Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento, Polo Regional Centro Oeste

Página Inicial / Busca de Projetos

13 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 1

Sustentabilidade:do campo à mesa

n° SGP 1840

A presença de agricultores familiares é bastante significativa na região de Bauru/SP, principalmente na produção de olerícolas. Dentre os principais entraves encontrados na etapa de comercialização da produção destacam-se as dificuldades de obter volume, variedade, frequência e qualidade dos produtos. Em 2016 foi inaugurada uma cozinha comunitária, pela prefeitura de Bauru/SP, que visa oferecer refeições adequadas, saudáveis, nutricionalmente balanceadas, para atender prioritariamente pessoas em vulnerabilidade social. A rede de cooperação da equipe do projeto será responsável em buscar melhorias nas condições de produção agrícola, minimizar o problema de comercialização e desenvolver pesquisa para a segurança alimentar. O objetivo geral do projeto é auxiliar na sustentabilidade da cozinha comunitária, instalada em Bauru, através do desenvolvimento de metodologia de políticas públicas para aquisição de alimentos de produtores rurais da agricultura familiar local.

Ver detalhes do projeto

  Maria Cecília de Arruda Palharini      Apta Regional / IAC

Inovações Tecnológicas Aplicadas a Cultura da Mandioca no Centro Oeste Paulista

n° SGP 1742

O presente Projeto de Pesquisa  será conduzido na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento/Gália-APTA/SAA, tendo como objetivo geral desenvolver, testar e disponibilizar tecnologias aplicadas à cultura da mandioca, com ênfase na região Centro Oeste do estado. Como objetivos específicos visa:  Promover experimentos de competição e validar clones elites de mandioca de indústria do programa de melhoramento genético de mandioca de indústria do Centro de Horticultura, do Instituto Agronômico de Campinas, Da Agência Paulista de Tecnologias do Agronegócio, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do governo do estado de São Paulo; promover alterações nos sistemas de produção, visando a construção de ambientes conservacionistas e de baixo impacto ambiental; estruturar um sistema de produção de baculovirus de mandioca; testar a viabilidade e eficiência do uso de biofertilizantes na cultura da mandioca e disponibilizar ao meio produtivo, por meio de eventos e publicações, os conhecimentos obtidos. 

Ver detalhes do projeto

  Antonio José Porto      Apta Regional / IAC

CUSTO DE PRODUÇÃO E RENTABILIDADE ECONÔMICA DA FRUTICULTURA NA REGIÃO DE MARÍLIA/SP

n° SGP 1130

Identificar e estimar o custo de produção e rentabilidade econômica da fruticultura na região de Marília.

Ver detalhes do projeto

  Fernanda de Paiva Badiz Furlaneto      Apta Regional / IEA

Melhoria da qualidade do peixe cultivado para o consumo humano

n° SGP 1125

Melhorar a sanidade e qualidade dos peixes cultivados em facilidades de piscicultura (reservatórios no estado de São Paulo e sistemas intensivos com recirculação de água na Dinamarca). A sanidade dos peixes será monitorada por abordagens clássicas e moleculares, e aprimorada por modulação de resposta imune inata por bioativos de β-glucanos. Parâmetros de qualidade da água, como comunidades bacterianas, toxinas e micróbios produtores de off-flavour serão relacionados a sanidade e crescimento dos peixes. 

Ver detalhes do projeto

  Gianmarco Silva David      Apta Regional / IP

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO POTENCIAL DA SERICINA COMO ANTIMICROBIANO CONTRA STAPHYLOCOCCUS AUREUS E ANTISSÉPTICO NA SUPERFÍCIE DOS TETOS DE VACAS LEITEIRAS NO PÓS-DIPPING.

n° SGP 1079

O mercado consumidor, da maioria dos países, está muito preocupado com resíduos de medicamentos químicos e agroquímicos encontrados no leite, utilizados para o tratamento e prevenção de mastite. O objetivo deste trabalho será investigar o potencial antibacteriano de um produto natural, a sericina, obtido por degomagem de casulo de bicho-da-seda sobre as cepas de Staphylococcus aureus, bem como determinar seu potencial antisséptico para uso na superfície de tetos da glândula mamária. As amostras de casulo serão produzidas na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento – Gália (UPD/Gália), do Polo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Centro Oeste (PRDTA/Centro Oeste) e a sericina será isolada no Laboratório de Bioquímica de Proteínas e Peptídeo,   da área de Sanidade Animal do Instituto Biológico. No laboratório de bacteriologia animal do PRDTA/ Centro Oeste será utilizada uma cepa padrão de S.aureus ATCC 25923 e Escherichia coli 25922 para se testar a possível ação antimicrobiana inibitória da sericina  através da formação de  halos de inibição em  mm. A busca de uma alternativa para produzir alimentos livres de produtos químicos colocará  em destaque a sericina como uma alternativa ecológica para o manejo de higiene pré e pós-imersão dos tetos de bovinos leiteiros. Essa técnica poderá ser útil e viável para prevenção da mastite bovina e, também, como estratégias para minimizar a disseminação de resistência antimicrobiana, através do uso de um produto orgânico na produção de leite, o que para a saúde pública e animal é uma prioridade em escala internacional.

Ver detalhes do projeto

  Luiz Florêncio Franco Margatho      Apta Regional / IB

ALTERNATIVAS PARA AMPLIAÇÃO DA RENDA DA CAFEICULTURA NO ESTADO DE SÃO PAULO: CONSÓRCIO DE CAFEEIRO ARÁBICA (Coffea arabica L.) E NOGUEIRA-MACADÂMIA (Macadamia integrifolia Maiden & Betche)

n° SGP 1034

Anualmente, aproximadamente 7.000 hectares de cafeeiro são erradicados no Estado de São Paulo. O consórcio do café (Coffea arabica L.) com nogueira-macadâmia (Macadamia integrifolia Maiden & Betche) tem se mostrado benéfico à cultura, como redução na incidência de ventos e na temperatura máxima do ar. Esse sistema produtivo permite ao agricultor uma renda adicional proveniente da segunda cultura, o que o torna favorável. Assim, áreas ocupadas por cafezais com prognóstico de erradicação podem oferecer oportunidade de instalação de cultivos consorciados, provisórios ou permanentes, ampliando a renda dos produtores no Estado. Entretanto, não existem estudos de como se pode promover essa implantação do consórcio em lavouras de café pré-existentes. Quando plantados ao mesmo tempo, considerando o uso de colheitas manuais, o consórcio de café com a nogueira-macadâmia se mostrou economicamente mais eficiente que os cultivos solteiros, nos anos iniciais, oferecendo uma alternativa de ampliação de renda, principalmente aos pequenos cafeicultores. Contudo, nos últimos anos, até mesmo os pequenos produtores necessitaram mecanizar suas colheitas. Nesse aspecto, abriu-se uma lacuna sobre estudos da viabilidade do consórcio de café com a nogueira-macadâmia em sistemas totalmente mecanizados. Para elucidar as questões abordadas, instalaram-se dois experimentos. O experimento I foi instalado em julho de 2015, no município de Dois Córregos-SP, em uma área com cultivos de café solteiro e consorciado com nogueira-macadâmia, de 9 anos de idade. O experimento é conduzido totalmente em condição irrigada, é composto por seis tratamentos, mais testemunha, ou seja, café consorciado com seis variedades de nogueira-macadâmia (IAC 9-20, IAC 4-12B, IAC 4-20, HAES 660, HAES 816, e HAES 344) e café solteiro, instalado em delineamento inteiramente casualizados, com cinco repetições. Esse tem o objetivo de avaliar se o sistema consorciado, em fase adulta, oferece vantagens fitotécnicas econômicas sobre o cultivo solteiro, nas condições de colheita mecanizada. E também, avaliar qual dentre as variedades de nogueira-macadâmia tem características mais desejáveis ao consórcio em cultivo totalmente mecanizado, em idade “adulta”. O experimento II foi instalado em outubro de 2014 no município de Gália-SP, com o objetivo de estudar formas de substituição de lavouras de café ineficientes por cultivos consorciados de café-macadâmia viáveis. Nesse, o delineamento foi o de blocos casualizado, com 4 repetições e 6 tratamentos: 1 – eliminação de um cafeeiro e plantio da nogueira-macadâmia em sua cova; 2 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros recepados, a 40 cm; 3 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros esqueletados, a 30 cm; 4 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros que não sofrerão interferência; 5 – nogueira-macadâmia solteira, plantada em área de café erradicado e 6 – café solteiro. Em ambos os experimentos serão avaliados: altura da planta, diâmetro da copa e diâmetro do tronco das plantas de macadâmia, número de nozes por planta, produção de nozes por planta e produção de amêndoas por área nas nogueiras-macadâmia e altura, diâmetro do tronco e produtividade dos cafeeiros. Os dados serão analisados com o auxílio do programa estatístico SAS (2003) e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Em ambos os experimentos, todos os valores de entrada e saída de recursos serão registrados e, considerando-se os custos de produção e receitas brutas obtidas, far-se-á um comparativo entre as receitas líquidas, apurando-se o tratamento de maior viabilidade.Anualmente, aproximadamente 7.000 hectares de cafeeiro são erradicados no Estado de São Paulo. O consórcio do café (Coffea arabica L.) com nogueira-macadâmia (Macadamia integrifolia Maiden & Betche) tem se mostrado benéfico à cultura, como redução na incidência de ventos e na temperatura máxima do ar. Esse sistema produtivo permite ao agricultor uma renda adicional proveniente da segunda cultura, o que o torna favorável. Assim, áreas ocupadas por cafezais com prognóstico de erradicação podem oferecer oportunidade de instalação de cultivos consorciados, provisórios ou permanentes, ampliando a renda dos produtores no Estado. Entretanto, não existem estudos de como se pode promover essa implantação do consórcio em lavouras de café pré-existentes. Quando plantados ao mesmo tempo, considerando o uso de colheitas manuais, o consórcio de café com a nogueira-macadâmia se mostrou economicamente mais eficiente que os cultivos solteiros, nos anos iniciais, oferecendo uma alternativa de ampliação de renda, principalmente aos pequenos cafeicultores. Contudo, nos últimos anos, até mesmo os pequenos produtores necessitaram mecanizar suas colheitas. Nesse aspecto, abriu-se uma lacuna sobre estudos da viabilidade do consórcio de café com a nogueira-macadâmia em sistemas totalmente mecanizados. Para elucidar as questões abordadas, instalaram-se dois experimentos. O experimento I foi instalado em julho de 2015, no município de Dois Córregos-SP, em uma área com cultivos de café solteiro e consorciado com nogueira-macadâmia, de 9 anos de idade. O experimento é conduzido totalmente em condição irrigada, é composto por seis tratamentos, mais testemunha, ou seja, café consorciado com seis variedades de nogueira-macadâmia (IAC 9-20, IAC 4-12B, IAC 4-20, HAES 660, HAES 816, e HAES 344) e café solteiro, instalado em delineamento inteiramente casualizados, com cinco repetições. Esse tem o objetivo de avaliar se o sistema consorciado, em fase adulta, oferece vantagens fitotécnicas econômicas sobre o cultivo solteiro, nas condições de colheita mecanizada. E também, avaliar qual dentre as variedades de nogueira-macadâmia tem características mais desejáveis ao consórcio em cultivo totalmente mecanizado, em idade “adulta”. O experimento II foi instalado em outubro de 2014 no município de Gália-SP, com o objetivo de estudar formas de substituição de lavouras de café ineficientes por cultivos consorciados de café-macadâmia viáveis. Nesse, o delineamento foi o de blocos casualizado, com 4 repetições e 6 tratamentos: 1 – eliminação de um cafeeiro e plantio da nogueira-macadâmia em sua cova; 2 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros recepados, a 40 cm; 3 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros esqueletados, a 30 cm; 4 – plantio da nogueira-macadâmia entre dois cafeeiros que não sofrerão interferência; 5 – nogueira-macadâmia solteira, plantada em área de café erradicado e 6 – café solteiro. Em ambos os experimentos serão avaliados: altura da planta, diâmetro da copa e diâmetro do tronco das plantas de macadâmia, número de nozes por planta, produção de nozes por planta e produção de amêndoas por área nas nogueiras-macadâmia e altura, diâmetro do tronco e produtividade dos cafeeiros. Os dados serão analisados com o auxílio do programa estatístico SAS (2003) e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Em ambos os experimentos, todos os valores de entrada e saída de recursos serão registrados e, considerando-se os custos de produção e receitas brutas obtidas, far-se-á um comparativo entre as receitas líquidas, apurando-se o tratamento de maior viabilidade.

Ver detalhes do projeto

  Marcos José Perdoná      Apta Regional / IAC

REAÇÃO DE PORTA ENXERTOS DE NOGUEIRA MACADAMIA (MACADAMIA INTEGRIFOLIA), AOS NEMATOIDES DAS GALHAS (MELOIDOGYNE SPP) E AO DAS LESÕES RADICULARES (PRATYLENCHUS BRACHYURUS)

n° SGP 1013

O objetivo desse trabalho será avaliar a resistência de variedades de nogueira macadâmia (Macadamia integrifolia), a nematoides das galhas (Meloidogyne spp), e ao das lesões radiculares (Pratylenchus brachyurus). Serão utilizados sete (7) cultivares de nogueira macadamia (Macadamia integrifolia): HAES 344, HAES 660, HAES 816 e IAC 10-14, IAC 4-12B, IAC 9-20 e IAC 4-20. As sementes serão coletadas no município de DOIS CORREGOS – SP, germinadas em caixas de madeira, com areia estéril. Após a germinação, as mudas serão transplantadas, uma por vaso, para recipientes de polietileno, contendo 2000 ml de solo autoclavado, na proporção de 1:2:1 (solo:areia:matéria orgânica). Cada planta será inoculada com 5.000 ovos, e eventuais juvenis de segundo estádio (Pi), da população dos nematoides Meloidogyne enterolobii, Meloidogyne javanica, Meloidogyne incógnita, raça 2, M. paranaensis, M. exigua e Pratylenchus brachuyrus, provenientes de populações puras, mantidas em tomateiros ‘Rutgers’, processadas segundo o método de extração proposto por Hussey & Baker (1973), modificado por Bonetti & Ferraz (1981). O tomateiro ‘Rutgers’ também será utilizado como padrão de viabilidade do inóculo. O delineamento experimental será inteiramente casualizado com sete tratamentos e cinco repetições. A avaliação do índice de galhas, índice de massas de ovos e fator de reprodução do nematoide (FR=PF/PI) será realizada 60 dias após a inoculação. O sistema radicular de cada parcela será pesado, colorido com Floxine B, para a coloração das massas de ovos externas, as quais serão contadas e relacionadas com escala de notas de 0 a 5, assim como as galhas presentes. Em seguida, será processado, pelo método de trituração no liquidificador, peneiramento e centrifugação para a obtenção do fator de reprodução (Pf/Pi). 

Ver detalhes do projeto

  Maria José De Marchi Garcia      Apta Regional / IB

Sustentabilidade da agricultura familiar no Centro Oeste paulista

n° SGP 1006

A sustentabilidade da atividade agrícola é o objetivo para a agricultura familiar. Para atingir a sustentabilidade, a propriedade rural necessita desenvolver diversas funções, como questões socioambientais e melhorias na gestão da atividade econômica. A proposta do projeto é auxiliar a demanda da região para garantir a sustentabilidade da agricultura familiar paulista, principalmente na cadeia da olericultura e da fruticultura na região Centro Oeste do estado de São Paulo. A metodologia será revisão bibliográfica de dados secundários em seus aspectos históricos, sociais, econômicos e políticas. As informações coletadas serão a base da formulação indicadores determinantes nessa atividade econômica. O resultado esperado do projeto proporciona uma ferramenta para melhorar as condições na renda da agricultura familiar para permanência do homem no campo.

Ver detalhes do projeto

  Raquel Nakazato Pinotti      Apta Regional / IEA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA FRUTICULTURA IRRIGADA DA REGIÃO CENTRO OESTE PAULISTA

n° SGP 970

A adoção de técnicas de irrigação vem de encontro ao conceito de manejo otimizado das lavouras. Entretanto, os benefícios estão atrelados ao correto manejo do sistema. Dentre estes benefícios, pode-se citar: aumento da produtividade e qualidade do produto agrícola; maximiza o uso da água racionalizando a sua utilização; diminui as perdas de nutrientes por lixiviação; otimiza o armazenamento de água no perfil do solo; minimiza problemas com encharcamento do solo; otimiza a absorção dos nutrientes pelas plantas.

No manejo de um sistema de irrigação deve-se levar em consideração a fase fenológica de cada cultura, pois as exigências hídricas são distintas. A setorização dos projetos de irrigação permite este manejo, fornecendo águia na quantidade, local e fase correta de cada lavoura.

A utilização de sistemas de irrigação localizada na fruticultura pode ser considerada uma tecnologia de relação custo: benefício extremamente atraente ao produtor rural, uma vez que o aumento da produtividade e qualidade dos frutos aumentam a rentabilidade pagando o investimento rapidamente.

A existência de uma área experimental de agricultura sustentável, com infraestrutura para o desenvolvimento da agricultura irrigada, e de pesquisadores de diferentes instituições atuando de maneira integrada, possibilitará a geração de tecnologias apropriadas e o treinamento de técnicos e produtores da região e, conseqüentemente, a rápida adoção das tecnologias e o retorno dos investimentos públicos.

Os resultados a serem alcançados com a realização deste projeto irão preencher uma importante lacuna no conhecimento necessário para o correto manejo de pomares irrigados na região do Planalto Paulista, especialmente em relação ao estresse hídrico, associado ao monitoramento fitossanitário das culturas. O conhecimento a ser gerado subsidiará a elaboração de recomendações para as culturas, buscando incrementar seu rendimento e retorno econômico nas condições do Planalto, com base no manejo adequado da irrigação e escolha do material genético mais adaptado para a região.

Ver detalhes do projeto

  Adriana Novais Martins      Apta Regional / IAC

PASTOS DE BRAQUIÁRIAS DIFERIDOS COM DOSES DE NITROGÊNIO: VALOR NUTRITIVO E PRODUÇÃO DAS FORRAGEIRAS E PERFIL METABÓLICO DE VACAS GESTANTES E LACTANTES

n° SGP 797

O diferimento de pastagens é uma técnica de manejo que pode ser utilizada para fornecimento de forragem aos animais na época crítica de crescimento das plantas forrageiras tropicais, caracterizada por baixas temperaturas aliadas a déficit hídrico devido à escassez de chuvas, ocorrendo entre o inverno e início da primavera para a região Sudeste. Essa técnica consiste em selecionar determinadas áreas de pastagens e vedá-las à entrada de animais no final da estação de crescimento e, então, disponibilizá-las aos animais para pastejo durante o período crítico para produção de forragem (inverno e início de primavera). Utilizando-se a forrageira adequada e o manejo de vedação correto, essas pastagens apresentarão boa disponibilidade de forragem, contudo, com valor nutritivo podendo ser considerado baixo.  Dessa forma, a vedação das pastagens deve estar sempre associada a algum tipo de suplementação alimentar, tais como, sal mineral enriquecido com uréia, mistura mineral múltipla e concentrado energético-protéico. O nitrogênio (N) é um dos grandes responsáveis pela produtividade e qualidade da planta forrageira, o qual assume importância fundamental no processo produtivo de pastagens, considerando que o nitrogênio do solo, proveniente da mineralização da matéria orgânica, não é suficiente para atender à demanda de gramíneas com alto potencial produtivo. Utilizando-se a forrageira adequada e o manejo de vedação correto, essas pastagens apresentarão boa disponibilidade de forragem, contudo, com valor nutritivo podendo ser considerado baixo. Dessa forma, a vedação das pastagens deve estar sempre associada a algum tipo de suplementação alimentar, tais como, sal mineral enriquecido com uréia, mistura mineral múltipla e concentrado energético-protéico  Um modo de avaliar se este conjunto de fatores está atendendo à demanda dos animais é avaliar o perfil metabólico sanguíneo.

Ver detalhes do projeto

  ÉRIKA SALGADO POLITI BRAGA SALDANHA      Apta Regional / IZ

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE BANANEIRA (Musa sp.)

n° SGP 773
A banana é uma das frutas mais consumidas no mundo. No Brasil é produzida em todos os estados. A demanda pela fruta é muito grande, tanto para o consumo in natura, como para a agroindústria. Apesar de existirem inúmeros tipos de bananeiras, um número muito reduzido é plantado comercialmente. É fundamental o estudo de novos genótipos para aumentar a lista de recomendações para os bananicultores. Para que este processo seja efetivo, os campos de avaliações regionais são imprescindíveis, pois demonstra a adaptabilidade do material genético às condições de clima, solo e manejo do local. Neste trabalho pretende-se avaliar 8 genótipos de bananeiras (FHIA 17, FHIA 18, Thap Maeo, Princesa, Platina, TM 2803, PC 0101 e PA 9401) nos municípios de Lupércio e Palmital, no Estado de São Paulo. As duas regiões apresentam características distintas, tanto em termos de solo como de clima. Serão avaliados altura das plantas quando da emissão da inflorescência (m), circunferência do pseudocaule (cm), número de folhas vivas na floração e na colheita, número de dias para emissão da inflorescência, número de dias de formação do cacho, massa do cacho (kg) e, número de pencas por cacho. Durante todo o processo de avaliação, a incidência de pragas e doenças será monitorada. Também serão registrados os dados meteorológicos de cada local. Ao final das avaliações espera-se selecionar ao menos um genótipo potencial para ser incorporado às recomendações regionais de modo a ampliar as opções dos produtores rurais. Além disso, será realizada a apresentação dos resultados na forma de dias de campo e publicações técnicas e científicas.
Ver detalhes do projeto

  Adriana Novais Martins      Apta Regional / IAC

Inovações Tecnológicas na Sericicultura

n° SGP 405

O Projeto visa desenvolver e disponibilizar tecnologias aplicadas à Sericicultura, que promovam a redução de custos e o uso racional da mão-de-obra e dos meios de produção, conferindo eficiência produtiva e colocando a atividade como opção rentável e sustentável para o agronegócio familiar no Estado. Desenvolver e disponibilizar tecnologias aplicadas à Sericicultura, que promovam a redução de custos e o uso racional da mão-de-obra e dos meios de produção, conferindo eficiência produtiva e colocando a atividade como opção rentável e sustentável para o agronegócio familiar no Estado. 

O Projeto tem por objetivo desenvolver e disponibilizar tecnologias aplicadas à Sericicultura, que promovam a redução de custos e o uso racional da mão-de-obra e dos meios de produção, conferindo eficiência produtiva e colocando a atividade como opção rentável e sustentável para o agronegócio familiar no Estado.

O Módulo vigente, de Produção da Sericicultura, não atende as necessidades técnicas e sócio-econômicas das regiões sericícolas do Estado de São Paulo, apresentando deficiências quanto à utilização da mão-de-obra e dos meios de produção, baixo controle sanitário e ausência de informações e ferramentas de análise, para uma avaliação eficiente da atividade produtiva.

Pelo presente projeto, conduzido na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Gália-APTA/SAA, estão sendo desenvolvidas e disponibilizadas tecnologias aplicadas à sericicultura, abrangendo áreas de produção animal (bicho-da-seda), produção vegetal (amoreira) e sanidade animal. Os estudos visam a reestruturação do módulo de produção sericícola atual, tornando-o mais eficiente e sustentável.

Ver detalhes do projeto

  Antonio José Porto      Apta Regional / IZ

Banco Ativo de Germoplasma (BAG) de amoreira, Morus sp. Introdução, condução, manutenção e estudo do banco de germoplasma de amoreira, Morus sp.

n° SGP 404

A Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento/Gália-SP – Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios/Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo (UPD/Gália – APTA/SAA) abriga uma coleção de cultivares de amoreira (Morus sp.), que compõem um Banco Ativo de Germoplasma de amoreira. Esse banco possui 42 cultivares selecionados pelo Instituto de Zootecnia (APTA/SAA), denominado de cultivares IZ, além de outros acessos obtidos do meio produtivo. A proposta do presente projeto é promover adequada manutenção e condução desses recursos fitogenéticos, introduzir novos acessos e, principalmente, desenvolver estudos que possibilitem o conhecimento mais aprofundado do material genético disponível, o aprimoramento de tecnologias para seu uso como forrageira animal e a utilização dessa planta como fonte de extratos de grande aplicação fitoterápica.

Ver detalhes do projeto

  Antonio José Porto      Apta Regional / IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930