Detalhes do projeto SGP 1822

Página Inicial / Busca de Projetos / Detalhes do projeto

Aceleração da fase de decomposição de processo de compostagem de lodos de esgoto e agroindustriais visando o uso dos compostos na agricultura

Coordenador(a): Edna Ivani Bertoncini

Vigência do projeto

01/10/2017 até 28/06/2018

Unidade responsável

DDD, Polo Regional Centro Sul

IAC, Centro de Solos e Recursos Ambientais

Área Estratégica

sustentabilidade ambiental

Linha de Pesquisa

Aproveitamento de resíduos agroindustriais

 

Após longo e custoso processo de tratamento de efluentes sanitários, agroindustriais e das atividades pecuárias como a bovinocultura e suinocultura, o lodo gerado é invariavelmente destinado a aterros, pois normalmente não atende normas para uso direto em solos agrícolas, necessitando de pós-tratamento para sua melhoria. Há tecnologias importadas como a secagem térmica e incineração que utilizam altas temperaturas, elevados gastos energéticos, e geram gases tóxicos que necessitam de tratamentos. Há perdas de matéria orgânica, carbono, nitrogênio e enxofre que empobrecem o resíduo para uso agrícola. O lodo seco/incinerado é encaminhado a aterros sanitários. Alternativa para o pós-tratamento seria o processo de compostagem tradicional, que é muito eficiente, produzindo compostos de alta qualidade para agricultura. Contudo, o processo demanda enormes áreas de pátio, especialmente na fase de decomposição que consome metade do prazo para produção do composto, que é de 120 dias. Há custos operacionais com máquinas/operadores para condução do processo, e exposição de funcionários a riscos de contaminação. Neste cenário, foi desenvolvida e está sendo comercializada a máquina recicladora de lixo 5Ecos, aceleradora de compostagem. Restos de alimentos e hortifrutis processados em 24h resultam em produto cuja caracterização física assemelha-se a composto orgânico, com teores de água de 5-15%, eliminando vetores como insetos e facilitando seu manuseio e transporte. Contudo, a caracterização química dos compostos e testes de germinação mostra a impossibilidade de seu uso como substrato de planta, composto ou condicionador de solos. O desafio desta proposta é preencher essa lacuna no mercado brasileiro, no que concerne ao pós-tratamento de resíduos sólidos, desenvolvendo um protocolo para realizar a fase de decomposição de resíduos inteiramente dentro do equipamento, cujas características de construção assemelhasse a reator aeróbio, e gerar compostos orgânicos, reciclando nutrientes e reduzindo custos com fertilizantes químicos na produção agrícola. A fase de humificação da compostagem poderá ser conduzida no equipamento e/ou em pilhas no campo, demandando áreas menores de pátio e baixos custos operacionais. Para tanto serão confrontados 03 cenários de compostagem: (i) máquina recicladora 5Ecos; (ii) pilhas no campo; (iii) ensaio de respirometria no laboratório. Os ensaios serão conduzidos concomitantemente, utilizando 03 lodos (esgoto, agroindustrial e suinocultura) e 02 materiais estruturantes (poda de árvore de cidade triturada e bagacilho/maravalha), que serão balanceados com relação C/N em torno de 30/1 e teor de água de 50%, totalizando 36 tratamentos. Dados de temperatura e umidade serão coletados diariamente norteando o revolvimento e irrigação dos materiais, além do monitoramento constante dos teores de matéria orgânica, C, N-total, N-NO3-, N-NH4+, e demais nutrientes de plantas, metais pesados, coliformes termotolerantes, Salmonella sp, ovos de helmintos e cistos de protozoários, e grau de humificação. Vencidos os desafios tecnológicos e científicos da proposta, tais parâmetros diários compilados servirão como banco de dados para Fase II da proposta, que visará automação total da máquina e reformulação do processo, por meio de software que coordene a detecção de temperatura e umidade por meio de sensores, a coleta instantânea de amostras, e determinações automáticas dos elementos que balizam a compostagem por meio de técnicas fotônicas.

  Sobre

O SGP (Sistema de Gestão de Pesquisa) foi implementado em todas as unidades APTA, para centralizar o controle de todos os projetos desenvolvidos sob sua supervisão. [Ler mais]

Endereço APTA – São Paulo

Praça Ramos de Azevedo, 254, 2º andar - República, São Paulo - SP

Fone : (11) 5067-0447 e 5067-0427

  Endereço APTA – Campinas

Avenida Barão de Itapura, 1481 - Botafogo, Campinas - SP

Fone : (19) 2137-8930