Detalhes do projeto SGP 824

Página Inicial / Busca de Projetos / Detalhes do projeto

Adubação verde na produção de tomate salada e alface em cultivos agroecológicos de base familiar

Coordenador(a): Edmilson José Ambrosano

Vigência do projeto

01/05/2016 até 28/05/2019

Unidade responsável

DDD, Polo Regional Centro Sul

IAC, Centro de Grãos e Fibras

Área Estratégica

agricultura familiar

Linha de Pesquisa

Agricultura orgânica

 

~~O agricultor familiar enfrenta vários desafios dentro e fora da propriedade que têm que ser resolvidos pela própria unidade familiar. Uma das grandes dificuldades na produção familiar é se conseguir o equilíbrio das receitas da unidade, reduzindo-se os custos de produção. O uso de fontes alternativas de fertilizantes pode contribuir para a redução de custos de produção e geração de renda extra, sendo assim, a utilização da adubação verde é uma prática de fundamental importância. Dentre as espécies mais utilizadas, as Fabaceae (leguminosas) se destacam por apresentarem características que promovem o incremento de matéria orgânica, nitrogênio e restabelecem a fertilidade do solo, com grande economia ao produtor e melhoria ao sistema solo-planta. Dentro dos sistemas agrícolas ecológicos de base familiar a produção de hortaliças é o mais comum, sendo a produção de tomate em sistemas protegidos aquele que mais remunera o produtor, garantindo sua permanência no campo e seu crescimento como unidade produtiva de base familiar. O presente trabalho tem por objetivo estudar o desempenho de um hibrido de tomate ( Sahel ou similar), de porte indeterminado, quanto aos componentes de produção, qualidade dos frutos, ataque de pragas, estado nutricional, transferência de nitrogênio, quantificação da FBN dos adubos verdes, e ocorrência natural de micorrizas, em sistema de cultivo agroecológico em ambiente protegido, submetido a diferentes sistemas de adubação verde, intercalar  ou produzida fora e aplicada na área de estudo na presença e ausência da aplicação de preparado homeopático (phosphorus 100 CH). Será proposto, ainda, um modelo de controle alternativo de pragas e doenças visando à produção agroecológica. Será desenvolvido experimento de campo, em cultivo protegido, para avaliar o desempenho do tomate hibrido Sahel em delineamento de blocos ao acaso, em esquema fatorial 4x2 sendo eles: 3 adubos verdes e uma testemunha e 2 aplicações homeopáticas, com e sem phosphorus CH100, totalizando 8 tratamentos com seis repetições.Os adubos verdes serão utilizados como fonte alternativa de nitrogênio e a homeopatia como auxiliar na liberação de nutrientes. Os adubos verdes (feijão - mungo (Vigna radiata L.) e tremoço-branco (Lupinus albus L.)) serão semeados no momento do transplantio das mudas de tomates. Esses dois tratamentos serão conduzidos em consórcio com o tomateiro perfazendo duas linhas de plantas espaçadas de 0,40 m e na densidade de semeadura de 20 plantas por metro linear, que além de promoverem a adubação verde também produzem grãos comerciais que poderão ser vendidos, gerando renda extra. O outro tratamento é Crotalária júncea (Crotalaria juncea L.) que será produzida em uma área adjacente ao do telado e transportada até os canteiros definitivos. Essa prática do transporte de material vegetal é comum para economizar espaço dentro da estufa. A crotalária não se adaptaria ao cultivo intercalar devido à época de desenvolvimento do tomate (inverno), onde o fator fotoperíodo iria impedir o desenvolvimento desse adubo verde.  Esses tratamentos e mais uma testemunha sem adubo verde serão avaliados com e sem homeopatia (phosphorus 100 CH, na escala centesimal hahnemanniana), na concentração de 0,5ml/l, com aplicação semanal, conduzido em esquema duplo cego, sendo o tratamento sem homeopatia o álcool 70%, usado na formulação do phosphorus 100 CH. A parcela experimental será constituída por um canteiro com área total de 5,7 m2, com 12 plantas dispostas em fileiras duplas (seis plantas de cada lado), no espaçamento de 0,80 m entre linhas e 0,60 m entre plantas na mesma fileira, resultando em uma população de plantas de aproximadamente 20.000 plantas por hectare. As plantas serão conduzidas pelo sistema de haste dupla sem poda apical. Os dados serão coletados em oito plantas da parcela central, em um total de seis colheitas. As características componentes da produção analisadas serão as seguintes: produção total de frutos (PTF), que representa a massa média de frutos por planta nas diferentes etapas de colheita; produção de frutos comerciais (PCF), que corresponde à massa média dos frutos classificados dentro dos padrões comerciais nas diferentes colheitas; quantidade total de frutos (QTF), obtido pela média por planta de todos os frutos colhidos nas diferentes datas; quantidade comercial de frutos (QCF), obtido pela média por planta de todos os frutos classificados dentro dos padrões comerciais; massa média de frutos comerciais (MFC), que constitui a relação entre PCF e QCF. Serão amostradas folhas dos adubos verdes e do tomate para determinar a transferência de nitrogênio da fixação biológica do nitrogênio através da técnica isotópica do delta nitrogênio-15. Será amostrado solo das parcelas experimentais para fins de caracterizar a fertilidade do solo e de plantas para caracterizar quimicamente e determinar, nos adubos verdes, a quantidade de N fixado. No segundo ano de experimentação o tomate será substituído por alface e se avaliará o efeito residual do nitrogênio da adubação verde aplicada anteriormente no tomateiro. Os três melhores tratamentos obtidos nesse experimento com tomate, serão avaliados em duas propriedades orgânicas de Piracicaba, de forma participativa, para que a adoção da tecnologia seja a mais rápida possível e os benefícios do projeto estejam disponíveis aos produtores orgânicos de base familiar. Será realizada análise econômica dos resultados de produtividade em face da utilização da adubação verde. Com os resultados obtidos espera-se selecionar o manejo mais adequado para utilização de leguminosas adubos verdes em cultivo agroecológico protegido quanto ao aumento dos componentes de produção e a diminuição da ocorrência de pragas, doenças e diminuição dos custos de produção (menor uso de insumos); quantificar a fixação biológica do nitrogênio dos adubos verdes utilizados; determinar a transferência de nitrogênio dos adubos verdes e sua real contribuição ao sistema, através da técnica do delta nitrogênio-15; explorar o potencial da utilização da homeopatia na liberação de nutrientes dos adubos verdes para o tomateiro e posteriormente a alface; com a análise econômica possibilitar ao agricultor a identificação dos pontos críticos do custo de produção.  Serão realizados também dois dias de campo com o intuito de difundir a técnica de produção de tomate em cultivo protegido utilizando-se fertilizante alternativo vindo do adubo verde para  técnicos e produtores. Haverá a participação de outras unidades de pesquisas (CENA/USP) e universidades (FOP/UNICAMP, ESALQ/USP), além do IAC, IZ/APT. Haverá, também, a participação de alunos de iniciação científica, graduação e pós-graduação no projeto.

  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930