Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento, Polo Regional Alta Paulista

Página Inicial / Busca de Projetos

6 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 1

ENXOFRE, GESSAGEM E ADUBAÇÃO ORGÂNICA NA PRODUTIVIDADE E QUALIDADE DE COUVE-DE-FOLHA

n° SGP 1688

As Brássicas são exigentes em enxofre, e segundo Raij (2011) o enxofre (S) está presente em todas as proteínas da planta, sua absorção ocorre na forma aniônica de sulfato (SO4 2-), localiza-se em geral na matéria orgânica, e o restante na atmosfera, como gás sulfúrico. Na deficiência deste macronutriente, não ocorre a síntese de proteína, porque não serão produzidos aminoácidos essenciais como cistina (C6H12N2O4S2) e metionina (C5H11NO2S),  resultando em plantas com menor  teor  de clorofila e raízes menos desenvolvidas.

Não há duvidas quanto à eficiência deste nutriente, mas a grande dificuldade da utilização de S consiste na ausência dele nas formulações NPK. No entanto, pode-se encontrar no mercado de insumos diversos fertilizantes que contém certa quantidade de S como superfosfato simples, sulfato de amônio e sulfato de potássio (RAIJ, 2011).

Também a gessagem pode contribuir com o fornecimento de cálcio e enxofre na forma de sulfato de cálcio. O gesso pode diminuir a toxidez do alumínio, favorecendo o sistema radicular se desenvolver em profundidade, o que permite maior absorção de água, resultando em maior resistência à seca (QUAGGIO, 2000; RAIJ, 2008).

Vários nutrientes, inclusive o enxofre, podem ser fornecidos através de uma adubação orgânica, com destaque ao composto orgânico, que via de regra, a presença do nutriente estará em função da característica da matéria-prima utilizada (OLIVEIRA; LIMA; CAJAZEIRA, 2004)

Devido à falta de dados e pesquisas realizadas com a cultura da couve-de-folha, muitos resultados obtidos com a cultura da couve-flor e outras brássicas são usados para esta olerícola.   

Neste sentido, o trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do enxofre, gesso e adubação orgânica na produtividade e qualidade de couve-de-folha.

 O experimento será conduzido na Fazenda Experimental São Manuel, pertencente à Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Botucatu, localizada no município de São Manuel-SP.  As coordenadas geográficas são 22º 46’ de latitude sul, 48º 34’ de longitude oeste de Greenwich e altitude de 750m. 

Serão estudados doze tratamentos, em esquemas de parcelas subdivididas, sendo três tipos de preparo de solo as parcelas, e quatro doses de enxofre em cobertura as subparcelas. Os três tipos de preparo de solo serão obtidos com a incorporação em pré-plantio (2 dias antes do transplante das mudas) de composto orgânico (3 kg m-2, ou seja, 30 t ha-1) marca Visafértil; gesso agrícola (0,120 kg m-2 , ou seja, 1,2 t ha-1); composto orgânico (3 kg m-2, ou seja, 30 t ha-1) mais gesso agrícola (0,120 kg m-2 , ou seja, 1,2 t ha-1). As doses de enxofre em cobertura serão de 0; 13,33; 26,67 e 40,00 kg ha-1 de S, correspondendo a 0; 66,50; 133,00 e 200,00 kg ha-1 de sulfato de amônio. Para uniformizar a dose de N em cobertura (40,00 kg ha-1 de N), serão utilizados 90,00; 59,30; 29,80 e 0,00 kg ha-1 de ureia. As doses totais serão parceladas em 7 aplicações, a cada 14 dias. Os adubos serão aplicados ao redor de cada planta individualmente. Também será aplicado cloreto de potássio (20,00 kg ha-1 de K2O).

O delineamento experimental será em blocos ao caso, com quatro repetições, com 18 plantas por parcela distribuídas em três linhas de plantio com disposição de triângulo, sendo avaliadas as quatro plantas centrais, consideradas como parcela útil.

Ver detalhes do projeto

  MAURÍCIO DOMINGUEZ NASSER      Apta Regional / IAC

Monitoramento da qualidade de água em córregos do município de Adamantina

n° SGP 1524

A água é um recurso ambiental finito, fundamental para existência de vida na terra e para o funcionamento da sociedade, já que está presente em todos os seus setores. O presente trabalho tem por objetivo analisar a qualidade da água em diferentes córregos no município de Adamantina-SP decorrente da influência dos seus distintos usos e a ocupação de solo nas regiões nos seus entornos. Serão analisadas amostras das águas em quatro pontos de coleta distribuídos nos córregos Lambari, Taipus e Tocantins, os quais forma escolhidos de acordo com a localização geográfica e condições do localdo uso e ocupação do solo. As coletas serão realizadas bimestralmente, a partir das amostras de água colhidas serão analisadas variáveis físicas, químicas e biológicas entre elas: ferro; cálcio; manganês; cor; pH; oxigênio dissolvido; condutividade elétrica; turbidez; demanda bioquímica de oxigênio; coliformes totais. Os resultados obtidos serão analisados de acordo com a legislação vigente permitindo avaliar suas condições em relação à fins agrícolas e possibilitando identificar possíveis localidades contaminadas na região.

Ver detalhes do projeto

  Denilson Burkert      Apta Regional / IP

Manejo Nutricional para cultura do Café: Programa Nutriplant®

n° SGP 1214

Resumo da Proposta

 

  1. Justificativa e relevância do tema

 

O Brasil, maior produtor e exportador mundial de café, e segundo maior consumidor do produto, apresenta, no ano de 2014, um parque cafeeiro estimado em 2,256 milhões de hectares, com produção de 45,34 milhões de sacas de 60 kg de café beneficiado, em 15 Estados, com destaque para Minas Gerais, que respondeu por 49,93% da produção nacional, seguido do Espírito Santo, São Paulo, Bahia, Rondônia e Paraná. (BRASIL, 2015).

A adubação é um dos fatores que mais está ligado ao custo de produção, mas oferece um retorno satisfatório quando realizada de maneira correta. Portanto, é necessário reduzir o custo de produção para elevar a lucratividade, entretanto, sem diminuir a produtividade das lavouras. A utilização eficiente dos adubos é possível a partir de um diagnóstico nutricional com identificação do nutriente a ser aplicado, em quantidade, época e forma de aplicação correta.

A adubação foliar é uma prática bastante difundida, uma vez que a folha tem a capacidade de absorver nutrientes e com muita eficiência que a adubação via solo. O zinco, boro, cobre; manganês são os nutrientes que mais frequentemente apresentam deficiências, porém a correção deve ser realizada com base na análise química das folhas e de critérios estabelecidos pela pesquisa.

O programa nutricional Nutriplant é composto por produtos de alta solubilidade que complementa a adubação radicular das plantas e suplementa sua nutrição com segurança e qualidade. Assim o objetivo do ensaio é avaliar  a produtividade e qualidade de bebida do cafeeiro submetido a diferentes programas nutricionais via foliar.

 

 

 

  1. Material e Métodos

 

O experimento será instalado no Sítio Favarin, localizado no Bairro Venda Branca, município de Osvaldo Cruz-SP. O período experimental corresponderão aos meses de maio de 2016 à agosto de 2018. Será selecionado uma área de cafezal “C. arábica”, variedade Catuaí Vermelho (IAC-144), na qual será estaqueada, demarcando todas parcelas experimentais. Cada parcela será composta de 200 plantas numa mesma linha, sendo que as linhas laterais serão consideradas bordaduras. A lavoura encontra-se com 5 anos de idade, com espaçamento de 0,6m entre plantas e 3,5m entre linhas, totalizando 4762 plantas por ha. Utilizar-se-á para aplicação dos nutrientes um pulverizador/atomizador tratorizado equipado com turbina marca Jacto mod. ARBUS 400. O delineamento experimental será em blocos casualizados, com 4 repetições, 5 tratamentos, conforme descritos na tabela 1.

 

  1. Descrição dos Tratamentos

Tabela 1 – Descrição dos Tratamentos, Cultura do Café, 2015

 * vide em arquivos anexos

 
 

 

            Durante o período experimental serão realizadas avaliações de bimetria, bem como crescimento e contagem de “par de folhas” dos ramos plagiotrópicos. Será efetuada a colheita para avaliação da produtividade e posteriormente análises de qualidade de peneira e qualidade de bebida.

 

            Os resultados serão submetidos à análise estatística através da análise de variância ANOVA e o contraste entre médias de tratamentos pelo teste de Tukey a 5%, com o auxilio de pacote computacional ASSISTAT 7.7 beta (SILVA F.A.S, 2015).

 

  1. Material necessário para a execução da pesquisa:

 

Todo material necessário à realização desta pesquisa serão fornecidos pelo contratante.

 

  1. Infraestrutura e Mão de obra:

 

O PRDTA Alta Paulista disponibilizará infraestrutura e mão de obra necessárias ao desenvolvimento do presente trabalho.

 

  1. Responsáveis:

 

Coordenador:

Fernando Takayuki Nakayama – Pesquisador Científico do PRDTA Alta Paulista

 

Colaborador:

Danilo Marcelo Aires dos Santos – Eng. Agr. Dr. – Nutriplant Indústria e Comercio S.A.

 

  1. Cronograma de execução

 

Atividades

Período

Preparo das instalações

maio de 2016

 

 

Condução experimental: Instalação e aplicação dos tratamentos

maio a Setembro de 2016

 

 

Avaliações de biometria

Janeiro a março de 2017

 

 

Colheita do experimento

Maio a julho de 2017

 

 

Tabulação dos dados

Julho a Agosto de 2017

 

 

Análise estatística dos resultados

Agosto de 2017

 

 

Elaboração do Relatório final

Setembro de 2017

 

 

 

  1. Orçamento

 

  1. A Empresa deverá doar todo material necessário à execução da pesquisa (produtos, estacas, instrumentos de medidas e colheita);
  2. A Empresa arcará ainda com uma contribuição total de R$4000,00  referente à combustível, alimentação, pagamento de Mao de obra de terceiros, custo de análises dentre outros, sendo desembolsado de acordo com as necessidades do projeto durante o período de execução.

 

  1. Condições para a realização do projeto

 

O presente trabalho deverá ainda ser oficializado junto à Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio – FUNDEPAG. Para tal deverá ser elaborado um contrato segundo as normas da Fundação e adequado à empresa participante. O cronograma de desembolso é apenas sugerido, podendo ser adaptado conforme disponibilidade da Empresa. A empresa poderá a qualquer momento visitar o experimento, bem como participar das diversas etapas e sugerir correções e alterações de comum acordo.

      O pesquisador responsável e a APTA/DDD reservam-se o direito de divulgar a qualquer momento a pesquisa e seus resultados. Da mesma forma a Empresa reserva-se no direito de divulgar comercialmente os resultados ou parte deles, conforme melhor lhe convier.

 

  1. Referências

 

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Café, disponível em:  http://www.agricultura.gov.br/vegetal/culturas/cafe/saiba-mais. Acesso em: 25 de junho de 2015.

Ver detalhes do projeto

  Fernando Takayuki Nakayama      Apta Regional / IAC

Condução de maracujazeiro amarelo pé-franco e enxertado

n° SGP 1044

CONDUÇÃO DE MARACUJAZEIRO-AMARELO PÉ FRANCO E ENXERTADO

Caracterização do problema:

O Brasil destaca-se como o principal produtor mundial de maracujá, entretanto, a nossa produtividade é baixa, em torno de 14,84 t/ha, devido principalmente a ocorrência de problemas fitossanitários, práticas inadequadas de calagem e adubação e manejo inadequado da lavoura.

A morte prematura de plantas, provocada pela associação de fungos de solo, nematóides e bactéria, tem-se constituído em um dos principais problemas para a cultura no Brasil. Uma das alternativas para o controle desse problema é a utilização de porta-enxertos resistentes (CHAVES et al, 2004, SILVA et al., 2005, CAVICHIOLI et al., 2009). Várias espécies de passifloras nativas vêm apresentando resistência a essas doenças (CHAVES et al., 2004), destacando-se entre elas o Passiflora gibertii (OLIVEIRA et al., 1984, RONCATTO et al., 2004, CAVICHIOLI et al., 2009).

Plantas enxertadas têm desenvolvimento diferente de plantas pé-franco (CAVICHIOLI et al., 2011). Assim, a condução da planta é um importante fator a ser considerado em um sistema de produção, podendo interferir na eficiência técnica e econômica de uma cultura. As práticas culturais realizadas na cultura do maracujazeiro são de fundamental importância para que a planta evidencie aumento de produtividade e melhor qualidade de fruto. Por se tratar de uma planta trepadeira, o maracujazeiro necessita de suporte para proporcionar a boa distribuição dos ramos e garantir a produção de frutos (Lima et al., 2002).

Nos sistemas comerciais são utilizados a espaldeira vertical com mourões e estacas de 2,5 de comprimento, espaçados de 4 a 6 m e com 1 ou 2 fios de arame liso. Na formação da lavoura recomenda-se deixar apenas o ramo mais vigoroso, eliminando-se todos os ramos laterais, que será conduzido por um tutor até o fio de arame (Lima et al., 2002). Posteriormente, esses brotos deverão ser despontados para forçar o desenvolvimento das gemas laterais que formarão os ramos produtivos.

Objetivo

 Considerando que o uso da enxertia tem apresentado resultados satisfatórios no cultivo do maracujazeiro, mas por tratar-se de uma prática relativamente recente na cultura, que ainda está muito pouco incorporada nos plantios comerciais, devido a falta de informações como taxas de pegamento, vigor e desenvolvimento das plantas no campo e tolerância às doenças dos porta-enxertos este trabalho tem por objetivo avaliar diferentes sistemas de condução sobre o desenvolvimento e a produtividade de plantas de maracujazeiro-amarelo pé franco e enxertadas.

Metodologia

Serão realizados dois experimentos, um utilizando-se plantas enxertadas e outro com plantas sem enxerto (pé-franco). O experimento nº 1 foi instalado no mês de outubro de 2015 e está sendo conduzido em uma propriedade na Estrada 14, município de Adamantina. O experimento 2 (plantas enxertadas) será conduzido no município de Pracinha-SP,  na região da Nova Alta Paulista, no período de 2016 a 2018. Serão utilizados plantas de maracujazeiro-amarelo (Passiflora edulis Sims) enxertadas sobre o maracujazeiro-de-veado (Passiflora gibertii N.E. Brown), adotando-se o delineamento estatístico em blocos ao acaso, com quatro tratamentos e seis repetições. Será adotada a enxertia hipocotiledonar por garfagem tipo fenda cheia. Os tratamentos serão constituídos de diferentes conduções dos ramos secundários: T1 - Eliminação do ponteiro e condução de dois ramos secundários, T2 - Eliminação do ponteiro e condução de um ramo secundário, T3 - Dobramento do ponteiro e condução com um ramo secundário e T4 - Dobramento do ponteiro e condução com dois ramos secundários. Serão avaliados o comprimento dos ramos secundários, o número de ramos terciários, número de frutos, diâmetro longitudinal de frutos, diâmetro transversal de frutos, massa de frutos e produtividade.

Palavras-chave: maracujazeiro amarelo, enxertia, condução, morte prematura de plantas.

 

Ver detalhes do projeto

  José Carlos Cavichioli      Apta Regional / IAC

Avaliação da frequência de acesso ao cocho dágua por ovinos à pasto com o uso de processamento digital de imagens.

n° SGP 805

A bioclimatologia e suas relações com o comportamento animal podem ser utilizadas como parâmetros de avaliação de alguns processos zootécnicos. Na literatura encontramos trabalhos relatando a correlação entre as condições climáticas e o consumo voluntário de água por ruminantes, porém quantificar esta informação de forma confiável por longos períodos de tempo é difícil. A utilização de processamento digital de imagens pode ajudar a contornar este problema.

O processamento digital de imagens consiste em um conjunto de técnicas para capturar, representar e transformar imagens com o auxilio do computador. O emprego dessa técnica permite extrair informações de forma automática por meio de máquinas que auxiliam na percepção humana.

 Este processo consiste das seguintes etapas: captura da imagem, pré-processamento, segmentação da região de interesse, extração e interpretação da informação.

 

O sistema visual humano possui uma grande capacidade de observação e detecção de padrões porém é susceptível a variações na intensidade luminosa, distrações e fadiga quando o período de observação é prolongado ou erros quando o volume e velocidade das informações a serem analisadas vão além da capacidade humana.

 

Caracterização do problema:

A observação de animais para a extração de informações confiáveis em uma determinada área de estudo exige longos períodos de acompanhamento sem interrupções porém é inviável o monitoramento 24 horas, meses seguidos, uma vez que a presença humana pode influenciar no comportamento do animal, as condições de luz excessiva ou quase nula prejudica a observação ou o local e condições atmosféricas são hostis ao observador.

Por este motivo os estudos são limitados a períodos curtos de observação separados por intervalos regulares. Os resultados são bons porém, como os próprios estudiosos constatam, está longe do ideal e supõe-se que muitos casos de resultados inconclusivos deve-se ao pouco período de amostragem.

Uma das alternativas para estas situações é a montagem de sistemas autônomos capazes de observar die e noite, independente das condições climáticas, o objeto de estudo. No geral as análises dos resultados são também semi ou totalmente automatizados. O desafio está em elaborar técnicas adequadas para a seleção inteligente do fato a ser estudado, presente na imagem, e a extração da informação sem falso positivos.

 

Objetivos:

 O objetivo deste trabalho é utilizar sistemas computadorizados para o monitoramento do consumo voluntário de água por pequenos ruminantes ao longo do ano e correlacionar a frequência de acesso ao cocho com os dados mensais da temperatura e umidade.

Metodologia:

O projeto será conduzido na fazenda Nossa Senhora de Fátima localizada no município de Mariápolis-SP à 17 km do Polo Regional da Alta Paulista até junho de 2017. O sistema de captura de imagens será instalado a 5 metros de um bebedouro exclusivo em uma área de pastagem com 20 ovinos da raça Santa Inês. Quinzenalmente as imagens capturadas serão coletadas e levadas ao Polo regional para passarem pela análise do software. Devido ao grande volume dos arquivos, após a contagem digital e humana da frequência de acesso ao cocho as imagens daquela quinzena serão apagadas. Semanalmente os dados de temperatura, umidade e precipitação do período serão armazenados para análises posteriores. Os processos para a segmentação da região de interesse, extração e interpretação dos dados serão desenvolvidos com o uso do pacote para processamentos digital de imagens OpenCV (Bradski, G. 2000).

Ver detalhes do projeto

  Augusto Zonta      Apta Regional / IZ

Produção e qualidade de batata-doce propagada por miniestaca em bandeja.

n° SGP 703

Tradicionalmente o mais utilizado no plantio da batata-doce são as ramas maduras ou velhas por ser mais econômica e fácil, porém com período alongado até a colheita e menor produtividade. Não é considerado o melhor sistema pelo alto risco de surgimento de doenças e pragas no novo cultivo, e menor desenvolvimento vegetativo que ramas novas (FILGUEIRA, 2008; PERESSIN; FELTRAN, 2014).

Visto que a implantação da cultura da batata-doce ocorre por meio do uso de material vegetativo, Brune, Silva e Franco (2006) relataram que o uso de segmentos de ramas não enraizados pode resultar em estande final inadequado. Neste aspecto, torna-se necessário o replantio quando ocorrer menos de 85% de ramas brotadas.

Na olericultura é comum a utilização de bandejas de poliestireno expandido em diversas espécies multiplicadas por sementes. A produção de mudas em bandejas favorece um controle maior dos tratos culturais às plântulas, visto que a atividade é desenvolvida sob ambiente protegido; além de proporcionar elevada taxa de sobrevivência após o transplante e maior uniformidade no campo (REGHIN et al., 2007; GOLLA, 2010).                   

A nova tecnologia, que utiliza ramas sadias, em especial sem viroses, pode resultar no dobro de produtividade e na redução do ciclo da cultura, como tem ocorrido em lavouras de batata-doce da região atendida pelo Polo Alta Sorocabana (MONTES, 2012; RÓS, 2014). Contudo, existem poucas pesquisas com a utilização de bandeja para a propagação vegetativa da batata-doce.

Diante do exposto, o objetivo do presente trabalho será avaliar a produção e a qualidade de batata doce proveniente da propagação de diferentes tipos de mudas em bandeja plástica.

Ver detalhes do projeto

  MAURÍCIO DOMINGUEZ NASSER      Apta Regional / IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930