Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento, todos os centros

Página Inicial / Busca de Projetos

112 projetos ativos encontrados - pág. 3 de 4

Melhoria da qualidade do peixe cultivado para o consumo humano

n° SGP 1125

Melhorar a sanidade e qualidade dos peixes cultivados em facilidades de piscicultura (reservatórios no estado de São Paulo e sistemas intensivos com recirculação de água na Dinamarca). A sanidade dos peixes será monitorada por abordagens clássicas e moleculares, e aprimorada por modulação de resposta imune inata por bioativos de β-glucanos. Parâmetros de qualidade da água, como comunidades bacterianas, toxinas e micróbios produtores de off-flavour serão relacionados a sanidade e crescimento dos peixes. 

Ver detalhes do projeto

  Gianmarco Silva David      Apta Regional / IP

Qualidade e composição do leite de vacas mestiças em lactação mantidas em pasto de capim Tanzânia e diferentes fontes de proteína no concentrado

n° SGP 1123

Pensando na importância do leite na alimentação humana com um custo acessível a todas as classes sociais, o presente trabalho quer demonstrar que manipulando a dieta animal e alterando a composição do leite, este produto fique com um melhor perfil de nutrientes capaz de melhorar a nutrição e a saúde humana. Para isto 16 vacas mestiças Holandês x Gir, em sistema de pastejo rotacionado, provenientes do rebanho leiteiro do Polo Regional da Alta Mogiana serão agrupadas em blocos homogêneos e distribuídas em um delineamento experimental Quadrado Latino 4 x 4, por um período experimental de 84 dias, nos seguintes tratamentos: FAl – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de algodão; FG – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de girassol; FS – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de soja; FAm – concentrado com 16,0% de PB na MS originário do farelo de amendoim. Será avaliada a produção, a composição do leite bem como o perfil de ácidos graxos no leite. Espera-se melhorar a qualidade da composição do leite com um custo de produção mais baixo e que este promova a saudabilidade. 

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

EFICIÊNCIA DE FOSFITOS NO CONTROLE DE VIROSES EM ABOBRINHA ITALIANA.

n° SGP 1122

Propõe-se a realização de experimentação em campo aberto, no Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Extremo Oeste, sediado no município de Andradina-SP. Serão realizados 5 tratamentos:  3 doses de fosfito (100g de fosfito 100 l-1, 200g de fosfito 100 l-1, 300g de fosfito 100 l-1), 1 tratamento com fungicida e 1 tratamento testemunha. O delineamento experimental utilizado será em blocos casualizados, com 7 repetições. As parcelas serão constituídas pelos tratamentos propostos. Cada parcela terá 4 plantas com dimensão de 2 m de comprimento x 1 m de largura. Serão avaliados o diâmetro de fruto, comprimento de fruto, massa de fruto total e comercial do fruto, número de frutos total e comercial, identificação de doença, severidade da doença predominante e será feito o teste sorológico ELISA (“Enzyme Linked Immunosorbent Assay”), do tipo PTA (“Plate Trapped Antigen”), para confirmar a infecção pelas estirpes fracas de PRSV-W e ZYMV ( Para tal serão utilizados antissoros específicos contra a proteína capsidial do PRSV-W e do ZYMV). Os dados serão analisados no programa Sisvar 5.0 para Windows. Os resultados serão submetidos à análise de variância e em caso de efeito significativo para os tratamentos as médias de produção serão comparadas pelo teste de Tukey a 5%.

Ver detalhes do projeto

  Humberto Sampaio de Araújo      Apta Regional / IAC

Avaliação da Sustentabilidade de Sistemas de Produção da Cana-de-açúcar no Estado de São Paulo: Uma proposta metodológica e de modelo conceitual ? SustenAgro

n° SGP 1112

A sustentabilidade atualmente figura como item fundamental para conferir competitividade às cadeias agropecuárias. E quanto mais competitiva a cadeia, maiores são as barreiras não tarifárias impostas pelos competidores nacionais e internacionais. Cada vez mais clientes, consumidores, governos, legislação, comércio internacional e mídia exercem fortes pressões sobre os elos das cadeias de produção agropecuária. Para reagir a essas pressões, devem-se lançar mãos de ferramentas atualmente disponíveis como: implementação de sistemas de gestão de qualidade no campo, boas práticas agrícolas, organização das propriedades e dos elos da cadeia, busca por certificação e rastreabilidade. Essas ferramentas servem para reunir evidências de que os processos estão seguindo normas e regras compatíveis com os requisitos da sustentabilidade. Assim torna-se possível a transposição de barreiras não tarifárias e com isso o suprimento da demanda dos clientes finais, cada vez mais preocupados com a origem dos produtos que adquirem. O presente projeto tem por objetivo desenvolver uma Metodologia, intitulada Método SustenAgro, para a avaliação da sustentabilidade de sistemas de produção com grande expressividade para a agricultura nacional: a priori a cana-de-açúcar. Para testar a sua aplicabilidade para a avaliação da sustentabilidade de modo geral serão realizados testes para sua aplicação nos sistemas de produção mais representativos de cana-de-açúcar no estado de São Paulo.

Ver detalhes do projeto

  Sérgio Alves Torquato      Apta Regional / IEA

SOJA MICRONIZADA SOBRE O DESEMPENHO E DIGESTIBILIDADE DE LEITÕES NA FASE INICIAL E EFEITOS RESIDUAIS NAS FASES DE CRESCIMENTO E TERMINAÇÃO

n° SGP 1094

Visto que o desmame é uma fase de grande estresse para o leitão, buscam-se ingredientes que possam ser inseridos na dieta de leitões desmamados, estimulando o consumo, melhorando a digestibilidade das dietas e reduzindo o nível de transtornos alimentares no pós-desmame. O farelo de soja (FS), apesar de ser uma opção economicamente viável traz consigo vários fatores que dificultam seu uso in natura. Nesse contexto, surge a soja micronizada (SM), que é tratada termicamente e reduzida a partículas pequenas, sendo capaz de inibir fatores antinutricionais da soja, além de aumentar a solubilidade e facilitar a assimilação de seus nutrientes. Com o objetivo de avaliar o efeito da substituição do farelo de soja por soja micronizada na dieta de leitões desmamados, será realizado experimento no Setor de Suinocultura do Instituto de Zootecnia e na UPD de Tanquinho. Serão testados cinco níveis de substituição do FS pela SM (0%, 25%, 50%, 75% e 100%). O experimento será dividido em três períodos: Período 1 - ensaio de desempenho da fase inicial, o qual serão utilizados 70 leitões com peso homogêneo e idade de 21 dias, distribuídos em blocos completos casualizados (definidos pelo peso inicial e sexo) com cinco tratamentos, sete repetições (blocos) por tratamento e dois animais por unidade experimental (baia), serão avaliados ganho de peso, consumo de ração, conversão alimentar, índice de diarreia e viabilidade econômica. Período 2- ensaio de desempenho nas fases de crescimento/terminação para a avaliação dos efeitos residuais do primeiro período sobre o desempenho, consumo alimentar residual (CAR), características de carcaça, qualidade da carne e proteômica, sendo utilizado os mesmos animais do Período 1. Período 3 - ensaio de digestibilidade, no qual serão utilizados 25 leitões em gaiolas metabólicas com cinco repetições por tratamento, utilizando o método da coleta total de fezes e urina e, testando as mesmas dietas experimentais do Período 1. Os dados serão analisados através do programa MIXED do SAS.

Ver detalhes do projeto

  SIMONE RAYMUNDO DE OLIVEIRA      Apta Regional / IZ

Avaliação do valor econômico de matrizes suínas de diferentes genótipos

n° SGP 1093

A evolução na produção e na produtividade suinícola das últimas décadas está fortemente vinculada aos avanços no melhoramento genético, na nutrição e na sanidade. O alto padrão exigido para a carne suína impulsiona os cientistas e a indústria para trabalharem concomitantemente com o objetivo do aprimoramento dos sistemas produtivos e das tecnologias envolvidas na produção, bem como a melhoria nos padrões de abate do animal, atendendo assim tanto a demanda tecnológica do complexo agroindustrial quanto às exigências dos consumidores.

Fatores genéticos e não genéticos influenciam a qualidade da carne. Entre os não genéticos, podem ser citadas as condições da granja, do transporte, do abate e do processamento (DE VRIES et al., 2000). A importância dos fatores genéticos pode ser verificada através de diferenças substanciais de herdabilidade entre e dentro de raças. A herdabilidade para a maioria das características da carne suína varia de 0,15 a 0,50 (SELLIER, 1998).

O tipo de produto que se deseja obter com a produção de suínos, ou seja, o mercado consumidor alvo é quem direciona a escolha do material genético que será usado, porque determinados genes herdados contribuem para a qualidade dos produtos obtidos após o abate, devendo-se, por isso, considerar as diferenças genéticas existentes entre raças, reprodutores e linhagens disponíveis no mercado.

Neste contexto a utilização de reprodutores de alto valor genético tem contribuído para o atendimento desta demanda por melhores animais que atendam às necessidades de qualidade de consumidores, tanto frigoríficos, entreposto de carnes e indústrias processadoras quanto do consumidor final. A utilização de suínos comerciais de alto potencial genético é importante para a obtenção de progênies que apresentem carcaças magras, com maior quantidade e qualidade da carne.

Ver detalhes do projeto

  SIMONE RAYMUNDO DE OLIVEIRA      Apta Regional / IZ

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE EM TRÊS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CAMARÃO-DA-AMAZÔNIA Macrobrachium amazonicum PARA O MERCADO DE ISCAS VIVAS

n° SGP 1092

O presente trabalho objetiva avaliar o desempenho produtivo e a sustentabilidade econômica e ambiental de três sistemas de produção (tanques-rede em monocultivo, tanques de polietileno “in door”, e viveiro em mono e policultivo com lambaris Astyanax altiparanae) de camarões de água doce Macrobrachium amazonicum direcionados para o mercado de iscas vivas, por meio de três experimentos a serem realizados em três anos consecutivos. Em cada sistema serão testados diferentes tratamentos para avaliação do mais eficiente para cada um. No primeiro experimento, 15 tanques-rede com 200 L de volume serão colocados em um viveiro de 40 m2 em monocultivo, sendo povoados na densidade de 80 PL / m2 de tanque-rede contendo substratos para aumentar a área útil utilizada pelos camarões. Os tratamentos testados consistirão na porcentagem de substrato a ser adicionado em relação à área já disponível nos tanques-rede (fundo e paredes): a) aumento de 90% na área de substrato disponível; b) aumento de 150% e c) aumento de 180%. No segundo experimento, 15 tanques de polietileno de 500 L cada serão povoados com PLs de M. amazonicum na densidade de 80 PL / m2, considerando a área do fundo dos tanques. Os tratamentos testados serão: a) cultivo com renovação de água na proporção de 10% ao dia; b) cultivo com renovação de água na proporção de 20% ao dia; c) cultivo em água recirculante com filtro biológico externo. No terceiro experimento, 15 viveiros com 16 m2 e 1 m de profundidade média cada serão povoados com PLs na densidade de 80 / m2. Os tratamentos testados serão: a) monocultivo; b) policultivo com lambaris em tanques-rede na densidade de 25 peixes / m3 (400 peixes / viveiro); c) policultivo na densidade de 50 peixes / m3 (800 peixes / viveiro). O desempenho produtivo dos camarões e dos lambaris será avaliado pelos principais indicadores zootécnicos (sobrevivência, peso e comprimento médios individuais, biomassa, taxa de crescimento específico - SGR e taxa de eficiência alimentar aparente - FCE). A comparação estatística será feita através de ANOVA seguida do teste de Tukey ou, caso necessário, através de uma análise não paramétrica. A viabilidade econômica será determinada pelos indicadores mais comuns usados na análise econômica de projetos zootécnicos: Período de Retorno de Capital (PRC), Valor Presente Líquido (VPL), Taxa Interna de Retorno (TIR), Relação Benefício Custo (RBC) e Ponto de Equilíbrio (PE). Os indicadores de sustentabilidade ambiental a serem comparados entre os três sistemas serão o uso dos principais recursos naturais (nitrogênio, fósforo, água e espaço) utilizados para a produção de camarões e, no caso do experimento 3, camarões e lambaris.

 

Ver detalhes do projeto

  Helcio Luis de Almeida Marques      Apta Regional / IP

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NO POLICULTIVO DE CAMARÕES DE ÁGUA DOCE MacrobrachiumrosenbergiiE LAMBARIS Astianaxaltiparanae

n° SGP 1073

O projeto será desenvolvido em dois anos consecutivos no Setor de Aquicultura do Polo Regional do Vale do Paraíba – APTA Regional, Pindamonhangaba (SP), utilizando 16 viveiros com 16 m2 cada.O objetivo será avaliar o desempenho produtivo e a sustentabilidade econômica e ambiental de dois sistemas de produção de camarões de água doce Macrobrachium rosenbergii em policultivo com lambaris Astyanax altiparanae.No Sistema 1 (primeiro ano do projeto), os lambaris serão confinados em tanques rede (TR) e os camarões serão cultivados livremente nos viveiros, nos seguintestratamentos:  A - Monocultivo de lambaris em TR na densidade de 50m-3 de viveiro; B – Monocultivo de camarões no viveiro, na densidade de 10m-2 de viveiro; C - Policultivo de lambaris em TR a 50 m-3 e camarões livres a 10 m-2 e D – Policultivo de lambaris em TR a 25m-3 e camarões livres a 10 m-2. No Sistema 2 (segundo ano do projeto), os lambaris e os camarões serão cultivados livremente no viveiro, nos seguintes tratamentos: A - Monocultivo de lambaris na densidade de 50 m-3 de viveiro; B – Monocultivo de camarões na densidade de 10 m-2 de viveiro; C - Policultivo de lambaris a 50 m-3 e camarões a 10 m-2 e D – Policultivo de lambaris a 25 m-3 e camarões a 10 m-2. Cada experimento terá a duração de 150 dias eserá utilizada uma ANOVA para testar os indicadores propostos. Os parâmetros zootécnicos a serem avaliados serão: sobrevivência, peso e comprimento médios individuais, biomassa, taxa de crescimento específico (SGR) e taxa de eficiência alimentar aparente (FCE). A sustentabilidade ambiental será medida pelaquantidade e eficiência do uso dos recursos nitrogênio, fósforo, água e espaço, além da avaliação sanitária dos animais cultivados.A sustentabilidade econômica será avaliada pelos indicadores econômicoscomumente utilizados na literatura para essa finalidade.

Ver detalhes do projeto

  Sergio Henrique Canello Schalch      Apta Regional / IP

Proteção dos Recursos Hídricos pela Agroecologia

n° SGP 1045

 A agroecologia tem por base fundamentar o conhecimento e as estratégias necessárias para desenvolver uma agricultura ambientalmente correta, economicamente viável e socialmente justa. A produção ecológica promove praticas para o manejo adequado dos solos, o equilíbrio entre plantas e outros organismos e aproveitamento mais eficiente da energia do sol. O projeto propõe estudos sobre formas de compostagem visando formas de controle de fontes de resíduos orgânicos com potencial para poluição da água. Também propõe a implantação de unidades de referência agroecológica com estratégias de pesquisa-acão, para avaliar a implantação e o desenvolvimento de sistemas de produção agroecológica, com alternativas para evitar o uso de agroquímicos que colocam em risco a qualidade dos recursos hídricos e dos produtores rurais. No caso da reciclagem de resíduos orgânicos, serão utilizados resíduos de pescado e hortaliças misturados com resíduos orgânicos de textura mais grosseira processados por trituradoras (ex. casca de coco, restos de poda, entre outros). As pilhas de compostagem serão manejadas por meio de três formas de aeração: revolvimento manual, pilha estática com aeração natural e pilha estática com aeração forcada. A implantação de sistemas de produção de base agroecológica atenderá prioritariamente a agricultura familiar, fornecedores do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE e interessados em utilizar o protocolo de Boas Praticas Manejo das atividades agropecuárias preconizado pela CATI. Além do uso do composto produzido, as unidades de referência agroecológica utilizarão outras práticas agroecológicas que contribuam para a diminuição do uso de agroquímicos na região e para a proteção dos recursos hídricos.

Ver detalhes do projeto

  Silvia Moreira Rojo Vega      Apta Regional / IAC

Condução de maracujazeiro amarelo pé-franco e enxertado

n° SGP 1044

CONDUÇÃO DE MARACUJAZEIRO-AMARELO PÉ FRANCO E ENXERTADO

Caracterização do problema:

O Brasil destaca-se como o principal produtor mundial de maracujá, entretanto, a nossa produtividade é baixa, em torno de 14,84 t/ha, devido principalmente a ocorrência de problemas fitossanitários, práticas inadequadas de calagem e adubação e manejo inadequado da lavoura.

A morte prematura de plantas, provocada pela associação de fungos de solo, nematóides e bactéria, tem-se constituído em um dos principais problemas para a cultura no Brasil. Uma das alternativas para o controle desse problema é a utilização de porta-enxertos resistentes (CHAVES et al, 2004, SILVA et al., 2005, CAVICHIOLI et al., 2009). Várias espécies de passifloras nativas vêm apresentando resistência a essas doenças (CHAVES et al., 2004), destacando-se entre elas o Passiflora gibertii (OLIVEIRA et al., 1984, RONCATTO et al., 2004, CAVICHIOLI et al., 2009).

Plantas enxertadas têm desenvolvimento diferente de plantas pé-franco (CAVICHIOLI et al., 2011). Assim, a condução da planta é um importante fator a ser considerado em um sistema de produção, podendo interferir na eficiência técnica e econômica de uma cultura. As práticas culturais realizadas na cultura do maracujazeiro são de fundamental importância para que a planta evidencie aumento de produtividade e melhor qualidade de fruto. Por se tratar de uma planta trepadeira, o maracujazeiro necessita de suporte para proporcionar a boa distribuição dos ramos e garantir a produção de frutos (Lima et al., 2002).

Nos sistemas comerciais são utilizados a espaldeira vertical com mourões e estacas de 2,5 de comprimento, espaçados de 4 a 6 m e com 1 ou 2 fios de arame liso. Na formação da lavoura recomenda-se deixar apenas o ramo mais vigoroso, eliminando-se todos os ramos laterais, que será conduzido por um tutor até o fio de arame (Lima et al., 2002). Posteriormente, esses brotos deverão ser despontados para forçar o desenvolvimento das gemas laterais que formarão os ramos produtivos.

Objetivo

 Considerando que o uso da enxertia tem apresentado resultados satisfatórios no cultivo do maracujazeiro, mas por tratar-se de uma prática relativamente recente na cultura, que ainda está muito pouco incorporada nos plantios comerciais, devido a falta de informações como taxas de pegamento, vigor e desenvolvimento das plantas no campo e tolerância às doenças dos porta-enxertos este trabalho tem por objetivo avaliar diferentes sistemas de condução sobre o desenvolvimento e a produtividade de plantas de maracujazeiro-amarelo pé franco e enxertadas.

Metodologia

Serão realizados dois experimentos, um utilizando-se plantas enxertadas e outro com plantas sem enxerto (pé-franco). O experimento nº 1 foi instalado no mês de outubro de 2015 e está sendo conduzido em uma propriedade na Estrada 14, município de Adamantina. O experimento 2 (plantas enxertadas) será conduzido no município de Pracinha-SP,  na região da Nova Alta Paulista, no período de 2016 a 2018. Serão utilizados plantas de maracujazeiro-amarelo (Passiflora edulis Sims) enxertadas sobre o maracujazeiro-de-veado (Passiflora gibertii N.E. Brown), adotando-se o delineamento estatístico em blocos ao acaso, com quatro tratamentos e seis repetições. Será adotada a enxertia hipocotiledonar por garfagem tipo fenda cheia. Os tratamentos serão constituídos de diferentes conduções dos ramos secundários: T1 - Eliminação do ponteiro e condução de dois ramos secundários, T2 - Eliminação do ponteiro e condução de um ramo secundário, T3 - Dobramento do ponteiro e condução com um ramo secundário e T4 - Dobramento do ponteiro e condução com dois ramos secundários. Serão avaliados o comprimento dos ramos secundários, o número de ramos terciários, número de frutos, diâmetro longitudinal de frutos, diâmetro transversal de frutos, massa de frutos e produtividade.

Palavras-chave: maracujazeiro amarelo, enxertia, condução, morte prematura de plantas.

 

Ver detalhes do projeto

  José Carlos Cavichioli      Apta Regional / IAC

ALTERNATIVAS PARA AMPLIAÇÃO DA RENDA DA CAFEICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO: CONSÓRCIO DE CAFEEIRO ARÁBICA (Coffea arabica L.) E NOGUEIRA-MACADÂMIA (Macadamia integrifolia Maiden & Betche)

n° SGP 1034

Anualmente, aproximadamente 7.000 hectares de cafeeiro são erradicados no Estado de São Paulo. O consórcio do café (Coffea arabica L.) com nogueira-macadâmia (Macadamia integrifolia Maiden & Betche) tem se mostrado benéfico à cultura, como redução na incidência de ventos e na temperatura máxima do ar. Esse sistema produtivo permite ao agricultor uma renda adicional proveniente da segunda cultura, o que o torna favorável. Assim, áreas ocupadas por cafezais com prognóstico de erradicação podem oferecer oportunidade de instalação de cultivos consorciados, provisórios ou permanentes, ampliando a renda dos produtores no Estado. Entretanto, não existem estudos de como se pode promover essa implantação do consórcio em lavouras de café pré-existentes. Quando plantados ao mesmo tempo, considerando o uso de colheitas manuais, o consórcio de café com a nogueira-macadâmia se mostrou economicamente mais eficiente que os cultivos solteiros, nos anos iniciais, oferecendo uma alternativa de ampliação de renda, principalmente aos pequenos cafeicultores. Contudo, nos últimos anos, até mesmo os pequenos produtores necessitaram mecanizar suas colheitas. Nesse aspecto, abriu-se uma lacuna sobre estudos da viabilidade do consórcio de café com a nogueira-macadâmia em sistemas totalmente mecanizados. Para elucidar as questões abordadas, instalaram-se dois experimentos. O experimento I foi instalado em julho de 2015, no município de Dois Córregos-SP, em uma área com cultivos de café solteiro e consorciado com nogueira-macadâmia, de 9 anos de idade. O experimento é conduzido totalmente em condição irrigada, é composto por seis tratamentos, mais testemunha, ou seja, café consorciado com seis variedades de nogueira-macadâmia (IAC 9-20, IAC 4-12B, IAC 4-20, HAES 660, HAES 816, e HAES 344) e café solteiro, instalado em delineamento inteiramente casualizados, com cinco repetições. Esse tem o objetivo de avaliar se o sistema consorciado, em fase adulta, oferece vantagens fitotécnicas econômicas sobre o cultivo solteiro, nas condições de colheita mecanizada. E também, avaliar qual dentre as variedades de nogueira-macadâmia tem características mais desejáveis ao consórcio em cultivo totalmente mecanizado, em idade “adulta”. O experimento II foi instalado em outubro de 2014 no município de Gália-SP, com o objetivo de estudar formas de substituição de lavouras de café ineficientes por cultivos consorciados de café-macadâmia viáveis. Nesse, o delineamento foi o de blocos casualizado, com 4 repetições e 6 tratamentos: 1 – eliminação de um cafeeiro e plantio da nogueira-macadâmia em sua cova; 2 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros recepados, a 40 cm; 3 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros esqueletados, a 30 cm; 4 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros que não sofrerão interferência; 5 – nogueira-macadâmia solteira, plantada em área de café erradicado e 6 – café solteiro. Em ambos os experimentos serão avaliados: altura da planta, diâmetro da copa e diâmetro do tronco das plantas de macadâmia, número de nozes por planta, produção de nozes por planta e produção de amêndoas por área nas nogueiras-macadâmia e altura, diâmetro do tronco e produtividade dos cafeeiros. Os dados serão analisados com o auxílio do programa estatístico SAS (2003) e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Em ambos os experimentos, todos os valores de entrada e saída de recursos serão registrados e, considerando-se os custos de produção e receitas brutas obtidas, far-se-á um comparativo entre as receitas líquidas, apurando-se o tratamento de maior viabilidade.Anualmente, aproximadamente 7.000 hectares de cafeeiro são erradicados no Estado de São Paulo. O consórcio do café (Coffea arabica L.) com nogueira-macadâmia (Macadamia integrifolia Maiden & Betche) tem se mostrado benéfico à cultura, como redução na incidência de ventos e na temperatura máxima do ar. Esse sistema produtivo permite ao agricultor uma renda adicional proveniente da segunda cultura, o que o torna favorável. Assim, áreas ocupadas por cafezais com prognóstico de erradicação podem oferecer oportunidade de instalação de cultivos consorciados, provisórios ou permanentes, ampliando a renda dos produtores no Estado. Entretanto, não existem estudos de como se pode promover essa implantação do consórcio em lavouras de café pré-existentes. Quando plantados ao mesmo tempo, considerando o uso de colheitas manuais, o consórcio de café com a nogueira-macadâmia se mostrou economicamente mais eficiente que os cultivos solteiros, nos anos iniciais, oferecendo uma alternativa de ampliação de renda, principalmente aos pequenos cafeicultores. Contudo, nos últimos anos, até mesmo os pequenos produtores necessitaram mecanizar suas colheitas. Nesse aspecto, abriu-se uma lacuna sobre estudos da viabilidade do consórcio de café com a nogueira-macadâmia em sistemas totalmente mecanizados. Para elucidar as questões abordadas, instalaram-se dois experimentos. O experimento I foi instalado em julho de 2015, no município de Dois Córregos-SP, em uma área com cultivos de café solteiro e consorciado com nogueira-macadâmia, de 9 anos de idade. O experimento é conduzido totalmente em condição irrigada, é composto por seis tratamentos, mais testemunha, ou seja, café consorciado com seis variedades de nogueira-macadâmia (IAC 9-20, IAC 4-12B, IAC 4-20, HAES 660, HAES 816, e HAES 344) e café solteiro, instalado em delineamento inteiramente casualizados, com cinco repetições. Esse tem o objetivo de avaliar se o sistema consorciado, em fase adulta, oferece vantagens fitotécnicas econômicas sobre o cultivo solteiro, nas condições de colheita mecanizada. E também, avaliar qual dentre as variedades de nogueira-macadâmia tem características mais desejáveis ao consórcio em cultivo totalmente mecanizado, em idade “adulta”. O experimento II foi instalado em outubro de 2014 no município de Gália-SP, com o objetivo de estudar formas de substituição de lavouras de café ineficientes por cultivos consorciados de café-macadâmia viáveis. Nesse, o delineamento foi o de blocos casualizado, com 4 repetições e 6 tratamentos: 1 – eliminação de um cafeeiro e plantio da nogueira-macadâmia em sua cova; 2 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros recepados, a 40 cm; 3 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros esqueletados, a 30 cm; 4 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros que não sofrerão interferência; 5 – nogueira-macadâmia solteira, plantada em área de café erradicado e 6 – café solteiro. Em ambos os experimentos serão avaliados: altura da planta, diâmetro da copa e diâmetro do tronco das plantas de macadâmia, número de nozes por planta, produção de nozes por planta e produção de amêndoas por área nas nogueiras-macadâmia e altura, diâmetro do tronco e produtividade dos cafeeiros. Os dados serão analisados com o auxílio do programa estatístico SAS (2003) e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Em ambos os experimentos, todos os valores de entrada e saída de recursos serão registrados e, considerando-se os custos de produção e receitas brutas obtidas, far-se-á um comparativo entre as receitas líquidas, apurando-se o tratamento de maior viabilidade.

Ver detalhes do projeto

  Marcos José Perdoná      Apta Regional / IAC

VARIABILIDADE GENÉTICA E NÃO GENÉTICA NO DESEMPENHO DE EQUINOS

n° SGP 1024

Serão comparados sistemas de produção de equinos da raça Brasileiro de Hipismo (BH) sob distintos efeitos genéticos e ambientais. Matrizes pertencentes ao rebanho do PRDTA da Alta Mogiana, Colina serão acasaladas com garanhões das raças BH ou Hanoveriano. Os animais do rebanho avaliado serão mantidos em sistema intensivo ou semi-extensivo. Serão registradas informações sobre crescimento, desenvolvimento ósseo, comportamento, nutrição, conformação corporal, qualidade dos andamentos básicos e saltos em liberdade dos potros e cavalos jovens, de modo a avaliar a variabilidade genética e não genética nos sistemas de produção considerados.

Tendo disponíveis tais informações, relevantes ao desempenho esportivo das progênies de garanhões e matrizes, contando com rebanho base de qualidade genética louvável, será implementado programa de seleção dentro de rebanho, mediante a avaliação do desempenho esportivo de potros e cavalos jovens.

Como resultados principais, haverá o fomento ao mercado consumidor de animais genetica e fenotipicamente superiores, transferência de tecnologia na avaliação de equídeos de salto a outros criatórios, na criação mais sustentável do ponto de vista econômico, ambiental e social, além disso, proverá formação e treinamento de recursos humanos, desde o nível básico até o de formação superior.

Devido ao fato da pesquisa avaliar o próprio rebanho da fazenda, o interesse em empresas privadas contribuírem com recursos financeiros, é bastante escasso. No caso, o maior interesse, é para a própria instituição – em virtude da geração de informações úteis para a melhora produtiva e técnica do rebanho, bem como para a comunidade que é prestigiada por equinos de melhor qualidade para as diversas funções, bem como pela disponibilização de informações a serem utilizadas em outros criatórios.

Ver detalhes do projeto

  Anita Schmidek      Apta Regional / IZ

Estabelecimento de programa reprodutivo utilizando inseminação artificial em tempo fixo seguido de ressincronização em fêmeas bovinas leiteiras

n° SGP 1023

A inseminação artificial (IA) é uma tecnologia relevante para aumentar a produtividade em rebanhos especializados na produção de leite. Os programas de sincronização da ovulação para inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são ferramentas que permitem aumentar o número de fêmeas inseminadas, eliminando a necessidade de detecção de estro, aumentando a eficiência reprodutiva dos rebanhos. Atualmente, os protocolos de sincronização da ovulação estabelecidos, apresentam resultados satisfatórios e previsíveis quando aplicados em propriedades com adequado manejo nutricional e sanitário. Vários estudos foram realizados para estabelecer programas reprodutivos aplicados ao manejo das propriedades comerciais com os protocolos de IATF existentes. Tais programas visam facilitar e intensificar a aplicação dessas biotecnologias, bem como adequá-las aos objetivos específicos de cada fazenda. Atualmente, dentre as formas de intensificação do uso da IA/IATF, o estabelecimento de programas de ressincronização das fêmeas não gestantes após o primeiro serviço merecem destaque. Os programas de ressincronização eliminam a necessidade de observação de estro (facilitam o manejo e aumentam a taxa de serviço), reduzem o intervalo entre o parto e a concepção (aumentam a eficiência reprodutiva) e aumentam o número de produtos oriundos de IA (incremento do ganho genético), determinando maior lucratividade às propriedades produtoras de leite. Em resumo, o aprimoramento das técnicas de IATF associadas aos programas de ressincronização são ferramentas eficientes para o alcance máximo da eficiência reprodutiva dos rebanhos de forma organizada, pré-determinada e previsível, ou seja, com resultados zootécnicos satisfatórios e precisos. Portanto, uma vez estabelecido o objetivo da atividade rural, esses programas são incorporados ao sistema de produção e de gestão, aumentando a produtividade e a rentabilidade da propriedade.Os tratamentos hormonais utilizados na IATF faz parte da parceria com o Departamento de Reprodução Animal da FMVZ/USP.

Ver detalhes do projeto

  João Batista Pereira de Carvalho      Apta Regional / IZ

REAÇÃO DE PORTA ENXERTOS DE NOGUEIRA MACADAMIA (MACADAMIA INTEGRIFOLIA), AOS NEMATOIDES DAS GALHAS (MELOIDOGYNE SPP) E AO DAS LESÕES RADICULARES (PRATYLENCHUS BRACHYURUS)

n° SGP 1013

O objetivo desse trabalho será avaliar a resistência de variedades de nogueira macadâmia (Macadamia integrifolia), a nematoides das galhas (Meloidogyne spp), e ao das lesões radiculares (Pratylenchus brachyurus). Serão utilizados sete (7) cultivares de nogueira macadamia (Macadamia integrifolia): HAES 344, HAES 660, HAES 816 e IAC 10-14, IAC 4-12B, IAC 9-20 e IAC 4-20. As sementes serão coletadas no município de DOIS CORREGOS – SP, germinadas em caixas de madeira, com areia estéril. Após a germinação, as mudas serão transplantadas, uma por vaso, para recipientes de polietileno, contendo 2000 ml de solo autoclavado, na proporção de 1:2:1 (solo:areia:matéria orgânica). Cada planta será inoculada com 5.000 ovos, e eventuais juvenis de segundo estádio (Pi), da população dos nematoides Meloidogyne enterolobii, Meloidogyne javanica, Meloidogyne incógnita, raça 2, M. paranaensis, M. exigua e Pratylenchus brachuyrus, provenientes de populações puras, mantidas em tomateiros ‘Rutgers’, processadas segundo o método de extração proposto por Hussey & Baker (1973), modificado por Bonetti & Ferraz (1981). O tomateiro ‘Rutgers’ também será utilizado como padrão de viabilidade do inóculo. O delineamento experimental será inteiramente casualizado com sete tratamentos e cinco repetições. A avaliação do índice de galhas, índice de massas de ovos e fator de reprodução do nematoide (FR=PF/PI) será realizada 60 dias após a inoculação. O sistema radicular de cada parcela será pesado, colorido com Floxine B, para a coloração das massas de ovos externas, as quais serão contadas e relacionadas com escala de notas de 0 a 5, assim como as galhas presentes. Em seguida, será processado, pelo método de trituração no liquidificador, peneiramento e centrifugação para a obtenção do fator de reprodução (Pf/Pi). 

Ver detalhes do projeto

  Maria José De Marchi Garcia      Apta Regional / IB

Sustentabilidade da agricultura familiar no Centro Oeste paulista

n° SGP 1006

A sustentabilidade da atividade agrícola é o objetivo para a agricultura familiar. Para atingir a sustentabilidade, a propriedade rural necessita desenvolver diversas funções, como questões socioambientais e melhorias na gestão da atividade econômica. A proposta do projeto é auxiliar a demanda da região para garantir a sustentabilidade da agricultura familiar paulista, principalmente na cadeia da olericultura e da fruticultura na região Centro Oeste do estado de São Paulo. A metodologia será revisão bibliográfica de dados secundários em seus aspectos históricos, sociais, econômicos e políticas. As informações coletadas serão a base da formulação indicadores determinantes nessa atividade econômica. O resultado esperado do projeto proporciona uma ferramenta para melhorar as condições na renda da agricultura familiar para permanência do homem no campo.

Ver detalhes do projeto

  Raquel Nakazato Pinotti      Apta Regional / IEA

ENSILAGEM DA POLPA ÚMIDA DE LARANJA

n° SGP 993

O objetivo será avaliar a ensilagem da polpa úmida de laranja e, para isso, este projeto será realizado em três fases. Na fase 1 será determinado o teor de polpa cítrica peletizada (0, 10%, 20%, 30% p/p) a ser adicionada à polpa úmida de laranja para atingir a matéria seca (MS) final entre 25% a 35%, avaliando-se as perdas totais, composição bromatológica, populações microbianas, pH e nitrogênio amoniacal das silagens nos tempos zero e 60 dias de fermentação. Serão confeccionados 20 silos experimentais (4 tratamentos com 5 repetições) de 25 litros cada, com base delineamento inteiramente casualizado. Na fase 2 será avaliado o efeito de diferentes doses de aditivos químicos ou microbiano na ensilagem de polpa úmida de laranja em dois níveis de MS: um com a polpa ao natural, sem adição de pellet, e outro com a polpa + pellet selecionado na fase 1. Os aditivos e respectivas doses: (BNZ) benzoato de sódio (0, 0,05%, 0,1%, 0,2%), (SRB): sorbato de potássio (0, 0,05%, 0,1%, 0,2%), (OXC) óxido de cálcio (0, 0,5%, 1%, 2%) e (BUCH) L. buchineri (0, 1.103, 1.105, 1.107 UFC) serão estudados separadamente para viabilizar a realização à contento das análises descritas na fase 1, nas silagens no tempo zero e após 60 dias de armazenamento anaeróbio. Serão confeccionados 40 silos para cada tratamento, em arranjo fatorial 4 x 2, sendo 4 doses de cada aditivo e 2 níveis de MS da polpa úmida de laranja, com cinco repetições. Após a abertura final, em cada tratamento será avaliado a estabilidade aeróbia, medindo-se o perfil microbiano, pH, nitrogênio amoniacal e temperatura da silagem após 4, 8 e 12 dias de exposição aeróbia. Na fase 3 será comparado os efeitos dos aditivos (BNZ, SRB, OXC e BUCH) na melhor dose selecionada na fase 2, no controle das perdas durante a fermentação e estabilidade aeróbia das silagem da polpa úmida de laranja com dois níveis de MS, conforme descrito nas fases 1 e 2. O delineamento estatístico da estabilidade aeróbia nas fases 1, 2 e 3 será o inteiramente casualizado, com medidas repetidas no tempo. O objetivo final deste trabalho será obter uma silagem adequada para formulação de ração animal.

 

Ver detalhes do projeto

  Regina Kitagawa Grizotto      Apta Regional / IZ

Uso racional da água em áreas de produção de frutíferas irrigadas na Bacia Hidrográfica do Médio Paranapanema, em condições de solo arenoso.

n° SGP 985

Esta experimentação consiste na implantação de um projeto de fruticultura, por meio do cultivo de videira, com  o objetivo de avaliar o desempenho agronômico de diferentes porta-enxertos de uva em condições de irrigação e sequeiro e com uso de cobertura plástica, comparada ao método convencional e a viabilidade da adoção de cultivo protegido com uso de cobertura com plástico impermeável em futuros cultivos na região. Será instalado na área do Polo Regional do Médio Paranapanema, em Assis, estado de São Paulo, coordenadas geográficas de 22°37’02’’ S; 50°22’30,5’’ O, altitude de 546 m, cujo solo é classificado como Latossolo Vermelho distrófico típico (LVd), que representa boa parte das áreas exploradas com pastagens na região do Médio Paranapanema. 
O experimento será implantado com copa de uva Niágara, enxertada em 2 porta-enxertos diferentes (IAC 572 ‘Jales’ e IAC 766 ‘Campinas’), no espaçamento de 3,20m x 1,00m. O sistema de condução será em manjedoura em forma de Y. Nas bordaduras, serão plantadas mais 160 mudas com copas e porta-enxertos diferentes, para observação do desempenho agronômico na região.  Experimento será em parcelas subsubdivididas, 2x2x2x4, com os fatores Cobertura plástica (Tratamento principal), irrigações (tratamento secundário) e porta-enxertos (subsubtratamentos), distribuídos em 04 blocos casualizados completos, perfazendo um total de 32 subsubparcelas. A dimensão das parcelas será de 3,20m de largura por 10,0m de comprimento, com 10 plantas por parcela. No total, parcelas mais bordadura, serão 480 plantas de uva. A área total experimental será de cerca de 0,2 hectares. 

Serão realizadas avaliações periódicas nos experimentos de uva quanto a:

- Avaliações biométricas no primeiro ano: número total de ramos, diâmetro médio dos ramos, comprimento do maior ramo e massa fresca total média dos ramos;- Crescimento e fenologia (a partir do 2° ano): início da brotação, datas de florescimento pleno (50 % das flores abertas) e de colheita (80% dos frutos no ponto de colheita), determinação do ciclo de maturação (período compreendido entre a data de florescimento  pleno e data de colheita);- Produção e qualidade dos frutos (a partir do 2° ano): número de cachos/planta; peso, diâmetro e comprimento dos cachos; e qualidade de frutos (teor de sólidos solúveis - °Brix).- Monitoramento de doenças: será feito o monitoramento das principais doenças da videira através de avaliações periódicas da sintomatologia a campo.           

A partir das primeiras colheitas, será realizada análise sócio-econômica das atividades, ressaltando custo de produção, rentabilidade e a viabilidade do sistema de irrigação empregado.

            As análises estatísticas serão realizadas por meio da análise de variância (ANOVA) e as médias comparadas pelo teste de Tukey 5%.

Ver detalhes do projeto

  SERGIO DONÁ      Apta Regional / IAC

Avaliação da Eficiência de Óleos Essenciais, Extratos de Plantas e Microorganismos Probióticos Sobre Ecto e Endoparasitos de Bovinos Leiteiros.

n° SGP 973

Afecções parasitárias, causadas por carrapatos (Boophilus microplus) e helmintos (Ordem Strongylida) produzem uma variedade de síndromes clínicas e subclínicas desfavoráveis ao desenvolvimento dos rebanhos bovinos, especialmente de exploração leiteira, resultando em perdas e prejuízos econômicos para o produtor e comprometendo a qualidade dos produtos oferecidos ao consumo da população e conseqüentemente à saúde pública. O produtor utiliza práticas tradicionais de manejo devido à necessidade de sobrevivência da propriedade  e à pressão do mercado e à carência de métodos alternativos de controle. O controle ecto e endoparasitos é um dos maiores problemas em um sistema de produção de leite sustentável, acarretando aumento nos custos de produção, em função do uso cada vez maior de antiparasitários, devido principalmente a falta de eficácia dos produtos disponíveis no mercado ocasionada pela resistência dos parasitos aos princípios ativos atuais. Em face desta nova filosofia, há a necessidade de estudos que possam dar subsídios a utilização dessa modalidade de controle alternativo, visando não só a viabilidade econômica, mas também que possam dar validação cientifica ao modo de ação, dosagem, segurança na manipulação de tais substâncias no controle dos parasitos pelos produtores.  O presente trabalho visa obter alternativas para controle de ecto e endoparasitos de bovinos leiteiros na região do Vale do Paraíba, Estado de São Paulo por meio da realização de  teste para determinação da eficiência   e cálculos de concentração eficaz de fitoterápicos (in vitro ), sobre condições de campo (in vivo)  e a utililização de probióticos, complemento alimentar natural, composto de microorganismos vivos, que possuem diversos efeitos benéficos a saúde do hospedeiro, principalmente pelo estimulo à imunidade que promovem o aumento de anticorpos ou atividade dos macrófagos.

 

Ver detalhes do projeto

  JOSE ROBERTO PEREIRA      Apta Regional / IAC

USO RACIONAL DA ÁGUA NA FRUTICULTURA IRRIGADA DA REGIÃO CENTRO OESTE PAULISTA

n° SGP 970

A adoção de técnicas de irrigação vem de encontro ao conceito de manejo otimizado das lavouras. Entretanto, os benefícios estão atrelados ao correto manejo do sistema. Dentre estes benefícios, pode-se citar: aumento da produtividade e qualidade do produto agrícola; maximiza o uso da água racionalizando a sua utilização; diminui as perdas de nutrientes por lixiviação; otimiza o armazenamento de água no perfil do solo; minimiza problemas com encharcamento do solo; otimiza a absorção dos nutrientes pelas plantas.

No manejo de um sistema de irrigação deve-se levar em consideração a fase fenológica de cada cultura, pois as exigências hídricas são distintas. A setorização dos projetos de irrigação permite este manejo, fornecendo águia na quantidade, local e fase correta de cada lavoura.

A utilização de sistemas de irrigação localizada na fruticultura pode ser considerada uma tecnologia de relação custo: benefício extremamente atraente ao produtor rural, uma vez que o aumento da produtividade e qualidade dos frutos aumentam a rentabilidade pagando o investimento rapidamente.

A existência de uma área experimental de agricultura sustentável, com infraestrutura para o desenvolvimento da agricultura irrigada, e de pesquisadores de diferentes instituições atuando de maneira integrada, possibilitará a geração de tecnologias apropriadas e o treinamento de técnicos e produtores da região e, conseqüentemente, a rápida adoção das tecnologias e o retorno dos investimentos públicos.

Os resultados a serem alcançados com a realização deste projeto irão preencher uma importante lacuna no conhecimento necessário para o correto manejo de pomares irrigados na região do Planalto Paulista, especialmente em relação ao estresse hídrico, associado ao monitoramento fitossanitário das culturas. O conhecimento a ser gerado subsidiará a elaboração de recomendações para as culturas, buscando incrementar seu rendimento e retorno econômico nas condições do Planalto, com base no manejo adequado da irrigação e escolha do material genético mais adaptado para a região.

Ver detalhes do projeto

  Adriana Novais Martins      Apta Regional / IAC

DESEMPENHO DE CULTIVARES DE CEBOLA E MANEJOS DO SOLO NO OESTE PAULISTA

n° SGP 969

O cultivo da cebola tem despertado interesse de produtores do Oeste Paulista, especialmente devido aos programas governamentais que adquirem produtos da agricultura familiar, sendo a cebola uma hortaliça adquirida em grandes volumes por este mercado. Para fornecer suporte aos agricultores no cultivo desta hortaliça nessa região são necessários estudos que posicionem variedades com maior adaptabilidade às condições locais de clima e solo. Deste modo, o objetivo deste projeto é avaliar materiais de polinização aberta e híbridos de cebola cultivados em diferentes manejos. Os experimentos serão realizados no outono-inverno. Serão avaliados os seguintes cultivares: Bella Dura, Primavera, Boreal, Sirius e Sulista em rotação com alface cultivado em plantio direto sobre Brachiaria ruziziensis e de forma convencional. Também serão avaliadas as cultivares HT 125 Belinha, Atlanta, Bella Dura, Optima e Aquarius cultivadas sobre mucuna e milheto incorporados, mais a testemunha sem adubação verde. Os experimentos serão realizados no Polo Regional da Alta Sorocabana, no delineamento em blocos ao acaso com quatro repetições. Adicionalmente serão realizadas áreas demonstrativas com esses materiais em assentamentos de Teodoro Sampaio.

 

Ver detalhes do projeto

  Andréia Cristina Silva Hirata      Apta Regional / IAC

Rede Agroecológica Caiçara: Grupos de Consumo e as Políticas Públicas

n° SGP 965

Este projeto visa avaliar um coletivo de produção e consumo responsáveis de Ubatuba: a Rede Agroecológica Caiçara. A iniciativa surgiu de um arranjo interinstitucional e multidisciplinar que envolve pesquisa, assistência técnica, extensão rural e políticas públicas em interação direta com a produção e o consumo. A Rede Agroecológica Caiçara foi idealizada e criada em junho de 2013 por integrantes desse grupo e consiste em um coletivo de produção e consumo que visa simplificar e otimizar a produção e comercialização dos produtos da agricultura familiar de Ubatuba, SP por meio da aproximação entre produtores, consumidores e técnicos. Os objetivos do projeto são: 1- avaliar o capital social criado no contexto da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara, por meio da avaliação das redes de relações estabelecidas; 2 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural; 3 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com o Plano Nacional de Economia Solidária, 4 - avaliar a convergência da iniciativa da Rede Agroecológica Caiçara com o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica; de modo a ampliar a visão interna da iniciativa, assim como, verificar sua adequação às políticas públicas que definem a sua interação com o ambiente externo. Para atender o primeiro objetivo, propõe-se a metodologia de Net-Maps que visa avaliar o capital social por meio da percepção individual da rede de relações estabelecida. Para o segundo e terceiro objetivos, a metodologia proposta é de revisão bibliográfica para comparação da iniciativa com as políticas e planos em questão. É uma proposta de baixo custo que visa o bom aproveitamento dos recursos públicos que já estão investidos na instituição e que não são passíveis de financiamento – como salários dos pesquisadores, computadores, energia elétrica, além do capital social - criado nas fases anteriores do projeto, que viabiliza a colaboração na atual fase do projeto, assim como, a operacionalização do projeto.

Ver detalhes do projeto

  ISABEL FERNANDES PINTO VIEGAS      Apta Regional / IEA

Teste de progênies de segunda geração de pinus Tropicais para produção de resina e madeira

n° SGP 958

A introdução de espécies florestais exóticas no Brasil proporcionou grandes benefícios para o desenvolvimento socioeconômico de diversas regiões do País, o Pinus está dentre as espécies exóticas de rápido crescimento que tiveram grande sucesso como produtoras de aglomerados, laminados, madeira, móveis, serraria, celulose e resina, para esta, tem se destacado as espécie Pinus caribaea e suas três variedades. E procurando selecionar material genético adaptado e produtivo para as diferentes regiões bioclimáticas, este trabalho tem como objetivo: i. Avaliar os caracteres de crescimento (altura, CAC) em experimentos de Pinus caribaea var. bahamensis e Pinus caribaea var. hondurensis; ii. Estimar a variabilidade genética entre as progênies; iii. Determinar os ganhos na seleção para selecionar as melhores progênies para produção de resina.

Ver detalhes do projeto

  Gustavo Pavan Mateus      Apta Regional / IAC

Agroecologia, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional

n° SGP 948

O direito a alimentação adequada e saudável, o resgate e incentivo ao consumo de plantas não convencionais, reconhecer o alimento como patrimônio cultural constituem-se em aspectos chave que fortalecem a defesa dos biomas e territórios, com suas especificidades culturais e com suas lutas pelo direito à alimentação adequada e saudável. Este projeto tem a finalidade do resgate, produção, consumo e promoção do auto-consumo de plantas não convencionais em áreas rurais e peri-urbanas;  avaliar como as ações de Segurança Alimentar são estruturadoras dos sistemas agroecológicos e dos processos sociais a eles interligados;  estudo de métodos de propagação e  germinação  de espécies de plantas não convencionais e produção de cartilha técnica sobre manejo agroecológico de plantas não convencionais. A metodologia participativa norteadora do projeto visa à construção e validação de estratégias agroecológicas assegurando a soberania, segurança alimentar e nutricional a partir da utilização da biodiversidade local. 

 

O presente projeto encontrava-se em execução no Polo Vale do Paraíba, desde 2011, registrado no SIGA sob NRP 4194, Hortaliças Não Convencionais: Aspectos fitotécnicos de cultivo, fenologia reprodutiva e qualidade nutricional, findando em dezembro/2015. Foi, durante todo o seu desenvolvimento, custeado por outro projeto que havia financiamento da FAPESP (NRP 4446 - Estratégias de adubação verde em plantio direto para produção orgânica de brocolis e milho verde no Vale do Paraiba. Em outubro de 2015,  o projeto sofreu algumas modificações, sendo submetido a FAPESP, que em dezembro/2015, retornou denegando o mesmo, porém com possiblidades de recorrer, o que foi realizado. Estou aguardando novo parecer da FAPESP, porém o projeto já implantado no campo, onde está sendo realizado a fase 2, com o viveiro antigo, fazendo a mutenção e ampliação da unidade de PANC, e estudos de método de propagação, tempo de germinação e manejo agroecológico das espécies constantes no projeto. Também estamos elaborando processo para venda de residuo de pesquisa oriunda da área deste projeto, de estacas de gliricídea, oriundos do manejo agroecológico a ser realizado, para recolher recursos, e utilizá-lo no projeto.

 

Ver detalhes do projeto

  CRISTINA MARIA DE CASTRO      Apta Regional / IAC

Avaliação do Desempenho Zootécnico de Duas Linhagens de Suínos

n° SGP 934

Serão avaliadas as curvas de crescimento e, carcaça e alguns parâmetros de qualidade carne de duas linhagens de suínos AGPIC 337 e AGPIC 426  para a validação dos sistemas de melhoramento genético. As curvas de crescimento serão obtidas pelos dados do desempenho zootécnico de 82 suínos, machos imunocastrados e fêmeas, dos 23 Kg aos 135 Kg de Peso Vivo. O rendimento em carne magra, o pH e a cor serão coletadas de todos os animais após o abate realizado em frigorífico comercial.  

Ver detalhes do projeto

  SIMONE RAYMUNDO DE OLIVEIRA      Apta Regional / IZ

Efeito da aplicação do Componente N1 na formação de raízes, brotação de colmos, desenvolvimento vegetativo, qualidade tecnológica e produtividade da cana-de-açúcar.

n° SGP 922

Os objetivos desta proposta será avaliar os efeitos do uso do adubo biológico gerado a partir da mistura de Componente N1 juntamente com conteúdo ruminal ou esterco bovino em processo denominado “Compostagem Líquida Contínua” (CLC). Esse produto oriundo dessa biofabrica tem a finalidade de estimular o desenvolvimento do sistema radicular e brotação inicial das gemas de cana-de-açúcar (ensaio 1). No ensaio 2, em condições de campo,  além das considerações acima, o produto poderá propiciará melhor desenvolvimento da cultura, produtividade e qualidade tecnológica de colmos quando comparados apenas ao tratamento controle representado pela fertilização mineral. Para atingir os objetivos acima serão desenvolvidos dois experimentos, um em casa de vegetação para observar a brotação das gemas e desenvolvimento inicial das plantas de cana-de-açúcar (Ensaio 1), e outro em condições de campo, que será desenvolvido durante 3 ciclos agrícolas consecutivos (ensaio 2).

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

VIABILIZAÇÃO DA MISTURA DE VINHAÇA CONCENTRADA COM ADUBOS NITROGENADOS PARA ADUBAÇÕES DE CANAVIAIS COLHIDOS SEM QUEIMA: Aspectos Agronômicos e Ambientais

n° SGP 913

O presente estudo refere-se à caracterização da vinhaça concentrada que permite tornar economicamente viável a sua aplicação em canaviais colhidos sem queima. O projeto objetiva avaliar a possibilidade de aplicação de fontes nitrogenadas juntamente com a vinhaça concentrada, de modo a fornecer adubação nitrogenada e potássica à cultura, em apenas uma aplicação no campo. Na mistura vinhaça - adubos nitrogenados há perdas de nitrogênio por volatilização, que podem trazer consequências ambientais e econômicas. O estudo contempla determinar quais são as perdas e quantificá-las para cada fonte de adubos nitrogenados, determinando qual a mistura e fonte mais apropriadas que maximizem a eficiência da mistura, viabilizando a substituição das adubações nitrogenadas e potássicas convencionais em uma única aplicação da mistura, e aumente o raio econômico de aplicação da vinhaça concentrada.
Desta forma, os trabalhos a serem conduzidos nessa pesquisa contribuirão para a adoção de práticas ambientalmente corretas, desde o transporte, até a utilização de novas fontes nitrogenadas junto com a vinhaça para a sua aplicação. O projeto iniciou-se em 2014, com a primeira parte de caracterização e primeiro ensaio de volatilização finalizados em outubro/2015. Uma segunda etapa foi incorporada ao projeto, visando o refinamento dos dados sobre a volatilização de adubos nitrogenados compostos com ureia protegida, que foi a opção mais segura encontrada na etapa anterior do projeto. Esta nova fase iniciou-se em novembro de 2015 e será finalizada em outubro de 2016, compreendendo dois ensaios de volatilização realizados no verão e inverno, de modo a assegurar-se da eficácia do processo em condições de alta e baixa temperatura do ambiente.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Diagnóstico de efluentes da suinocultura nas bacias do Piracicaba, Capivari, Jundiaí (PCJ) e tratamento em estação piloto

n° SGP 912

A criação de suínos em baías, caracterizada pela concentração de animais por área, exige cuidados higiênicos que reduzam a proliferação de moscas e bactérias, e proporcione bem estar animal. A lavagem diária das baías é o método mais usado para limpeza das baías, e consomem volume de água equivalente a 50 a 200 litros/matriz, considerando 01 matriz = 10 animais. Menores volumes usados de água usados produzem efluentes brutos com valores de DBO em torno de 50.000-60.000 mg L-1, e volumes maiores dejetos menos concentrados, em torno de 30.000 mg L-1. O potencial poluidor dos dejetos de suínos é cerca de quatro vezes ao dos dejetos humanos, e além da carga orgânica, são concentrados em nitrogênio, fósforo, e apresentam contaminantes como coliformes, ovos de helmintos, salmonella, e metais pesados como Cu e Zn. Dejetos de suinocultura durante anos foram despejados in natura em solos vizinhos às granjas, que em muitos casos já se encontram contaminados, com riscos de contaminação das águas subterrâneas. Em outros casos foram lançados diretamente em águas superficiais. Levantamento grosseiro aponta em torno de 25.000 suínos sendo criados na bacia do PCJ, demandando grande volume de água de lavagem, e cargas orgânicas elevadas sendo lançadas sem tratamento no meio. Dados ambientais da suinocultura paulista são escassos. Nem mesmo as agências agrícolas e ambientais os possuem. O objetivo desta proposta é identificar e levantar dados sobre a atividade, especialmente no que concernem as fontes de captação e consumo da águas nas granjas da bacia, assim como diagnosticar qual a situação do tratamento e destino dos dejetos. A caracterização química e microbiológica de efluentes brutos e tratados permitirá conhecer o real impacto da atividade no meio, e possibilitará a tomada de decisão, por exemplo, quanto a possíveis mudanças na dieta dos animais e manejo da água na granja, assim como quanto ao tratamento e destino dos dejetos por suinocultores, técnicos e legisladores. Estas metas serão executadas por meio de visitas técnicas realizadas pelos técnicos da equipe, em pelo menos 80% das granjas identificadas com atividade na bacia, e por meio de coleta e caracterização de pelo menos 40 amostras de efluentes. Ao mesmo tempo será construído um sistema piloto de tratamento de dejetos em uma granja com capacidade para 160 animais em fase de terminação - que gera alto volume de dejetos concentrados – em unidade de pesquisa da Secretaria da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, na microbacia do Ribeirão Guamium, bacia do Rio Piracicaba. O sistema piloto abrangerá todas as fases do tratamento, testando processos que sejam eficazes, práticos e economicamente viáveis ao produtor, e que possa gerar renda extra a atividade, como produção de composto orgânico, biogás, e água para reuso agrícola ou mesmo para reutilização na lavagem das baías. O sistema será construído em 03 meses, e testado e monitorado com mais de 200 análises químicas e microbiológicas ao longo de um ano, e também, será efetuado estudo de viabilidade econômica para cada fase do sistema e para o sistema global, de modo a fornecer dados suficientes para tomada de decisões técnicas e econômicas, tornando-se modelo demonstrativo regional. Pretende-se, assim, com a aplicação dos resultados desta proposta, reduzir a demanda de água da suinocultura, nesta região, em que os conflitos pelos usos múltiplos da água são constantes, e ao mesmo tempo reduzir a carga orgânica lançada na bacia pela atividade, convertendo-a em composto orgânico para fertilização sustentável dos solos da região, e em biogás que reduziria custos com energia elétrica e melhoraria a qualidade de vida dos moradores vizinhos a granja. As diversas alternativas de tratamento de dejetos geraria efluentes que poderiam ser usados na irrigação agrícola, aumentando a produtividade agrícola em função do aporte de água e nutrientes, fornecidos de modo mais balanceado às plantas, ou nos casos em que áreas vizinhas as granjas já não possam mais receber efluentes em função de contaminação, destinar o efluente final polido e desinfetado para reuso na própria lavagem das baías.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IZ

Viabilidade da olivicultura como agronegócio: Avaliação da matéria prima produzida por cultivares de oliveiras implantadas no estado de São Paulo por meio da extração e caracterização química e sensorial dos azeites.

n° SGP 911

A produção de azeitonas no estado de São Paulo ainda é incipiente, concentrando-se na região da Serra da Mantiqueira, e da Serra da Bocaína. Atualmente, estima-se em 300-400 ha plantados com oliveiras em São Paulo. Estudos iniciais de zoneamento climático indicam possibilidade de expansão da olivicultura, que necessita de quantidade de horas de frio para diferenciação das gemas vegetativas em reprodutivas, principal dificuldade para implantação das oliveiras em condições subtropicais. Contudo, ainda não há uma avaliação da qualidade do produto colhido e do azeite processado, nestas condições, que possa assegurar a viabilidade da olivicultura como agronegócio, apesar do interesse crescente de inúmeros investidores nos últimos anos. O objetivo desta proposta é avaliar a produtividade, o rendimento, e a qualidade do azeite produzido por cultivares mais plantados no estado: Arbequina, Arbosana, Koroneiki, e Picual, obtidos de 04 propriedades representativas de regiões produtoras do estado. Durante dois ciclos da cultura serão avaliadas a produção e qualidade do azeite produzido de 20 árvores de cada cultivar, cultivados em condições climáticas e tratos culturais diversificados. Serão instaladas estações meteorológicas nas propriedades de modo a obter dados da caracterização climática das regiões e determinação de graus-dias e número de horas de frio, obtendo dados de florescimento, frutificação e colheita para cada condição climática, que possam auxiliar na construção de zoneamento climático na cultura em São Paulo e outros estados brasileiros. Tais dados, também, auxiliarão no conhecimento do ciclo fenológico dos cultivares, uma vez que as propriedades agrícolas escolhidas para o estudo encontram-se em posições de relevo (800-900 m; 1100-1200 m e 1900 m de altitude), tipo de solo e condições climáticas muito diversas. O ponto de maturidade das azeitonas, em cada caso, será determinado pela interpolação de dados obtidos do teste de coloração da polpa e mesocarpo, pelo índice de Jaen, pela consistência da polpa obtida pelo uso de penetrômetro, e pelo rendimento em azeite, construindo a curva de maturação dos frutos para cada cultivar e condição climática. Tais avaliações serão efetuadas em três coletas a partir da mudança de coloração do fruto de verde para avermelhado e violeta. Análises físico-químicas e sensoriais serão realizadas nos azeites produzidos. Antes e após a primeira colheita, os pomares passarão por tratos culturais padronizados, como poda das árvores reduzindo excessos vegetativos, análises de solo, com recomendação de calagem, e fertilizações com nitrogênio, fósforo, potássio, boro, cobre e zinco, e fertilizações foliares de Cu e Zn, em épocas adequadas ao ciclo vegetativo da planta. Ênfase especial será dada a fertilização com nitrogênio, que será fornecida descontando os teores de N-amoniacal e N-nitrico presentes nos solo, e prontamente absorvidos pela planta, de modo a evitar fornecimento excessivo do elemento, que privilegia o desenvolvimento vegetativo em detrimento ao florescimento e frutificação da cultura. Será realizado controle de pragas, doenças e manejo da entrelinha da cultura. Nova colheita será realizada no segundo ano de cultivo, repetindo as determinações do ponto de maturidade dos frutos em cada situação, extração do azeite, e avaliação da qualidade por meio de análises químicas e sensoriais. Os tratos culturais serão repetidos neste segundo ano de projeto, objetivando avaliação ao longo prazo dos olivais. Serão comparados os dados de produtividade, rendimento em azeite e sua qualidade nos dois anos de cultivo. Também, será possível avaliar possíveis diferenças de qualidade entre azeites produzidos a partir do mesmo cultivar nas diferentes condições de clima. No caso de produção de azeites monovarietais de qualidade, serão realizados blends que valorizem suas características, criando misturas harmoniosas, que serão avaliadas quanto aos parâmetros físico-químicos e sensoriais. Os resíduos gerados na extração do azeite (água de lavagem das azeitonas, água de vegetação e bagaço) serão quantificados, caracterizados quimicamente, e confrontados com normas ambientais que permitam seu reuso in natura e/ou tratados em solo agrícola. A aquisição de máquina extratora de azeites permitirá esta avaliação preliminar dos azeites produzidos, além de outros inúmeros outros estudos que auxiliem o agricultor nacional na produção de azeites competitivos. Maior conhecimento sobre a técnica de extração será obtido e repassado aos produtores, podendo ocorrer aperfeiçoamento/adaptação da máquina extratora de azeite. Análises físico-químicas de azeites serão aprimoradas, e será fortalecido o grupo de análise sensorial, permitindo maior auxílio a órgãos fiscalizadores da qualidade de azeites importados e nacionais, como o MAPA-Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O grupo de pesquisadores e técnicos, com competência em áreas do conhecimento correlatas, dado que a oliveira é cultura exótica em nossas condições, obterá maior conhecimento no manejo da cultura, e nas técnicas de colheita, conservação do fruto, extração, conservação de azeites, e confecção de blends harmoniosos, de modo a propor soluções viáveis aos gargalos encontrados pelos produtores de azeitonas e extratores de azeites nacionais. Com dados climatológicos obtidos será possível avançar em conhecimentos fisiológicos sobre a cultura em condições subtropicais, que auxiliarão em zoneamentos climáticos e possivelmente expansão da área cultivada com oliveiras em São Paulo e outros estados brasileiros.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

Controle Seletivo do Carrapato dos Bovinos (Riphicephalus (B). microplus) em Pequenas Propriedades do Vale do Paraíba

n° SGP 904

                A proposta deste projeto  é promover atividades educativas em pequenas propriedades, de exploração familiar, tendo como objetivo a motivação, conscientização e capacitação do produtor rural à correta  adoção de medidas para controle racional do carrapato dos bovinos minimizando o uso de carrapaticidas e prolongando a eficácia dos ativos empregados, e dessa forma possibilitando maior retorno da atividade leiteira com diminuição de insumos, mão de obra e aumento da produção e produtividade. Portanto visa-se a aplicação de conhecimentos teóricos e práticos diretamente na propriedade, junto aos produtores.

Ver detalhes do projeto

  JOSE ROBERTO PEREIRA      Apta Regional / IB

Promovendo a dispersão dos polinizadores e os serviços de polinização em agroecosistemas de algodoeiro no Brasil e nos EU

n° SGP 903

Estima-se que 60% da agricultura do mundo depende de polinização animal sendo fundamentais para melhorar a quantidade, qualidade e estabilidade da produção agrícola. As abelhas são os polinizadores mais importantes das plantas, sendo assim indispensáveis para manter o funcionamento dos ecossistemas naturais e a produção agrícola mundial. As abelhas nativas prestam serviços de polinização significativos, sendo capazes de diminuir deficiências de polinização de cultivos e até de eliminar os altos custos da apicultura. No entanto, a polinização de culturas realizada por abelhas nativas tem sido questionada visto que a abundância e viabilidade das populações podem ser temporal e espacialmente instáveis pois, dependem de características da paisagem, embora exista pouco conhecimento a respeito. Neste estudo, nós testaremos três hipóteses sobre a viabilidade populacional de polinizadores e a sua interação com características da paisagem: (1) Capacidade de vôo: Espécies de abelhas com tamanho corporal maiores tem maior capacidade de dispersão que abelhas de menor tamanho, quando estas encontram-se em uma paisagem com as mesmas caracteristicas; (2) Diversidade genética e conectividade da paisagem: Populações de abelhas nativas que se encontram em fazendas com maior proporção de habitat natural ao redor tem maior diversidade genética e fluxo gênico; e (3) Produção agrícola: Fazendas que mantem maior conectividade da paisagem para os polinizadores geram maiores produtividades.  Existe um grande potencial para melhorar a produção agrícola ao mesmo tempo que se melhora a conservação da biodiversidade. Estudos em sistemas agrícolas de frutas indicam que a composição da paisagem, específicamente a proporção e a distância do habitat natural, prediz a densidade de abelhas nativas nestas culturas. No entanto, esses estudos não tem pesquisado os mecanismos que explicam este padrão na dinâmica das populações de abelhas nem as respostas específicas que as diferentes espécies tem frente as diferentes características da paisagem. Neste projeto nós propomos uma analise genética de populações, bem como averiguar a influência da conectividade da paisagem, e os serviços de polinização de 8 espécies de abelhas nativas usando uma combinação de marcadores genômicos, modelagem espacial e anaálise econômica. Além da variação do tamanho corporal, as espécies escolhidas tem grande variação em outras características biológicas, representando uma ampla gama de polinizadores do algodoeiro, uma plantação pouco estudada no Brasil e nos Estados Unidos.

Ver detalhes do projeto

  Maria Imaculada Zucchi      Apta Regional / IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930