + COMPLEXO VITAMINA E MINERAIS NO LEITE, VIRGINIAMICINA + COMPLEXO VITAMINA E MINERAIS NO RÚMEN. A suplementação foi calculada para que cada animal receba 0,02 kg com 1000mg de virginiamicina por dia durante o período experimental. Foi avaliado parâmetros de desempenho e sanguíneos ao nascimento, aos 30 e 60 dias de vida experimentais. Para o desempenho todos os animais foram pesados com o uso de uma balança eletrônica, medidos a altura da cernelha, o perímetro torácico e o comprimento corporal com o uso de uma fita métrica. O sangue foi colhido da jugular dos animais nas mesmas datas de pesagem e analisado para hemograma completo contendo. Todos os dados já foram compilados e se encontram em análise estatística.

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

Monitoramento e Diagnóstico da Qualidade do Leite de Produtores Rurais da região Nordeste do Estado de São Paulo

n° SGP 1141

A atividade leiteira tem grande participação na agricultura familiar, pois é considerada uma boa fonte de renda mensal e esta participação pode ser comprovada pela grande porcentagem da parcela de leite produzida no país estar relacionada a agricultura familiar. Contudo, atualmente não basta produzir leite, mas sim, produzir leite com qualidade. Qualidade esta referenciada pela instrução normativa do governo federal, mas principalmente pela exigência pelas indústrias em qualidade mínima para a sua maximização de produção e aumento de exportações. A exigência feita pela indústria tem como ponto mais forte o pagamento por qualidade. Assim sendo a melhoria da qualidade por parte dos produtores é de fundamental importância. E para atingir a qualidade, parte do princípio de aplicar tecnologias, no caso da produção de leite, que visem melhorar qualidade do leite e assim dar suporte a sustentabilidade da atividade leiteira. A transferência de tecnologia permite levar o conhecimento científico para a sociedade na forma de serviços, produtos e processos. Assim sendo, o presente estudo tem como objetivo fazer a junção da transferência de tecnologia para a atividade leiteira de agricultores familiares visando à melhoria da qualidade do leite através de diagnósticos, treinamentos e acompanhamento das tecnologias treinadas e divulgadas para os produtores rurais. Este experimento será realizado com 50 propriedades para identificação do perfil dos produtores da região de Ribeirão Preto, junto com o programa da CATI LEITE/ SAA/SP. Identificados os produtores, será realizado o treinamento na forma de cursos teórico-práticos de acordo com suas necessidades para melhoria da qualidade do leite. No momento do treinamento, serão realizados testes teóricos para quantificação do conhecimento técnico do tema do treinamento e sobre qualidade do leite. Todos os 50 produtores serão acompanhados e avaliados mensalmente durante 18 meses através de visitas técnicas dos assistentes técnicos e estagiários. Serão realizadas visitas técnicas para coleta de dados e amostras de leite para acompanhamento da qualidade do leite e do uso das técnicas abordadas nos cursos. Ao final de 18 meses, todos os produtores serão questionados novamente quanto ao conhecimento técnico e melhoria da qualidade do leite e apresentado o resultado da qualidade do leite. Com isso, o presente projeto espera poder identificar o perfil dos produtores da região, avaliar o beneficio de treinamento e acompanhamento (assistência técnica) para melhoria da qualidade do leite e por fim, verificar quais características das propriedades/produtores favoreceram a melhoria da qualidade do leite e se houve transferência de conhecimento técnico.

Ver detalhes do projeto

  Luiz Carlos Roma Junior      Apta Regional / IZ

Avaliação hematológica de bezerros Jerseys na fase de aleitamento

n° SGP 1140

O presente trabalho de iniciação científica tem como objetivo avaliar valores hematológicos de 52 bezerros, entre machos e fêmeas, nos períodos de 7, 30 e 60 dias de vida, para avaliar a evolução hematológica dos animais. A coleta de sangue foi realizada na jugular dos animais para a realização das análises de hemograma completo contendo: Série Vermelha (eritrócitos, hemoglobina, hematócrito), serie plaquetária, serie leucocitária, e proteínas totais. A avaliação se deu em máquinas POQ 100 IV e confirmação em lâminas. Obteve-se valores médios nos períodos de 7, 30 e 60 dias de vida de eritrócito (milhões/mm?), 7,47, 10,14 e 10,22 respectivamente; hemoglobina (g/dL), 9,17, 12,91 e 12,47; hematócrito (%), 28,39, 39,41 e 37,85; VCM (fL), 37,85, 38,99 e 38,34; HCM (pg), 12,27, 12,79 e 12,56; CHCM (g/dL), 32,44, 32,46 e 32,37; leucócitos (mm?) 8,48, 10,16 e 10,51; segmentados 47,77, 28,00 e 23,24; eosinófilos 0,45, 0,83 e 0,69; linfócitos 49,05, 68,32 e 72,94; monócitos 2,60, 2,83 e 3,14. 

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

CUSTO DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE ECONÔMICA DA FRUTICULTURA NA REGIÃO DE MARÍLIA/SP

n° SGP 1130

Identificar e estimar o custo de produção e rentabilidade econômica da fruticultura na região de Marília.

Ver detalhes do projeto

  Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto      Apta Regional / IEA

Fontes de ácidos graxos da dieta para a tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima e sub-ótima.

n° SGP 1127

A tilápia-do-nilo é uma importante espécie na aquicultura brasileira e mundial e é produzida em diversas regiões e condições climáticas. Entretanto, ainda há lacunas quanto a sua nutrição lipídica, principalmente em condições adversas de temperatura. Estas condições são registradas durante o inverno nas regiões sudeste e sul do Brasil, onde se concentram as maiores produções de tilápias. É sabido que os ácidos graxos têm papel fundamental na manutenção da fluidez e funcionalidade das membranas celulares com efeitos na adaptação dos peixes à variação de temperatura.

Com a finalidade de aprimorar a tecnologia de produção da tilápia foram propostos estudos, com ensaios com animais já realizados na UFSC, em Florianópolis, SC. O presente projeto tem como foco a avaliação do metabolismo de ácidos graxos, pela análise de materiais coletados durante os ensaios realizados, em complementação ao projeto “Ácidos graxos essenciais na dieta da tilápia-do-Nilo em condição ótima e subótima de temperatura”, cadastrado no SIGA (NRP 4047), e ao projeto "Temperatura e fontes de ácidos graxos para tilápia-do-Nilo" com recursos aprovados pelo CNPq e coordenado pela pesquisadora Débora Machado Fracalossi (LABNUTRI, UFSC). A parceria com a APTA será feita pela orientação nas análises químicas, análise dos dados coletados e redação de artigos. A seguir estão descritos os ensaios realizados, dos quais serão utilizados materiais para análise:

(I) Fontes de ácidos graxos na dieta de tilápias criadas em duas temperaturas - Foram testadas cinco fontes lipídicas: (1) óleo de peixe, fonte de n-3 LC-PUFA, além de SFA e MUFA; (2) óleo de linhaça, fonte de n-3 PUFA de 18 carbonos; (3) óleo de girassol, fonte de n-6 PUFA de 18 carbonos; (4) óleo de oliva, fonte de MUFA; e (5) óleo de coco, fonte de SFA. O objetivo deste estudo é selecionar fontes adequadas de ácidos graxos para a alimentação da tilápia-do-nilo criada em temperatura ótima (28°C) e sub-ótima (22°C).

(II) Substituição do óleo de peixe por misturas de óleos vegetais na deita da tilápia-do-nilo em duas temperaturas - Foram avaliadas três dietas com misturas de óleos vegetais (MIX-G, MIX-GL e MIX-L) e uma com óleo de peixe (OP) em juvenis de tilapia-do-nilo em dois ensaios: a 28°C e a 22°C. Nas misturas houve diferentes inclusões dos óleos de linhaça (L) e de girassol (G) sobre uma base de óleo de coco e oliva, o que alterou a proporção de PUFA da série n-3 e n-6.

(III) - Exigência do ácido graxo alfa-linolênico para tilápias em temperatura sub-ótima - Foram testadas cinco dietas com misturas de óleos vegetais (palmiste, oliva, girassol e linhaça) com níveis crescentes de óleo de linhaça e de ácido graxo alfa-linolênico (α-LNA, 18:3n-3), e uma dieta controle com óleo de peixe. Este estudo foi realizado somente a 22°C para estimar a exigência em α-LNA para a tilápia-do-nilo em temperatura sub-ótima, a qual ainda não tinha sido estabelecida.

Os ensaios foram realizados em triplicata com juvenis de tilápia-do-nilo, mantidos em unidades experimentais em sistema de recirculação de água doce e, alimentados até a saciedade aparente com dietas semi-purificadas extrusadas. A partir das amostras já coletadas de peixe inteiro, fígado e fezes, será analisado a digestibilidade de ácidos graxos da dieta, o balanço de ácidos graxos in vivo, a histologia do fígado e, a expressão gênica de desaturases e alongases no fígado. Os dados obtidos serão avaliados estatisticamente por análise de variância ou regressão, considerando o nível de significância de 5%.

Ver detalhes do projeto

  Camila Fernandes Corrêa      Apta Regional / IP

Melhoria da qualidade do peixe cultivado para o consumo humano

n° SGP 1125

Melhorar a sanidade e qualidade dos peixes cultivados em facilidades de piscicultura (reservatórios no estado de São Paulo e sistemas intensivos com recirculação de água na Dinamarca). A sanidade dos peixes será monitorada por abordagens clássicas e moleculares, e aprimorada por modulação de resposta imune inata por bioativos de β-glucanos. Parâmetros de qualidade da água, como comunidades bacterianas, toxinas e micróbios produtores de off-flavour serão relacionados a sanidade e crescimento dos peixes. 

Ver detalhes do projeto

  Gianmarco Silva David      Apta Regional / IP

AVALIAÇÃO DO FLUXO SANGUÍNEO FOLICULAR E LUTEAL E ESTUDO DA TERMOGRAFIA VULVAR SUPERFICIAL EM BÚFALAS DA RAÇA MURRAH SUBMETIDAS A PROTOCOLO HORMONAL COM E SEM eCG

n° SGP 1124

A ultrassonografia doppler e a termografia digital superficial são tecnologias de recente uso na Medicina Veterinária utilizadas de maneira não invasiva. Estas são ferramentas de auxilio diagnóstico por imagem que auxiliam no estudo dos fenômenos envolvidos durante o ciclo estral, foliculogênese, ovulação, luteogênese, luteólise e as alterações que estas geram na irrigação sanguínea das estruturas ovarias assim como na temperatura corporal e vulvar, podendo ser por resposta fisiológica à ação hormonal. Sendo de grande importância o estudo destes eventos fisiológicos visando melhorar a fertilidade do rebanho bubalino brasileiro. Objetiva-se avaliar as alterações morfológicas e de fluxo sanguíneo que ocorrem nas estruturas ovarianas, além de caracterizar as variações de temperatura corporal e da vulva acompanhados por variações nas concentrações hormonais durante o protocolo hormonal com e sem eCG em búfalas da raça Murrah. Serão selecionadas 20 búfalas em lactação que terão a ovulação sincronizada, utilizando o protocolo hormonal com e sem eCG. Após o 9° dia será realizado acompanhamento diário por ultrassonografia transretal modo B e modo Doppler, visando acompanhar a dinâmica folicular, ovulação, luteogênese e luteólise. A irrigação será mensurada primeiramente de forma subjetiva e posteriormente será realizada a análise objetiva da irrigação das estruturas utilizando “software”. As termografias da vulva, mufla e olho, serão realizadas diariamente anteriormente a ultrassonografia, entre 5:30h e 8:00h, após o maior folículo atingir 8,5 mm de diâmetro a termografia passará a ser realizada 2 x ao dia, durante todas as fases do ciclo estral. Os termogramas serão armazenados no cartão de memória e analisados com auxílio de “software”. Após, será aferida a temperatura retal com termômetro clínico digital. Serão colhidas amostras de 10 mL de sangue, diariamente para a dosagem das concentrações plasmáticas de progesterona e estradiol. Os dados serão submetidos à análise de variância por meio do procedimento do General Linear Models (GLM) do pacote estatístico Statistical Analysis System (SAS, 2009). As médias serão comparadas pelo teste de Tukey a 5%. Serão determinados coeficientes de correlações entre as variáveis estudadas.

Ver detalhes do projeto

  NELCIO ANTONIO TONIZZA DE CARVALHO      Apta Regional / IZ

Qualidade e composição do leite de vacas mestiças em lactação mantidas em pasto de capim Tanzânia e diferentes fontes de proteína no concentrado

n° SGP 1123

Pensando na importância do leite na alimentação humana com um custo acessível a todas as classes sociais, o presente trabalho quer demonstrar que manipulando a dieta animal e alterando a composição do leite, este produto fique com um melhor perfil de nutrientes capaz de melhorar a nutrição e a saúde humana. Para isto 16 vacas mestiças Holandês x Gir, em sistema de pastejo rotacionado, provenientes do rebanho leiteiro do Polo Regional da Alta Mogiana serão agrupadas em blocos homogêneos e distribuídas em um delineamento experimental Quadrado Latino 4 x 4, por um período experimental de 84 dias, nos seguintes tratamentos: FAl – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de algodão; FG – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de girassol; FS – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de soja; FAm – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de amendoim. Será avaliada a produção, a composição do leite bem como o perfil de ácidos graxos no leite. Espera-se melhorar a qualidade da composição do leite com um custo de produção mais baixo e que este promova a saudabilidade. 

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930