Projetos APTA no Departamento de Descentralização do Desenvolvimento

Página Inicial / Busca de Projetos

90 projetos ativos encontrados - pág. 1 de 3

PESQUISA DO VÍRUS RÁBICO EM MORCEGOS HEMATÓFAGOS (Desmodus rotundus) NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

n° SGP 2090

O laboratório do Pólo da Alta Sorocabana, Presidente Prudente, SP, realiza o diagnóstico laboratorial da raiva desde 1995, ano em que foi credenciado para tal pelo Ministério da Saúde. Daquele ano até a presente data, já isolou o vírus rábico de várias espécies de morcegos não hematófagas (frugíveras e insetívoras), portadoras, em sua maior parte, da variante antigênica 3 do morcego Desmodus rotundus, que é hematófago. Para avaliar a presença do vírus rábico nestas espécies de morcegos, os mesmos serão capturados em abrigos cadastrados na região Oeste do Estado de São Paulo. Amostras de tecido cerebral serão submetidas aos testes de imunofluorescência direta e ensaios PCR. Anticorpos séricos serão mensurados por inibição de focos de fluorescência rápida (RFFIT). Se faz necessário, um estudo mais aprofundado da presença do vírus rábico nestas espécies existentes na região, bem como, da relação das mesmas com a disseminação do vírus, evitando assim, o contágio da população humana e animal, principalmente cães e gatos.

Ver detalhes do projeto

  Avelino Albas      Apta Regional / APTA

FLUXO GÊNICO E ENTOMOFAUNA ENTRE CULTURAS DE SOJA TRANSGÊNICAS E CONVENCIONAIS

n° SGP 1955

A competitividade proporcionada pela resistência a pragas e/ou herbicidas fez com que a soja transgênica ocupasse significativa parte das áreas agricultáveis do país em curto espaço de tempo. O Brasil é o segundo maior produtor mundial de soja e a taxa de adesão de cultivares transgênicos foi de 93%. Essas lavouras não são totalmente isoladas reprodutivamente ou geograficamente, de forma que a dispersão de pólen seja biótica ou abiótica, pode resultar em contaminação e fluxo gênico. Embora a soja seja uma espécie essencialmente autógama, a polinização cruzada entre plantas transgênicas também é possível. Além disso, Alguns estudos demonstraram diferença estatística entre os grupos soja convencional e soja transgênica quanto aos teores de isoflavonas. Se por um lado, isoflavonas são capazes de ajudar na queda do colesterol e na melhora da osteoporose, diminuindo sintomas da TPM e menopausa, por outro, este composto com estrutura química semelhante ao hormônio estrógeno dos mamíferos, pode agir como desregulador endocrino, em especial para vegetarianos e crianças, aumentando as chances de desenvolvimento sexual prematuro em meninas, pelo aumento de hormônio feminino na corrente sanguínea, e no retardamento do desenvolvimento sexual em meninos, pela inibição da produção de testosterona. Este trabalho tem como objetivo avaliar a concentração de isoflavona, o fluxo gênico e a entomofauna em culturas de soja transgênicas (RR e BtRR2) cultivadas em ambiente aberto ao longo dos anos em glebas vizinhas.

Ver detalhes do projeto

  Geraldo Balieiro Neto      Apta Regional / IB

Criação de Pangasius hypotalamus com diferentes teores de proteína bruta. Viabilidade técnica, econômica e avaliação de enfermidades?

n° SGP 1913

O Pangasius hypotalus, popularmente conhecido como panga que já esta sendo produzido  no Brasil , no entanto na literatura não se encontram dados científicos nacionais. Os coeficientes  técnicos e econômicos são dados importantes para  o bom desempenho zootécnico e produção responsável de peixe.Para avaliação da  viabilidade técnica, econômica e sanitária da produção do Panga. Inicialmente  será estudada a melhor densidade de estocagem 200, 300 e 400 alevinos m-3  ate os peixes atingirem 100 g de peso médio. A partir de 100 g de peso medio, os peixes serão redistribuídos nos tanques-rede e será iniciado novo ensaio onde será avaliado o melhor teor de proteína bruta da ração. A proteína é o nutriente de maior custo na ração de peixes, portanto é necessário conhecer a concentração proteica ideal para cada espécie e a situação de criação, com o objetivo de obter bom desempenho zootécnico, minimizar o custo, bem como, a descarga de nitrogênio no ambiente de criação. O objetivo deste trabalho é avaliar  a viabilidade técnica econômica e sanitária da produção de Pangasius hypotalus .

 

Ver detalhes do projeto

  Celia Maria Doria Frascá Scorvo      Apta Regional / IP

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA O AGRONEGÓCIO PAULISTA ILPF APTA REGIONAL 2017 - 2027

n° SGP 1895

A Bioeconomia propõe Sistemas agropecuários de produção sustentável, que contribuam para a melhoria da qualidade do solo, uso racional da água e que possa mitigar a emissão de gases de efeito estufa, o que são essenciais na agricultura moderna. A Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) é o sistema de produção que objetiva a recuperação de áreas degradadas, utilizando-se a agricultura, com a finalidade de produção de grãos para minimizar os custos operacionais para a recuperação das pastagens e, o aproveitamento dos nutrientes residuais na formação da nova pastagem. Além, da lavoura e da pastagem, utiliza-se o fator arbóreo, com proposta para o incremento de renda da propriedade, dos índices de produção animal. Com o presente cenário, este tem por objetivo avaliar os espaçamentos entre linhas de plantas, atributos físicos, químicos e biológicos do solo, teor de água no solo, além da produção de massa de matéria seca da parte aérea e radicular da forragem em sistemas integrados de produção. O projeto com 6 (seis) experimentos serão realizados em Unidades de Pesquisas (Presidente Prudente, Andradina, Colina, Brotas e Pindamonhangaba) pertencente a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios – APTA e mais uma área de referência na Unidade do DSMM da CATI, em Ataliba Leonel – Mandurí, SP., de Novembro de 2017 a Novembro de 2019 em diferentes tipos de solos. O delineamento experimental utilizado será em Faixas, com quatro repetições e compostos por cinco tratamentos: T1 – integração lavoura-pecuária, sem o componente arbóreo (pleno sol); T2 – sistema agrossilvipastoril, com sombreamento de 1 linha de eucalipto, com densidade de 250 arvores/ha (T20); T3 - sistema agrossilvipastoril, com sombreamento de 1 linha de eucalipto, com densidade de 125 arvores/ha (T40); T4 - sistema agrossilvipastoril, com sombreamento de 1 linha de eucalipto, com densidade de 62 arvores/ha (T80); T5 – sistema agrossilvipastoril, com sombreamento de 1 linha de eucalipto, com densidade de 32 arvores/ha (T160). Serão efetuadas avaliações: desenvolvimento inicial das plântulas de eucalipto, atributos químicos e físicos do solo, teor de água e sistema radicular das plantas cultivadas e produção de forragem em quatro espaçamentos a partir das linhas de eucalípto (1,0; 2,0; 4,0 e 8,0 metros). Os resultados obtidos serão submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.

Ver detalhes do projeto

  SILVIO TAVARES      Apta Regional / IZ

Avaliações sanitárias em Pangasius hypophthalmus criados em tanque rede dentro de tanque escavado no município de Pindamonhangaba/SP

n° SGP 1887

O cultivo intensivo de peixes no Brasil e no mundo é uma realidade promissora com o aumento do consumo de proteína de origem animal de qualidade. A intensificação do cultivo e o aprimoramento das técnicas surgem problemas sanitários. A proteína é o nutriente de maior custo na ração de peixes, portanto é necessário conhecer a concentração proteica ideal para cada espécie e a situação de criação, com o objetivo de obter bom desempenho zootécnico, minimizar o custo, bem como, a descarga de nitrogênio no ambiente de criação. Muitos são os fatores influenciam a exigência em proteína dos peixes, entre eles a temperatura da água, qualidade da proteína, tamanho do peixe etc. Na literatura não se encontram coeficientes técnicos e determinação de teor proteico ideal para a criação do Pangasius no Brasil, e densidade de estocagem ideais. O objetivo geral deste trabalho é verificar o manejo alimentar do panga, a densidade de estocagem ideal, e como objetivos específicos fazer uma anamese completa nos peixes a procura de efusões lesões na pele, brânquias e órgãos como fígado, rins, baço e cavidade abdominal, bem como realizar avaliações sanitárias nos animais.

Ver detalhes do projeto

  Sergio Henrique Canello Schalch      Apta Regional / IP

ANÁLISE DO DESEMPENHO PRODUTIVO DE DUAS LINHAGENS DE LAMBARIS DO GÊNERO AstyanaxBAIRD& GIRARD, 1854 (TELEOSTEI: CHARACIFORMES: CHARACIDAE)

n° SGP 1886

O sistema de cultivo em tanques escavados em terra ou viveiros tem sido empregado há muito tempo. Porém, a piscicultura desenvolvida em tanques-rede é uma modalidade que vem apresentando forte crescimento nos últimos anos (MPA, 2015).A criação de peixes confinados em tanques-rede visa à produção com alta produtividade e no menor tempo possível, pois permite uma densidade volumétrica muito maior que as outras modalidades. Neste sistema, há economia de água, o manejo é mais fácil e os custos são menores. Outra vantagem é que os tanques-rede também podem ser colocados dentro de viveiros escavados de forma a otimizar o restante do espaço para a produção de outras espécies consorciadas, maximizando a produtividade total e os lucros.

O suporte financeiro para realização das pesquisas científicas será feito pelo Prof. Dr. Miguel Petrere Junior ligado a Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade, Campus Sorocaba, Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Uso de Recursos Renováveis, mediante a termo de compromisso anexo.

 

Ver detalhes do projeto

  Sergio Henrique Canello Schalch      Apta Regional / IP

Sustentabilidade:do campo à mesa

n° SGP 1840

A presença de agricultores familiares é bastante significativa na região de Bauru/SP, principalmente na produção de olerícolas. Dentre os principais entraves encontrados na etapa de comercialização da produção destacam-se as dificuldades de obter volume, variedade, frequência e qualidade dos produtos. Em 2016 foi inaugurada uma cozinha comunitária, pela prefeitura de Bauru/SP, que visa oferecer refeições adequadas, saudáveis, nutricionalmente balanceadas, para atender prioritariamente pessoas em vulnerabilidade social. A rede de cooperação da equipe do projeto será responsável em buscar melhorias nas condições de produção agrícola, minimizar o problema de comercialização e desenvolver pesquisa para a segurança alimentar. O objetivo geral do projeto é auxiliar na sustentabilidade da cozinha comunitária, instalada em Bauru, através do desenvolvimento de metodologia de políticas públicas para aquisição de alimentos de produtores rurais da agricultura familiar local.

Ver detalhes do projeto

  Maria Cecília de Arruda Palharini      Apta Regional / IAC

AVALIAÇÃO DE B. Brizantha SOB CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS COM SUPLEMENTAÇÃO DE NITROGÊNIO E POTÁSSIO

n° SGP 1825

            A elevação potencial genético de forrageiras tropicais é um aspecto importante para o sistema de produção de animais em pastejo, porém existe a grande necessidade de técnicas de adubação e o conhecimento sobre a ecofisiologia das espécies forrageiras tropicais mediante as pertubações ambientais, para direcionar e orientar práticas sustentáveis de manejo. A definição de estratégias que permitam maior eficiência no manejo de pastagens tropicais, através de um maior aproveitamento do potencial de produção das plantas forrageiras, requer a compreensão de seu comportamento morfofisiológico e resposta à adubação, minimizando o processo de degradação da pastagem em uso. A obtenção dessas informações é fundamental para se definir o momento mais oportuno para a entrada e saída dos animais em qualquer situação de pastejo, especialmente em sistemas de lotações intermitentes e a altura e/ou a melhor disponibilidade de forragem, relacionando o melhor balanço possível entre os desempenhos produtivos da planta forrageira e do animal.

            Além desses aspectos, espera-se: diminuição na estacionalidade da produção de forragens e aumento na produtividade de animais em pastejo. Relevantes informações podem ser atribuídas, sendo: o potencial para propiciar benefícios ao meio ambiente, diminuindo os riscos de contaminação do lençol freático com uso inadequado de fertilizantes, o que pode ocorrer quando se utiliza níveis muito elevados de adubos potássicos e nitrogenados; a redução da poluição ambiental, causada pela redução da produção de metano, que se observa, quando os animais são alimentados com forragem de melhor qualidade.

Ver detalhes do projeto

  Andréia Luciane Moreira      Apta Regional / IZ

Aceleração da fase de decomposição de processo de compostagem de lodos de esgoto e agroindustriais visando o uso dos compostos na agricultura

n° SGP 1822

Após longo e custoso processo de tratamento de efluentes sanitários, agroindustriais e das atividades pecuárias como a bovinocultura e suinocultura, o lodo gerado é invariavelmente destinado a aterros, pois normalmente não atende normas para uso direto em solos agrícolas, necessitando de pós-tratamento para sua melhoria. Há tecnologias importadas como a secagem térmica e incineração que utilizam altas temperaturas, elevados gastos energéticos, e geram gases tóxicos que necessitam de tratamentos. Há perdas de matéria orgânica, carbono, nitrogênio e enxofre que empobrecem o resíduo para uso agrícola. O lodo seco/incinerado é encaminhado a aterros sanitários. Alternativa para o pós-tratamento seria o processo de compostagem tradicional, que é muito eficiente, produzindo compostos de alta qualidade para agricultura. Contudo, o processo demanda enormes áreas de pátio, especialmente na fase de decomposição que consome metade do prazo para produção do composto, que é de 120 dias. Há custos operacionais com máquinas/operadores para condução do processo, e exposição de funcionários a riscos de contaminação. Neste cenário, foi desenvolvida e está sendo comercializada a máquina recicladora de lixo 5Ecos, aceleradora de compostagem. Restos de alimentos e hortifrutis processados em 24h resultam em produto cuja caracterização física assemelha-se a composto orgânico, com teores de água de 5-15%, eliminando vetores como insetos e facilitando seu manuseio e transporte. Contudo, a caracterização química dos compostos e testes de germinação mostra a impossibilidade de seu uso como substrato de planta, composto ou condicionador de solos. O desafio desta proposta é preencher essa lacuna no mercado brasileiro, no que concerne ao pós-tratamento de resíduos sólidos, desenvolvendo um protocolo para realizar a fase de decomposição de resíduos inteiramente dentro do equipamento, cujas características de construção assemelhasse a reator aeróbio, e gerar compostos orgânicos, reciclando nutrientes e reduzindo custos com fertilizantes químicos na produção agrícola. A fase de humificação da compostagem poderá ser conduzida no equipamento e/ou em pilhas no campo, demandando áreas menores de pátio e baixos custos operacionais. Para tanto serão confrontados 03 cenários de compostagem: (i) máquina recicladora 5Ecos; (ii) pilhas no campo; (iii) ensaio de respirometria no laboratório. Os ensaios serão conduzidos concomitantemente, utilizando 03 lodos (esgoto, agroindustrial e suinocultura) e 02 materiais estruturantes (poda de árvore de cidade triturada e bagacilho/maravalha), que serão balanceados com relação C/N em torno de 30/1 e teor de água de 50%, totalizando 36 tratamentos. Dados de temperatura e umidade serão coletados diariamente norteando o revolvimento e irrigação dos materiais, além do monitoramento constante dos teores de matéria orgânica, C, N-total, N-NO3-, N-NH4+, e demais nutrientes de plantas, metais pesados, coliformes termotolerantes, Salmonella sp, ovos de helmintos e cistos de protozoários, e grau de humificação. Vencidos os desafios tecnológicos e científicos da proposta, tais parâmetros diários compilados servirão como banco de dados para Fase II da proposta, que visará automação total da máquina e reformulação do processo, por meio de software que coordene a detecção de temperatura e umidade por meio de sensores, a coleta instantânea de amostras, e determinações automáticas dos elementos que balizam a compostagem por meio de técnicas fotônicas.

Ver detalhes do projeto

  Edna Ivani Bertoncini      Apta Regional / IAC

INFLUENCIA DA LINHAGEM NA CRIAÇÃO DE POEDEIRAS NAO DEBICADAS E ALIMENTADAS COM DIETAS CONTENDO EXTRATOS VEGETAIS CALMANTES

n° SGP 1767

O objetivo do trabalho será avaliar o efeito de extratos vegetais calmantes (EV- valeriana, maracujá doce, camomila e capim cidreira) no desempenho, características econômicas, na qualidade de ovos, no bem estar, no comportamento e na imunidade de galinhas poedeiras debicadas ou não. Para isto, serão utilizados 432 pintos de um dia de idade, fêmeas, de duas linhagens comerciais (mais e menos agressiva), que a partir da 13ª semana de idade serão distribuídos em esquema fatorial 2x2x3 (duas linhagens; com ou sem debicagem e três níveis de inclusão de extratos vegetais calmantes (0, 1 e 2%) com seis repetições de seis aves cada. Os parâmetros de desempenho produtivo avaliados serão: idade à maturidade sexual (5% de postura), produção e peso dos ovos, consumo de ração, conversão alimentar (consumo/dz e kg de ovos) e porcentagem de ovos quebrados, do início de produção durante 4 ciclos de 28 dias. Serão verificados parâmetros de qualidade de ovos: gravidade específica, percentagem de gema, percentagem de albume, percentagem de casca, espessura da casca, unidades Haugh, índice gema e coloração da gema . Ao final do experimento amostras de sangue de uma ave por parcela serão coletadas para avaliação de oxidação lipídica das aves, relação hidrófilo: linfócito, níveis plasmáticos de corticosterona e título de anticorpos contra doença da Síndrome da New Castle. As características de vida de prateleira dos ovos serão avaliadas por ovos coletados no último dia do experimento e armazenados por 14 dias. Serão realizadas análise de peroxidação lipídica dos ovos, colesterol e lipídeos totais nas gemas. Com relação ao comportamento serão observados e registrados tempo em imobilidade tônica (TIT), observação das atividades realizadas segundo etograma e  ferimentos corporais. A análise econômica será avaliada utilizando-se o índice nutricional bio-econômico. A análise dos dados será realizada utilizando-se programa estatístico SAS 9.2 (2004). Os dados de desempenho e qualidade de ovos serão analisados por ANOVA e comparados pelo teste de Tukey ao nível de 5% de significância. As análises estatísticas não paramétricas de atividades realizadas e escores corporais das aves serão feitas pela comparação de médias pelo teste de Qui-quadrado a 5% de probabilidade. Para as análises estatísticas dos resultados obtidos será utilizado o procedimento GLM do SAS. Para se verificar a significância entre as médias dos tratamentos será utilizado o teste de Tukey a 5% de probabilidade.

Ver detalhes do projeto

  Christine Laganá      Apta Regional / IB

Estudo da infestação de percevejo-preto em campos comerciais de amendoim, caracterização de danos e testes iniciais de controle químico do inseto

n° SGP 1758

No Brasil são citadas como pragas da cultura do amendoim cerca de 20 espécies de insetos, atacando em alguma fase de desenvolvimento das plantas. Entre as pragas de solo comumente são relatadas em amendoim os percevejos castanhos e o percevejo-preto. O percevejo-preto, Cyrtomenus mirabilis (Perty, 1836) (Hemiptera: Cydnidae) é a principal praga de solo em amendoim. Sua ocorrência tem aumentado nos últimos anos no estado de São Paulo. Esse percevejo também ataca as raízes assim como as espécies de percevejo castanho. No entanto, seu principal prejuízo está relacionado ao ataque em vagens na fase de desenvolvimento dos grãos, na qual ninfas e adultos inserem o estilete de seu aparelho bucal, atingindo os grãos em desenvolvimento. Ao se alimentarem dos grãos, os mesmos tornam-se manchados impróprios para comercialização (Figura 1). Os prejuízos podem ser de grande magnitude se se considerar o mercado de amendoim blancheado (sem pele) e o fato de esses ferimentos servirem como porta de entrada a fungos produtores de aflatoxina. Estudos relacionados a estes insetos em amendoim são escassos e por isso não há um plano de amostragem, nem mesmo medidas de controle eficientes. Uma forma de se identificar a presença do percevejo na área é através de armadilhas luminosas. Armadilhas luminosas são consideradas dispositivos para atração e captura de insetos nas formas aladas e que apresentam fototropismo positivo (que possuem atividade noturna e são atraídos pela luz entre as 19:00 e 05:00 horas), como é o caso dos percevejos. Assim, os objetivos deste projeto são: identificar a(s) espécie(s) que ocorre(m) na cultura do amendoim nas diferentes regiões do Estado de São Paulo; estudar a flutuação populacional de adultos e estratificar a ocorrência em diferentes profundidades no solo em áreas comerciais de amendoim; quantificar os danos do inseto em condições controladas (casa-de-vegetação) e avaliar eficiência de inseticidas no controle e redução dos danos do inseto.

Ver detalhes do projeto

  Marcos Doniseti Michelotto      Apta Regional / IAC

Inovações Tecnológicas Aplicadas a Cultura da Mandioca no Centro Oeste Paulista

n° SGP 1742

O presente Projeto de Pesquisa  será conduzido na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento/Gália-APTA/SAA, tendo como objetivo geral desenvolver, testar e disponibilizar tecnologias aplicadas à cultura da mandioca, com ênfase na região Centro Oeste do estado. Como objetivos específicos visa:  Promover experimentos de competição e validar clones elites de mandioca de indústria do programa de melhoramento genético de mandioca de indústria do Centro de Horticultura, do Instituto Agronômico de Campinas, Da Agência Paulista de Tecnologias do Agronegócio, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do governo do estado de São Paulo; promover alterações nos sistemas de produção, visando a construção de ambientes conservacionistas e de baixo impacto ambiental; estruturar um sistema de produção de baculovirus de mandioca; testar a viabilidade e eficiência do uso de biofertilizantes na cultura da mandioca e disponibilizar ao meio produtivo, por meio de eventos e publicações, os conhecimentos obtidos. 

Ver detalhes do projeto

  Antonio José Porto      Apta Regional / IAC

DESEMPENHO AGRONÔMICO, PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE GENÓTIPOS DE BANANEIRA TIPO TERRA NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DO VALE DO RIBEIRA, SP

n° SGP 1715

Os plátanos, também chamados de banana da terra ou ainda bananas de cozinhar pertencem ao subgrupo Terra e apresentam como principais diferenças aos demais subgrupos frutos grandes e com alto teor de amido, sendo consumidos cozidos, fritos ou assados. Esse tipo de banana é comercializado com preços superiores aos praticados para as bananas do subgrupo Prata, razão pela qual há grande interesse no cultivo desse tipo de banana. As bananeiras desse subgrupo são suscetíveis à Sigatoka-negra, razoavelmente resistentes à Sigatoka-amarela, tolerante ao mal-do-Panamá, medianamente prejudicadas pelos nematoides e altamente perseguidas pela broca-do-rizoma, por isso seus bananais têm vida curta, onde geralmente se colhe a planta-mãe com boa produção, o filho mediano e o neto produz muito pouco. Apesar dos esforços empreendidos para o melhoramento da bananeira e plátanos a partir de germoplasma natural selecionado pelo homem, o Brasil dedica pouca importância aos plátanos. Assim sendo, objetivou-se, com este trabalho avaliar o desempenho agronômico, produção e pós-colheita de genótipos de bananeira do subgrupo Terra nas condições edafoclimáticas do Vale do Ribeira, SP. Para tal, o experimento será implantado na fazenda experimental da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, APTA Regional Vale do Ribeira, localizada no município de Pariquera-Açu, SP, onde serão avaliados doze genótipos de banana da Terra desenvolvidos no programa de melhoramento genético da Embrapa. O delineamento será em blocos ao acaso, com doze tratamentos (cultivares) e quatro repetições. Para todos os tratamentos serão empregados o mesmo sistema de manejo de controle de pragas e doenças, condução do bananal e adubações. Na avaliação do desenvolvimento das cultivares serão coletados dados referentes à altura das plantas, diâmetro do pseudocaule, número de folhas vivas, número de perfilhos e ciclos da planta, durante dois ciclos produtivos; a produção será aferida na colheita de cada safra através da determinação da massa fresca do cacho, do número de pencas por cacho, do número de total de frutos no cacho, massa fresca e número de frutos da 2ª penca, do comprimento e diâmetro de frutos. Além disso, será analisada a qualidade pós-colheita dos frutos através das seguintes avaliações: perda de massa, suscetibilidade ao despencamento, massa da matéria fresca da polpa e da casca, diâmetro da polpa e espessura da casca, firmeza da polpa, cor da casca, teor de sólidos solúveis, pH, acidez titulável, ratio e teor de amido nos frutos.

Ver detalhes do projeto

  Erval Rafael Damatto Junior      Apta Regional / IAC

Estudo comparativo dos efeitos da picoxistrobina, da trifloxistrobina e do ciproconazole em Danio rerio e Poecilia reticulata

n° SGP 1692

O uso de indicadores biológicos tem aumentado nos últimos anos, com o intuito de investigar a poluição ambiental, sendo que o ambiente aquático apresenta uma grande vulnerabilidade, tendo a agricultura papel de destaque como uma das principais atividades humanas que contribui para o aumento da poluição, devido à utilização de pesticidas. Essas substâncias, dentre os poluentes ambientais, têm recebido recente atenção pelo seu potencial em alterar populações e o dinamismo entre comunidades. O Aproach® Prima e o Sphere Max são fungicidas sistêmicos, sendo que o primeiro contém picoxistrobina (do grupo das estrobilurinas, inibidores do fluxo de elétrons da respiração mitocondrial) e ciproconazole (do grupo dos triazóis, inibidores da biossíntese do ergosterol),  e o segundo trifloxistrobina e ciproconazol, usado em pulverizações preventivas, para o controle de doenças da parte aérea da cultura do algodão, arroz, café, cana-de-açúcar, milho, soja e trigo. Quanto à sua classificação toxicológica, ambos pertencem à classe III, sendo medianamente tóxico e quanto à classificação do potencial de periculosidade ambiental, pertencem à classe II, muito perigoso ao meio ambiente, segundo dados da bula do produto.  Estes produtos foram escolhidos para realização dos ensaios ecotoxicológicos, em virtude da utilização na cultura no arroz inundado, que é a principal cultura da região do Vale do Paraíba e que apresenta grande interface com o ambiente aquático. O objetivo deste trabalho é determinar a concentração letal mediana (CL50) do fungicida APROACH® PRIMA  e do SPHERE MAX  para alevinos e adultos de Danio rerio e Poecilia reticulata, comparando com os dados obtidos para Lithobates catesbeianus, projeto SGP 1597 – “Avaliação dos efeitos do fungicida APROACH PRIMA em girinos de rã-touro (Lithobates catesbeianus) através da análise de biomarcadores”, que possui recursos FAPESP e não acarretará ônus para o Estado. O fungicida APROACH PRIMA à base de picoxistrobina e ciproconazole será adquirido com recursos FAPESP proveninetes do proejteo SGP 1597, processo 2016/20575-6 e não vai gerar nenhum tipo de ônus para o estado. O fungicida SPHERE MAX foi doado pelo pesquisador Marcelo Ticelli, colaborador do projeto. 

Ver detalhes do projeto

  Adriana Sacioto Marcantonio      Apta Regional / IP

PROCESSO FAPESP 2015/19393-8 Suplementação com fontes de w3 e w6: seus efeitos sobre eficiência produtiva e reprodutiva em vacas lactantes e avaliação nutracêutica do leite utilizando suínos como modelo para aplicabilidade em humanos

n° SGP 1672

A suplementação com óleos vegetais como fonte de ácidos graxos insaturados não prejudica o desempenho produtivo e pode influenciar positivamente a qualidade do leite. A produção leiteira teve períodos de intenso desenvolvimento no mundo, principalmente com o advento da inseminação artificial e a implantação dos programas de melhoramento genético das raças especializadas, que procuravam aumentar a produção maximizando o pico de produção de leite e minimizando o intervalo entre partos. Desde então, se procura fornecer alimentos de qualidade e rever os níveis dos nutrientes fornecidos aos animais para diminuir a perda de peso no início de lactação, quando o consumo não atende o requerimento do animal e este entra em balanço energético negativo, principalmente devido à produção ascendente. Uma das características do leite bovino é a grande proporção de ácidos graxos saturados, sendo o leite um alimento rico em diversos nutrientes, e frequentemente relacionado às doenças cardiovasculares (DCV) em humanos, pela sua proporção de ácidos graxos saturados e pelo teor de colesterol, o que tem levado alguns profissionais da área médica sugerir a retirada do leite ou fornecimento de leite desnatado para pessoas com predisposição à DCV. No entanto alguns trabalhos têm mostrado que a utilização de diferentes fontes de lipídeos na dieta de vacas em lactação pode alterar o perfil de ácidos graxos no leite. Em trabalhos realizados no Brasil, a suplementação de dietas de vacas leiteiras com óleos vegetais e grãos de oleaginosas ricos em ácidos graxos (AG), tem se mostrado eficiente para promover mudanças positivas no perfil de AG da gordura do leite, tornando-a mais adequada e saudável para o consumo humano. Dentre os fatores que exercem influência na produção e reprodução, a nutrição tem um papel reconhecidamente importante por afetar diretamente aspectos da fisiologia e desempenho reprodutivo na fêmea bovina. As principais famílias de ácidos graxos poli-insaturados (AGPs) que afetam a fertilidade são principalmente ômega-3 e ômega-6. A causa da associação observada entre suplementação com lipídeos e maiores concentrações circulantes de hormônios esteróides relatada por diversos autores ainda não está bem definida. A suplementação com lipídeo tem efeitos benéficos no folículo, oócito, embrião e no útero em vacas leiteiras. O mecanismo pelo qual a gordura dietética ou lipídeo proporciona a melhora na produção e qualidade oocitária e embrionária parece estar relacionada com a atenuação do balanço energético negativo e com a depressão na síntese de prostaglandinas uterinas. No entanto o ácido graxo específico ou o grupo de ácidos graxos que causam essa melhora ainda não são totalmente conhecidos. Pensando na importância da atividade leiteira para o Brasil e no leite com sua relevância na dieta para saúde humana, o presente trabalho tem como objetivo avaliar os efeitos da inclusão de óleo de linhaça como fonte de w3 e óleo de soja como fonte de w6 nos parâmetros produtivos e reprodutivos de vacas leiteiras, assim como verificar se o leite com aumentos nas concentrações de ácidos graxos insaturados apresentam benefícios em parâmetros relacionados à saúde e reprodução em humanos, utilizando suínos como modelo experimental.

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

INDICADORES DE EFICIÊNCIA BIOECONÔMICA APLICADOS EM UNIDADES FAMILIARES PRODUTORAS DE PESCADOS NA REGIÃO DO VALE DO RIBEIRA, SÃO PAULO

n° SGP 1670

Recentemente muitos governos do mundo tem tido um papel mais ativo no desenvolvimento da aquicultura, considerando a importância ou potencial no ambiente socioeconômico dos países. Contudo, percebe-se a clara importância que a aquicultura pode representar para o desenvolvimento social, econômico e ambiental das regiões, e ainda os aspectos à serem observados quando da formulação de políticas públicas. O objetivo deste projeto é aplicar indicadores bioeconômicos para avaliar unidades familiares produtoras de peixes em sistema semi-intensivo no Vale do Ribeira, região de Mata Atlântica no estado de São Paulo e realizar o benchmarking econômico das pisciculturas. O estudo será conduzido na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA regional/ Vale do Ribeira) localizado no município de Pariquera-Açú, São Paulo, Brasil (latitude 24° 43’ 14’’ S e longitude 47° 52’ 43’’ O) onde serão realizadas reuniões com produtores e técnicos que atuam na área da piscicultura no Vale do Ribeira, que têm o objetivo de problematizar a realidade em que os produtores enfrentam em seu diferente meio de produção. A partir destas reuniões serão selecionadas no mínimo cinco propriedades produtoras de pescados (n=05), localizadas na região de abrangência do estudo como descrito na pagina 7 do projeto.Os parametros zootecnicos e limnológicos  serão avaliados a cada 30 dias, bem como a viabilidade econômica será realizada no termino do projeto. 

Ver detalhes do projeto

  Antonio Fernando Gervasio Leonardo      Apta Regional / IP

AÇÃO DO NPK ENRIQUECIDO COM X-TEND B-CON NO VIGOR E NA PRODUTIVIDADE DA CANA-DE-AÇUCAR: EXPERIMENTO CASA DE VEGETAÇÃO E EM CAMPO

n° SGP 1659

1. HIPÓTESE:

A aplicação da fonte X-TEND B-CON irá favorecer a brotação precoce das gemas de cana-de-açúcar, oferecendo maior vigor e arranque inicial do sistema radicular e parte aérea quando comparada apenas a fertilizante convencional no sulco do plantio. Na soqueira irá permitir melhoria do perfilhamento e consequentemente a produtividade e qualidade de colmos.

 

2. OBJETIVO:

Avaliar efeito da fonte X-TEND B-CON (fertilizante organomineral), de acordo com as doses estabelecidas do produto, sobre desenvolvimento prévio da brotação, vigor e arranque inicial da parte aérea e sistema radicular das gemas cana-de-açúcar quando comparadas ao tratamento controle: Experimento de casa de vegetação. As gemas serão provenientes da parte inferior ou mediana do colmo. No experimento de campo e em cana soca serão avaliados o perfilhamento e a produtividade e qualidade tecnológica dos colmos.

Ver detalhes do projeto

  André Cesar Vitti      Apta Regional / IAC

PISCICULTURA INTEGRADA COM PRODUÇÃO DE MACRÓFITAS ORNAMENTAIS

n° SGP 1654

A produção de tilápia representa uma alternativa para a piscicultura de água doce, especialmente aplicada para geração de renda para pequenos produtores, no entanto é necessário o desenvolvimento de metodologias de manejo e de tecnologias integradas, que visem reduzir os possíveis impactos ambientais do processo produtivo. Com crescimento da aquariofilia, o uso de macrófitas aquáticas ornamentais passou a ser muito rentável, desta forma permite ao produtor rural produzir proteína animal, tratar efluente com macrófitas reduzindo o impacto e ainda complementar a renda com a venda das plantas. Objetivo deste projeto é determinar em sistema integrado de recirculação, a eficiência das rações de 28 e 32% de proteína na produção de juvenis de tilápias, avaliando os efeitos no efluente, utilizando macrófitas para remoção do  nitrogênio e fósforo.O delineamento experimental será inteiramente casualizado com dois tratamentos e quatro repetições, serão utilizados 8 caixas d´agua de 500 litros, com entrada e saída de água constante. O povoamento será realizado com juvenis de tilápia do Nilo, revertidas sexualmente para machos, com peso médio de ± 30 g, sendo estocados na densidade de 5 peixes para cada 10 L-1. Os peixes serão arraçoados com ração comercial com seguintes níveis de proteína bruta T1: 28% P.B. e T2: 32% P.B. sendo que ambas serão fornecidas duas vezes ao dia em função da biomassa total, com taxa de 5% do peso vivo inicial e corrigida a cada biometria. Quinzenalmente os parametros limnologicos, zootecnicos serão avaliados bem como o crescimento das macrófitas. Os resultados obtidos serão utilizados para compor os cenários: 1) Piscicultura tradicional, no qual será analisado o custo do processo de manejo, o valor produto final e os impactos a qualidade da água. 2) Piscicultura integrada a macrófitas – na qual se realizarás as mesmas avaliações agregadas do custo de produção das macrófitas e o valor de mercado da mesma. 

Ver detalhes do projeto

  Antonio Fernando Gervasio Leonardo      Apta Regional / IP

O modelo WEAP para análise do ambiente construído em relação aos recursos hídricos das sub-bacias dos ribeirões do Curtume e Água Preta: Estudo de caso na cidade de Pindamonhangaba, no estado de São Paulo/Brasil.

n° SGP 1640

A qualidade da água de uma bacia hidrográfica é influenciada por diversos fatores e, dentre eles o clima, a cobertura vegetal, a topografia, a geologia, bem como o tipo, o uso e o manejo do solo da bacia hidrográfica. Os vários processos que controlam a demanda e oferta da água de determinado manancial fazem parte de um frágil equilíbrio, motivo pelo qual alterações de ordem física, química ou climática, na bacia hidrográfica, podem modificar suas características quali-quantitativas. O presente estudo tem por objetivo aplicar a ferramenta WEAP - Water Evaluation and Planning System, para análise do ambiente construído em relação aos recursos hídricos das sub-bacias do ribeirão do Curtume e Água Preta num estudo de caso no município de Pindamonhangaba, no estado de São Paulo – Brasil. Os resultados por meio de avaliação e planejamento usando a ferramenta WEAP serão relacionados ao panorama ambiental das sub-bacias considerando ainda as condições climáticas, índices de qualidade de água e indicadores de ocupação. Basicamente esta ferramenta inovadora permite através do balanço hídrico da bacia, calcular a quantidade de água disponível para atividades rurais e urbanas (ambientes construídos). Este modelo pode também contribuir para tomada de decisões durante a escassez hídrica sazonal e definir o melhor planejamento para distribuição, bem como a possibilidade de simular os impactos de novos empreendimentos, além da formação de um banco de dados técnicos gerando informações institucionais para uso regional e estadual. O apoio institucional financeiro será da IMED, bem como para a publicação dos resultados alcançados em periódicos e eventos nacionais e internacionais.

Ver detalhes do projeto

  KARLA CONCEIÇÃO PEREIRA      Apta Regional / IAC

Avaliação do desempenho e crescimento de duas gerações de tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus) da linhagem Genomar Supreme

n° SGP 1635

Objetiva-se avaliar o crescimento de duas gerações da linhagem tilápia do Nilo, Genomar Supreme, geração G20 e G25. O experimento será realizado no Polo Alta Sorocabana - Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), em Presidente Prudente - SP, localizado em 22º11' de latitude Sul, 51º23' de longitude Oeste e 458,3 m de altitude. Alevinos de tilápia, machos revertidos, de aproximadamente 3 g serão cultivados em sistemas de recirculação de água contendo tanques de 0,25 m³, a densidade de 80 peixes / m³, com quatro repetições (tanques). Os peixes serão alimentados três vezes ao dia com mesma ração comercial específica para cada fase de crescimento de acordo com a biomassa de cada tanque. Ao longo do crescimento, serão pesados e medidos oito peixes de cada tanque no início e aos 30, 60, 90, 120 e 150 dias de cultivo. Serão determinados a sobrevivência, ganho de peso, conversão alimentar e homogeneidade dos lotes em cada período. Modelos não lineares de crescimento serão ajustados para a determinação e comparação das taxas de crescimento. Será utilizado o delineamento experimental inteiramente casualizado, em esquema fatorial (2x6) com  2 tratamentos, 6 períodos e quatro repetições (tanques). O estudo do crescimento será realizado ajustando todos os dados do peso do peixe para o modelo exponencial, dado por y= Aekx, e modelo de Gompertz dado por y = Aexp(-Be-Kx). Adicionalmente serão determinadas as taxas de crescimento absoluta e relativa e o peso e idade à inflexão. Os parâmetros das curvas para cada geração serão comparados por seus intervalos de confiança a 95% de probabilidade.

Ver detalhes do projeto

  Vander Bruno dos Santos      Apta Regional / IP

DESEMPENHO AGRONÔMICO E SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE PRODUZIDOS A PARTIR DE SEMENTES

n° SGP 1610

A batata-doce é o sétimo alimento mais importante no mundo, sendo essencial para a manutenção da segurança alimentar. É um alimento muito energético, podendo ser consumido in natura ou processado, além de ser matéria-prima para a produção de álcool. A cultura apresenta grande importância para o Brasil, sendo cultivada em todas as regiões brasileiras. O Estado de São Paulo é o 2º maior produtor, no entanto, sua produtividade é muito inferior ao potencial da cultura. A região de Presidente Prudente é grande produtora no estado, mas também apresenta baixa produtividade. Uma das causas da baixa produção por unidade de área é a utilização de poucas variedades com as características comerciais necessárias sendo que esses materiais podem não ser os mais indicados para a região. Assim, visando manter as características de cor de película e de polpa desejáveis para a comercialização, objetivou-se com esse trabalho analisar características agronômicas de genótipos oriundos de sementes provenientes do cruzamento de duas variedades cultivadas na região de modo a selecionar materiais com elevada produtividade comercial e formato de raízes adequado.  

Ver detalhes do projeto

  Amarílis Beraldo Rós      Apta Regional / IAC

Avaliação dos efeitos do fungicida APROACH PRIMA em girinos de rã-touro (Lithobates catesbeianus) através da análise de biomarcadores

n° SGP 1597

O uso de indicadores biológicos tem aumentado nos últimos anos, com o intuito de investigar a poluição ambiental, sendo que o ambiente aquático apresenta uma grande vulnerabilidade, tendo a agricultura papel de destaque como uma das principais atividades humanas que contribui para o aumento da poluição, devido à utilização de pesticidas. Essas substâncias, dentre os poluentes ambientais, têm recebido recente atenção pelo seu potencial em alterar populações e o dinamismo entre comunidades. Os biomarcadores podem ajudar a avaliar o estado de saúde das populações de anfíbios, atuando como parâmetros finais e subletais da intoxicação. Em virtude da necessidade de estabelecer biomarcadores com maior sensibilidade, precisão e informação rápida após da exposição e ação dos estressores ambientais e particularmente dos pesticidas usados no ambiente, será testada a análise do sistema pigmentar extracutâneo e especificamente nos órgãos hematopoiéticos como baço e fígado, onde residem os melanomacrófagos (MMCs). Os anfíbios anuros ocorrem em todos os continentes, apresentam ampla distribuição geográfica, sendo encontrados em todos os continentes, exceto na Antártica, sendo mais abundantes em países tropicais e a rã-touro é uma espécie já utilizada em ensaios de ecotoxicologia aquática. O Aproach® Prima é um fungicida sistêmico que contém picoxistrobina (do grupo das estrobilurinas, inibidores do fluxo de elétrons da respiração mitocondrial) e ciproconazole (do grupo dos triazóis, inibidores da biossíntese do ergosterol), usado em pulverizações preventivas, para o controle de doenças da parte aérea da cultura do algodão, arroz, café, cana-de-açúcar, milho, soja e trigo. Quanto à sua classificação toxicológica, pertence à classe III, sendo medianamente tóxico e quanto à classificação do potencial de periculosidade ambiental, pertence à classe II, muito perigoso ao meio ambiente, segundo dados da bula do produto. Este produto foi escolhido para realização dos ensaios ecotoxicológicos, em virtude de sua utilização na cultura no arroz inundado, que é a principal cultura da região do Vale do Paraíba e que apresenta grande interface com o ambiente aquático.

 

Ver detalhes do projeto

  Adriana Sacioto Marcantonio      Apta Regional / IP

Avaliação de clones Asiáticos de seringueira em diferentes regiões do estado de São Paulo.

n° SGP 1576

Existe um Instituto chamado IRRDB (International Rubber Research and Development Board), que engloba todos os Países Produtores e Entidades ligadas à cadeia mundial de Borracha Natural, que após a participação de representantes da Câmara Setorial de Borracha Natural do Estado de São Paulo, na Conferência Anual de do IRRDB-2016 no Cambodja, convidou o Brasil para fazer parte deste grupo, através de sua filiação e pagamento de uma Anuidade. Como membro participante o Brasil terá direito de participar de todas as reuniões, congressos e conferências relativas ao setor da borracha natural, bem como de diversos programas técnicos-científicos, incluindo intercâmbio genético para recebimento e envio de clones de seringueira desenvolvidos nos diferentes países membros.

Desta forma, este projeto compreende duas etapas: pagamento da primeira anuidade de filiação do Brasil, sendo seu representante oficial para recebimento dos clones o IAC (Instituto Agronômico de Campinas) que como entidade oficial do Governo tem um Quarentenário .Desta maneira, serão enviados 49 clones Asiáticos de Seringueira considerados de última geração nestes países, pois são mais produtivos, possuem resistência ao vento, ao frio e à doenças, que serão distribuídos e levados à testes em áreas experimentais da APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios).

Assim como já ocorreu no passado o recebimento de material genético selecionado poderá permitir um salto tecnológico para a heveicultura nacional, permitindo um atalho para o futuro, com custos extremamente baixos.

A APTA já manifestou a disposição para incluir em seu orçamento o pagamento das futuras anuidades.

 

Ver detalhes do projeto

  Elaine Cristine Piffer Gonçalves      Apta Regional / APTA

Investigação epidemiológica de Coxiella burnetii em propriedades rurais na região noroeste paulista após surto de febre Q em trabalhadores de um frigorífico

n° SGP 1567

A febre Q é uma zoonose mundial, causada pela bactéria intracelular obrigatória Coxiella burnetii. As principais fontes de infecção para humanos são bovinos, ovinos e caprinos, que eliminam o agente em grande quantidade nos fluidos do parto ou abortamento e em menor quantidade no leite, fezes e urina. A bactéria é eliminada no ambiente em uma forma altamente resistente, que permanece infecciosa por muito tempo. O principal modo de transmissão é a inalação de aerossóis ou poeiras contendo o agente. Em humanos, a fase aguda da doença tem como manifestação clínica mais comum a síndrome gripal autolimitante, enquanto a forma crônica desencadeia mais frequentemente endocardite. Em ruminantes domésticos, a bactéria provoca abortamentos e outros problemas reprodutivos. Apesar da doença provavelmente ser subnotificada, eventualmente surtos em humanos são relatados, caracterizados por alta morbidade e baixa letalidade, porém com possibilidade de infecções persistentes e formas crônicas da doença. Em 2015, um surto de febre Q foi detectado em trabalhadores de um frigorífico no município de Barbosa, localizado no noroeste do estado de São Paulo. Pretende-se, no presente trabalho, pesquisar, em propriedades rurais que enviaram bovinos para abate ao frigorífico de Barbosa 7 a 30 dias antes do início do surto, a presença de anticorpos IgG contra C. burnetii em animais e humanos, os possíveis fatores de risco associados com a soropositividade e a presença de DNA da bactéria em amostras de sangue, leite, swab vaginal e carrapatos dos animais, além de tentar o isolamento de C. burnetii a partir dos carrapatos coletados dos animais. 

Ver detalhes do projeto

  Tatiana Evelyn Hayama Ueno      Apta Regional / IB

Avaliação do desempenho, saúde e comportamento de bezerros em aleitamento submetidos a manejo de bem estar e suplementação nutricional.

n° SGP 1566

Com o obtivo de estudar o comportamento, saúde e desempenho de bezerros na fase de aleitamento, com e sem estimulação tátil e suplementação de selênio e vitamina E, serão realizados dois experimentos. Experimento 1: Avaliação do desempenho, saúde e comportamento de bezerros Gir em aleitamento submetidos a manejo de bem estar, a ser realizado no Campo Experimental Getúlio Vargas da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG),  utilizando 39 bezerros recém-nascidos até 90 dias de idade da raça Gir, nos seguintes tratamentos: BAVA: bezerros que receberão estimulação tátil (afago) nascidos de Vacas que receberam estimulação tátil (afago) antes do parto; BAVC: bezerros que receberão estimulação tátil (afago) nascidos de Vacas sem estimulação tátil antes do parto e BCVC: Bezerros sem estimulação tátil (Controle) nascidos de Vacas sem estimulação tátil antes do parto. Será monitorado desempenho, parâmetros sanguíneos, comportamento e imagens termográficas relacionadas ao manejo do afago. Experimento 2: Avaliação do desempenho, saúde e comportamento de bezerros Holandeses em aleitamento submetidos a manejo de bem estar e suplementados com selênio e vitamina E, a ser realizado fazenda experimental do Polo Regional Centro Leste em Ribeirão Preto/SP utilizando 45 bezerros machos recém-nascidos até 90 dias de idade da raça Holandês, submetidos aos seguintes tratamento: C = sucedâneo controle; S = sucedâneo Suplementado com selênio orgânico + vitamina E; AS = estimulação tátil dos bezerros (Afago) e sucedâneo Suplementado com selênio orgânico + vitamina E. Será monitorado desempenho, parâmetros sanguíneos, imunologia, comportamento e imagens termográficas relacionadas ao manejo do afago. 

Ver detalhes do projeto

  Márcia Saladini Vieira Salles      Apta Regional / IZ

Determinação da Curva de Crescimento para Validação Genética de Duas Linhagens de Suínos

n° SGP 1562

A carne suína no Brasil é produzida com tecnologia, não deixando nada a desejar aos países desenvolvidos, sendo que cientistas e indústria trabalham concomitantemente com o objetivo do aprimoramento dos sistemas produtivos, atendendo assim tanto os anseios tecnológicos do complexo agroindustrial quanto às exigências dos consumidores.

Em 2010 a suinocultura brasileira foi representada por mais de 50 mil produtores com um plantel de 1,65 milhões de matrizes tecnificadas. Produziu o equivalente a 3,24 milhões de toneladas, exportou 1,34 bilhões de dólares, gerou um milhão de empregos na cadeia e a nível mundial é classificada como quarto maior produtor e quarto maior exportador de carne suína. Em 1970 o plantel era de 31,5 milhões de cabeças e a produção havia sido de 705 mil toneladas. Em 2010, com 34 milhões de cabeças a produção aumentou para 3,24 milhões de toneladas. Portanto em 36 anos o crescimento do plantel foi de apenas 7,94% enquanto que a produção aumentou 360% (PORKWORLD, 2010). Em 2014 o Brasil tinha um rebanho de 37,9 milhões cabeças e produziu mais de 3,43 milhões de toneladas (IBGE, 2016).

Esses números exemplificam a evolução tecnológica do setor nesse período, graças a um forte trabalho nas áreas de genética, nutrição e manejo, melhorando a produtividade, o peso ao abate e as características da carcaça e da carne. Dentre os fatores que contribuem na evolução da suinocultura destaca-se o melhoramento genético que visa produzir animais com maior precocidade sexual e capacidade reprodutiva; maior velocidade de crescimento, maior eficiência alimentar e maior rendimento de carne. Na suinocultura nacional atual, os programas de melhoramento genético e de plano nutricional de suínos têm enfatizado a deposição de carne magra, em detrimento à gordura, a fim de satisfazer a demanda de um mercado cada vez mais competitivo.

Como destacaram Resende et. al. (2008) a eficiência dos programas de melhoramento genético depende basicamente de duas ações do geneticista: a criação e a identificação de genótipos superiores. E, em ambas as ações, a seleção desempenha papel fundamental na definição dos cruzamentos a serem realizados, visando a criação de novos genótipos e, na indicação dos indivíduos superiores a serem usados comercialmente ou em novos ciclos de seleção.   

Para verificação do potencial genético, as análises de dados de medidas repetidas são de fundamental importância na produção animal, pois incluem as situações em que as unidades experimentais ou indivíduos, de diferentes subpopulações ou tratamentos (sexo, raça, entre outros), são analisados ao longo de diversas condições de avaliação (tempo, doses etc). E, as curvas de crescimento na produção animal, destacam-se entre essas análises de medidas repetitivas, pois relacionam os pesos (y) e as idades (t) dos animais, por meio de modelos não-lineares (Davidian e Giltinan, 1996; Paz, 2002).

Dentre as diversas aplicações das curvas de crescimento na avaliação da produtividade animal, pode-se ressaltar: a) resumir em três ou quatro parâmetros, as características de crescimento da população, pois alguns parâmetros dos modelos não-lineares utilizados possuem interpretação biológica; b) avaliar o perfil de respostas de tratamentos ao longo tempo; c) estudar as interações de respostas das subpopulações ou tratamentos com o tempo; d) identificar em uma população os animais mais pesados em idades mais jovens; essas informações podem ser obtidas investigando-se o relacionamento entre o parâmetro k das curvas de crescimento, que expressam a taxa de declínio na taxa de crescimento relativa, e o peso limite do animal ou peso assintótico (Sandland & Mcgilchrist, 1979; Draper & Smith, 1980; Davidian & Giltinam, 1996); e) obter a variância entre e dentro de indivíduos de grande interesse nas avaliações genéticas (Mansour et al., 1991).

.

Ver detalhes do projeto

  SIMONE RAYMUNDO DE OLIVEIRA      Apta Regional / IZ

Crescimento compensatório em vieiras Nodipecten nodosus cultivadas em Caraguatatuba, estado de São Paulo.

n° SGP 1513

As vieiras são bivalves pectnídeos de grande valor comercial. No Brasil, a espécie Nodipecten nodosus se destaca por ser a maior vieira conhecida, sendo o estado de Santa Catarina o maior produtor nacional. A produção de juvenis em laboratório já está bem estabelecida, no entanto há necessidade de estudar as densidades de estocagem e o manejo do cultivo, no sentido de maximizar o crescimento e ao mesmo tempo reduzir o custo de produção. Para tal, uma estratégia interessante seria a verificação da existência do crescimento compensatório na espécie, a exemplo do que ocorre em outros organismos aquáticos, com vistas a viabilizar a estocagem em altas densidades na fase de cultivo intermediário e a utilização de altas densidades também durante parte da etapa de crescimento final. Com o presente trabalho pretende-se, em um primeiro experimento, determinar a existência de crescimento compensatório em vieiras estocadas na fase de cultivo intermediário (4 meses) em altas densidades (800, 1600 e 3200 m-2) e posteriormente transferidas para baixas densidades (50 m-2) durante a etapa de crescimento final. Em um segundo experimento será testada a manutenção de altas densidades (600, 400 e 200 animais / m2), durante os dois meses iniciais da fase de crescimento final, com posterior redução para 50 /m2. No tratamento controle (T50) desse experimento, as vieiras serão cultivadas durante toda a fase de crescimento final na densidade de 50/m2. Os dados de crescimento em altura, peso total e peso do músculo adutor serão comparados através de ANOVA. Dados de temperatura, salinidade, transparência, clorofila-a e sólidos em suspensão serão monitorados na água. Uma análise de orçamento parcial verificará a viabilidade econômica desse manejo nas densidades testadas.

Ver detalhes do projeto

  Helcio Luis de Almeida Marques      Apta Regional / IP

DETERMINAÇÃO DE PROCESSO DE SECAGEM DE FOLHAS DE OLIVEIRA (Olea europaea L.)

n° SGP 1299

Introdução

As oliveiras conhecidas cientificamente como Olea europaea L., família Oleaceae., são árvores nativas da parte oriental do Mar Mediterrâneo. O chá das folhas de oliveiras possui grandes quantidades de potássio, magnésio, maganês, fósforo, selênio, cobre e zinco, sendo considerado 300% mais poderoso que o chá verde. Possui ação antioxidante sendo indicado em afecções cardiovasculares, hipertensões moderadas, prevenção de arteriosclerose além de possuir efeito diurético, ação hipotensora, hipoglicemiante, antisséptico, antiobiótico, antipirético e simpaticolítico. O chá também pode ser utilizado no alívio do cansaço, fadiga, estresse, prisão de ventre, e auxilia no fortalecimento dos cabelos, unhas e sobre a pele, diminuindo marcas de expressão (GEORGIA, 2016).

A nutricionista Lucilia Diniz (DINIZ, 2016) afirma em seu blog que estudos da University of Michigan Health System apontam evidências de que a substância oleuropeína limpa o açúcar do sangue, ou seja, a infusão age com muito rigor nas gorduras acumuladas na região abdominal. As substâncias minerais presentes em alta concentração nas folhas são altamente antioxidantes, sendo ultra eficientes contra o envelhecimento e ainda estimulantes do metabolismo, que elimina gorduras com mais rapidez. Ela ainda arrisca recomendar que para o chá começar a mostrar seus benefícios, o indicado é que se ingira de 3 a 4 xícaras por dia, em um período de 3 a 4 meses.

De acordo com estudos de Brown et al. (2010), de Bock et al. (2013), El & Karakaya (2009), Soler-Rivas et al. (2000), Mijatovik et al. (2011) e Dekanski et al. (2009) é possível listar os 10 maiores benefícios do chá de oliveira para boa forma e saúde, e entender para que serve e quais propriedades se destacam.

1. Auxilia no emagrecimento

A folha de oliveira é rica em diversos compostos (sendo o principal a oleuropeína) que estão presentes em quantidades bem menores no óleo de oliva, motivo pelo qual as propriedades do chá de oliveira podem ser um pouco diferentes daquelas do azeite. É possível afirmar que o chá de oliveira pode ajudar a emagrecer por 3 motivos:

a) Diminuição das inflamações - ainda que mais pesquisas sejam necessárias, o mais importante estudo sobre os efeitos da folha de oliveira no emagrecimento foram feitos na Universidade de Southern Queensland, na Austrália. No artigo publicado em 2010 no American Journal of Nutrition, pesquisadores afirmam terem descoberto importantes propriedades do extrato de folha de oliveira na luta contra o sobrepeso. Para a Dra. Lindsay Brown, pesquisadora que liderou o estudo, as folhas de oliveira podem ajudar a emagrecer graças às suas propriedades anti-inflamatórias, uma vez que as inflamações são umas das maiores vilãs do sobrepeso.

b) Aumento da sensibilidade à insulina - em um estudo feito com pessoas acima do peso, a suplementação com extrato de folhas de oliveira (com alta concentração de oleuropeína e hidroxitirosol) feita durante seis semanas foi responsável por um aumento de 15% na sensibilidade à insulina. E apesar de haver menos insulina em circulação, ainda assim os níveis de glicose na corrente sanguínea chegaram a cair quase que pela metade, evidenciando a atuação da folha de oliveira no controle da glicemia sanguínea. Na prática, menos insulina significa um menor acúmulo de gordura na região abdominal e uma necessidade também menor de consumir mais calorias para regular os níveis de glicose.

c) Aceleração do metabolismo - ainda que o mecanismo de ação não seja totalmente conhecido, acredita-se que o chá de oliveira estimule o metabolismo devido à sua atuação na glândula tireoide e nas catecolaminas, que são neurotransmissores (como a adrenalina e a noradrenalina) secretados pela glândula suprarrenal e que podem acelerar a queima de gorduras. Por esse motivo, diz-se que o chá de oliveira queima gorduras, pois o metabolismo acelerado exige mais energia, e se esta não chega através da alimentação, o corpo é obrigado a retirá-la do excesso de gordura.

2. Protege o coração

Além de colaborar com a perda de peso, podemos dizer que esse é um dos maiores benefícios do chá de oliveira: a diminuição dos riscos de complicações cardíacas. Alguns dos compostos presentes na folha da oliveira inibem a oxidação do LDL – o mau colesterol – e evitam assim que ele se deposite nas paredes das artérias, causando arteriosclerose e infarto.

3. Controla a Pressão

Os compostos fitoquímicos do chá de oliveira (sobretudo a oleuropeína) também reduzem as inflamações (que por sinal são a maior causa de doenças cardíacas) e estimulam a circulação, relaxando as artérias e causando uma diminuição na pressão arterial. Além de evidentemente reduzir os riscos de condições associadas à pressão alta, esses benefícios do chá de oliveira também trazem mais proteção ao coração, que poderá se ver livre de variações no fluxo sanguíneo e também nas arritmias.

4. Diminui o Colesterol

A oleuropeína, substância encontrada na folha de oliveira, reduz a oxidação das lipoproteínas de baixa densidade – ou LDL, o colesterol ruim. Ao ser oxidada, a molécula de colesterol vai diretamente para a parede das artérias, onde irá estimular o acúmulo de células inflamatórias e causar a formação de uma placa, o que, como já vimos, poderá eventualmente causar entupimento do vaso sanguíneo e provocar um infarto.

5. Protege o Fígado

Mais um dos benefícios do chá de oliveira para quem está precisando emagrecer é a sua propriedade hepatoprotetora, ou seja, o chá mantém o fígado trabalhando de maneira adequada, o que evita o acúmulo de gordura no órgão (condição conhecida como esteatose hepática) e permite que as toxinas sejam eliminadas de maneira eficiente.

6. Previne o Envelhecimento Precoce

O chá de oliveira é rico em antioxidantes que protegem o corpo contra a ação dos radicais livres, prolongando assim a saúde e prevenindo o envelhecimento precoce. Nas folhas de oliveira podemos encontrar os antioxidantes resveratrol (o mesmo que também está presente na uva), tirosol, oleuropeína e hidroxitirosol, sendo estes dois últimos dois dos fitoquímicos mais importantes para nossa saúde. Embora pouco conhecido, o hidroxitirosol é certamente merecedor de mais atenção por nossa parte, uma vez que seu potencial antioxidante é maior inclusive que o do chá verde. Apesar da importância das duas bebidas, o hidroxitirosol tem uma capacidade de absorção de radicais livres 10 vezes maior que a do chá verde.

7. Fortalece o Sistema Imunológico

Alguns compostos encontrados na folha de oliveira (oleuropeína, hidroxitirosol, flavonóides e polifenóis) são responsáveis pelo fortalecimento das linhas de defesa do organismo contra vírus, fungos e bactérias. Assim, o consumo regular de chá de oliveira pode fortalecer o sistema imunológico e auxiliá-lo na prevenção e combate a diversas doenças, como herpes, pneumonia, gripe, infecções dentárias e de ouvido.

8. Combate a Osteoporose

Em um estudo publicado recentemente na revista “Osteoporosis International” pesquisadores demonstraram que a oleuropeína presente nas folhas de oliveira foi capaz de estimular tanto um aumento do número quanto da atividade das células ósseas (osteoblastos). Ainda de acordo com os responsáveis pelo estudo, a oleuropeína pode ser utilizada para aumentar a produção de osteoblastos, o que por sua vez pode prevenir a perda de massa óssea associada ao envelhecimento e também à osteoporose.

9. É um diurético natural

Estudos têm evidenciado outra propriedade da oleuropeína: sua capacidade para atuar como um diurético natural. O consumo regular de chá de oliveira pode ajudá-lo a reduzir a retenção de líquido e também aumentar a eliminação de toxinas – dois fatores importantes para quem está precisando perder peso. E graças às suas propriedades antibacterianas e antivirais, o chá de oliveira pode atuar na prevenção e tratamento das infecções urinárias e dos cálculos biliares.

10. Possui Propriedades anti-inflamatórias

Os mesmos flavonoides que fornecem tantos outros benefícios do chá de oliveira também conferem a ele propriedades anti-inflamatórias. E você já sabe que, ao reduzir inflamações no corpo, você pode diminuir significativamente as causas e os sintomas de inúmeras doenças, como a dor crônica, artrite, doença cardíaca e até mesmo alguns tipos de câncer.

Objetivo

O objetivo do estudo é avaliar o processo de secagem de folhas de oliveira em secador de bandeja de gabinete, com circulação e renovação de ar.

Metodologia

As folhas recém-colhidas serão encaminhadas ao laboratório de pós-colheita e processamento do Polo Centro Sul/APTA sendo então lavadas em água corrente. O excesso de água será removido por agitação dos galhos e as folhas serão separadas manualmente. A seguir, serão pesadas porções de 100g de amostras de folhas colocadas em sacos de papel Kraft, sendo separadas quatro amostras para controle, o qual será pesado de hora em hora até 12 horas de secagem a 40ºC em secador de bandeja de gabinete, com circulação e renovação de ar. Também serão preparadas amostras em triplicata que serão retiradas de hora em hora para determinação da umidade e consequentemente da curva de secagem das folhas.

Todo esse material será submetido à análise de sólidos totais e umidade, além de cinzas pelas seguintes metodologias:

a) teor de sólidos totais (%): determinado pelo método gravimétrico no 964.22 da AOAC, 2000;

b) teor de umidade (%): determinado por diferença do numeral 100 e o teor de sólidos totais;

c) cinzas (%): pelo método gravimétrico nº 940.26 da AOAC (1997).

Paralelamente, será efetuada a secagem natural, por exposição ao sol, procedendo-se da mesma maneira no preparo do material, o qual será arranjado em superfície limpa até secagem completa das folhas.

Referências

AOAC.  ASSOCIATION OF OFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS.  Official methods of analysis.  16th ed. Washington D.C.: AOAC, 1997. v.2.

AOAC. Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis.  Edited by Patricia Cunniff .17th ed., v.2., cap.37, 42 e 44, 2000.

BROWN, L; CAMPBELL, F.; POUDYAL, H. Olive leaf extract attenuates cardiac, hepatic, and metabolic changes in high carbohydrate–, high fat–fed rats. The Journal of Nutrition (2010) n.140, p.946-953 (may). doi:10.3945/jn.109.117812.  Disponível em http://jn.nutrition.org/content/140/5/946.full.

de BOCK M.; DERRAIK, J.G.; BRENNAN C.M.; BIGGS, J.B.; MORGAN, P.E.; HODGKINSON, S.C.; HOFMAN, P.L.; CUTFIELD, W.S. Olive (Olea europaea L.) leaf polyphenols improve insulin sensitivity in middle-aged overweight men: a randomized, placebo-controlled, crossover trial. PLoS One (2013), v.8, n.3. doi: 10.1371/journal.pone.0057622. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23516412.

DEKANSKI, D.; JANICIJEVIC-HUDOMAL, S.; TADIC, V.; MARKOVIC, G.; ARSIC, I.; MITROVIC, D.M. Phytochemical analysis and gastroprotective activity of an olive leaf extract. Journal of the Serbian Chemical Society (2009), v.74, n.4, p.367 (apr.). Disponível em http://connection.ebscohost.com/c/articles/39342378/phytochemical-analysis-gastroprotective-activity-

DINIZ, L. O poder do chá de folha de oliveira. Acessado em 22/08/2016. Disponível em http://luciliadiniz.com/o-poder-cha-de-folha-de-oliveira/

EL, S.N.; KARAKAYA, S. Olive tree (Olea europaea) leaves: potential beneficial effects on human health. Nutrition Review (2009), n.67, p.632–638. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19906250.

GEORGIA, N. Chá de oliveira – para que serve? Acessado em 11/08/2016. Disponível em http://www.remedio-caseiro.com/cha-de-oliveira-para-que-serve/

MIJATOVIC, S.A.; TIMOTIJEVIC, G.S.; MILJKOVIC, D.M.; RADOVIC, J.M.; MAKSIMOVIC-IVANIC, D.D.; DEKANSKI, D.P.; STOSIC-GRUJICIC, S.D. Multiple antimelanoma potential of dry olive leaf extract . Intitute of Journal of Cancer (2011), v.128, n.8, p.1955-1965 (apr.). doi: 10.1002/ijc.25526.. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20568104.

SOLER-RIVAS, C.; ESPIN, J.C.; WICHERS, H.J. Oleuropein and related compounds. Journal of Science and Food Agriculture (2000), v.80, n.715, p.1013–1023 (may). Disponível em  http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/%28SICI%291097-0010%2820000515%2980:7%3C1013::AID-JSFA571%3E3.0.CO;2-C/abstract.

Ver detalhes do projeto

  Patricia Prati      Apta Regional / ITAL

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CRIAÇÃO DE TILÁPIAS, EM TRÊS DENSIDADES DE ESTOCAGEM, UTILIZANDO TANQUES-REDE DE GRANDE VOLUME ARTICULADADOS COM DISPENSADOR DE RAÇÃO AUTOMATIZADO.

n° SGP 1250

Estima-se que a produção brasileira de peixe pela aquicultura para o ano de 2015 foi de 638 mil toneladas, 10,23% a mais que em 2014. Atualmente, a procura para utilização de tanques-rede de grande volume (TRGV) tem aumentado principalmente nos grandes empreendimentos aquícolas, com intuito de aumentar a escala de produção e diminuir os custos de investimento por metro cúbico. No entanto, a maioria dos TRGV que vem sendo utilizados é de aproximadamente 110 m3. Em meados de 2014, a empresa FISHER, junto com as equipes da APTA Regional e do Instituto de Pesca, iniciou um projeto para o desenvolvimento e teste de um protótipo de TRGV, com 450 m3 de volume útil, de formato cilíndrico, que possui mecanismos próprios para classificação e despesca. Tal projeto foi financiado pela FAPESP (PIPE I - Processo: 14/50170 - 2), obtendo resultados satisfatórios quanto ao seu funcionamento e produção dos peixes. Neste primeiro teste foi utilizada a densidade de estocagem de 20.000 juvenis, considerada abaixo do que vem sendo utilizada na região para TRGV. Com o princípio de otimização de espaço e da melhor biomassa econômica, há a necessidade de testar densidades maiores visando à adequação de manejo e capacidade de suporte local. Assim, o objetivo deste projeto será avaliar três densidades de estocagem (60.000; 80.000 e 100.000 juvenis de tilápia por TRGV), em dois ciclos de produção (verão e inverno) utilizando-se os TRGV com 450 m3, contendo novos componentes como o dispersador de ração automático.

Ver detalhes do projeto

  Celia Maria Doria Frascá Scorvo      Apta Regional / IP

Manejo Nutricional para cultura do Café: Programa Nutriplant®

n° SGP 1214

Resumo da Proposta

 

  1. Justificativa e relevância do tema

 

O Brasil, maior produtor e exportador mundial de café, e segundo maior consumidor do produto, apresenta, no ano de 2014, um parque cafeeiro estimado em 2,256 milhões de hectares, com produção de 45,34 milhões de sacas de 60 kg de café beneficiado, em 15 Estados, com destaque para Minas Gerais, que respondeu por 49,93% da produção nacional, seguido do Espírito Santo, São Paulo, Bahia, Rondônia e Paraná. (BRASIL, 2015).

A adubação é um dos fatores que mais está ligado ao custo de produção, mas oferece um retorno satisfatório quando realizada de maneira correta. Portanto, é necessário reduzir o custo de produção para elevar a lucratividade, entretanto, sem diminuir a produtividade das lavouras. A utilização eficiente dos adubos é possível a partir de um diagnóstico nutricional com identificação do nutriente a ser aplicado, em quantidade, época e forma de aplicação correta.

A adubação foliar é uma prática bastante difundida, uma vez que a folha tem a capacidade de absorver nutrientes e com muita eficiência que a adubação via solo. O zinco, boro, cobre; manganês são os nutrientes que mais frequentemente apresentam deficiências, porém a correção deve ser realizada com base na análise química das folhas e de critérios estabelecidos pela pesquisa.

O programa nutricional Nutriplant é composto por produtos de alta solubilidade que complementa a adubação radicular das plantas e suplementa sua nutrição com segurança e qualidade. Assim o objetivo do ensaio é avaliar  a produtividade e qualidade de bebida do cafeeiro submetido a diferentes programas nutricionais via foliar.

 

 

 

  1. Material e Métodos

 

O experimento será instalado no Sítio Favarin, localizado no Bairro Venda Branca, município de Osvaldo Cruz-SP. O período experimental corresponderão aos meses de maio de 2016 à agosto de 2018. Será selecionado uma área de cafezal “C. arábica”, variedade Catuaí Vermelho (IAC-144), na qual será estaqueada, demarcando todas parcelas experimentais. Cada parcela será composta de 200 plantas numa mesma linha, sendo que as linhas laterais serão consideradas bordaduras. A lavoura encontra-se com 5 anos de idade, com espaçamento de 0,6m entre plantas e 3,5m entre linhas, totalizando 4762 plantas por ha. Utilizar-se-á para aplicação dos nutrientes um pulverizador/atomizador tratorizado equipado com turbina marca Jacto mod. ARBUS 400. O delineamento experimental será em blocos casualizados, com 4 repetições, 5 tratamentos, conforme descritos na tabela 1.

 

  1. Descrição dos Tratamentos

Tabela 1 – Descrição dos Tratamentos, Cultura do Café, 2015

 * vide em arquivos anexos

 
 

 

            Durante o período experimental serão realizadas avaliações de bimetria, bem como crescimento e contagem de “par de folhas” dos ramos plagiotrópicos. Será efetuada a colheita para avaliação da produtividade e posteriormente análises de qualidade de peneira e qualidade de bebida.

 

            Os resultados serão submetidos à análise estatística através da análise de variância ANOVA e o contraste entre médias de tratamentos pelo teste de Tukey a 5%, com o auxilio de pacote computacional ASSISTAT 7.7 beta (SILVA F.A.S, 2015).

 

  1. Material necessário para a execução da pesquisa:

 

Todo material necessário à realização desta pesquisa serão fornecidos pelo contratante.

 

  1. Infraestrutura e Mão de obra:

 

O PRDTA Alta Paulista disponibilizará infraestrutura e mão de obra necessárias ao desenvolvimento do presente trabalho.

 

  1. Responsáveis:

 

Coordenador:

Fernando Takayuki Nakayama – Pesquisador Científico do PRDTA Alta Paulista

 

Colaborador:

Danilo Marcelo Aires dos Santos – Eng. Agr. Dr. – Nutriplant Indústria e Comercio S.A.

 

  1. Cronograma de execução

 

Atividades

Período

Preparo das instalações

maio de 2016

 

 

Condução experimental: Instalação e aplicação dos tratamentos

maio a Setembro de 2016

 

 

Avaliações de biometria

Janeiro a março de 2017

 

 

Colheita do experimento

Maio a julho de 2017

 

 

Tabulação dos dados

Julho a Agosto de 2017

 

 

Análise estatística dos resultados

Agosto de 2017

 

 

Elaboração do Relatório final

Setembro de 2017

 

 

 

  1. Orçamento

 

  1. A Empresa deverá doar todo material necessário à execução da pesquisa (produtos, estacas, instrumentos de medidas e colheita);
  2. A Empresa arcará ainda com uma contribuição total de R$4000,00  referente à combustível, alimentação, pagamento de Mao de obra de terceiros, custo de análises dentre outros, sendo desembolsado de acordo com as necessidades do projeto durante o período de execução.

 

  1. Condições para a realização do projeto

 

O presente trabalho deverá ainda ser oficializado junto à Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio – FUNDEPAG. Para tal deverá ser elaborado um contrato segundo as normas da Fundação e adequado à empresa participante. O cronograma de desembolso é apenas sugerido, podendo ser adaptado conforme disponibilidade da Empresa. A empresa poderá a qualquer momento visitar o experimento, bem como participar das diversas etapas e sugerir correções e alterações de comum acordo.

      O pesquisador responsável e a APTA/DDD reservam-se o direito de divulgar a qualquer momento a pesquisa e seus resultados. Da mesma forma a Empresa reserva-se no direito de divulgar comercialmente os resultados ou parte deles, conforme melhor lhe convier.

 

  1. Referências

 

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Café, disponível em:  http://www.agricultura.gov.br/vegetal/culturas/cafe/saiba-mais. Acesso em: 25 de junho de 2015.

Ver detalhes do projeto

  Fernando Takayuki Nakayama      Apta Regional / IAC
  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930